sábado, 28 de março de 2009

Tudo igual no início

Dois jogos com resultados iguais, mais que despertam reflexões diferentes, na abertura do Quadrangular semifinal do Campeonato Catarinense.

Primeiro, o jogo de Chapecó: marcado pelo equilíbrio. Se tivesse que haver um vencedor por merecimento no jogo, seria o Avaí. Mas a artilharia avaiana não funcionou, e a Chapecoense, que tem mostrado uma sensível queda de rendimento ofensivo, mas nada que não possa ser consertado, abriu o placar. Mas Odair, que veio do banco de reservas, achou um gol no final da partida, quando a barreira resolveu abrir. Claramente, e comparando com o segundo jogo da rodada, Leão e Verdão hoje mostram uma condição técnica melhor que JEC e Tigre...

... porque em Joinville, os dois times fizeram um jogo igualmente equilibrado, mas com qualidade técnica sensivelmente inferior. Muito pontapé, muitas faltas e futebol de baixa qualidade. Arbitragem confusíssima de Edmundo Alves do Nascimento, que até agora não sei a razão de ser tão prestigiado pela Federação. O Tigre abriu o placar com Kempes. Teve um Pênalti em cima do Zulu não marcado pelo juiz. E, no finalzinho, quando o JEC estava entregando os pontos, achou um bendito pênalti para garantir um pontinho.

Negócio é o seguinte: O JEC não vence em casa há três jogos, e a desculpa do time poupado no final do returno já não cola mais nem pra ele, nem para o Criciúma. A tese da queda de rendimento dos dois times está comprovada. A próxima rodada será de constatações: o Criciúma terá uma auto-avaliação contra a Chapecoense em casa, enquanto o Avaí enfrenta o JEC na Ressacada. Nada mudou na Clasificação. Mas na terça a coisa começa a incendiar.

Reunião dos Clubes em Criciúma

Neste final de semana teve reunião da Associação de Clubes, em Criciúma. Nada de novo, a não ser mais uma declaração confusa do presidente Delfim. A matéria é do Engeplus:

A expectativa dos presidentes de clubes era grande quanto à deliberação da assembléia da Associação de Clubes Profissionais de Santa Catarina ontem à noite no Estádio Heriberto Hulse, mas terminou sem novidades. Questões como a data do término da Série C, ajuda financeira para os clubes e arbitragem não tiveram definição.

Para o presidente da entidade e do Avaí, João Nilson Zunino, a arbitragem catarinense só perde para a paulista e gaúcha. “O nível está muito bom. Precisamos ter paciência e torcer para que eles não errem. No entanto, a nossa arbitragem é muito inferior à de São Paulo e do Rio Grande do Sul”, comentou.

Outro ponto em discussão foi a decisão judicial quanto aos direitos de transmissão do campeonato. A briga entre RBS e Record continua. “É um assunto pendente na Justiça, mas até a semana que vem tudo fica resolvido”, afirmou o presidente da Federação Catarinense de Futebol, Delfim de Pádua Peixoto.

Sobre a possibilidade de prorrogação do campeonato brasileiro da Série C, Delfim disse antes da reunião que é impossível alguma mudança. Já o presidente do Criciúma, Edson Búrigo, entende que “se os clubes se unirem, mudam o que está no papel. O estatuto da CBF permite a mudança se reunirmos um terço dos clubes.”

A maior preocupação do dirigente do Tigre está relacionada ao último trimestre do ano. “Se a Série C terminar mesmo em setembro, nós teremos problemas com a receita. Temos sócios contribuintes e não teremos jogos mais em outubro, novembro e dezembro”, explicou angustiado.


Entrevistei o presidente do Brusque, que me deu detalhes: o dinheiro da RBS será realmente devolvido, e uma nova consulta com as emissoras será feita em outubro. Acontece que a FCF tem direito a 10% desse valor, assim como a Agência Propague também tem direito à comissão, restando saber se também irão devolver.

sexta-feira, 27 de março de 2009

Top da Bola: Seleção da Primeira Fase

Terminada a Primeira Fase, o Instituto Mapa divulgou a Seleção do Campeonato até aqui, onde todos os times participaram. Abaixo, a seleção escolhida. Depois, a que eu votei:

Eduardo Martini AVA
Medina AVA
Rogélio BRU
Morisco CHA
Badé CHA
Roger FIG
Ricardo Oliveira JOI
Marquinhos Santos AVA
Lenílson IBI
Bruno Cazarine CHA
Marcelo Silva JOI

Técnico: Mauro Ovelha CHA
Árbitro: José Nazareno Marcelino

Meu voto foi diferente no gol,onde coloquei o Wilson, na Lateral-direita, onde o Thoni foi melhor disparado. Luiz André foi um dos volantes e o resto foi igual. Acho que não vai haver muita discussão.

