terça-feira, 12 de maio de 2009

Unisul e Tigre também se mandam do Vôlei

Ontem, Santa Catarina perdeu o segundo time de Vôlei para a próxima temporada. Depois da retirada da Brasil Telecom/Brusque da Superliga Feminina, hoje foi o dia de uma retirada em dose dupla: primeiro, a Unisul soltou nota avisando que iria pular fora. Em seguida, a Tubos e Conexões Tigre anunciou que não iria assumir o investimento todo e decidiu tomar o mesmo caminho.

Dessa vez, não me parece efeito de crise. Eu já achava que a Unisul estava um tanto quanto "inchada" em relação aos investimentos em alto rendimento (o AN informa que 55% da folha era paga pela faculdade). A Tigre, que pagava 35% (os outros 10% vêm do caixa da Prefeitura de Joinville), não iria assumir o investimento todo de manter o time que era treinado por Giovane Gávio.

A Unisul argumentou que não admitia ter o time chamado de "Joinville" na Globo, entre outros motivos. Esse assunto merece comentário de um Tema de Domingo, mas a culpa disso é da própria Unisul, dos outros times e da CBV, que não viram isso na hora de fechar os contratos de transmissão.

A reclamação da Unisul gerou até uma nota oficial da Globo, defendendo o seu ponto-de-vista comercial, que é bastante discutível. Nos Estados Unidos, onde o Marketing Esportivo está anos-luz a frente do Brasil, as emissoras não fazem closes ginecológicos nas entrevistas coletivas para esconder os banners nem omitem os nomes de Estádios que levam nomes de empresas, e mesmo assim pagam milhões de dólares pelos direitos de transmissão.

Com a saída de mais um time, restam dois no Estado: a Cimed, que permanece intocada como a potência do voleibol nacional, e o time feminino de Pomerode, que é um mero figurante na Superliga. O futuro do time de Brusque será resolvido até terça-feira, mas até agora não há nada novo no front.

4 comentários:

  1. Lamentável a saída da Unisul do vôlei. Espero que isso faça com que a CBV abra o olho.

    ResponderExcluir
  2. a globo criticando a postura dos patrocinadores dos clubes em querem a "midia espontanea" de "graça". mas o objetivo principal de qualquer patrocinador em qualquer modalidade é a "midia espontanea". se não fosse pela busca por midia espontanea o patrocinador podia investir todo o dinheiro em um comercia de 30 seundos ou em uma anuncio em jornal etc...

    bom axo q é isso q a globo quer...que o patrocinador pare de investir em midia espontanea que nao da um centavo de globo pra globo, e invista em "midia paga" pra ela,seja em tv, radio, ou jornais.

    soh q a poderosa globo, se esquece que ela fatura mto mais em transmitindo do q esses patrocinadores que so pensam em "retorno financeiro e esquecem seus projetos sociais."

    globo vai te catar.

    ResponderExcluir
  3. Isso aí é mesquinharia da Sra. Globo. Coisinha de gente pequena ficar chamando o time de futsal da Malwee de Jaraguá (tb é exemplo).

    Chamem pelo nome do patrocinador! Qual o problema? É graças ao patrocinador que tem jogo, e daí a Globo fatura pra transmitir.

    Como se fizesse muita diferença pra Globo não falar o nome do patrocinador. Ridículo.

    ResponderExcluir
  4. Lamentavel a saida é sim, mais concordo com a Unisul, voce imagina ser empresario que invista no esporte, e a emissora não pronuncia o patrocinador, que tambem é o nome do time, so para não fazer a publicidade, mais é isto que a Globo faz, ela usufrui de varias modalidades de esporte não investe, e corta as publicidades.

    ResponderExcluir