domingo, 5 de abril de 2009

Avaí e Chapecoense quase lá

Metade do quadrangular. Hoje, Avaí e Chapecoense, os dois times que já fizeram dois jogos em casa, estariam na final do campeonato. Matematicamente, não há nada definido. Mas os dois jogos do final de semana mostraram claramente o que ficou em dúvida na última rodada: quem merece ir pra final do campeonato.

Vi pouco do jogo da Ressacada (deu problema no meu Pay per View), quando o Avaí venceu o Criciúma por 2 a 1, num frangaço do Márcio Angonese. Mas o resultado só consolida a reação do time que não perde em casa há mais de um ano, e que tem mostrado um foco fora do comum na busca pelo título. O Criciúma deixa transparecer os problemas internos em campo: primeiro que ninguém mais aguenta Leandro Machado, que deveria ter sido trocado há algum tempo. Segundo, a perda do goleiro Zé Carlos, que deixou o clube em circunstâncias estranhas, e fez com que o Tigre contratasse dois novos goleiros que não supriram a confiança que Zé dava ao time. Tá certo que falta uma vitória pro Avaí chegar na final, mas é importante lembrar que os dois próximos jogos do Leão serão fora de casa, começando na quarta, contra o mesmo Criciúma.

Em Chapecó, a Chapecoense fez sua parte, venceu o Joinville e abriu uma distância na briga pela vaga pela Série D. Jogo violento e nervoso, que só teve chances de gol no final do primeiro tempo, com Thoni, que Fabiano defendeu, e no gol de Bruno Cazarine. Ele aproveitou de mais um dos milhares de erros da zaga joinvilense e entrou sem marcação, para abrir o placar. Mesmo erro que aconteceria no segundo tempo, e Bruno acabou fazendo mais um para fechar o placar.

Desde o começo do campeonato, a coqueluche do JEC era o ataque. Lima desandava a fazer gols, e mascarava a deficiência da defesa do time. A troca de treinador prejudicou muito: Leandro Campos tinha dado um formato ao time, que foi desfigurado por Gelson Silva. O resultado está aí: o ataque parou de funcionar, o JEC não convence há algum tempo e a defesa passou a ser super exposta. Deu no que deu. E o time que tem um investimento enorme está caminhando para, mais um ano, ser um time "sem série".

Antes de dizer que a final está decidida, volto a chamar a atenção para o fato que tanto Avaí quanto Chapecoense terão apenas mais um jogo em casa no quadrangular. E a decisão de ambos será quando forem a Joinville, enfrentar um JEC desesperado. O Criciúma tem problemas críticos, e terá que contar com um pouco do fator sorte.

2 comentários:

  1. Final vai ficar entre os dois mesmo. Dificilmente o Criciúma chega. O JEC já é carta fora do baralho.

    ResponderExcluir
  2. A final é Avai x Criciúma!
    Série D fica com o Joinville.
    Chapecoense fica em 4º
    Avai 11
    Cri 10
    Jec 7
    Cha 6
    ---
    Avai vai perder as duas partidas fora de casa e ganha a última partida em casa da Chapecoense.
    ---
    O Criciuma vai ganhar do Avai em Criciúma, vai empatar com a Chapecoense lá em Chapecó e vai ganhar a úlitma do Joinville em casa.
    ---
    O Joinville vence as duas partidas em casa(cha e avai) e perde a última fora de casa do Criciuma.
    ---
    A Chapecoense não vence mais, perde do Jec na arena, empata em casa como o Criciuma e perde a úlitma do Avai na ressacada.
    ---

    ResponderExcluir