quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Marcílio Dias: Caloca escreve ao Blog

Recebi um email do novo Diretor de Futebol do Marcílio Dias, Euzébio Pereira Neto, o Caloca, que traz algumas informações interessantes sobre a reestruturação do Marinheiro, que jogará a Série D e a Divisão Especial de SC no segundo semestre. Reproduzo abaixo. Comentários nos parênteses:

Muito boa tarde! Saudações Marcilistas!

Estou escrevendo esse, para informar algumas coisas do Marcilio Dias. Fui convidado pelo atual presidente Abelardo Lunardelli, que é meu amigo, dentista e meu sócio.
Esse ano foi complicado, caímos 2 vezes..., e temos um ano novo pela frente, que é a 2a.divisão.
Não há nada de oficial na contratação do Zeca Albuquerque (para treinador, foi anunciada pelo Diarinho), simplesmente ele esteve em Itajai, e é meu amigo de longa data. (trabalharam juntos no Brusque em 1992). Almoçamos juntos, mais o Marlon Bendini, e o papo, claro que tambem foi futebol.

Estamos virando o ano, as expectativas são bem positivas, o tempo esta a nosso favor.Vamos tentar fazer o melhor possível. Isso é muito importante, porque aqui em Itajai, e região, ficará uma carência no primeiro semestre em termos de disputas profissionais. Estaremos retornando em 11 de janeiro, para iniciar um trabalho para 2010.
Quanto a "filial do Brusque" (citei isso no Jornal, pois Caloca, Zeca e Jair Boettner passaram pelo Brusque), prefiro tentar fazer a filial dos que querem, e do melhor possível, não importa se é de Brusque, ou da Guabiruba, ou do Rio ou SP.

Temos, e estamos procurando fazer o melhor.Temos, aqui o Antonio Augusto, que é treinador da base, funcionário do Clube, e vamos começar com ele. No decorrer, e dentro do possível, tudo pode acontecer, isso que é realmente importante.
Me coloco a disposição do amigo, para quaisquer esclarecimentos e ou duvidas.
Ah, o Jair Boettner (Gerente de Futebol), que por acaso é de Brusque, diga-se de passagem excelente profissional, deu exemplos claros disso ai em Brusque, no Tiradentes, etc.., está nos planos, e devemos acertar com ele, pois precisamos ter junto as pessoas de confiança e que conhecemos, pois nessa área de futebol, é super importante.

Forte abraço,

EUZEBIO PEREIRA NETO (CALOCA)

3 comentários:

  1. Como tinha comentado antes, se fazer futebol em Brusque não é fácil, em Itajaí é muito mais complicado.

    Indústrias grandes todas de fora, ninguém tem o mínimo interesse em patrocinar ou investir no Marcilio Dias.

    Torcida extremamente violenta, no jogo em Itajaí contra o Criciuma em que o BFC perdeu o mando de campo, diversos torcedores do BFC foram assaltados e agredidos na saída do jogo por um bando de torcedores favelados do Marcilio Dias.

    Isso tudo num jogo em que o Marcilio não participou e nem tinha nada a ver. Imaginem se tivesse.

    ResponderExcluir
  2. Empresas grandes de fora em vez de indústrias, já que Itajaí tem poucas indústrias. A maior arrecadação vem de atividades ligadas ao porto.

    ResponderExcluir
  3. Depoimento dramático de um torcedor do BFC feito após o jogo Brusque 1x2 Criciuma em Itajaí.

    Esperamos que a nova direção tome conhecimento desses fatos e faça uma campanha pública pra acabar com a violencia nos jogos em Itajaí. Foi revoltante.

    Agora quero falar de outra coisa, daquela torcida de bandidos que é a do marcilio.

    O jogo de ontem nem era com o time deles, mas ele foram la. Assim que eu e dois amigos chegamos, nem bem demos 10 passos fomos encurralados por uns 8 torcedores do marcilio, ficaram ameaçando e fizeram agente tirar a camisa, somente depois de explicarmos que a camisa não era de torcida (estávamos com a amarela), e que eles devolveram.

    Durante o jogo, foram la na torcida do criciúma e ficaram olhando a gente, na saída, tinha uns 15.

    Assim que saímos do estádio, cerca de uns 15 metros da saída, vieram correndo, gritando que éramos da torcida organizada (mesmo sem ninguém estar de camisa), me deram um soco e uma joelhada nas costelas, um soco em outro amigo, e um ponta pe em outro, corremos pela rua e conseguimos voltar ao estádio, que para variar já não tinha nenhum PM.

    Quando voltamos para o carro, tinha um senhor de uns 50 anos com o filho e a filha chorando, eles tinham batido no filho dele e feito ele tirar a camisa (do time), e levaram embora.
    Os caras tem que ser bandidos mesmo, por que se dar ao trabalho de sair do barraco na favela em pleno sábado de chuva para arrumar encrenca em um jogo que nem e do time deles, e coisa de bandido mesmo.

    18 de outubro de 2009 20:40

    ResponderExcluir