Só o Medina que acho um pouco de forçação do pessoal da Capital, mas tudo bem.

Baita reforço de última hora

Ontem foi o último dia de inscrições de jogadores pro Catarinense. Prazo final para reforços ao quadrangular final.

E a Chapecoense deu uma baita bola dentro: Contratou o meia Leandrinho, de 25 anos, que estava no Metropolitano, abandonou o time para jogar no Mogi Mirim, onde não fez boa campanha. Está retornando a Santa Catarina, onde vai ser muito útil ao meio-campo do Verdão do Oeste.

quinta-feira, 26 de março de 2009

Bittencourt na mira do Tigre

O meia Rafael Bittencourt, de atuação discreta no Campeonato Catarinense, pode estar de saída do Brusque. O jogador tem falado diariamente com seus agentes, Maurício Nassif e Márcio Meller, e pode parar no Criciúma, que mostrou interesse pelo atleta.

Os seus direitos federativos estão divididos em: 40% do jogador, 40% de Nassif e Meller, e 20% são do Brusque, que levaria compensação financeira em caso de negociação.

Ó o rolo no Sul

Coluna de Antonio Rodrigues, no "Notisul" de hoje:

Ganhando força
A cúpula que comanda o retorno do Ferroviário está entusiasmada com a receptividade dos saudosistas torcedores rubro-negros. A equipe vem com o nome de Ferroviário Esporte Clube, acrescentado o nome de Tubarão no escudo, e não mais Associação Desportiva Ferroviário Tubarão. Adesivos com os dizeres: “Prepare-se. O Ferrinho está voltando” devem começar a circular em breve.

Por outro lado
O presidente do Atlético Tubarão, Pedro Almeida, disse ao colunista que o clube buscará a sua volta à elite do futebol catarinense em 2010. Em reunião, a diretoria tratou de assuntos referentes à situação do clube. Pagamento dos salários e participação das categorias de base no campeonato estadual.

Sátira com jeito de Bicanca

De um desportista tubaronense, empresário que vou manter em sigilo, diante da volta do Ferrinho, o advento do Hercílio Luz, Atlético Tubarão e Tubarão Esporte Clube, sugeriu também o retorno do Grêmio Cidade Azul. Que os limites de Tubarão sejam murados e que façamos um campeonato particular. Solicitar à CBF que o campeão participe da Taça Libertadores e o vice da Copa do Brasil. Sugestivo.


Estou ansioso pra ver quem vai aparecer no arbitral da terceira divisão... Tá chegando...

Deu o justo: Índio, Leão, Coelho e Tigre

O Campeonato finalmente conhece os seus 4 finalistas. E ontem, conheceu os dois últimos classificados em vitórias fora de casa. E nada mais justo.

O Metropolitano teve alguns minutos de alegria, entre o gol marcado por Ricardo Lobo e o empate do Avaí. Mas o Leão foi mais time, provou que está subindo na reta final e ganha um ponto extra no quadrangular. O Metrô, que agora vai ser alvo de gozações dos rivais brusquenses, que ficaram a sua frente na classificação geral, não pode chorar. O Sandro Glatz me disse semana passada que "o pior passou, o que vier é lucro". E é uma verdade. O time foi remontado no início do returno pra não cair, mas rendeu mais que isso. Mas não rendeu na partida que devia render.

A Chapecoense, sem Bruno Cazarine, detonou uma crise em Joinville às portas do quadrangular: terceira derrota seguida, segunda em casa, a perda do ponto extra do returno e a última vaga no quadrangular. O Verdão foi lá, venceu, entrou pelo índice e terá a chance do tetracampeonato.

Favoritos pra final? Eu aposto seco: Avaí e Chapecoense. JEC e Criciúma caíram demais, e não acredito que recobrarão os sentidos a tempo. Sábado começa a fase final, com um jogão: será que o Avaí vai devolver a humilhante derrota sofrida em Chapecó recentemente? E quem se sairá melhor no duelo dos dois times em decadência?

Apertem os cintos, que vem muito jogão por aí.

quarta-feira, 25 de março de 2009

"Cinco pila"

O Brusque fez uma promoção para levar torcida pro último jogo do Campeonato Estadual, hoje, contra o rebaixado Tubarão.

