quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Avaí perde chance de faturar e popularizar

O Blog sai do recesso. Vamos trabalhar.

Quando vi o resultado da reunião do Conselho Deliberativo do Avaí, pensei em algo que tinha escrito em 21 de outubro último, depois da espetacular vitória azul sobre o Emelec, na Ressacada: "Que alguém grave o jogo de hoje e deixe guardado, para mostrar quando tiverem a ideia de cobrar 60 reais o ingresso. Muitos daqueles torcedores que preferiam ficar em casa ou ir no boteco ver o jogo no PPV foram pro campo. Futebol é esporte do povo. E hoje, o torcedor deu o seu grito de "Reage Leão".

O ingresso não custará 60 reais, houve uma redução de 10% na arquibancada (vai custar 50) e de 20% na coberta (vai custar 80). Considerando que na reta final do Brasileiro, onde o ingresso custou vinte reais, e o torcedor não deu a mínima para a fila infernal, foi lá e lotou o estádio, esperava-se que o exemplo fosse mantido e a política de preços fosse revista. Se fosse até por 30, acho que seria aceitável. Essa "redução", e vou usar entre aspas mesmo, não muda muita coisa na opinião de quem fica naquela dúvida, principalmente no Estadual: "vou ver Avaí x Concórdia pagando cinquentão ou fico em casa, ou de repente vou ver no Pay per View do boteco?"

Existe o argumento do "tem que associar", mesmo que algumas coisas tenham mudado que ficaram estranhas. Mas há de se considerar o povão, aquele que torce pelo time e não tem condição de arcar com a despesa fixa de uma mensalidade social, mas pode ir uma vez ou outra ao jogo. E isso depõe contra a estratégia marqueteira de um clube. Basta ver a matéria publicada no renomado site Máquina do Esporte, em que os lucros com bilheterias caíram muito por causa dos descontos dados a planos de sócios. O Avaí é citado na matéria. Existe uma grande demanda reprimida que não se animará com tal política de preços.

Já nos planos de sócios, ouvi várias opiniões de associados avaianos ontem e hoje. A mudança mais curiosa é o final da diferenciação dos preços de cadeira inferior e superior. Traduzindo: pelo mesmo preço de um local coberto, você fica em uma cadeira sujeito a tomar chuva na cabeça. E quem tinha a condição de arcar com a mensalidade por ali, terá dificuldades. Não vou entrar nos outros pormenores dos planos, que foram aprovados sem consenso (20 votos a favor e 10 contra), mas é uma decisão que vai fazer o clube perder dinheiro.

Elitizar não é o caminho, ainda mais quando falamos em um clube de massa, que é tocado pelo povo, que pode muito bem não querer pegar a fila pra assistir o jogo em um bar, tomando cerveja, sem pagar ingresso (jogo esse que o Avaí receberá algo em torno de 9 mil reais, pela divisão "maravilhosa" das verbas do Pay-per-view) e que pensará se vale ou não pegar a fila.

O berreiro dos torcedores avaianos está grande, e eles têm razão. E definitivamente, parece que a onda azul que tomou conta da Ressacada no final deste ano não sensibilizou a direção avaiana. Desconsideraram a força que um estádio cheio tem.

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

A minha mensagem de Natal e Ano Novo

Esse post é pra você que lê meu Blog. Não sei se vai ser longo, mas é de coração pra cada um que perde um pouco do seu tempo lendo esse espaço, que começou como uma coisa simples, mas que graças a todos vocês é um dos mais acessados do Estado. Confesso que as vezes fico assustado, ao ver 1200, 1500, 1700 acessos únicos diários, fechando 193.520 visitas e 241.669 pageviews desde o começo deste ano. É muita coisa. Ou viajar para algum lugar de Santa Catarina pra trabalhar e alguém te dizer "Pô, eu leio teu Blog!" Obrigado gente, de coração. Não tenho salário com esse Blog, que não tem vínculo com nenhum conglomerado de comunicação, mas a audiência de vocês que me estimula a continuar.

Tive, profissionalmente, um bom ano. Tive a honra de ser convidado a participar do "Clube da Bola" na RIC, onde hoje estou no meio de verdadeiras feras da imprensa esportiva desse Estado. Meu trabalho na Rádio Cidade foi reconhecido, cheguei a ficar entre os três finalistas do Prêmio Acaert como narrador, o que pra mim foi uma grande vitória. A TV Brusque, emissora a cabo que fundei lá em 2002, teve um ótimo ano. E espero que em 2011 seja melhor.

E todo mundo sabe o que aconteceu comigo naquele 10 de julho em Joinville, uma cidade que guardo tanto carinho. Vou contar uma historinha: eu tinha meus 9, 10 anos. Meu pai é proprietário de uma Gráfica, e ele produzia passes de ônibus para as empresas Guaratuba, Transtusa e Gidion, e a cada dois meses pegava a BR-101 (não duplicada) e ia pra Joinville, e me levava junto pra dar uma volta pela cidade. E fiquei muito triste pelo que acontecu naquela Arena. Mas sei que o povo de Joinville não tem nada a ver com a história.

Graças a Deus tenho família. Um pai e uma mãe que me deram educação, que permitiram que eu estudasse e tivesse a condição de estar onde eu estou. Aprendi a ser educado e não me meter com essas desgraças da humanidade que são as drogas. Eles me ensinaram a ser responsável e assumir as minhas responsabilidades. Infelizmente, acho que aquele infeliz que invadiu meu ambiente de trabalho lá na Arena não tem família. Se meteu num caminho perigoso, foi preso mais de uma vez, e quando teria que responder pelo que fez perante a sociedade, foi defendido pelo pai, justamente a pessoa que lhe deveria ter ensinado o caminho da educação e do respeito. Estamos em época de Natal, e se você que está me lendo é ou pretende ser pai, leve o que aconteceu comigo como um exemplo da importância que os pais tem na formação de um cidadão.

O ano de 2010 se foi. As coisas ruins, vamos deixar por aqui, para trazer coisas boas em 2011.

No Futebol, torçamos por nosso Estado, para que tenhamos um esporte mais sério, limpo, organizado e profissional.

Eu quero desejar a todos vocês, de coração, um Feliz Natal. Obrigado a todos que frequentaram esse Blog, que me ouvem no Rádio ou me assistem na TV. Um outro obrigado especial àquela gente que me apoiou naquele momento complicado em Joinville. A vida segue, e todos nós, de cabeça erguida, vamos continuar a nossa luta.

Feliz Natal e um ótimo 2011 pra todos nós. Um abraço a todos.

O mapa do Brasil Série A, B e C

O mapa abaixo mostra a representatividade dos Estados nas três principais séries do futebol brasileiro. Santa Catarina é o terceiro estado com maior número de times nas Séries A, B ou C em 2011, empatado com Minas Gerais e atrás apenas de São Paulo e Rio de Janeiro. Mostra do excelente momento vivido pelo nosso futebol.


terça-feira, 21 de dezembro de 2010

Em vídeo, José Nazareno Marcelino desabafa

O vídeo abaixo é de uma entrevista dada na última segunda-feira (20) pelo árbtiro José Nazareno Marcelino, eleito pelo "Top da Bola" como o melhor árbitro de 2009, e que não esteve presente no campeonato deste ano.

Na entrevista, concedida ao programa "Dentro da Área", do Canal 20 de Criciúma, apresentado por Giselle Tiscoski, Milioli Neto e Paulo Coutinho, Marcelino fala sobre seu desligamento dos quadros da federação, rebate denúncias e confirma a versão que Valdir Lodetti, vice-presidente da FCF, disse ao mesmo programa no final de junho, que não havia sorteio de arbitragem na Federação. Vale a pena ver:


O Galego está de volta ao Avaí

O Avaí vivia aquela pasmaceira de fim de ano, sem nenhuma notícia importante. Só se via jogadores saindo, e só o zagueiro Gian como novidade.

Até que a bomba veio hoje por aqueles cantos: Marquinhos Santos está de volta ao Avaí. O grande ídolo da história recente do clube, está de volta, liberado que foi pelo Santos. Um presentão de Natal para o torcedor.

Agora vai se importante se informar das circunstâncias dessa negociação. Sozinho, o Avaí não teria condições de arcar com o salário, que foge dos padrões do clube. Fala-se que Avaí e Santos dividiriam o pagamento do jogador. Marquinhos está abrindo mão de jogar uma Libertadores da América para ficar por aqui no Estadual, onde está acima de qualquer suspeita. Teria a ver com aquela cena de choro que meus olhos testemunharam na Ressacada, naquele jogo da penúltima rodada do Brasileirão? Fazendo uma linha de raciocínio, imagino que sim. Havia um clima turbulento na baixada santista.

Mas o torcedor avaiano não quer saber disso, e festeja a volta do ídolo, que agora vai dar um ótimo gás ao time no Campeonato Catarinense. Mas o Avaí precisa saber que Marquinhos é muito importante sim, mas não joga sozinho. Precisa conseguir mais peças para ser favorito ao tri.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Confirmado: Aloísio Chulapa chega amanhã a Brusque

Aloísio Chulapa está chegando a Brusque amanhã (terça) pra assinar contrato.

Companheiro Amauri, de Alagoas (@amaurifly) conversou com Chulapa ontem, que lhe disse que chega a Santa Catarina amanhã para assinar contrato, e volta para seu Estado, só se apresentando ao Bruscão no dia 2.

