sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Belmonte em Ibirama

Finalmente, alguma notícia vem do Atlético de Ibirama. Faltando um mês pra começar o Campeonato Estadual, o clube anunciou o nome de Belmonte (foto) para o cargo de treinador. Ele já jogou no próprio Atlético, mas ficou conhecido como um excelente volante no time do Avaí. Foi no Leão que ele ganhou o último título como treinador, o Estadual de Juniores deste ano.

O Atlético de Ibirama, que sempre vinha com figurões e com muito alarde, tá quieto demais pro meu gosto. Pode estar repetindo a história do Juventus deste ano, ao anunciar treinador e elenco muito em cima da hora. Pode prejudicar no meio do campeonato.

Tubarão vai de Marcos Leandro e Marco Brito

Dois conhecidos do Futebol Carioca foram contratados pelo Cidade Azul/Atl. Tubarão, que caminha para uma parceria com o CFZ do Rio para o Catarinão:

O Primeiro é o Goleiro Marcos Leandro (foto), de 26 anos, um dos trocentos goleiros que o Botafogo contratou nesse ano pra resolver o problema na posição. Revelado no Olaria, era reserva no Paraná, até chegar no Botafogo, e não demorar muito pra ser jogado pra escanteio. Em agosto, o seu contrato encerrou e ele voltou pro Paraná, que não mostrou interesse nele, repassando para o Bonsucesso.

O segundo é figurinha carimbada do Futebol Carioca: o atacante Marco Brito (foto), de 31 anos, revelado no Fluminense (fez parte daquele time que jogou a Série C em 99). Passou pelo Coritiba, Vasco e América. Está sem jogar desde abril, quando teve contusão.

A preferência por figurões do futebol carioca não é de hoje: Me lembro do dia que o Tubarão contratou o Zé Carlos, que foi goleiro do Flamengo. Ele tava muito gordo e foi sacado do time. Não gostou da reserva e pediu pra sair. Recordo que ele tinha um apartamento com vista pro Estádio Anibal Costa, e ele assistiu a um jogo do Peixe contra o Brusque no conforto de sua varanda.

Brusque S/A

A Diretoria do Brusque em breve irá soltar na praça um projeto para viabilizar o clube como uma empresa, nos moldes da Figueirense Participações.

Vai funcionar assim: o clube procurará 25 sócios, que pagarão uma quantia mensal e vão participar do bolo. Como uma empresa, o lucro que vier da venda de jogadores que pertencem ao clube (todos dos juniores), vão pro caixa do clube-empresa e poderão render dividendos aos associados.

Os detalhes pormenorizados e o nome dessa empresa ainda não consegui. Mas o clube começa a achar um caminho legal pra se profissionalizar.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Até o Micale voou

Sobrou até pro treinador dos Juniores na crise pós-rebaixamento do Figueirense. O clube hoje dispensou os serviços do técnico Rogério Micale (foto), que levou o time à final da Copa São Paulo de Juniores. Motivo: readequação e contenção de despesas.

Bruxa solta meeesmo.

Caso TV: Clubes se manifestam

Nesse período de Festas Natalinas, onde são poucas as coisas importantes dos clubes do Estado, a confusão envolvendo a transmissão do Catarinense ganhou mais um ingrediente hoje. A Associação de Clubes publicou nota nos jornais do Grupo RBS (Santa, A Notícia e Diário Catarinense) dando a versão deles.

Vou ser sincero: ou eles estão dando uma de joão-sem-braço com essas desculpas ou estão muito mal assessorados, não tendo conhecimento algum sobre direitos de televisão. Os argumentos são vazios e dificilmente algum juiz irá aceitar.

Vamos à nota. Meus comentários estão em negrito.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Associação de Clubes de Futebol Profissional de SC, a Federação Catarinense de Futebol e os Clubes Integrantes do Campeonato Catarinense vêm a público prestar os seguintes esclarecimentos em relação à rescisão do contrato de transmissão da competição com a Rádio e Televisão Record S/A.

1 - Em Dezembro de 2006, a Associação de Clubes, FCF e os Clubes firmaram contrato de transmissão da competição para 2007, 2008 e 2009 com a Rede Record.

2- No final de 2007, a RBS TV formalizou uma proposta muito superior ao valor do contrato firmado com a Rede Record, que não foi aceita pela Associação, FCF e Clubes, pois, até então, aquela emissora estava cumprindo integralmente todas as cláusulas do referido contrato.

