sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Jasc é assim

Não são todos os locais dos Jogos Abertos que tem cabine confortável ou qualquer tipo de mordomia para a imprensa. Acima, no jogo de basquete masculino entre Brusque e Criciúma, a gente teve que se virar. Mas não tem problema, faz parte do espírito.

JASC: Criciúma será a sede de 2011

Aconteceu na tarde de hoje a definição da cidade que sediará os Jogos Abertos de SC daqui a 2 anos: sem receber a maior competição esportiva do Estado desde 1987, Criciúma bateu Caçador e Balneário Camboriú e será a sede dos Jasc em 2011.

A votação aconteceu no Hotel Lang, e a capitão do carvão venceu com 13 votos, contra seis de Caçador e nenhum de Balneário Camboriú

Achei correta a escolha da maioria dos conselheiros. Aqui nos Jogos, eu vejo uma pequena participação do Sul do Estado, de cidades com Tubarão, Araranguá e Imbituba. De repente, com a realização dos Jogos no Sul do Estado, possa haver uma reaquecida do interesse pelos Jasc.

Brusque goleia de novo: será que vai?

Não vi a goleada do Brusque sobre o Avaí por 4 a 0 na noite de ontem (primeiro jogo que perdi em cinco anos), mas há números que precisam ser observados: é a terceira vitória seguida em casa, de um time que marcou 13 gols em 3 partidas, sofrendo apenas um. Não fosse aquele terrível escorregão em Criciúma, o time seria líder, ao lado do Metropolitano.

O Bruscão folga no final de semana e terá duas decisões pela frente: o Metropolitano, que foi goleado por 4 a 1, dentro do Sesi na quarta, e o JEC que goleou por 5 a 1, em Brusque. Se vencer os dois, leva o returno e encaminha a final contra o próprio Joinville.

E você que viu o jogo, o que diz? Você acredita? Hoje é com o internauta.

JASC 2009: A festa começou

São Pedro colaborou com o pessoal de Chapecó, e a chuva parou no momento que iniciava a cerimônia de abertura dos Jasc 2009, no Estádio Regional Índio Condá. Foi legal ver a homenagem a quem organizou a primeira edição dos Jogos sediada na cidade, além do desfile das delegações e todos os shows de luzes, danças e fogos.

Agora os Jogos começaram. E viva o esporte catarinense!

Ah, mais uma coisa que conferi: a obra da Arena Condá está a todo vapor. Todo aquele setor chamado de "coréia", que fica à esquerda das cabines, foi destruída para a construção da segunda parte da obra, mas não ficará pronta até o próximo Catarinense. Da mesma forma, foi anunciado que a grama do Estádio seria retirada para o plantio de um tipo igual ao Estádio da Ressacada, mas a operação também foi abortada pelo mesmo motivo: falta de tempo hábil.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

Perdeu quando não podia, mais uma vez.

O Figueirense entrou pressionado no campo em Natal, sabendo que o Atlético-GO vencia seu jogo contra o Ceará, e precisava vencer o América para manter a distância de dois pontos na classificação.

Deu tudo errado: o time não rendeu, teve um jogador expulso, tomou três bolas na trave e perdeu o jogo no finalzinho.

O primeiro tempo até considerei parelho, já que o América também tinha um enorme interesse no jogo, já que está na briga contra o rebaixamento. Mas no segundo tempo o alvinegro parece que tomou o rumo contrário ao que devia fazer: ao invés de pressionar o Dragão, acabou sendo pressionado, e jogou como aquele time que não tem mais interesse algum no campeonato, que só joga pra cumprir tabela. Tomou um gol no finalzinho, e, diga-se de passagem, foi uma vitória justa do América pelo que foi mostrado em campo.

Batendo na mesma tecla: a irregularidade, mais uma vez, foi o inimigo do time, que está bem perto de passar mais um ano na Série B. Não foi em Natal que a situação se estabelecer. Basta contabilizar os pontos perdidos dentro de casa.

Faltam três rodadas, e a reza tem que ser muito grande.