A diretoria do clube ainda não se manifestou. Mas a torcida do Brusque já pode comemorar a chegada do camisa 9.

Atualização do Blog 19:55 :A diretoria informa: a apresentação de Aloísio será nesta terça (21) as 18 horas na Havan.

sábado, 18 de dezembro de 2010

O Ranking "BdR" do Futebol Catarinense em 2010

Ficou pronto. Após alguns dias debruçado em tabelas, resultados e na calculadora, está pronta a segunda edição do nosso ranqueamento dos clubes catarinenses, o Ranking "Blog do Rodrigo" do Futebol Catarinense 2010. Quem não passou pelo Blog antes, o ranqueamento do ano passado está aqui, e os critérios de cálculo estão neste post. Lembrando que, com a ajuda daqueles que visitam o Blog, passa a ser feita a contagem dos três últimos anos. Cálculos feitos, vamos ao Ranking. Algumas explicações vão junto, com a somatória dos pontos de 2008 (metade de 2009) e de 2009 (peso 0,7) e 2010 (peso 1).


RANKING "BLOG DO RODRIGO" DO FUTEBOL CATARINENSE 2010


1) Avaí  (7,86 + 16,19 + 21,69 =  45,74 pontos) 2009: 1o.
O Leão da Ilha mantém a primeira colocação do Ranking, com o bicampeonato Estadual, onde fez bela campanha, e importantes pontos conquistados com a participação na Copa Sul-americana, que tem um peso importante. Somando aos pontos conquistados na Série A do Brasileiro, o Avaí é o número 1 do Ranking pelo segundo ano consecutivo


2) Figueirense ( 7,73 + 12,50 + 21,09 = 41,32 pontos ) 2009: 2o.
O Figueira fez um Campeonato Catarinense apenas razoável, mas a excelente campanha na Série B, torneio que tem um peso um pouco menor que A, fez o time se aproximar do Avaí na luta pela primeira posição. Ano que vem, com os dois disputando os mesmos campeonatos, pode ser a chance de uma virada. Aqui, podemos ver que o que decidiu não foi 2010, mas os pontos de 2009 que foram cruciais.

3) Joinville  (4,47 + 12,88 + 15,06 = 32,41 pontos) 2009: 3o.
O Joinville conseguiu o vice-campeonato no Estadual e na Copa Santa Catarina, além da campanha que o levou às quartas de final da Série D do Brasileiro. Há uma distância muito grande para a dupla da capital. Jogando na Série C, o JEC tem condições de se manter na terceira colocação em 2011.

4) Criciúma  (6,32 + 8,71 + 14,22 = 29,25 pontos) 2009: 5o.
O Tigre passa a Chapecoense e volta a figurar entre os quatro melhores do Estado. Não fez grande campanha no Estadual, mas marcou mais pontos que o rival do Oeste, rebaixado no campo. Na Série C, conseguiu o acesso com boa campanha, e, agora na Série B, vai lutar para tirar do Joinville a terceira colocação.

5) Chapecoense  (4,25 + 12,00 + 12,62 = 28,87 pontos) 2009: 4o.
O Verdão do Oeste teve um ano para esquecer: uma péssima campanha no Campeonato Estadual, que o colocou entre os dois últimos da classificação. Classificou-se para a segunda fase da Série C, mas com menos pontos que o Criciúma, que ultrapassou o time de Chapecó por menos de meio ponto de diferença.

6) Brusque (3,54 + 8,90 + 13,17 = 25,61 pontos) 2009: 7o.
Aqui temos mais uma troca de posições, abrindo o segundo grupo dos clubes catarinenses. O Brusque conseguiu, com a boa campanha na Copa Santa Catarina e a participação na Recopa, ultrapassar o seu rival Metropolitano, ocupando a sexta colocação do ranking, com menos de um ponto de vantagem. Com participação na Copa do Brasil e Série D, 2011 promete


7) Metropolitano (5,12 + 8.09 + 11,77 = 24,98 pontos) 2009: 6o.
Pelo mesmo motivo da ascensão do Brusque, o Metropolitano perde a sexta colocação do Ranking. A diferença era pequena, e o que decidiu foi a campanha de ambos na Copa Santa Catarina. Como o Brusque chegou a duas finais de turno e na final da competição e o Metrô não passou da primeira fase em nenhum dos turnos, os pontos decidiram a classificação no Ranking.

8) Marcílio Dias (5,37 + 5,81 + 11,81 = 22,99 pontos ) 2009: 9o.
O marinheiro foi campeão da Divisão Especial e ainda participou da Série D do Brasileirão, voltando à primeira divisão do Catarinense na oitava posição do nosso ranking.


9) Imbituba (2,52 + 8,88 + 11,25 = 22,65 pontos) 2009: 10o. 
Depois do título da Divisão Especial de 2009, o Imbituba fez uma bela campanha no Estadual, ficando na quarta colocação. Só não ficou a frente do Marcílio Dias no Ranking por causa da fraca campanha na Copa Santa Catarina, onde entrou para cumprir tabela e não para ganhar jogos.


10) Atlético de Ibirama ( 3,97 + 7,98 + 10,38 = 22,33 pontos) 2009: 8o.
O licenciado Ibirama começa sua despencada no ranking, que usou o seguinte critério para "punir" o pedido de licença: como a participação na Copa SC era obrigatória e o time não disputou, o Ranking computou zero ponto dentro da Copinha. Ele estava na tabela e acabou desistindo. É o décimo.

11) Concórdia  (3,02 + 6,53 + 11,76 = 21,31 pontos) 2009: 14o.
Promovido à Divisão Especial de 2011, o Concórdia sobe duas posições e chega no grupo dos 12 primeiros do futebol de Santa Catarina. Se permanecer na elite, pode começar uma interessante escalada.


A seguir, o restante da classificação:
12) Atlético Tubarão (3,23 + 1,94 + 11,50 = 16,67 pontos) 2009: 20o.
13) Joaçaba (3,85 + 5,60 + 6,00 = 15,45 pontos) 2009: 12o.
14) XV de Outubro (0,00 + 6,30 + 9,00 = 15,30 pontos) 2009: 21o.
15) Hercílio Luz (1,83 + 5,77 + 7,67 = 15,27 pontos) 2009: 16o.
16) Porto (3,43 + 6,30 + 5,00 = 14,73 pontos) 2009: 13o.
17) Camboriuense/Camboriú (2,52 + 5,83 + 6,33 = 14,68 pontos) 2009: 15o.
18) Guarani (2,45 + 3,5 + 8,57 = 14,52 pontos) 2009: 19o.
19) Juventus (3,30 + 6,78 + 4,30 = 14,38 pontos) 2009: 11o.
20) Próspera (1,57 + 4,43 + 6,33 = 12,33 pontos) 2009: 19o.
21) Navegantes (2,52 + 1,63 + 7,50 = 11,65 pontos) 2009: 23o.
22) Caçador (0 + 3,50 + 5,71 = 9,21 pontos) 2009: 25o.
23) Caxias-Joinville (0 + 0 + 8,86 pontos) 2009: SR
24) Videira (2,02 + 5,13 + 0,67 = 7,82 pontos) 2009: 17o.
25) Inter de Lages (2,10 + 0 + 5,14 = 7,24 pontos) 2009: 27o.
26) Operários Mafrenses (0,00 + 5,36 + 0,00 = 5,36 pontos) 2009: 22o.
27) Oeste de Chapecó (0 + 2,80 + 1,50 = 4,30 pontos) 2009: 27o.
28) Santa Catarina (0 + 4,20 + 0,00 = 4,20 pontos) 2009: 24o.
29) Pinheiros (0 + 0 + 4,00 pontos) 2009: SR
30) Portuguesa de Navegantes (0 + 3,15 + 0,00 = 3,15 pontos) 2009: 26o.
31) Blumenauense (0 + 0 + 2,00 pontos) 2009: SR
32) Grêmio Timbó (1,47 + 0 + 0,00 = 1,47 pontos) 2009: 29o.
33) Maga (0 + 0 + 0 = 0,00 pontos) 2009: 30o.

Observações: para fins de ranqueamento, foram considerados como mesmas equipes: Camboriuense e Camboriú, NEC/Caçador e Navegantes e Imbituba e CFZ Imbituba. Ambos trocaram de nomes, mas usaram a mesma vaga nos campeonatos estaduais.

Lembre-se: para ver as regras do cálculo de pontuação, clique aqui.

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

A nova roupa do Brusque para 2011

A diretoria do Brusque divulgou os layouts dos novos uniformes do clube para a temporada de 2011. A camisa branca perde as listras, enquanto a preta sofre uma inversão: as cores verde e vermelha foram para as mangas, enquanto que a preta foi para o meio da camisa:


Ministério Público aprova apenas três estádios do Catarinense 2011

Abaixo, nota publicada no site do Ministério Público de Santa Catarina:

Conforme foi previsto em Termo de Cooperação Técnica firmado em 24 de novembro de 2010, o Centro de Apoio Operacional do Consumidor (CCO) do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) recebeu, no dia 16 de dezembro, os laudos elaborados pela Polícia Militar sobre as condições de segurança dos estádios de futebol catarinenses, com base em vistorias efetuadas a partir da parceria estabelecida. Os estádios do Avaí, Marcílio Dias e Criciúma foram aprovados com restrições, e os estádios do Figueirense, Chapecoense, Joinville, Metropolitano, Concórdia, Imbituba e Brusque não foram aprovados.

