domingo, 21 de setembro de 2008

Goleada para a história, de um time embalado

Não há muito o que dizer do Brusque que goleou o Caçador por 8 a 1 hoje a tarde no Augusto Bauer. Foi a mesma novela da partida em Joaçaba. Um time focado que jogou pra cima, sem dar bola para o placar. O Bruscão não esmoreceu, e provou que quem quiser vencê-lo na luta por uma vaga na primeira divisão vai ter que jogar muito. Mas muito mesmo.

Tá certo que o time do Caçador é terrível. Mas a rapidez do toque de bola do time, aliado à qualidade técnica e ao gramado do Augusto Bauer, que está muito bom, fez com que o time mostrasse o porquê é favorito ao título.

Rafael Bittencourt fez quatro gols e chegou à a artilharia isolada do campeonato, com nove. Rafael Xavier fez 3 e Flávio Guilherme um.

Domingo, encontro dos líderes em Lages. E o Inter não é o time do Caçador.

Os 8 a 1 do Brusque contra o Caçador se igualam ao mesmo placar contra o Joaçaba, em 17/08/1997, como a maior goleada aplicada pelo clube em uma partida oficial.

4 comentários:

  1. "Só" 8. Detalhe, 7 vezes Rafael. "Só" isso. 3 tentos do Rafael Xavier e 4 tentos do Rafael Bitencurt. Digo isso porquê são dois jogadores de confiança do treinador, e mostraram sua competância e seu profissionalismo. Então vai aí dois "só" irônicos. Pra tornar o jogo um pouco mais curioso, o tento do Flávio Guilherme(que abriu a contagem) foi seu primeiro com acamisa do Brusque e, por tabela, seu primeiro tento no Gigantinho. Fato a ser lembrado.

    Quero chamar atenção para o gol que o Neno perdeu, aquele que "até a mãe do Rodrigo fazia". EU VI, realmente foi um gol incrivelmente perdido. Sem contar a furada na jogada ensaiada...

    Parabéns Brusque,pela vitória, pelo resultado, pelo desempenho geral em campo, parabéns aos autores dos gols, parabéns aos coadjuvantes,também peças importantes dentro de campo.

    Concordo com o Xirú, quando diz que o NEC/Caçador perdeu com dignidade, sem apelar para a violência, sem haver jogador expulso ou coisa do tipo. Nesse ponto, ao menos, parabéns pra eles.

    Parabéns à equipe da Rádio Cidade, por mais uma cobertura fantástica do jogo do Brusque. Falando nisso, agora me lembrei de perguntar, aonde foi parar nosso colega Marco Aurélio, que não se vê mais em cancha como repórter faz tempo?

    Agora eu pergunto: porquê não jogar sempre assim? Pra que, nos outros jogos prender o timena meia cancha com três volantes, e vencer com os aqueles resultados no turno? Porquê não jogar toda vida solto, livre, quase sempre no ataque e abrindo o jogo nas laterais, como hoje?

    Responde aí Suca...

    Jogo pra ficar na história. Não por acaso, o placar mais elástico em 21 anos de BFC, quebrando um tabu desde 1995 (09/04/1995, é isso? Me corrija se estiver equivocado.)

    E uma perguntinha final: Será que o árbitro anotou na súmula o atrazo de dez minutos para o início da partida?

    ResponderExcluir
  2. Vim ratificar um equívoco por mim cometido. Já não é mais tabu quebrado. É igualdade de placar, datados estes em 17/08/1997, como consta do último parágrafo do post, e hoje, 21/09/2008.

    ResponderExcluir
  3. Valeu Rodrigo, bela apresentação. Parabéns também pela narração e repostagens.

    Suca mostrou muita percepção na escalação e substituições. O time está embalado para conquistar este segundo turno e depois brigar para ganhar a copinha.

    Rodrigo, para termos um estádio bom em Brusque devemos apoiar esta alternativa: estádio publico municipal cedendo ao Brusque direito de uso e obrigação de manter. Como faz hoje o Botafogo com o Engenhão.

    Mais apoio também de voces da midia para o nosso time de volei feminino. Temos hoje o melhor do volei feminino do mundo competindo em Brusque e a midia não valoriza isto.

    ResponderExcluir
  4. Te respondendo:

    O Marcão volta ao campo depois das eleições. Ele tá de férias da Rádio por estar trabalhando na Campanha Eleitoral, mas em 2 semanas tá retornando.

    Abraço.

    ResponderExcluir