3- Entretanto, após o início do Catarinense de 2008, as entidades foram surpreendidas com a violação de cláusulas contratuais por parte da Rede Record, que, sem autorização da Associação, FCF e Clubes, transferiu os direitos de transmissão a uma outra emissora, a TV O ESTADO, antiga Rede SC, que até o início do ano transmitia a programação do SBT e que passou a ser denominada RIC-RECORD, pertencente a outro Grupo Econômico totalmente distinto da Rede Record.
Os donos dos direitos podem repassar pra quem quiser. A própria Globo faz isso, quando repassa os direitos do Paulistão e do Brasileiro para a Band. Aliás, se olharmos pelo prisma que os clubes argumentam, a Globo não pode repassar os direitos do Carioca e do Paulista para a RBS TV, já que os direitos a ela pertencem. Além do mais, não houve uma transferência de emissora, e sim uma união, já que as emissoras que transmitiam o sinal da Record antes da RIC (Xanxerê e Itajaí, além de Floripa que é a cabeça da Record News), continuam integrados à Rede. Além do mais, como os clubes podem reclamar do fato dos jogos, que eram transmitidos por três emissoras, passarem a serem exibidos em seis, com cobertura maior?

4- Além disso, a partir deste ano, a Rede Record descumpriu o contrato firmado com a Associação, FCF e os Clubes, transmitindo alguns jogos do Campeonato para as cidades onde estavam sendo realizados. Também ocorreram alguns problemas técnicos durante a transmissão de alguns jogos do Campeonato.
Problemas técnicos acontecem, e as vezes podem se restringir à repetidora de um ou outro município. (A RBS teve problemas sérios em CRB x Avaí na Série B, assista aqui o vídeo). Desconheço o fato de transmitirem jogos para a cidade da partida, mas a própria Globo faz isso cansativamente, exibindo jogos na Capital Paulista para a Grande São Paulo. Agora, ninguém reclama da RBS quando um jogo em Itajaí não é exibido para Blumenau e Brusque e até em Rio do Sul, ou quando uma partida em Tubarão não passa em Criciúma.

5- Assim sendo, as entidades decidiram, de forma unânime, notificar a Rede Record informando a rescisão do contrato por justa causa, salientando que foram utilizadas todas as tentativas de um acordo amigável, que não foi aceito pela referida emissora.

6- Desta forma, em data posterior, como já é de conhecimento público, a Associação de Clubes, a Federação e os Clubes do Campeonato Estadual firmaram contrato de transmissão dos jogos com a RBS TV para os anos de 2009, 2010 e 2011.
Assinaram o contrato sem conseguir a rescisão do acordo anterior com a RIC. E com esses argumentos xoxos, não acredito que vão conseguir seu intento.

Florianópolis, 18 de dezembro de 2008.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

A imagem do ano



A foto acima, que dispensa apresentações, é do fotógrafo Maurício Vieira, à época do Jornal da Manhã de Criciúma, hoje no "Hora de SC". A foto intitulada "Sangue de torcedor" foi a vencedora do Troféu Olívio Lamas de Fotojornalismo.

O retrato representa a expressão do "Seu" Ivo, em um dos mais tristes momentos que já viveu o futebol catarinense. Um dia pra se esquecer.

Dinheiro da RBS na mão dos clubes

Como informamos aqui no Blog, na sexta aconteceu o encontro dos presidentes dos clubes catarinenses, no Hotel Mercure, na Capital. Conforme o prometido, a RBS esteve lá e fez o pagamento das cotas para os clubes.

Pelo o que pude apurar, o total pago foi de R$ 1,14 milhão, divididos entre a Agência Propague (12%), Associação de Clubes, Federação e os clubes.
Cada clube recebeu 70 mil reais no ato. Teve dirigente dando sorriso de orelha a orelha.

Aí você me pergunta: e se a RBS não transmitir o campeonato, os clubes devolverão o dinheiro? A resposta é não.

A estratégia: uma nova ação entrará na justiça até o dia 15 de janeiro (dois dias antes do início do campeonato) para derrubar o contrato com a Record, sob a alegação de baixa qualidade de transmissão. Os clubes irão alegar que a Record (que em janeiro ainda não era transmitida pela RIC, que só veio a se integrar em 1o. de fevereiro) transmitiu todo o primeiro tempo de uma partida em Preto e Branco, e outro jogo sem áudio no primeiro tempo, o que caracterizaria baixa qualidade de material e poderia ser razão para a quebra do acordo.

Se mesmo assim a RIC continuar com os direitos, os Clubes, FCF e RBS combinaram o seguinte: os 70 mil entregues serão um adiantamento para 2010. Da verba entregue na sexta, 140 mil ficarão separados para os dois times que subirem para a principal do ano que vem, deixando amarrado um novo acordo, só que para as temporadas de 2010, 2011 e 2012.