Além do laudo técnico de segurança elaborado pela Polícia Militar, também foram feitos laudos técnicos pelo Corpo de Bombeiros, Vigilância Sanitária, e laudo de engenharia por profissional contratado pelos clubes. Os órgãos que apontaram irregularidades estão informando a todos os clubes os resultados e as medidas que devem ser adotadas para corrigir os problemas. "É importante destacar que as restrições apontadas e os motivos da não aprovação nos estádios devem ser sanadas até cinco dias antes do início da competição, sob pena de o clube não ter autorização pela Federação Catarinense de Futebol para o mando do jogo", alerta o Coordenador do CCO, Promotor de Justiça Rodrigo Cunha Amorim.

O Ministério Público vai realizar, no dia 11 de janeiro, reunião com todos os órgãos de fiscalização e com a Federação Catarinense de Futebol para que seja avaliado o efetivo cumprimento das medidas apontadas nos laudos, já que os clubes terão até o dia 10 de janeiro para corrigir os problemas. "A partir da reunião vamos deliberar sobre eventual medida preventiva a ser tomada para garantir a segurança aos torcedores", complementa Amorim.

Atlético Tubarão na justiça comum

Primeiro, quero dizer que, para mim, essa história que envolveu a Chapecoense e o Atlético de Ibirama é caso encerrado e esclarecido, não cabendo mais ficar discutindo aqui, restando aceitar o que já foi determinado.

Mas como o objetivo do Blog é informar, a notícia abaixo saiu hoje na coluna de Matheus Madeira, no jornal "Diário do Sul", de Tubarão:

Haverá uma ação judicial, movida por um cidadão, pedindo à Justiça Comum que impeça a participação da Chapecoense na Divisão Principal do Catarinense do ano que vem. Como o Judiciário entra em recesso na sexta-feira e retorna apenas no comecinho do ano que vem, existe a possibilidade real de a competição ser paralisada até que seja anunciada uma decisão em primeira instância.
Sabe-se que os clubes de futebol são proibidos pela FIFA de ingressar com ações na Justiça Comum, mas não há o que fazer quando um cidadão, nos seus direitos constitucionais, se diz prejudicado pelo Estatuto do Torcedor.
A Chapecoense e o Juventus foram rebaixados da Divisão Principal e jogariam a segunda divisão do ano que vem, mas o Atlético de Ibirama anunciou que não disputaria a Copa Santa Catarina. Acabou suspensa do Estadual de 2011. O TJD, seguindo decisão que a Federação Catarinense de Futebol já havia “orientado” (embora sua função não seja essa), considerou que o Atlético de Ibirama pode ser considerado um dos rebaixados, o que livraria a Chapecoense, penúltima colocada, da degola. É um absurdo jurídico sem qualquer cabimento, mas que emplacou e afronta o Estatuto do Torcedor, que reza que os times rebaixados precisam jogar a segundona do ano seguinte.

Aí reside a esperança do Atlético: como terceiro colocado da Divisão Especial, ficar com a vaga que a Chapecoense perder. Ou, ao menos, emplacar um campeonato com 12 times, o que é muito improvável.

O mais interessante é que, ao armar uma teia para manter a Chapecoense na elite, a federação admite que ter que ficar mais de um ano sem jogar é cruel demais para os rebaixados. Então, que mude o regulamento, porque tem time que passa por isso e não tem tapetão para se escorar.

Nota do Blog: vamos supôr que o Atlético Tubarão ganhe a tal ação (o que acho bem difícil de acontecer). Vai conseguir montar um time a toque de caixa para não fazer feio no Estadual. Era melhor ter se garantido em campo. Lá em Gravataí conversei com o técnico Suca, que me garantiu que o time era o melhor da segundona, mas depois da desclassificação descobriu fatores extra-campo que acabaram culminando com a desclassificação. É melhor procurar se estruturar para o ano que vem, mas vamos ver no que isso vai dar.

Brusque: reviravolta no caso Aloísio Chulapa

A semana foi bastante movimenta no Brusque, principalmente com a informação antecipada por este Blog no último domingo do interesse do clube no atacante Aloísio Chulapa. O caso teve várias reviravoltas nos últimos dias, e agora, o clube está autorizado pela Havan a entrar na briga para trazer o jogador.

Basicamente, o que aconteceu: Chulapa fez a pedida salarial através do seu empresário, que estava dentro dos valores estabelecidos pela Havan para trazer o chamado "jogador-medalhão". Na última segunda, em reunião na sede da Havan, o dono da rede de lojas, Luciano Hang, acabou "dando um gelo" na negociação, alegando que gostaria de ter um nome de maior impacto midiático para ser um verdadeiro garoto-propaganda da loja.

Mas com a repercussão da notícia, e com o nome de Chulapa aprovado pela grande maioria da torcida, o caso teve uma reviravolta ontem. Em entrevista ao jornalista Maurício Haas, do jornal "Município Dia-a-dia", Luciano Hang afirmou que autorizou a diretoria do Brusque a fechar negócio com o atacante. Hang entendeu que Chulapa pode ser mais produtivo dentro de campo, e que em o Bruscão vencendo partidas, pode divulgar o nome da Havan da mesma forma que se viesse um jogador famoso, mas que não rendesse tanto.

Há informações de existe concorrência pelo jogador. Fala-se em Náutico, Macaé e Volta Redonda. Agora, o Brusque entra definitivamente no circuito, disposto a pagar o que o jogador pediu. O diretor de futebol André Rezini prometeu solucionar o problema até no máximo quarta-feira que vem.

Pode ser o presente de Natal para a torcida.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

O novo escudo do Concórdia


Acima, o Blog divulga em primeira mão o novo escudo do Concórdia, agora modernizado, criado pela agência Corplan. O clube tinha um escudo um tanto quanto simples, com uma letra "C" enorme. A figura do Galo, mascote do time, está presente. Só não entendi o significado da estrela, já que o clube não possui nenhum título.

Televisionamento: comparando com outros Estados

Trago aqui no meu Blog brilhante texto do Blog "Memória Avaiana", que faz a comparação das cotas de televisionamento de outros campeonatos Estaduais:

O futebol catarinense não é sério. A prova é o quanto cada time ganhará da cota de televisionamento da RBS em 2011.

Embora os clubes tenham assinado uma cláusula de sigilo com a RBS (qual seria o motivo de se esconder? Vergonha?), alguém já deu com as linguas nos dentes e os valores foram revelados pelo jornalista Rafael Henzel, de Chapecó.

Confira o quanto cada um ganhará em 2011:

- Avaí, Figueirense, Criciuma e Joinville: R$220 mil.
- Chapecoense: R$190 mil.
- Brusque, Metropolitano e Imbituba: R$126 mil e 700.
- Márcílio Dias e Concórdia: R$ 63 mil.

Ou seja, a RBS pagará pelo Campeonato Catarinense um pouco mais de um milhão e meio de reais. Valemos aproximadamente 1/4 do Campeonato Paranaense e cerca de 09 vezes menos do que o Campeonato Sul-riograndense.

Não sei se este é o valor líquido ou ainda deve ser feito o DESCONTO DE COMISSÃO para a agência Propague (sim, porque a Associação de Clubes é incapaz de assinar um contrato sem um intermediador).

O fato é que com toda esse subserviência dos clubes fica muito fácil algum dirigente vir a público falar em "socialização dos custos" com a torcida.

No início do ano já foi feita aqui uma postagem constatando que a RBS paga para os quatro grandes de SC TRES VEZES MENOS do que ela paga para times como Avenida, Ypiranga, Esportivo, Porto Alegre, Ulbra...

E continuará pagando esse ano. Vou repetir aqui os dados de 2010 da cota de televisionamento apenas dos nossos Estados vizinhos (provavelmente terão algum reajuste para cima em 2011):

- PARANÁ: (2010)

R$5 milhões. Deste valor, R$ 700.000,00 vão para Atlético, Coritiba e Paraná (individualmente). O restante é divido em partes iguais para os demais clubes, o que dará pouco mais de R$ 241.000,00 aos outros participantes. A proposta inicial de R$ 2.000.000,00 foi recusada pelo Atlético Paranaense, que impediu a transmissão de seus jogos.

Se uma empresa que ofereceu R$2 milhões por um produto consegue oferecer R$5 milhões pelo mesmo produto é porque ele deve render mais do que isto, não?

Agora imagine o Campeonato Catarinense dos últimos anos caso o Avaí não tivesse feito o jogo da FCF/RBS e repetido a atitude do Atlético/PR. Qual a final de campeonato teria sido transmitida nos últimos dois anos?


RBS fez um investimento de R$ 13.200.000,00. Grêmio e Inter ficaram com R$ 4 milhões de reais de quota cada um. Em 2010, cada um dos nanicos recebeu, em média, R$ 650 mil pela participação. Ou seja, praticamente TRÊS VEZES MAIS do que os maiores times de SC, incluindo os dois times de Série A.