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Balneário, Caçador e Criciúma disputam os JASC de 2011

Uma boa notícia: em épocas que se fala muito de desinteresse acerca dos Jogos Abertos de SC, eis que três cidades aparecem como candidatas para sediar os jogos de 2011. (os Jasc do ano que vem serão em Brusque): Balneário Camboriú, Caçador e Criciúma querem receber a maior festa do esporte de Santa Catarina. A decisão sai sexta, em Chapecó.

O que eu penso sobre isso: primeiro, gostaria muito de saber qual a estrutura desportiva de Balneário, uma cidade de pouca área e sem muito espaço disponível. Pesa a seu favor a vida noturna e a ampla rede hoteleira, mas tenho sérias dúvidas se ela consegue ter ginásios, pistas e colégios suficientes para abrigar os Jogos. Só se mandar parte das competições para Itajaí. Também pesa contra o fato de Brusque, a 45km de distância, sediar os jogos um ano antes.

Depois vem Caçador, que perdeu os Jogos de 2007 para Jaraguá do Sul, quando fez aliança com Videira, Rio das Antas e Fraiburgo e agora vem em projeto-solo. Os políticos do meio-oeste estão confiantes no projeto, mas terão uma forte concorrência.

Criciúma é, ao meu ver, a favorita por alguns motivos: primeiro, a estrutura esportiva que é a melhor das três. E o segundo, o fator geográfico: a região sul do Estado não sedia os Jasc desde 1993 (em Tubarão) e Criciúma sediou a última em 1987. Aquela região precisa de um gás maior no esporte de rendimento, e de repente o fato de sediar os Jogos Abertos colabora com isso.

Criciúma 3x3 Brusque: injustiça aos 49 do segundo tempo

Quem não foi, perdeu um jogo emocionante no Heriberto Hulse. Não foi um jogo marcado pela qualidade, mas pela dramaticidade das jogadas e do clima em que envolvia a partida. Era um Brusque tentando achar motivação contra um Tigre desorganizado e muito criticado pela torcida. O Criciúma saiu na frente, o Brusque conseguiu a virada e era melhor o jogo todo, mas foi duramente golpeado ao tomar um gol no último lance do jogo, aos 49 minutos. Foi o primeiro empate da Copa Santa Catarina, apenas na primeira rodada do returno.

Suca deu uma entrevista antes do jogo em que senti muita sinceridade dele: declarou que estava "tentando e procurando" a formação ideal do time, ao passo que fez mais uma experiência no Majestoso, ao colocar William Gaúcho na meia, junto com Paulinho. A formação funcionou, e o Brusque ganhou o jogo no meio. O que me deixava preocupado no Criciúma era a meia cancha formada pelos experientes Everton Cézar e Marcelo Moscatelli, que não funcionaram em nenhum momento. O Criciúma literalmente "achou" o primeiro gol.

O Brusque empatou com Valdo, o Tigre voltou a frente do placar com Ronaldo Capixaba, de pênalti. Foi quando o Bruscão virou o placar com William (teve que cobrar duas vezes o pênalti) e Lucas, num golaço por cobertura. Com a expulsão dele, em seguida, o Criciúma partiu para o abafa de uma forma completamente desorganizada, na base da bola chuveirada, e dependendo da sorte. Num contraataque, Pereira perdeu a chance do quarto, e aos 49, um bate-rebate na área acabou num chute de pé direito do canhoto Ramon Zanardi, que acabou entrando. Uma daquelas injustiças que vão para a história do clube.

A atuação do Criciúma foi preocupante. Não esperava ver uma atuação tão pífia e uma composição tática tão ineficiente no sétimo jogo da Copa Santa Catarina. O empate caiu do céu, contra um Brusque que estava vibrante em campo, com certeza, mas que tem deficiências conhecidas, mas que acreditou que poderia vencer um adversário receoso.
Quando o jogo estava 3 a 2, eu falei na Rádio Cidade que aconteça o que acontecer, quero que o time mantenha essa vibração em todos os jogos, e não só em um ou outro. Acho que essa foi a grande lição do jogo do Heriberto Hulse, e que dá uma grande esperança ao torcedor, desde que a vibração se mantenha para o jogo contra o Avaí. Já o Criciúma, vaiado pela torcida, precisa rever seus conceitos e buscar saber se é esse o caminho que quer seguir para voltar a ser campeão estadual. Desse jeito aí, é muito complicado, diria eu impossível.