quarta-feira, 15 de outubro de 2008

A Briga da TV esquenta

Clique na foto ao lado para ler o Comunicado que a RIC/Record publicou em vários jornais do Estado nesta quarta-feira. Nele, a Rede dos Petrelli argumenta que ainda tem os direitos de transmissão dos Campeonato Estadual até 2009, com cotas comercializadas, e reclama da atitude "deselegante" da sua concorrente, a RBS TV, em anunciar a transmissão do campeonato do ano que vem, sendo que os direitos pertencem à primeira.

O que eu pude apurar disso tudo com dirigentes de clubes: primeiro, que a RBS se propôs a pagar a rescisão do contrato com a RIC, da ordem de 600 mil reais. O valor proposto pela venda dos direitos do campeonato para TV aberta é de 2 milhões de reais por ano, sendo que, em princípio, 50% seriam divididos entre Avaí, Criciúma, Figueirense e Joinville (o que não concordo, pois o Marcílio Dias está na Série C, enquanto o JEC nem calendário tem), e a outra metade entre os outros seis clubes, com um detalhe: o valor da rescisão a ser paga será descontado desse valor de forma parcelada, nos três anos do novo contrato. Já os direitos do Pay-per-view estão em negociação. A Globosat oferece 600 mil reais, mas a Associação de Clubes tenta ainda chegar ao valor de 800 mil.

O certo é que a novela promete. A RIC vai querer fazer prevalecer o seu contrato, enquanto os clubes querem fechar com a RBS.

Minha opinião é a seguinte: Se os clubes assinaram há três anos com a Record para dar um basta na RBS, que em 2006 perdeu a disputa por oferecer apenas 200 mil reais por ano, que os clubes aprendam a ser profissionais e respeitem o contrato que eles mesmo assinaram.

7 comentários:

  1. Caro Rodrigo, permita discordar de você nesta questão.

    Apesar de não gostar da forma de atuar da RBS, neste caso se eles pagarem o valor da multa (600 MIL), adquirem naturalmente o direito. Multas rescisórias existem para isto.

    A questão é:

    Qual das duas dará mais dinheiro aos clubes? Com 2 milhoes por ano, sendo 1 milhão para os 4 que vc citou, e a outra metade para os outros 6, se o BFC tiver na primeira tem direito a R$ 166 MIL. Dá para bancar 3 ou 4 meses de folha de um bom time.

    Na minha opinião, o negócio deve ser feito olhando EXCLUSIVAMENTE o aspecto financeiro.

    ResponderExcluir
  2. No caso de prevalecer a fórmula da RBS, ficaria assim para os 6 clubes:

    Valor anual a receber: R$ 166.000
    Desconto da multa : R$ 33.000
    VALOR LIQUIDO : R$ 133.000

    O contrato com a RECORD dá mais que isso? Acredito que não...

    ResponderExcluir
  3. tem que ficar na RIC e ta acabado. RBS eh vai pra PACHECA que ta pra da a luz, ehheeheh

    ResponderExcluir
  4. Acho ate que para os Clubes seria muito melhor continuar com a RIC RECORD, pois com certeza havera queda de publico nos jogos de quarta, pois muita gente nao ira aos jogos as 21:45 da noite, caso a RBS realmente transmita os jogos.

    ResponderExcluir
  5. Minha opinião é a seguinte: Se os clubes assinaram há três anos com a Record para dar um basta na RBS, que em 2006 perdeu a disputa por oferecer apenas 200 mil reais por ano, que os clubes aprendam a ser profissionais e respeitem o contrato que eles mesmo assinaram.


    é isso e ponto final!

    ResponderExcluir
  6. Só explicando que a Divisão tem que ser feita por 11 e não por 10, pois a Federação tem direito a uma parte, se não me engano, de 10%, previsto no Código Desportivo...

    E você prefere jogo as 21 horas ou quase as 22?

    ResponderExcluir
  7. Se a grana para o BFC for maior com a RBS, por mim os jogos poderiam ser às 21:50 hs.

    A questão do horário não é difícil solucionar. Os clubes poderiam propor que durante os jogos normais de turno e returno, somente as partidas ao vivo fossem às 21:50, ficando as demais para às 20:00 ou 20:30 hs.

    Neste caso, como poucos jogos do BFC seriam televisionados ao vivo, para nós daria quase no mesmo.

    ResponderExcluir