É claro que não se pode pensar que valemos tanto quanto os maiores times do RS e do PR, cujos títulos nacionais e internacionais falam por si. Mas, quanto custam 30 segundos no horário nobre dos jogos televisionados na Globo/RBS? De publicidade diária nos jornais do grupo RBS, na TVCOM, nos portais da Internet e nas rádios que transmitem os jogos?

Na ponta do lápis, entre os gastos de transmissão e os lucros auferidos, valemos três vezes menos que o Avenida F.C.? Se havia uma empresa disposta a pagar mais pelo Campeonato Catarinense, será que ele não valia um pouco mais? E que negócio é esse onde nega-se uma oferta financeira melhor em troca de privilégios à uma empresa?

(...)

O futebol catarinense, de fato, não é grande. Mas, não por aquilo que faz dentro do campo: 2 times na Série A, 1 na Série B, 2 na Série C, perdendo apenas para SP, RJ e MG, à frente de PR, RS, GO, CE, BA, PE, AL, RN, PA, AC, DF, MT, PB, TO.

(...)

Na melhor das hipóteses (a incompetência), pode-se fazer uma análise de que os clubes acreditam que eles precisam mais da RBS do que a RBS deles, quando, na realidade, esta dependência é, no mínimo, mútua, se não for contrária.

Quero adicionar outro ponto aqui: quando houve aquele imbróglio todo que fez o Catarinense voltar pras mãos da RBS, sem que houvesse um leilão aberto, e que consequentemente, poderia reverter em mais dinheiro para os clubes, falou-se na "parceria" que haveria entre emissora e clubes.

Não sei que tipo de parceria é essa, se as torcidas de clubes que não os da Capital não verão seu time jogando em TV Aberta (exceto Joinville e Criciúma, verão um jogo cada por causa da rodada do clássico da Capital). No Campeonato Paulista, as praças que tem sinal cortado assistem a um outro jogo. E lá no Rio Grande do Sul, partidas de times do interior tem transmissão pela TVCOM. Nem isso foi pensado pra, de certa forma "acalmar" torcedores de praças importantes como Joinville, Blumenau e Chapecó.

Profissionalismo no futebol de Santa Catarina? Conta outra.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Copa do Brasil: Brusque pega o Atlético-GO. É possível sim!

Acabou o mistério que tanto atormentava o torcedor brusquense, e que deixava o torcedor avaiano na expectativa. Saiu a tabela da Copa do Brasil, com seus cruzamentos. E gostei bastante.

O Avaí não deve ter problemas pra chegar na terceira fase: pega o Vilhena de Rondônia, vai pegar uma viagem bem cansativa, e se passar, pega Ipatinga ou o Rio Branco-ES. Somente numa terceira fase a coisa complica mais, podendo vir a pegar o Botafogo ou o Paraná.

Já o Brusque pega o Atlético de Goiás, campeão goiano, que lutou até a última rodada para não cair para a Série B. Claro que o time de Renê Simões é o favorito para o confronto, mas a classificação do Bruscão não é assim tão impossível. O Dragão se desfez de jogadores como Elias e Josiel, mas conta com o bom goleiro Márcio, o lateral Thiago Feltri e o volante Robston. Fora isso, tem grande parte do seu elenco montado com atletas da base, que devem encarar o Campeonato Goiano. Considerando que o jogo de ida vai acontecer no final do primeiro turno do Estadual, espera-se que o Brusque terá boas condições para enfrentar o Atlético.

Outro ponto é que o jogo de volta não acontecerá no enorme gramado do Serra Dourada, e sim no Estádio Antônio Acioly, de propriedade do clube, com capacidade para oito mil pessoas.

Esperava-se um adversário forte para o Brusque. O Atlético é time de Série A. Mas sim, é possível.

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Sai a tabela do televisionamento do Catarinense 2011. Diminui cobertura do PFC

Demorou um monte, mas a FCF soltou a tabela do Campeonato Catarinense já com os televisionamentos da RBS TV e do PFC.

E está confirmado: não serão todos os jogos de Avaí, Figueirense, Joinville e Criciúma que serão televisionados. E isso vai dar berreiro, pode apostar. A tabela mostra particularidades da TV aberta: o torcedor de Chapecó não verá nenhum jogo do seu time, assim como os torcedores dos times do Vale. Joinville e Criciúma verão apenas um jogo. O assinante, que pagou caro pelo pacote, e que teve o preço aumentado, verá 8 jogos a menos que no Estadual deste ano.

Vamos aos jogos que terão transmissão pela RBS:

16/01 - Metropolitano x Figueirense
19/01 - Brusque x Avaí
23/01 - Criciúma x Avaí
26/01 - Marcílio Dias x Figueirense
30/01 - Metropolitano x Avaí
02/02 - Chapecoense x Figueirense
06/02 - Joinville x Criciúma (é a rodada do clássico, único jogo sem time da capital na TV)
09/02 - Criciúma x Figueirense
13/02 - Concórdia x Avaí

Returno:

05/03 - Chapecoense x Avaí
09/03 - Joinville x Figueirense
13/03 - Brusque x Figueirense
20/03 - Imbituba x Avaí
23/03 - Concórdia x Figueirense
27/03 - Joinville x Avaí
03/04 - Criciúma x Joinville (rodada do clássico da Capital)
10/04 - Marcílio Dias x Avaí
17/04 - Imbituba x Figueirense

Tirando as rodadas do clássico, em todas as outras são transmitidos jogos ou de Avaí, ou de Figueirense jogando fora de casa. Logo, todos os times têm um mínimo de dois jogos transmitidos, exceto Criciúma e Joinville, que terão 4 partidas, já que os dois encontros entre os dois serão mostrados na RBS.

Relação de jogos que teriam transmissão neste ano, mas foram limados do ano que vem, num total de 8 partidas, sendo sete do Joinville e uma do Criciúma :

JEC x Brusque, Concórdia x Joinville, (turno) Brusque x Joinville, Concórdia x Criciúma, Marcílio Dias x Joinville, Joinville x Concórdia, Chapecoense x Joinville e Metropolitano x Joinville (returno)

Quanto cada um vai ganhar da TV

Alguns posts atrás, noticiei que, na reunião da Associação de Clubes que aconteceu na Federação Catarinense de Futebol, os clubes definiram uma mudança na divisão do bolo do televisionamento do Campeonato Estadual de 2011 em TV Aberta. Os valores do PPV já foram definidos há algum tempo. O diretor do Criciúma, Deloir Brunelli, declarou que os clubes firmaram um contrato de sigilo para que os números não fossem revelados.

Como no futebol não tem verdade que dure mais que 24 horas, os valores vazaram. Então, o Blog vai tentar informar quanto cada um deve ganhar de televisionamento, somadas TV Aberta (RBS TV) e pay-per-view (PFC):

Dados apurados pelo competente Rafael Henzel, de Chapecó, que deve ter conseguido de algum diretor da Chapecoense, dizem o seguinte: a Chapecoense receberá 12% do total do bolo, representando 190 mil reais, somando TVs aberta e fechada. Os quatro chamados "grandes", que não gosto de usar essa termologia, ganham 14% cada. Imbituba, Metropolitano e Brusque levam 8%, enquanto Concórdia e Marcílio Dias ficam com 4%. Nenhum clube terá que pagar taxas de arbitragem, exceto se for necessário trazer um árbitro Fifa.

Vamos colocar tudo na ponta do lápis. Baseada nessa conta, vamos aos números aproximados de quanto cada clube receberá de TV em 2011. Lembrando que, do valor total pago pelas emissoras aberta e fechada, 25% já foram descontados para a Agência Propague (12%), FCF (10%) e Associação de Clubes (3%). Se for usada a mesma conta da divisão do PFC, isso representa 25% do total que, teoricamente, seria dinheiro para os clubes.

Avaí, Figueirense, Criciúma e Joinville: R$ 221.000,00
Chapecoense: R$ 190.000,00
Brusque, Metropolitano e Imbituba: R$ 126.700,00
Marcílio Dias e Concórdia: R$ 63.333,33

Somando os valores, inclusive os comissionamentos, chegamos a um valor próximo a R$ 2.200.000,00 de TV, incluindo aí os 800 mil reais do PPV, que tem divisão diferente: R$ 90.100,00 para os quatro, e R$ 28.266,66 para os seis restantes. 

Pode-se achar num primeiro momento que é muito dinheiro, mas é um valor muito baixo se comparado com outros estados. Basta lembrar que os clubes pequenos do Campeonato Gaúcho, e lá são dezesseis equipes, recebem mais do que os quatro "grandes" de Santa Catarina ganham por aqui. E, com isso, tumultuam bastante o mercado catarinense, já que tem condições de pagar bons salários. E lá, alguns jogos também tem transmissão pela TVCOM. Que a Associação de Clubes saiba negociar bem o contrato em 2012. E que saiba negociar sozinha, sem nenhum intermediário que receba um dinheiro que entraria muito bem nos cofres dos clubes.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Brusque confirma William, ex-JEC e Figueira

Se a diretoria ainda não confirma a vinda de Aloísio Chulapa, mais um reforço foi confirmado e apresentado essa tarde: é o meia William, de 33 anos, 1,78m e 73 kg.

Ex-jogador do Joinville, atuou pelo Figueirense no acesso do time à Série A, em 2001.