O que eu posso ver diante desse cenário é que os clubes e a FCF não parecem muito a fim de ouvir o que a RIC tem a dizer. Há uma artilharia pesada por parte de dois grandes conglomerados de comunicação, onde os olhos dos dirigentes de clubes brilham ao ver os cifrões oferecidos pela RBS, que foram pagos de forma adiantada. Definitivamente, está explícito que o caso se resolverá nos tribunais na semana do início do Estadual, e o bombardeio continuará. Resta saber quais armas os Sirotsky e os Petrelli usarão, faltando exatamente um mês pro início do Campeonato Catarinense.

A RIC vai à guerra contra Delfim

Muitas novidades hoje no caso da televisão.
Infelizmente, o caso está indo para um lado ruim. Quinta-feira, a RIC-Record exibiu matéria de cerca de cinco minutos do repórter Tiago Scheuer nos seus telejornais espinafrando até dizer chega o Presidente da FCF. Falou da sua eternização no mandato e até colocou entrevista com o Dalmo Bozzano, seu desafeto de muito tempo.
Tudo isso devido ao fato de Delfim ter dado a entender, em entrevista ao ClicRBS, que a RIC seria uma empresa aventureira (ele disse: "Não vou me aventurar mais").

Não que a eternização do Delfim na FCF seja uma coisa boa pro futebol, muito pelo contrário. Mas pelo enfoque que a coisa tá tomando, pode virar uma perseguição. O Negócio tá cambando pra baixaria, e vai piorar mais.

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Reapresentação

Está começando hoje a temporada 2009 pro Brusque. Ontem foi o dia da apresentação dos novos jogadores, que iniciam pré-temporada e se juntam aos jogadores remanescentes no próximo dia 26.

Já estão na cidade o volante Pedro Ayub, o atacante Carlinhos, o meia Marcos Tora, o lateral esquerdo Evaldo e o zagueiro Barbosa.

Uma pequena homenagem aos Jasc

Abrindo o trabalho desta terça, quero deixar uma homenagem ao pessoal das 4 cidades que sediaram, por três dias, os Jogos Abertos de Santa Catarina. Durou pouco, mas o trabalho deles foi gigante, e o ambiente o melhor possível.

Abaixo, transcrevo o email de agradecimento que eu recebi. Valeu rapaziada! Tenho certeza que logo estaremos aí de novo.

"Nós queríamos ver os JASC acontecer. Estamos com o coração partido, mas cientes de que foi a melhor decisão"

AMIGOS DA IMPRENSA, PARCEIROS, PATROCINADORES, DIRIGENTES, ATLETAS, TORCEDORES e POPULAÇÃO DAS CIDADES-SEDES:

As cidades de Pomerode, Rio dos Centros, Timbó e Indaial, sentem-se orgulhosas de um trabalho bem feito. Foram 12 meses de trabalho interrupto, para fazer os melhores JOGOS ABERTOS DE SANTA CATARINA da história.
Infelizmente, faltou combinar com as condições meteorológicas. Com o agravamento da situação em quase todo o estado de Santa Catarina, decorrente do grande volume de chuvas, nos vimos obrigados a cancelar a competição. Não havia mais condições de ordem técnica e também psicológica para sua continuidade.
Foi frustrante, mas restou a certeza que os quatro municípios fizeram o seu melhor para que tudo ocorresse na absoluta normalidade. Passado o susto, é hora de agradecer.
Agradecer a compreensão de parceiros, patrocinadores, técnicos, atletas, dirigentes, torcedores, da população e da imprensa e seus profissionais. Todos sofreram com a gente, direta ou indiretamente.
Acompanharam cada momento de aflição e nos deram ânimo para seguir em frente, de cabeça erguida, com a certeza de um trabalho bem feito.
Uma certeza tão grande que nos leva e pensar e a começar o planejamento para novos desafios. Por fim, reiteramos nosso muito obrigado, com a mesma alegria e hospitalidade que fez desenvolver as quatro cidades.

Atenciosamente,

ARLINDO EWALD

Presidente da Comissão Central Organizadora (CCO) dos 48º Jogos Abertos de Santa Catarina

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Cidade Azul no Aníbal Costa

Clubes que viviam em eterna troca de farpas até então, Hercílio Luz e Cidade Azul / Atlético Tubarão chegaram a um acerto, e o segundo irá mandar os seus jogos no Estadual no Estádio Aníbal Costa (foto), que fica a 400 metros do Domingos Gonzales. Um acerto que vai fazer muito bem para o futebol daquela cidade.

O Estádio do Hercílio (e onde o antigo Tubarão mandava seus jogos) tem um conforto maior para o torcedor, inclusive contando com Arquibancada Coberta.