Os ingressos vão custar apenas 5 reais...

Porque dificilmente alguém pagaria 15 pra ver um jogo de eliminados, né?

Ah, aviso pro pessoal de Brusque: o jogo Metropolitano x Avaí NÃO terá transmissão pela RIC pra nossa região.

terça-feira, 24 de março de 2009

Arbitragem preocupa na última rodada

A FCF publicou a Escala. Em Joinville, tudo beleza, com Wagner Tardelli, disparado o melhor ábitro do Estado, pra comandar JEC x Chapecoense.

Agora, o jogo Metropolitano x Avaí preocupa muito... A Federação escalou o fraquíssimo Edmundo Alves do Nascimento pra apitar essa verdadeira decisão.

Foi o mesmo árbitro que estragou a partida entre Brusque x Criciúma e saiu sob críticas dos dois times, e foi carregado no relatório do observador. A Federação não ligou pros fatos, e ainda deu de presente um jogo decisivo pra um árbitro tão ruim. Tudo poderá acontecer em Blumenau.

Ah, e olha quem apareceu pra apitar Brusque x Tubarão: Frederico Honorato Moreira, aquele juiz inexpressivo do Rio de Janeiro que veio pra Santa Catarina passar na frente dos jovens árbitros formados aqui. Esse caso o Sindicato dos Árbitros, que teoricamente serve pra defender os interesses da arbitragem catarinense e vem aceitando a inclusão do Frederico no Catarinense, ainda não explicou.

Sete erros do Marcílio

O "Diarinho" não perdoa, e elencou os sete erros que levaram o Marcílio pra Segunda Divisão:

segunda-feira, 23 de março de 2009

Começou o desembarque

O Campeonato termina na quarta, mas já tem jogador pedindo liberação do Brusque pra não precisar fazer o último jogo, contra o Tubarão.

Hoje, o volante Baiano pediu dispensa, para seguir para o Fluminense da Bahia, time treinado por Nasareno Silva.

A diretoria nem encrespou, e liberou tranquilamente.

O fim do Tubarão?

Falei de um rebaixado, falo de outro. Abaixo, texto da coluna de Mateus Madeira, no "Diário do Sul" de hoje. Mostra que o futuro do Atlético Tubarão não é muito promissor não...

O futuro do Atlético

Depois de mais um esperado vexame em Criciúma, o Atlético Tubarão tem alguns poucos dias de sobrevida, com uma viagem desmotivada a Brusque que pode acabar servindo de castigo simbólico a quem resistiu até as últimas partidas. Aí vai ser hora de repensar o que todo mundo evita falar, mas invariavelmente pensa: ainda vale a pena manter este clube com as portas abertas? Ele nasceu há quatro anos e segue sem um rumo definido: não sabe se quer ser uma espécie de sucessor do Tubarão Futebol Clube ou se cria uma identidade própria. Foi Atlético Cidade Azul, Cidade Azul e, por fim, se chama na Federação de apenas Atlético, suprimindo o nome da cidade justamente para evitar a relação com o Tubarão e suas dívidas. Se alguém quiser manter o clube vivo _ e o ex-presidente Clóvis Damaceno parece ser o único a querer encarar a missão de ainda este ano colocar em campo os times júnior e juvenil _, é preciso definir o que o clube quer. O símbolo do clube só não teve mais versões que o seu uniforme, que variou de um quadriculado constrangedor a algo quase igual ao do próprio Tubarão, com mais de uma dezena de modelos. Ser um clube novo ou levar o legado do Tubarão e assumir os riscos que isso representa? O Atlético hoje é uma instituição com volume considerável de dívidas, mas tem uma vaga na segunda divisão estadual, enquanto um novo clube precisaria iniciar sua trajetória pela terceirona. Pesar tudo na balança e tomar uma decisão com calma é o que o futebol tubaronense precisa há anos e insistentemente se nega a fazer.

Marcílio dois em um

A Capa do "Diarinho" de hoje estampa uma foto de um torcedor com nariz de palhaço, que marca uma fase do Marcílio Dias que se encerrou ontem, e terá o bis na quarta, em Ibirama.

O Marcílio tem que tomar a lição disso, e copiar o que Corinthians, Palmeiras, Grêmio e até o Brusque fizeram: usaram o rebaixamento para se reestruturar, e voltar por cima.

Só que o marinheiro terá um desafio extra no ano que vem: vai jogar dois campeonatos ao mesmo tempo. Considerando que a segundona acontece no segundo semestre, o time de Itajaí terá que conciliar o Brasileiro da Série C com a Segundona Catarinense. Vai ter que jogar a cada dois dias, pelo jeito.