Conversei com alguns amigos lá de Joinville, que falaram que ele é bom jogador, mas ficou muito tempo no Departamento Médico recuperando-se de lesões. Então, que ele chegue por aqui inteiro.

domingo, 12 de dezembro de 2010

Exclusivo: Brusque acerta com Aloísio Chulapa

O Blog confirma com exclusividade a notícia que a torcida do Bruscão tanto esperava. Partiu de dentro do patrocinador do Brusque a informação na tarde de hoje. Fontes ligadas ao Blog confirmam a informação que o  "jogador-medalhão" que o clube está fechando negócio é Aloísio Chulapa, de 35 anos, 1,88m e 86kg, ex-atacante de Flamengo, São Paulo e Vasco, e cujo contrato com o Brasiliense, da Série B, encerrou no último dia 10. Outra fonte informa que as negociações andaram, a parte financeira está acertada e só faltam detalhes contratuais para que o anúncio seja feito.

Na Série B deste ano, Aloísio marcou sete gols pelo Brasiliense. Segundo a informação, o patrocinador desejava um nome de maior impacto, mas a diretoria do Bruscão optou pelo veterano atacante, que também era pretendido por Macaé e Remo.

O atacante fez 124 jogos pelo São Paulo entre 2005 e 2008, marcando 23 gols e foi tricampeão brasileiro e campeão mundial de clubes em 2005, dando o passe para o gol de Mineiro marcado contra o Liverpool. No Vasco da Gama, jogou em apenas 12 jogos.

Aloísio esta na mesma situação de Dodô, que também foi especulado por aqui: são veteranos, mas estão em atividade, além de marcar gols na Série B. Ou seja, estão em plena atividade, ao contrário de Viola que só jogava showbol. Julgo ser uma boa contratação.

sábado, 11 de dezembro de 2010

Televisionamento: mais para quatro, menos para seis

Ontem a noite, a FCF recebeu a última reunião da Associação de Clubes de Santa Catarina. O presidente do Avaí, João Nilson Zunino, que não queria ficar mais uma gestão, acabou aceitando permanecer mais dois anos. E, como não podia deixar de ser, o televisionamento foi assunto. Para quem não sabe, as verbas da RBS TV do ano passado foram divididos de forma igualitária entre os dez times, descontado um comissionamento para a agência Propague (e até agora não sei por que os clubes precisam de agência pra negociar contrato de televisionamento) e para a FCF.

Mas para esse ano, a divisão do bolo mudou. Foi o que disse um diretor do Criciúma ao portal Engeplus:

O Criciúma saiu satisfeito da reunião da Associação de Clubes, realizada ontem à noite na Federação Catarinense de Futebol, em Balneário Camboriu. No encontro, foi discutido o contrato de televisionamento dos jogos do Estadual. "Conseguimos um bom resultado", comemora o diretor financeiro Deloir Brunelli.
O grupo dos quatro principais clubes - Criciúma, Joinville, Figueirense e Avaí -, conseguiu aumentar sua participação no bolo dos recursos do campeonato. "Mas assinamos uma cláusula de sigilo, portanto não podemos informar os valores. Mas garanto que vamos receber um pouco mais".
Segundo Brunelli, o principal argumento utilizado pelos principais clubes é a projeção que eles estão dando ao futebol catarinense. Afinal, em 2010, Criciúma, Joinville e Figueirense conseguiram subir de divisão no Campeonato Brasileiro, enquanto o Avaí se manteve na Série A.

Uma hora os valores aparecem. Ah, e é bom lembrar: em 2012 os clubes não receberão nenhum real da RBS TV pelo televisionamento do Estadual. O dinheiro do primeiro ano de contrato foi repassado de forma adiantada em 2009, quando da briga judicial com a Record, em que um contrato foi assinado com um outro ainda em vigência. Como a RIC levou a melhor, o contrato com a RBS foi prorrogado automaticamente por mais uma temporada. Resta descobrir o destino do dinheiro adiantado: já ouvi que há uma reserva técnica depositada em uma conta bancária para cobrir os custos de 2012, assim como também já ouvi que o dinheiro adiantado foi gasto por alguns clubes.

Injusta a priorização dos quatro? Acho que sim. Baseado no argumento do diretor do Criciúma, esqueceram que a Chapecoense, mesmo não conseguindo o acesso, também fez uma boa Série C e ajudou nessa projeção. Mas os dirigentes dos seis clubes ditos "pequenos" mostraram que não souberam agir politicamente dentro da sua própria Associação.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Ranking "BdR" 2010 sai nos próximos dias

Terminadas todas as participações oficiais dos times de Santa Catarina neste ano, o Blog vai começar a contabilizar os resultados para a montagem do "Ranking Blog do Rodrigo do Futebol Catarinense 2010".

Há duas semanas, o Blog colocou sob consulta popular uma sugestão de aperfeiçoamento do Ranking para este ano. Que, ao invés dos dois anos do ano passado, passassem a ser contabilizados as últimas três temporadas dos times, com peso diferenciado: 2010 com 100%, 2009 em 70% e 2008 com metade de 2009, ou que fosse mantido o esquema do ano passado.

109 pessoas votaram, e 61 deles (55,96%) decidiram que o Ranking passará a contabilizar as últimas três temporadas. Nos próximos dias, o Ranking será divulgado. As regras passam a ser as seguintes:

Os critérios:

Serão considerados os resultados dos clubes nas últimas TRÊS temporadas (2008, 2009 e 2010). Os pontos conquistados por cada equipe serão considerados, e não os títulos.

O cálculo para se chegar aos pontos ganhos em cada jogo é feito da seguinte forma:

Para jogos de campeonatos estaduais, pega-se os pontos ganhos no jogo (1 ou 3) x 1 x (valor do campeonato)

Campeonato Catarinense Divisão Principal - 10
Campeonato Catarinense Divisão Especial - 6
Campeonato Catarinense Divisão de Acesso - 4
Copa Santa Catarina - 8

Para jogos de campeonatos nacionais, pega-se os pontos ganhos no jogo (1 ou 3) x 2 x (valor do campeonato)

Campeonato Brasileiro Série A - 10
Campeonato Brasileiro Série B - 7
Campeonato Brasileiro Série C - 6
Campeonato Brasileiro Série D - 4
Copa do Brasil - 8
Recopa Sul-Brasileira - 5

Para jogos de campeonatos internacionais, pega-se os pontos ganhos no jogo (1 ou 3) x 3 x (valor do campeonato)
Mundial de Clubes - 10
Taça Libertadores - 8
Copa Sul-Americana - 7
Recopa Sul-Americana - 5

(importante notar: Catarinense tem peso 1, Brasileiro 2 e Internacionais 3)

Para a pontuação geral, soma-se os pontos de todos os jogos nos últimos 36 meses (2008 + 2009 + 2010) e se divide pelo número de jogos disputados a cada ano, aplicando-se a desvalorização do ano anterior. Os pontos serão a soma das médias dos três anos.

O Ranking também usará o critério FIFA de desvalorização. Ou seja: os pontos conquistados na penúltima temporada serão multiplicados por 0,7. Traduzindo: os resultados de 2010 levam peso 1, os de 2009, vale 70%, e, a partir deste ano, os de 2008 valem metade de 2009.

Obs.: No caso de empate entre dois ou mais clubes, a ordem apresentada no Ranking é meramente alfabética, não sendo levados em conta os campeonatos disputados pelas agremiações.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

A novela acabou: o JEC está na Série C

Foi uma maratona jurídica daquelas que deixou a torcida joinvilense apreensiva. Mas no fim, deu tudo certo. Convenhamos, seria melhor que o JEC tivesse conseguido o acesso à Série C no campo, para poupar todos de todo esse sofrimento. Os jogadores não foram competentes em campo, mas o América-AM não cumpriu as regras escalando jogador irregular, coisa de time amador, e permitiu que o Joinville buscasse os seus direitos. Com apenas um voto contrário, o time de Manaus perdeu seis pontos, e o clube da Manchester está de volta à terceira divisão do Brasileiro. Tem calendário garantido e abre a possibilidade para que mais um time catarinense dispute a Série D em 2011.

O JEC tem um 2011 muito interessante pela frente. Agora, sob a coordenação de Moisés Cândido, o clube pode injetar aquele profissionalismo que faltou nos últimos anos, quando perdeu títulos em momentos decisivos, somados com problemas extra-campo. O clube atravessa problemas de salários atrasados, mas agora, em um outro patamar, a situação tende a melhorar e muito.

Avaí testa Mauro Galvão

O anúncio de Mauro Galvão como novo responsável pela direção de futebol do Avaí permite algumas análises. Não há o que discutir o histórico dele como jogador. Zagueiro que jogou até depois dos 40, com passagens pela seleção, jogou Copa do Mundo... um currículo irretocável dentro de campo.

Mas o que sobra como jogador, falta como dirigente. Longe de dizer que ele não dará certo na nova função, que era bem exercida por Moisés Cândido, que só saiu do clube por ter ligação com a LA Sports. O que se chama a atenção aqui é o fato do Leão ter trazido um dirigente novo, sem a cancha do antecessor, para buscar a montagem de um time de qualidade para 2011.

Se vai dar certo, só o tempo dirá. Mas será que é a hora certa para apostas?

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Figueirense e Avaí dividindo o mesmo estádio?