Aliás, tá na hora do pessoal de Tubarão resolver de uma vez por todas essa questão do nome do time. Para a Federação, o nome oficial continua sendo Cidade Azul, mesmo que seja chamado pela torcida de Atlético Tubarão.

É Record e não RIC

Leitor Diego manda email e faz uma importante ponderação: o contrato de transmissão do Campeonato Catarinense foi assinado em 2006 com a TV Record de São Paulo, e não com a RIC (que era a Rede SC, que se juntou à Record em fevereiro deste ano).

Logo, quem foi acionado nesta situação foi o Departamento Jurídico da Emissora Paulista.

A provocação continua...

Clássico "Fiasco" na Série B...

domingo, 14 de dezembro de 2008

RBS x RIC: Para o Mercado Refletir

Recebi E-mail do pessoal da Revista Making Of, excelente publicação voltada ao trade da comunicação, que faz uma interessante análise do Caso envolvento RBS TV e RIC-Record na transmissão do Catarinense 2009.

Campeonato Catarinense volta a ser motivo de discussão na mídia.

Após a notícia dada pela RBS ontem, onde a Federação Catarinense de Futebol comunicou o lançamento do Troféu RBS TV 30 anos e ratificando que a exclusividade de transmissão do Catarinense 2009 é da RBS, a Rede Record saiu com nota oficial contestando o fato e dando sua versão.

Making Of já havia se posicionado a respeito do assunto, mostrando a sua preocupação com o rumo que essa discussão estava tomando.

Não somos ligados a nenhum Grupo de Comunicação, não temos nenhum tipo de comprometimento editorial e não estamos tomando partido, mas entendemos que o assunto merece ser tratado de uma forma profissional e não podemos deixar de emitir nossa opinião.

As Leis foram criadas para serem cumpridas, certo?

Se existe um contrato assinado, e pelo que podemos perceber existe, com a Record, dando a emissora o direito de transmissão exclusiva por três anos, o que motivou a Federação Catarinense de Futebol e a Associação dos Clubes de Futebol a tomarem essa atitude? Não estão pensando nos patrocinadores que já direcionaram suas verbas de comunicação para o evento, nos investimentos realizados pelo veículo detentor do direito de transmissão? Isso é um claro desrespeito a Lei e a ética comercial.

O que mais preocupa o mercado é ver empresas que cobram o respeito à ética de determinados segmentos da sociedade, agirem de forma contrária ao discurso adotado em suas linhas editoriais, que pregam o respeito a ética, o compromisso com a transparência, o comprometimento com a verdade, por exemplo, como base de suas atitudes.

Making Of ainda não entendeu o motivo do silêncio das entidades de classe que teriam a responsabilidade de se posicionarem nesse momento, cobrando um esclarecimento urgente para o assunto em questão. O Trade da comunicação tem a obrigação de se posicionar, pois os direitos de anunciantes e suas agências, profissionais envolvidos no processo de transmissão, jornalistas, produtoras, entre outros, estão sendo tratados de maneira desrespeitosa, para falar o mínimo.

Se não houver o envolvimento do mercado na busca de uma explicação convincente e clara de forma imediata, corremos o risco de perder a credibilidade do mercado anunciante de todo Brasil, pois quem vai garantir que um novo contrato será respeitado daqui para frente ao ponto de dar garantir as empresas anunciantes?

Atitudes como essa geram perdas generalizadas. Perdem anunciantes, perdem as agências, perdem os veículos, perdem as produtoras, perdem os clubes e, principalmente, perde a chamada Indústria da Comunicação de Santa Catarina.

Com a palavra o Trade e os veículos de comunicação.

Mandem notícias e sucesso sempre.

Making Of


Agora falando como pessoa egressa com muito orgulho da Faculdade de Publicidade e Propaganda, a questão levantada pela Making Of é muito pertinente. Onde está o profissionalismo dos Clubes, Federação e de um conglomerado do tamanho da Rede Brasil Sul em tentar passar por cima de acordos comerciais já assinados?
O trade de comunicação catarinense (ACI, ACP, Sinapro, etc...), que se mantém em um silêncio sepulcral, deve se manifestar acerca disso, pois trata-se de uma violação de direitos comerciais, que mexem com vários anunciantes. A própria Record, que comercializou cotas locais (ao contrário da RBS, que é obrigada a veicular nos jogos as cotas nacionais da Rede Globo), deixou clara em nota que deseja participar de concorrência no próximo ano para o Estadual de 2010, o que poderá aumentar ainda mais os valores propostos pela RBS, de R$ 1,2 milhão para um contrato de três anos.