quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Advogado explica o processo

Conversei há pouco com o Dr. Erwin Rommel, advogado do torcedor Felipe Martins, que está penhorando as rendas do Juventus para o pagamento de indenização por Danos Morais e Materiais.

Ele me explicou o caso, que aconteceu no dia 7 de novembro de 2004, nas finais da Série B1. Conta o Dr. Erwin que o seu cliente recebeu uma pedrada na arquibancada do Estádio João Marcatto, enquanto comemorava um gol do Brusque, vindo a desmaiar. Ele se levantou, mas passou mal ao entrar no ônibus para a volta, sendo internado no Hospital Jaraguá. Em Fevereiro de 2005, Felipe entrou com ação na justiça.

Seu advogado tentou entrar em acordo com a diretoria do Juventus, mas não obteve sucesso. Em Agosto de 2006, o clube de Jaraguá foi condenado a pagar R$3.000,00 de danos morais mais R$ 115,00 de danos materiais a Felipe. Com a negativa do pagamento, na semana passsada, o juiz Silvio Franco, da justiça de Brusque, determinou a penhora das arrecadações do Juve, com o valor corrigido de cerca de 5 mil reais.

Isso me desperta um pensamento, pois cria um precedente. Imagine se todos os torcedores que de alguma forma fossem atingidos dentro de um estádio entrassem com ações judiciais parecidas. Iria deixar muito clube pobre.

2 comentários:

  1. E como ia... Desde que cumprida a determinação judicial... Agora o Juventus só vai jogar em casa novamente em 2009. Ou seja, o torcedor só recebeu um parco quinhão do que o Clube o deve, e ainda tem de esperar até ano que vem para dar continuidade ao processo...

    Sendo assim, até que some, sob penhora de meia renda /jogo, o valor que lhe cabe, haja tempo!

    Se todo torcedor fizesse justiça dessa forma, teria muitos clubes na "vala comum".

    ResponderExcluir
  2. Gostei do nome do Advogado...
    Esse impõe respeito !!!!

    "RAPOSA DO DESERTO" !

    ResponderExcluir