O vídeo abaixo é do programa "Bon Vivant", apresentado por Leo Coelho na Record News, e recebeu os presidentes do Avaí, João Nilson Zunino e do Figueirense, Nestor Lodetti. No meio do papo, Zunino lançou a ideia de que Florianópolis possa contar com apenas um Estádio, que seria dividido entre Figueirense e Avaí, a exemplo do que funciona em estádios como Minas Gerais e Ceará.

O assunto vai dar polêmica. Mexe com uma coisa cultural que é o da "casa própria". Mas se o poder público levantasse um estádio de 40 mil pessoas para uso compartilhado, economicamente a ideia não é tão ruim assim. Mas o vídeo vai levantar uma grande discussão, e o presidente alvinegro parece também concordar com a ideia. Com a palavra agora, os torcedores dos dois times.

Moisés Cândido, da Ressacada à Arena Joinville

O Joinville faz aquela que acho ser a mais importante contratação do ano. Buscando profissionalizar a sua gestão do futebol, que estava exageradamente centralizada na figura do presidente Márcio Vogelsanger e do diretor Nereu Martinelli, o clube da Manchester apresentou hoje a tarde Moisés Cândido, um dos responsáveis pela montagem do time do Avaí que conseguiu o acesso a Série A, em 2008, e que foi demitido ontem. Não demorou, já arrumou emprego.

Sem dúvida, um tiro certeiro do JEC, que precisava desse algo a mais dentro da sua organização. Moisés tem muito a agregar ao clube, afinal, tem experiência de Série A.

E não duvide se algum jogador avaiano aparecer por lá.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Dodô no Brusque?

Uma declaração de um diretor do Atlético-PR provocou um burburinho na cidade. Valmor Zimmermann, questionado sobre a possibilidade de contratar o atacante Dodô, deu uma declaração bem vaga: "parece que ele estaria acertando com o Brusque". Foi o suficiente para começar a roda de especulações. Será que o Bruscão vai trazer, de novo, o tal do "jogador medalhão"?

Pelas informações que tive, Dodô tinha um salário de aproximadamente R$ 90 mil na Portuguesa. Quando esteve por aqui, Viola ganhou 100 mil pelo campeonato inteiro. Questionei o diretor de futebol do Bruscão, André Rezini, que, em mensagem no celular, me respondeu: "Não tem Nada, não sei de onde tiraram isso. Não tem 1% de verdade. Pelo menos eu, que sou diretor de futebol, não estou sabendo. Foi ventilado vários nomes, mas nem sabemos se realmente a Havan (patrocinador do clube) vai querer e se vai bancar algum jogador assim".

É um assunto que tem que ser visto com carinho. Viola veio, fez marketing, mas destratou a imprensa, escapou de partidas importantes e foi ganhando a raiva da torcida, além de desagregar o grupo. Trazer um jogador desse tipo tem que ser uma ação muito bem calculada, para evitar riscos semelhantes. Dodô é um jogador em atividade, jogou a Série B deste ano. Mas o custo é muito maior do que o gasto para a vinda de Viola. Não acho que o patrocinador gastaria tanto para um jogador.

Superliga: Time de Vôlei Feminino de Brusque ganha patrocínio

Boa notícia para o time de vôlei feminino de Brusque que disputa a Superliga 2010/2011: Depois de muitas dificuldades no começo de trabalho, onde o time iniciou o torneio sem patrocínio, e perdeu jogadoras pelo não pagamento de salários, a AD Brusque, mantenedora do time, anunciou a assinatura de contrato com a Guabifios, distribuidora de fios da vizinha cidade de Guabiruba, e que viabilizará todo o projeto do time para o campeonato nacional, que terá sua segunda rodada neste final de semana, com o time brusquense enfrentando o Vôlei Futuro, sexta a noite, com transmissão do Sportv.

Pena que os clubes de vôlei, que se acham tão profissionais, rastejam no amadorismo quando se fala em contratos de transmissão. Os times não recebem nenhum tostão do televisionamento (fica tudo com a CBV), e se sujeitam a que seus times sejam chamados por nomes genéricos, e não pelo patrocinador que gasta uma grana preta para montar o time. Se esses clubes fossem unidos e assumissem as negociações de contrato como no futebol, e exigissem a não-ocultação dos nomes reais dos times, assim como funciona nos Estados Unidos, a coisa seria bem melhor.

E o Brusque não levou a Recopa

Primeiro, perdão pelo post tardio. Depois de uma longa viagem em uma rodovia em obras, o cansaço venceu a vontade de escrever.

O Brusque perdeu a Recopa para o Cerâmica em um jogo que dá pra explicar rápido: time começou sonolento, tomou o gol aos nove minutos, o adversário se fechou e o Brusque perdeu várias chances de gol. Mesmo voltando com maior vontade no segundo tempo, não passou pela retranca adversária. Claro que um time que treinou apenas oito dias não pode ser cobrado como quem treinou alguns meses, mas algumas pequenas conclusões dá pra tirar dessa Recopa em Gravataí.

Primeiro, e até o mais óbvio, o entrosamento. A linha de zaga falhou muito na organização da marcação, deixando grandes chances para os adversários. O setor de armação ficou muito a desejar e o ataque precisa colocar a mira em dia.

Esmiuçando: Se num torneio nessas circunstâncias não dá pra avaliar o time, individualmente alguns jogadores ganham ou perdem pontos com treinador e torcida. Dois jogadores em especial voltam do Rio Grande com a obrigação de mostrar mais serviço: um é o atacante Leandrinho, que veio muito falado do Metropolitano, onde seu futebol havia sumido nos últimos meses, e continuou onipresente em campo. Falhou no domínio, criou poucas jogadas e não parece que vai ser o titular do time. A diretoria trouxe Kito, teoricamente para ser titular. Mas ainda é necessário mais um para a posição, ao menos.

O outro é o meia Paulinho, que costumo chamar de "Playstation", pela total previsibilidade dos seus lances. Escalado para a meia-cancha nos dois jogos da Recopa, não conseguiu criar jogadas e sobrecarregou Têti, que teve que se virar sozinho contra uma forte marcação. Contando que Marcelinho me decepcionou bastante na sexta (e achei que trazê-lo era um risco, uma vez que a última vez que ele passou por aqui e jogou bem foi em 2006, quatro anos atrás), o Brusque precisa de mais um jogador de meio-campo, para fazer com Têti o que Diogo Oliveira fazia, um sistema de armação com dois jogadores de qualidade.

Mesmo sem o título, a Recopa foi proveitosa para algumas análises individuais. Mas nada que estrague o planejamento para o Catarinense. E permitirá alguma correção de rota. O torneio não é tão inútil assim como se pensa.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

O Brusque na final, contra o Cerâmica e seus limites

Sob o forte calor aqui de Gravataí, o Brusque teve muitas dificuldades para vencer o Paulista de Jundiaí, que veio pra cá com o time que disputará a Copa São Paulo de juniores. Venceu por 3 a 2 um jogo que estava se encaminhando para os pênaltis, mostrando os problemas de um time que está treinando há menos de duas semanas. A falta de entrosamento era flagrante: linha de zaga que não se entendia, um sistema de criação no meio campo muito confuso e um ataque desorganizado, que não conseguia criar.

Mas toda e qualquer análise sobre o time do Brusque tem que ser feita com muitas ressalvas, até pelo motivo que coloquei ali em cima. Seria muito injusto fazer qualquer tipo de crítica em cima de um time que praticamente não treinou.

Mas no sufoco o Bruscão venceu, e enfrentará o time da casa, o Cerâmica, que venceu o Roma com um gol de pênalti (pra mim, fora da área) aos 48 minutos do segundo tempo. Por ser uma equipe que vem jogando já há algum tempo, o Cerâmica tem um certo favoritismo, apesar de não ter visto no jogo de hoje nada de extraordinário em campo. Isso não quer dizer que o Brusque tenha chances.

Paulo Turra tem em seu elenco jogadores que tem poder de decidir jogos, como Têti e Kito, prováveis titulares no Estadual que, por causa do pouco tempo de treinamento, entraram em campo somente no final do jogo. Se eles se sentirem em condições de começar a partida, devem ir para a batalha, que agora vale título.

Por mais que a Recopa seja para o Brusque um torneio de preparação para 2011, uma decisão mexe com os brios de cada um. E o time entra em boa condição de conseguir o bi.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Luiz Muller, um concordiense comanda o Concórdia

Um cidadão concordiense foi o escolhido pelo novato Concórdia para comandar o time no grande desafio da primeira divisão. Luiz Muller, de 49 anos, que como jogador atuou no Remo-PA, Bragantino e Sport, conquistando muita fama nestas equipes. Como técnico, Muller treinou os times sub-20 do Bragantino e da Portuguesa, além do ECUS, de Suzano-SP e Fortaleza.

Muller terá uma imensa responsabilidade. Grande parte do atual plantel da equipe voltará para Erechim no dia 5, a partir do final de uma parceria que fez com que atletas do Ypiranga pegassem cancha na segundona catarinense. Aí, a diretoria do CAC terá a responsabilidade de montar um bom time com a vaga na primeira divisão na mão. Temo pela inexperiência da diretoria (haverá troca de presidência, saindo Mauro Fracasso e assumindo Emerson Lorenzetti, que terá que arrecadar o que o futebol de campo da cidade nunca arrecadou: algo em torno de 120 a 150 mil reais para conseguir montar uma equipe para não fazer o bate-volta. E é aí que Muller entra, pois terá a obrigação de usar sua experiência e ajudar a diretoria a construir o plantel. E em pouco tempo.

