sábado, 26 de setembro de 2009

Arena Joinville alerta para os perigos de um Estádio Municipal

A brilhante matéria do jornal "A Notícia" desta sexta expõe uma dificuldade para quem sonha em um Estádio Municipal para Brusque ou outra cidade, como Blumenau, que também sonha com a ideia. Nela, que fala dos cinco anos da Arena Joinville, se mostra o cenário de um estádio que parece ser novo, mas que sofre vários problemas de envelhecimento precoce, de um imóvel que é grande, mas que tem uma manutenção bem cara.

Estive em Joinville neste ano. Quando fui tomar o elevador, havia um aviso: um deles estava quebrado, e outro fazia um estranho barulho. As cabines de imprensa para as rádios visitantes são salas sem bancada, com cadeiras e mesas de plástico. Vou ser sincero: tirando o Índio Condá, que reúne condições satisfatórias de conservação e instalações, todos os estádios públicos que visitei apresentam problemas graves, sem exceção.

Eu sei que os torcedores aqui de Brusque sonham com um Estádio Municipal. Sou e sempre serei contrário à ideia de um Estádio público na cidade, devido aos exemplos que conheço Santa Catarina afora. A Arena Multiuso, que é um Ginásio enorme, que encheu meia dúzia de vezes, é um exemplo: cabines de imprensa mal projetadas (cada uma tem um frigobar, usado somente na inauguração), teto sem telhas transparentes, que obrigam que a iluminação seja acionada durante o dia, e um custo aproximado de 13 mil reais mensais de uma grande estrutura que está inacabada, 4 anos após a sua inauguração. Um Estádio gerido pela Prefeitura traria um gasto enorme para o erário, que poderia ser investido em outras frentes.

Vamos para o outro lado, que é falar dos Estádios Particulares: o Heriberto Hulse é um brinco, e conta com reformas patrocinadas pelo Governo do Estado. O Scarpelli e a Ressacada, sempre bem cuidados e procurando melhorar o conforto para os torcedores. Até o Aníbal Costa em Tubarão está recebendo melhorias. São estádios que os clubes são donos, e assim cuidam muito bem do que lhes pertencem.

Não entendo das leis públicas, mas a melhor saída para um clube é que ele construa o seu estádio, contando, aí sim, com o apoio público de alguma forma para levantá-lo.

É importante levar em consideração isso, e observar o exemplo da Arena Joinville, antes de se pensar na construção de um Estádio que pertencerá à municipalidade.

7 comentários:

  1. Na sua opinião, os elevadores da Arena de Joinville e os biombos que ainda exitem na Arena Multiuso inviabilizam qq Ginásio de Esportes e Estádio Municipal. Os exemplos SEMPRE são de casos que não deram certo ou falhas. NUNCA falam daqueles que deram certo, que certamente existem, ou sugetões pra melhorar. O melhor negócio sempre é meter o pau.

    Parece que não existem fórmulas e meios de fazer um estádio municipal ou ginásio de esportes dar certo. Infelizmente, estou chegando a conclusão que muita gente não quer futebol em Brusque. E nem jogos importantes da AD Brusque. Ignoram totalmente o sucesso da Arena Multiuso pq existem algumas coisas que foram mal projetadas.

    Quando se projeta um estadio municipal ou ginásio de esportes, não é pra 5 ou 6 anos. Se projeta com uma capacidade maior pq é para 30, 40, 50 anos. Isso tbém parece difícil de entender.

    Jamais se fala do sucesso de Brusque ter um ginásio de esportes decente, e não pocilgas iguais aquelas de Florinópolis, Itajaí com telhado de eternit. Nunca se fala de Brusque ter um time representando a cidade no melhor voleibol do mundo. Seja lá com quem for: Brasil Telecom, Pomerode, o fato é que a AD Brusque está disputando o melhor voleibol do mundo. E o nome da cidade está na Rede Globo, SporTV, etc.

