quarta-feira, 2 de julho de 2008

O Busto do Azar

Do Jornal de Santa Catarina, por Patrícia Zomer:

Um busto de bronze, instalado no Estádio Dr. Hercílio Luz desde a década de 20, homenageia o marinheiro Marcílio Dias, que dá nome ao clube de Itajaí. Porém, desde a década de 80 os torcedores marcilistas acreditam no mito de que o busto é responsável pelos maus resultados do time, em especial, pelo jejum de 45 anos sem títulos estaduais. A superstição começou durante o Catarinense de 1981, na época o busto ficava atrás do gol, de frente para o campo. Em uma partida em casa, o centroavante Caíco marcou um gol e comemorou beijando a escultura do marinheiro. Depois daquele dia, Caíco não voltou a marcar gols pelo rubro-anil. Foi então que os torcedores começaram a pedir para a diretoria retirar o busto do campo e colocá-lo de costas para o gramado. Há quem garanta que o marinheiro seca o time.

Em 1982, a escultura foi deslocada para a entrada do estacionamento do estádio, mas permaneceu virada de frente para o campo. Depois disso, o busto de Marcílio Dias já mudou de local pelo menos três vezes, mas em todas virado de frente para o campo. Desde 2003, a escultura permanece ao lado da secretaria do clube, e foi colocada de perfil para o campo.

Superstição ou não, a verdade é que o torcedor marcilista nunca comemorou um título em casa. As últimas conquistas do rubro-anil foram a Copa Santa Catarina e a Recopa Sul-Brasileira, em novembro e dezembro do ano passado, ambas conquistadas fora do Estádio Hercílio Luz e bem longe dos olhos da escultura do marinheiro. Um bom desempenho na Série C pode ser o fim do mito do busto secador. É aguardar para ver o desempenho do Marcílio Dias na competição.

Nenhum comentário:

Postar um comentário