O Concórdia é uma enorme incógnita. Hoje é favorito ao rebaixamento, mas se conseguir um bom investimento, combinado com a competência nas contratações, poderá surpreender. Agora, está nas mãos de Luiz Muller.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Criciúma vai de Guilherme Macuglia

O Criciúma foi atrás de Silas, Toninho Cecílio, Sérgio Guedes, Jair Picerni... Mas nenhum desses nomes, que tem um grande mercado principalmente em São Paulo, aceitou encararar o desafio. Uns por terem compromissos, outro pela parte salarial. Há quem diga que Silas, por exemplo, haveria pedido 100 mil reais mensais para ele e a comissão técnica. Antenor Angeloni tem dinheiro, mas sabe que não pode jogar fora assim.

E hoje o mistério foi solucionado: depois de procurar por todo o Estado de São Paulo um treinador, o Tigre encontrou na Chapecoense o seu técnico: Guilherme Macuglia, de 47 anos, que foi campeão brasileiro da Série C pelo clube em 2006.

Quando a torcida esperava que o Criciúma fosse trazer um nome de maior expressão, chega um já conhecido, e que fracassou com a Chapecoense na luta pelo acesso neste ano. É que o Tigre demorou demais para definir um treinador. De tanto ir atrás de profissionais mais caros, o mercado foi fechando. Macuglia vai ter que superar muita desconfiança.

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

A emoção de Marquinhos na Ressacada

Ninguém me contou, eu vi.

Assisti Avaí x Santos no camarote da RIC Record, e do meu lado direito havia um grande espaço, onde estavam Marquinhos Santos, o técnico Adilson Batista, seu auxiliar Ivair e o treinador do Paraná, Roberto Cavalo. Quando a torcida avaiana descobriu que o ídolo estava ali em cima, Marquinhos foi saudado diversas vezes. E ele respondeu, saudando a todos que o respeitam como um dos maiores ídolos da história do clube.

Foi muito interessante acompanhar o jogo e observar as reações de um jogador da terrinha, ídolo avaiano, mas que joga no adversário. Tirar ele da partida foi a melhor atitude que o técnico Marcelo Martelotte poderia ter feito. Seria maltratá-lo.

No seu canto, solitário, Marquinhos torcia em silêncio. Não demonstrava reação com as chances perdidas do Avaí no segundo tempo, bem a sua frente.

Mas quando Caio acertou aquela bomba no ângulo, virando a partida, Marquinhos deu um pulo, foi para a parte de trás do setor e mostrava uma cara de alívio. Voltou a sentar, e quando vi, ele parecia estar chorando. A câmera do meu celular não era nada boa, mas eu tive o privilégio de presenciar e guardar na memória uma história daquela partida que foi marcante, e que a grande maioria não viu.

E no final do jogo, como você vê na foto abaixo, torcedores avaianos foram saudar Marquinhos, que naquela hora, sozinho, assistia à festa do torcedor em uma Ressacada lotada.

O "Dia do Fico" avaiano

Foi um daqueles jogos que entram pra história. Uma batalha. E eu estava lá, vendo a linda festa e o drama passado pelo torcedor avaiano.

Foi uma vitória dramática conquistada por um time ansioso, que sabia que poderia vencer o Santos, que não queria mais nada no campeonato. E talvez esse detalhe atrapalhou tudo. Eu diria que um santista estava com vontade a toda: Neymar, que busca a artilharia do futebol brasileiro no ano. E ele fez a diferença na primeira etapa. Podem chamar de marrento, mala ou mascarado, mas o menino joga muito. E deu um corte sensacional em Emerson para criar a jogada do primeiro gol, além de fazer o segundo, em passe de Arouca.

O Avaí tinha uma enorme motivação para o jogo, mas faltava tranquilidade. Atrás no placar, abusou de chutes fracos ou sem direção, mostrando muito nervosismo. Foi aí que Caio apareceu. Com calma, trabalhou a bola em jogada individual, e fez o primeiro. No gol de empate, calma e precisão novamente. Ele teria que carregar o piano, já que Vandinho, mais uma vez, estava totalmente desaparecido.

O time entrou no segundo tempo com a moral de quem conseguiu empatar um 2 a 0. E o Santos desistiu do ataque, pensando em segurar o adversário. Traduzindo: esperava o Avaí, que não sabia aproveitar. Até que Caio apareceu de novo. Um dos poucos jogadores que se salvam no atual elenco avaiano fez um golaço, e detonou a festa na Ressacada, que pude ver, ouvir e sentir. Uma experiência muito legal.

Cumpriu-se o objetivo, e o Estado terá dois times na Série A em 2011. O Avaí conseguiu virar um iminente rebaixamento, empurrado por sua torcida, que deu o gás extra que o time não apresentava. Ela, sim, que fez a diferença. E passado o Brasileirão, é hora de avaliar os erros, que foram muitos.

Mas esse é assunto pra outro post, que publicarei essa semana. Também quero falar do Marquinhos Santos, que estava ao lado de onde eu estava sofrendo com o jogo, e das vantagens da presença da dupla na Série A, que vai ser bom para ambos. A festa foi longe.

sábado, 27 de novembro de 2010

Agora, a Série A 2011

O Figueirense promoveu uma grande festa no Scarpelli. Tarde de sol, estádio cheio, trio elétrico, homenagens... e um jogo de futebol. O resultado é completamente irrelevante na questão acesso, mas eis que um pequeno presente extra veio após o jogo: combinada com a derrota do Bahia, a vitória alvinegra valeu o vice-campeonato da Série B. É um pontinho a mais no ranking da CBF.

E todo time que acaba dando certo é cobiçado no mercado. A diretoria do Figueira terá que trabalhar muito para manter a espinha dorsal do time, sob pena de ser forçado a uma grande reformulação. A permanência de Márcio Goiano ajuda muito no trabalho. Se não houver um desmonte muito grande, e as coisas sinalizam pra isso não aconteça, o alvinegro entra em condição de favoritismo no Campeonato Catarinense. E terá tempo para se reforçar para a Série A de 2011

Histórias do Rádio: o narrador que sumiu

Essa quem me contou foi meu amigo Giovani Ricardo, radialista com várias edições dos Jogos Abertos nas costas, e que tem muita história pra contar. Uma delas aconteceu em uma edição dos Jasc. Devido a escassez de linhas telefônicas à época, uma cadeia era feita entre várias emissoras. A cobertura era enorme: vários postos de transmissão eram montados nos locais de competição, transmitindo cinco, seis jogos simultâneos.

Uma tarde desses, o narrador Valdomiro Grundmann, conhecido por narrar o único jogo de basquete zero a zero da história (depois foram ver que o aro era menor que a bola) foi escalado para transmitir o jogo de bolão, e levou com ele um sujeito chamado Fritz, de fala germânica e sem jeito nenhum com o microfone. Grundmann havia exagerado na feijoada, e precisou se ausentar do local de transmissão, a fim de, digamos, resolver problemas de saúde. Mas antes de ir ao toalete, ele disse: "Ô Fritz, podes ouvir a transmissão, mas não mexe no microfone!"

A transmissão rolava. No giro do placar, o saudoso Rodolfo Sestrem chamava cada local de competição para saber a situação do placar. Por quatro vezes, Sestrem falava: "Alô Valdomiro Grundmann, como está o bolão????". E nada. O Fritz ficava olhando aquele microfone, mas atendia a ordem de não falar nada. E foi a quinta, a sexta.... e nada do Valdomiro dar sinal de vida na cancha do bolão. Chegou a sétima vez, e o Fritz se irritou. A transcrição está abaixo:

Sestrem: "Vamos ver se temos contato com o bolão. Alô Valdomiro Grundmann!!"
Fritz: "Alô?"
Sestrem: "Valdomiro Grundmann! Aleluia! Como que está a situação do Bolão?"
Fritz: "Nein, nein, aqui non é o Valdomiro, aqui é o Frritz. O Valdomiro foi dar uma cacada e xá volta..."

Nem precisa dizer que a transmissão acabou ali. Todo mundo caiu na gargalhada.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Sai regulamento e tabela da Recopa Sulbrasileira

A Federação Gaúcha de Futebol, responsável por organizar a Recopa Sulbrasileira de 2010, já enviou o regulamento e a tabela da competição deste ano. Mesmo com a decisão da Copa Ênio Costamilan em andamento, a FGF já designou o Cerâmica de Gravataí, que está decidindo o título contra o Inter, como representante do Estado e anfitrião do torneio.

A Recopa acontece nos dias 3 e 5 de dezembro. No dia 3, sexta que vem, o Brusque enfrentará o campeão da Copa Paulista, cuja final é neste final de semana, entre Red Bull e Paulista de Jundiaí, as 15 horas. Às 5 da tarde do mesmo dia, o Cerâmica enfrenta o Roma, do Paraná. Os vencedores fazem a final no domingo, às 17 horas, no mesmo local.

Tudo rápido, em um jogo só. Empate, decisão por pênaltis. É a quarta edição da competição, que até agora só teve times catarinenses conquistando o título: Marcílio Dias (2007), Brusque (2008) e Joinville (2009).