    Nunca se fala naquilo que poderia ser feito para tornar a Arena melhor do que é. Preferem falar dos biombos e das escadas. A maior mídia e propaganda que já houve pra cidade de Brusque em nível nacional foram as transmissões diretas das finais dos jogos da superliga até pela TV aberta.

    Morei no Rio durtante 10 anos, e os amigos e amigas de lá ligaram dando parabéns para Brusque pela bela Arena Municipal e pelos belos confrontos contra o Rio nas finais da superliga no ano retrasado.

    Minha decepção hoje de manhã quando li o começo desse post foi imensa. Nem cheguei a ler todo pq é samba de uma nota só. Sempre os memos argumentos. Nunca nem uma linha para elogiar ou para dar espaço para opiniões deferetes, daqueles que pensam de outra forma sobre esse assunto.

    Outro exemplo são nossas categorias de base. Enquanto 2 rádios de Criciuma vem a Brusque transmitir os jogos na terça-feira, aqui ninguém qer saber das categorias de base, 34º lugar no ranking nacional, na frente de Criciuma. O máximo que fazem é dar os resultados no dia seguinte, e olhe lá. As vezes tenho que entrar no site da FCF para saber os resultados.

    Nos programas de esporte, 3 minutos falando do Brusque (quando muito) e 37 falando de Flamengo, Palmeiras, e não sei o que mais. Viva o Flamengo, Palmeiras e toda a corja de times e clubes de fora. Pra eles, tudo. Pra Brusque...dane-se. Que vergonha a nossa imprensa e mídia.

    Muito difícil fazer qqer coisa dar ceto em Brusque. Aqueles que deveriam apoiar, tomam posição contrária pra aparecer ou sei lá qual o motivo.

    Por que não colocar uma matéria falando do sucesso do futebol de Chapecó e do seu estádio municipal?Alguns argumentos para o Estádio Municipal coloquei em outro comentário, no post anterior.

    Tenho certeza que o prefeito Paulo Eccel, com toda a sua visão, não vai dar bola pra argumentos fracos.

    Vamos lá meu prefeito, mostra pra essa gente como se faz um Estádio Municipal dar certo e ser rentável. Pode ter certeza que 95% acreditam e apoiam. Infelizmente, alguns que deveriam apoiar não querem esporte forte em Brusque.

    Olha Rodrigo, é com muito desgosto e tristeza que escrevo esse comentário. Pode ter certeza.

    ResponderExcluir
  2. Não concordo que a Brasil Telecom não deixou nada para Brusque. Deixu muita coisa.

    Durante 2 temporadas o nome de Brusque esteve na mídia nacional, com transmissão ao vivo dos jogos da superliga e até participação nas finais. O nome que diziam na TV não era Brasil Telecom, e sim BRUSQUE.

    Deixou também know-how e aprendizado para a AD Brusque. Incentivou várias garotas que asistiam e acompanhavam direto os treinamentos e preparação do plantel.

    Despontaram pelo menos 2 garotas importantes daqui de Brusque, e que hoje integram a equipe Brusque-Pomerode. Uma delas hoje é titular do Brusque-Pomerode (não lembro o nome).

    O nome de Brusque continua na mídia nacional, mesmo disputando em parceria com Pomerode. Brusque está disputando uma superliga nacional no melhor voleibol feminino do mundo.

    Tudo isso não veio sozinho, da noite para o dia. Foi uma união de forças com a AD Brusque, que o patrocínio da Brasil Telecom viabilizou. A prefeitura contribuiu e continua contribuindo para a AD Brusque, que é da cidade e ganhou a vaga na superliga desse ano, sem a Brasil Telecom. [2]

    ResponderExcluir
  3. Reclamar de um custo de manutenção de 13 mil por mes para um ginásio que é um dos orgulhos de Brusque e que possibilitou colocar a cidade na disputa da superliga nacional por 3 anos a fio?

