sábado, 10 de janeiro de 2009

O Presidente da FCF mente

Não bastasse o rebu que deu hoje nesse caso do televisionamento, agora o alvo virou este blog. O Presidente da Federação deu uma entrevista pra mim e pra outros órgãos de imprensa de Brusque, falou demais, tomou bronca da RBS, teve que se retratar e agora tá tentando limpar o que fez.

E está mentindo em nota oficial divulgada no site da FCF. Quem o entrevistou não foi a RIC, fui eu, que estou há meses debruçado nesse caso. Fui pro Estádio na quinta pra entrevistá-lo e tirar as dúvidas sobre isso. E consegui.

Quem quiser ler a nota toda, que mete o pau na RIC, clique no link acima. Eu só vou destacar as partes que me dizem respeito.

1 – Que não concedeu nenhuma entrevista ao jornal “Notícias do Dia” como foi indevidamente publicado na edição de hoje, página 19, daquele periódico, que, de forma maldosa e inverídica, afirmou o seguinte: “o presidente da Federação Catarinense de Futebol, Delfim de (sic) Pádua Peixoto, que já tinha afirmado (sic) o contrato com a RBS e dado os direitos de transmissão à rede gaúcha, voltou atrás e já não acredita tanto assim na quebra de contrato”.

A entrevista foi pra mim (a íntegra dela, bruta, está logo abaixo, clique aqui). Na verdade, ele falou o certo. Acontece que, pra levar a opinião pública a acreditar na versão da RBS, ele fez aquele discurso.

6 – Além disso, o Presidente da FCF esclarece que não afirmou em nenhum momento que o contrato com a RBS iniciaria somente em 2010 se porventura a RIC-Record viesse a transmitir o Campeonato Catarinense deste ano, até mesmo porque não é isso que o referido contrato estabelece, e, além do mais, a RIC não tem legitimidade para transmitir a referida competição, e o contrato com a RÁDIO E TELEVISÃO RECORD S/A já foi rescindido por culpa exclusiva daquela emissora.

Mentira deslavada. Fiz questão de perguntar ao Delfim que SE A RECORD MANTESSE O CONTRATO, como que ia ficar. Ele respondeu direitinho como que ia ficar, que a RBS automaticamente iria ter o direito por mais um ano. Por que dizer o contrário? Tá gravado!


7 – Concluindo, o Presidente da FCF esclarece que a RIC é uma mera intrusa no Futebol Catarinense e que a FCF, os clubes e a Associação não firmaram nenhum contrato em 2008 com aquela rede de televisão para a transmissão do Campeonato Catarinense de 2008 e de 2009.

O Presidente disse na entrevista que "A Justiça que vai decidir". Logo, essa parte não procede. E realmente não foi firmado nenhum contrato em 2008. Ele é de dezembro de 2006 com a Record, que repassa os direitos pra quem quiser, assim como a Rede Globo repassa o Brasileirão pra RBS TV..


Sei que são poucos, mas muito especiais, todos os que lêem esse Blog. Essa página não é nada frente a uma briga que envolve dois conglomerados que, juntos, tem 13 das 15 emissoras de TV comerciais de Santa Catarina e 5 diários de grande circulação no Estado. Agora, mentir em cima de uma entrevista que deu pra mim, em nossa emissora de TV a Cabo, é demais. Me alonguei, mas foi um desabafo.

5 comentários:

  1. tpw.. o delfin achou q podia falar a verdade na entrevista q concedeu em brusque pq soh haviam jornalistas locais e que nao ia ter repercução estadual. se deu mal.

    parabens a tv brusque e ao rodrigo santos pela reportagem, pelo exelente trabalho jornalisco. triste eh saber q o maior veiculo de cominicação do estado, nao tem nenhum compromisso com a etica jornalistica. imagina oq eles nao inventam, criam e distorcem a realidade em assuntos mto mais importantes, como politica por exemplo. fico indignado eh com os clubes tambem, principalmente com o BFC. o grupo rbs nunca da atenção pro bfc, a ric essa semana em seu jornal do meio dia, consedeu ao bfc quase 5 min pro danilo falar do bruscao.

    ResponderExcluir
  2. Olá Rodrigo.
    Você está fazendo o que é correto, mostrando a verdade.
    Seria bom se muitos jornalistas deixassem de fazer “política” e começassem a mostrar as coisas da forma que realmente são, sem importar-se com as pressões de determinados órgãos.
    Parabéns a você, a rádio cidade e a TV Brusque por sempre serem transparentes no jornalismo esportivo, principalmente no que diz respeito ao campeonato catarinense, que muitas vezes mais parece o do Rio, de tão desorganizado e politiqueiro.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pelo excelente trabalho frente a este caso amigo Rodrigo. A imprensa esportiva de SC precisa de pessoas assim.

    Você está sendo corajoso, já que o poderio econômico das emissoras é gigantesco. E imparcial também, como se deve ser.

    Eu penso que, a RBS está passando por cima da Record, mas, em se tratando de transmissão de futebol, realmente a RBS é mais qualificada. Só que isso não justifica o que está sendo feito.

    A dúvida que eu tenho é: E o pay-per-view? Em 2008 já teve PPV normalmente, e sabemos que ele é da Globosat. A briga é apenas na TV aberta né?

    ResponderExcluir
  4. Parabens pela seriedade de seu trabalho.Acho o Delfin muito desorganizado,o campeonato é uma vergonha,poderia ser muito melhor.E a RBS é uma vergonha de suja que é

    ResponderExcluir
  5. Alison, o PPV é um outro contrato, que tá certinho, pago em dia, sem problema. A transmissão do PFC tá garantida.

    Isso quer dizer que, mesmo se a RIC arrumar uma cautelar pra garantir a transmissão, o Caminhão do PFC vai entrar nos estádios. E as imagens também servirão pra RBS.

    ResponderExcluir