O ciclo Malwee chega ao fim

Nos esportes ditos olímpicos (se bem que o futsal não é), ou outrora chamado de amadores (que já não são faz tempo), ou de quadra, existem os ciclos de empresas que depositam um grande investimento em uma equipe, para batizá-lo com seu nome. Talvez nenhuma equipe tenha durado tanto tempo quanto o Banespa, no vôlei masculino. Há a Unilever, no vôlei feminino, que também tem um projeto que atravessou os 10 anos. Mas, em sua grande maioria, as empresas cumprem um prazo dentro de uma equipe, e com o crescer dos custos, acabam encerrando o seu ciclo.

E é isso que acontece com a Malwee, de Jaraguá do Sul, com uma trajetória vitoriosa durante uma década. A empresa colocou rios de dinheiro na equipe, que quando jogava na Globo, não tinha o seu nome divulgado. Não foi esse o motivo que está encaminhando o encerramento do patrocínio por parte da empresa de Wander Weege. Os custos estão cada vez maiores, e a empresa viu que estava criando uma bola de neve. Ouve-se há algum tempo ameaças da retirada do patrocínio. O momento chegou.

Jaraguá do Sul ficará orfã de um time campeão nacional, que colocou a cidade na mídia. Tem um dos melhores ginásios do país, que ficará sem seus principais artistas para lotá-la. A cidade possui empresas tão grandes quanto a Malwee, que poderiam investir no time, mas não o fazem. E assim, um time que fez história no salonismo nacional se vai. O time poderá continuar, mas sem a constelação de estrelas que por lá passaram nos últimos anos. E logo, a magia se acaba, assim como acabou com outra constelação, na Perdigão de Videira, outro timaço.

É lamentável, mas o fato era esperado, mais cedo ou mais tarde.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Jogador do JEC atropela jacaré e perde controle do carro

Manchete curiosa? É verdade. Aconteceu com o volante Carlinhos Santos, do Joinville, ontem, no interior de São Paulo. Matéria do site R7:

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Brusque se apresenta. Conheça as novas caras

Aconteceu agora a tarde a reapresentação do Brusque para a temporada 2011. Velhos nomes chegam, novos nomes aparecem como novidades. Hora de acabar com o mistério e revelar o que a diretoria foi atrás.

Quatro apresentaram-se hoje: o volante Pedro Ayub, ex-Chapecoense, o zagueiro João Vítor, vindo do Rio Branco-AC, o atacante Leandrinho, ex-Metropolitano e o meia Marcelinho, ex-CRAC-GO e que participou da excelente campanha do Bruscão em 2006.

Outros nomes foram confirmados e estão a caminho. São eles, o zagueiro e lateral-esquerdo Cris, 30 anos, ex-Criciúma, que estava no Novo Hamburgo, o volante Eliélton, que atualmente joga a Série B pelo América-RN, e o zagueiro Thiago Couto, ex-Metropolitano, já conhecido da torcida.

O clube tentou o zagueiro Amaral Rosa, do Metropolitano, mas ele fechou negociação com um time japonês. Têti deve retornar. O jogador que estava no Criciúma está com praticamente tudo acertado, para apresentar-se no dia 29.

domingo, 21 de novembro de 2010

Falta muito pouco, mas vai ser sofrido

O Avaí tinha pela frente o Atlético de Goiás, que é osso duro de roer. O time venceu, mostrando os seus defeitos escancarados que desisti de ver consertados,  e foi empurrado pela torcida, o que consegue tapar um pouco da ineficiência técnica do time. O Atlético de Renê Simões não veio para vencer, e o Avaí, beneficiado pelo gol contra do zagueiro rubro-negro, venceu a partida.

Falta pouco. Vitória contra o Santos combinado com derrota do Vitória para o Inter em Porto Alegre, Série A garantida. Os resultados estão colaborando.

Vai ter que ser assim. Não vai ter futebol bonito. E vai ser com drama. O jogo de hoje é um exemplo ótimo. Começo de partida equilibrado, jogo bem de paciência, com o Avaí notando que teria sérias dificuldades para marcar. Depois da expulsão do zagueiro Thiago Feltri, que tomou o segundo amarelo, havia a esperança que a abertura de espaços ajudasse um pouco. Não ajudou, mas o gol contra marcado pelo zagueiro goiano foi de uma utilidade enorme, pois fez o adversário sentir o golpe. O Avaí, armado num 4-5-1, tinha Vandinho como homem de frente, que não correspondeu em nada. Perdeu até pênati.

Parece coisa do destino. Foi Vandinho sair, que Jeferson achou um gol em jogada de falta. Foi o gol do alívio, o gol da festa, em uma Ressacada superlotada.

E tenho que repetir: time empurrado pela torcida. Se fosse só pela qualificação técnica do time, pode esquecer. Nessas horas, é necessário um algo mais. E isso vem de fora das quatro linhas, aquele cidadão que pega aquela fila desumana pra chegar no Estádio, criando algo que intimida o adversário e mexe com o psicológico do jogador. Depois de o time escapar oficialmente da zona do rebaixamento, a gente conversa sobre os problemas graves do time. Agora é mobilizar para fugir do pesadelo. Seja no tranco, no empurrão, gol contra, whatever...

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Movimentos no Brusque

Ainda que a diretoria não tenha soltado nenhum nome de reforço do Brusque para 2011, as informação vão e vem num ritmo intenso. Vou tentar juntar tudo num só post pra colocar o torcedor em dia.

Primeiro, a confusão lá em Criciúma. Surgiu uma notícia ontem que Diogo Oliveira não teria acertado sua permanência no Tigre por causa de uma proposta tentadora do Brusque, que teria oferecido algo em torno de 80 a 100 mil reais em luvas para que ele retornasse ao Augusto Bauer. O diretor de futebol André Rezini negou a informação, mas confirmou que está em conversações com Têti, dispensado pelo Criciúma e que já disse a companheiros de imprensa do sul do Estado que tem interesse em retornar. Chegou-se a se falar no nome do zagueiro/lateral Galego, mas ele acertou com o Brasil de Pelotas.

Hoje, o "Jornal de Santa Catarina" informa que o zagueiro Thiago Couto, bastante conhecido por aqui, estaria retornando, assim como também estaria vindo o atacante Leandrinho (foto), de longa ficha de serviços prestados no Metropolitano.

A reapresentação do time é na próxima segunda-feira (22), e alguns novos nomes já podem aparecer, além dos 13 que já possuem contrato renovado, como Valdo e Paulinho, recém-eliminados da Divisão Especial no Atlético de Tubarão.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Marcílio Dias e Concórdia, de volta à elite

O Blog hoje quer parabenizar duas equipes de trajetos distintos, mas que representam duas cidades importantes do Estado, que cada qual, tem sua importância no futebol. Uma pela sua tradição. Outra, pela descentralização do esporte em Santa Catarina.

O Marcílio Dias velho de guerra, rival do meu Brusque em grandes clássicos, de uma torcida fanática que sofreu demais com os desmandos de uma diretoria incompetente no passado, passou dificuldades para conseguir seu acesso. Fez um mal primeiro turno, e teve que dar uma grande virada na reta final. No quadrangular, se o time não rendeu tanto quanto se esperava, pesou a camisa rubro-anil. Estamos falando em um time que tem um título estadual e a obrigação de voltar a primeira divisão no primeiro ano, sob pena de todo o planejamento do novo presidente, Abelardo Lunardelli, ir por água abaixo. Foi sofrido: o time virou o placar de 2 a 1 para 3 a 2 dentro de Indaial, onde os adversários passaram dificuldades. E agora, tudo é festa. O novo Marcílio Dias está de volta à elite do futebol do Estado. E subiu no campo. O Vale do Itajaí agradece.

Pra falar do Concórdia, quero aqui fazer um mea culpa: disse que o Atlético Tubarão era favorito ao acesso, mas não imaginava a arrancada do time de Agenor Piccinin, que conseguiu o acesso fazendo a tarefa de casa: três jogos, três vitórias. Contando com a ajuda do Marcílio e as escorregadas do Tubarão, o futebol de Concórdia, agora com o nome de Concórdia Atlético Clube, coloca a Capital do Trabalho de volta a elite do futebol catarinense, coisa que não acontece desde o longínquo ano de 1995, quando era Concórdia Futebol Clube.

A situação do Concórdia é um pouco mais delicada: o time que conseguiu a vaga na primeira divisão foi montado a partir de uma parceria com o Ypiranga, de Erechim, que disputará o Campeonato Gaúcho. Terminada a segundona, toda a estrutura gaúcha voltará para o Colosso da Lagoa, e a diretoria do CAC ficará com a vaga na primeira divisão, e um trabalho a ser iniciado do zero em curto prazo. A cidade de Concórdia precisa agarrar o futebol. Hoje, é uma cidade que tem o futsal como modalidade principal e que não leva grande público ao bom estádio municipal Domingos Machado de Lima. A terra da Sadia precisa agora se mobilizar, pois dentro de campo, o objetivo foi conquistado. E a região Oeste passa a ter dois clubes: Chapecoense e Concórdia farão de volta o chamado "clássico da linguiça", o que é ótimo para a descentralização do futebol catarinense. Que times da Serra, Meio-Oeste e Planalto Norte também possam aparecer no cenário.

Parabéns Marcílio, Parabéns Concórdia. Sejam bem-vindos de volta à primeira divisão.