E o regulamento da CBF diz que, se o Marcílio cair da Série C, tem vaga garantida na Série D de 2010. Quem cai tem vaga confirmada na divisão inferior por um ano.

domingo, 22 de março de 2009

O Rápido Guia da última rodada

Para não fazer um post enorme dos jogos da última rodada, vamos resumir as partidas dentro de um rápido guia da rodada de quarta. Saiba o que o seu time pode fazer ainda no campeonato:

Joinville (32 no geral, 16 no returno): A goleada de 4 a 1 imposta pelo Marcílio em Itajaí teve dura punição ao JEC. A segunda derrota seguida tirou o time da disputa pelo returno, e consequentemente, o ponto extra. Já está classificado pelo índice, mas caiu vertiginosamente. Por muito menos, Leandro Campos foi derrubado.

Avaí (32 no geral, 19 no returno): Mesmo líder do returno e jogando o melhor futebol do ano, depois de vencer o Ibirama hoje, o Leão não está garantido no quadrangular final. Enfrentará o Metropolitano. Se vencer, é campeão do returno. Se perder ou empatar, e a Chapecoense ganhar, o time do Oeste é campeão do returno e o time entra por índice. Agora, se perder para o Metropolitano e a Chapecoense fazer o crime em Joinville, o Avaí cai fora.

Chapecoense (30 no geral, 17 no returno): o empate com o eliminado Figueirense (com muitos protestos em cima da arbitragem de Jefferson Schmidt) pode ter custado caro. Vencendo o Joinville, o time classifica, pelo returno ou pelo índice. Nem empate resolve mais pro verdão do Oeste.

Metropolitano (21 no geral, 17 no returno): quase tudo deu certo pro Metrô, que terá uma final contra o Avaí em casa. A vitória contra o Brusque colocou em uma situação: Se vencer o Avaí por 1 gol de diferença, a Chapecoense não pode vencer por 2 gols o JEC. Os dois verdes estão empatados em rigorosamente tudo na tabela, mas o Metropolitano tem vantagem no Confronto Direto. Mas o gol do Brusque, marcado pelo Carlinhos aos 44 do segundo tempo, poderá ser importante, já que o saldo poderá definir o título do returno.

Criciúma, Atlético-Ib, Figueirense e Brusque: Cumprem tabela na quarta. O Atlético, que apareceu como favorito ao quadrangular, perdeu a classificação em casa, nos jogos contra Brusque e Metropolitano. O Criciúma espera o começo do quadrangular, na condição de campeão do turno, mas nos últimos jogos vem aterrorizando a torcida.

Marcílio Dias e Tubarão: Oficialmente rebaixados. O Marcílio deu o último sopro ao ganhar do JEC, tarde demais. Só poderá voltar à primeira divisão em 2011. O Tubarão poderá fazer seu último jogo em Brusque, na quarta. Já se fala por lá no Sul do Estado que o time não volta.

Time embalado 3 x 1 Time displicente

Não há dúvida alguma sobre a superioridade do Metropolitano sobre o Brusque, em Blumenau. Foi um confronto de um time que jogava uma decisão em estádio cheio, contra um time que não estava nem aí. Tanto que a foto ao lado é um retrato do jogo: nenhum jogador do Brusque aparece. Mesmo com reunião de diretoria, querendo motivar pro clássico, tinha jogador que só tava em campo pro time não perder de WO.

E isso é bom, foi bom ver o Brusque tomar um chacoalha lá dentro. Ali deu pra ver um retrato dos jogadores que são comprometidos com o time, e os que não são. Com certeza a diretoria lembrará desse jogo ao montar o elenco para a Série D.

Não tem muito o que falar dos 3 a 1 no Sesi: a bem da verdade, o jogo foi bem ruinzinho. Teve os quatro gols e mais um lance ou outro, nada de mais a destacar. Só a nota zero pro atacante Diogo Oliveira, aquele que o Brusque trouxe no lugar do Edmundo: deu um pontapé desleal num adversário e foi merecidamente expulso.

O Metropolitano melhorou muito, e hoje é potencial candidato ao quadrangular, mas não me pareceu um time espetacular, mas é bem certinho, com Edimar e Cristiano na meia-cancha. Poderá fazer o que os americanos chamam de "Cinderella Season" se vencer o Avaí na quarta. Mas ainda acho que, na situação atual, o Leão é mais time. Mas é só um palpite, e a decisão é em apenas um jogo.