    Tudo que a Arena já fez por Brusque, com lazer pra população, marketing, projeção nacional, transmissões de jogos diretos, volei, basquete, superliga, futebol de salão, shows, cinquenteário dos JASC (ano que vem) NÃO VALE R$ 13 MIL POR MÊS??? Isso é custo de placa de outdoor em Blumenau. Sem contar que todos esses 13 mil voltam pra comunidade, com salários, compra de materiais, etc.

    Se existem coisas que podem ser melhoradas e melhor exploradas, por que não sugerir? Não é coerente desconsiderar o lado bom, e se prender em pequenos detalhes que poderiam estar melhor pra dizer que o projeto é inviável, que ele não presta, que está inacabado, que tem uns biombos, etc.

    Pior ainda é usar esses mesmos argumentos para justificar posição contra o estádio municipal.

    ResponderExcluir
  4. Não existe estádio - grande ou pequeno - bem mantido pelo poder público.

    O A. Costa é um bom exemplo. O Hercílio com sua renda modesta, está construindo mais um campo sintético, com previsão de gerar 200 mil/ano para reinvestir na construção de salas comerciais, manutenção...

    É logico que gigantes como o Joinville não se preocupam com isso, mas o Metropolitano é um exemplo de time emergente, que não dispertou pra isso ainda. Assim como o Brusque, que se acomodou com o AB...

    ResponderExcluir
  5. Só a Prefeitura tem condições de erguer uma praça poli-esportiva, incrementando não apenas a atividade profissional, mas outras modalidades, como atletismo, que não tem uma pista adequada para competições.

    Praticamente todos os estádios no interior do Paraná são municipais: Ponta Grossa, Londrina, Maringá. Em Minas, a mesma coisa: Uberaba, Uberlândia, Juiz de Fora, Ipatinga. Será que sem estádio municipal o Ipatinga estaria disputando as séries A e B do brasileiro?

    Quanto à manutenção, é só fazer como a Prefeitura do Rio: arrendou o Engenhão por 30 anos para o Botafogo, que é responsável. Existem clausulas de rescisão, caso não sejam cumpridos os acordos contratuais.

    ResponderExcluir
  6. O Estádio Municipal de Brusque tem uma vantagem que NENHUMA DAS OUTRAS CIDADES TEM: está num ponto altamente comercial.

    Próximo da Havan e dos grandes centros de compra de Brusque, pode explorar atividades comerciais. Aluguel de lojas na parte externa, academias, bares, lanchonetes, restaurantes, jogos de futebol do Brusque, pontos de exploração internos, arrecadação de eventos, etc. O Brusque hoje paga aluguel pelo AB. Pode investir isso e mais ainda para ajudar na manutenção.

    Se forem bem planejadas e exploradas, essas atividades podem não só cobrir os custos, mas gerar receita. O projeto deve ser feito em etapas. Acredito que seja essa a idéia do Paulo.

    ResponderExcluir
  7. vi esse topico procurando outra coisa no google

    concordo plenamente

    porem sou obrigado a dizer que nao ha a menor condição de clubes de cidades pequenas como brusque, ou mesmo blumenau ter um estadio particular ja que seus times nao tem torcida o suficiente para encher nem no estadual, e nao tem lugar garantido nas divisoes nacionais sendo assim como poderiam manter um volume de torcedores consideravel para manter o estadio?

    avai, figueirense e cricuma costumam a receber verbas para manter seu patrimonio. em especial o avai que fez toda a reforma do estadio com dinheiro publico..

    sendo que esses clubes em epocas de vacas magras deixaram seus estadios em situacoes precarias.

    sou a favor de melhorar os estadios que ja tem nessas cidades a fim de dar mais conforto e segurança as torcidas, ou entao que se faça novos estadios mas adequado a cidade, ao volume de torcedores, e que seja sustentavel

    nao vejo necessidade da arena joinville ser ampliada para 30 mil torcedores por exemplo, principalmente pela questao da manutencao..

    talvez uma saida fosse como foi dito as prefeituras ajudarem a trazer parceiros para construir arenas e manter elas, o problema é quem vai querer gastar 50 milhoes e nao ver o retorno disso??

    ResponderExcluir