terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Esses novos e velhos árbitros...

O Catarinense de 2010 está sendo marcado pela polêmica em relação a arbitragem. Não tem uma rodada que escape. É pau em cima da arbitragem, que comete erros que mudam panoramas de jogos ou completa falta de atenção, como dois cartões amarelos para um mesmo jogador.

E nesse ano, temos gente nova no pedaço. E eles estão sentindo o peso de serem colocados na berlinda.

Nomes como Raimundo da Luz Nascimento, Carlos Eduardo Arêas (criticado pelo pessoal de Joinville), Luiz Carlos Pereira (defenestrado pelo pessoal de Imbituba) e Ronan Marques da Rosa tiveram sua chance e, pelo que parece, estão pressionados.

Juntemos a Edmundo Alves do Nascimento, Jefferson Schmidt, Zé Acácio da Rocha e asseclas, que vem colecionando erros nas primeiras rodadas do campeonato.

Outros árbitros acabaram "rebaixados", voltando à condição de assistentes, caso de Josué Lamim e Marco Antonio Martins, este último presidente do Sindicato. José Nazareno Marcelino está fora deste ano, e sua esposa, Eloísa Martinello, mal posicionada, anulou um gol do Figueirense contra o Brusque em que a bola sequer tocou na linha de fundo. As mulheres também estão na berlinda, como a assistente de Figueirense x Imbituba, que viu um impedimento inexistente do time visitante com o jogo em zero a zero.

Estamos em um momento perigoso de transição. Os novos não dão conta do recado, os mais velhos continuam errando, e a FCF insiste em Luiz Orlando de Souza, que, aos 50 anos de idade apita mesmo tendo passado da idade-limite imposta pela Fifa.

O futuro do Campeonato Catarinense em relação a arbitragem é tenebroso. Todo mundo está errando. Temo por mais confusões até o final, quando a disputa esquentar.

Muita gente reclamava do Wagner Tardelli, mas ele era o único que conseguia controlar um jogo. Os outros, pressionados, ficam soltando cartões com um critério absolutamente estranho.

9 comentários:

  1. Todo mundo já sabe.

    Antigamente, quando um árbitro queria roubar marcava penalti inexistente, deixava de marcar penalti existente, anulava gol legítimo já combinado com os/as bandeirinhas.

    Como isso ficou muito manjado, mudaram a estratégia. Agora quando querem roubar e acabar com um time dão quatro ou cinco cartões até os 30 minutos do primeiro tempo.

    Muito simples. Gente sem caráter. sem vergonha. Não sei como essa gente tem coragem de encarar a família.

    ResponderExcluir
  2. Queria defender a Heloisa. Ela é boa bandeira, honesta e o que aconteceu certamente foi uma falha humana. A marcação do AB não é boa.

    Primeira vez que vejo uma bandeira se enganar a favor do Brusque.

    ResponderExcluir
  3. Quando o erro é contra o Brusque é engano , ai concorda que a marcação do Brusque ta ruim e quando é contra o Brusque ai é porque são safados , mal intencionados, que são mandados a roubar , adoro ler esse tipo de incoerencia.

    Se coloque no lugar dos árbitros se aqui mesmo vem a contradição, a fovor do Brusque engano, contra é safadeza.

    ResponderExcluir
  4. Acontece que quase todos os erros ou enganos como vc diz, 95% são contra o Brusque. É só fazer a estatística.

    Essa do cartão amarelo tá manjada meu caro. Pode dar o recado.

    ResponderExcluir
  5. Rodrigo, essa é pra ti: escolhe aí o "menos pior", ou o "menos incompetente, por assim dizer" e diz o porquê: Célio Amorim, Edmundo Alves do Nascimento, Jefferson Schmidt, José Nazareno Marcelino, Josué Lamim, Luiz Orlando de Souza ou Marco Antonio Martins?

    ResponderExcluir
  6. Voce não colocou o pior: José Acácio da Rocha.

    ResponderExcluir
  7. Outro que tbém ficou fora: Paulo Henrique Bezerra, que apitou Brusque 3x3 Chapecoense.

    Esse e o José Acácio com certeza são os 2 piores.

    ResponderExcluir
  8. Tava pensando nesses, mas na hora de fazer o comentário não lembrei, por isso deixei de fora.

    ResponderExcluir
  9. Agora que me toquei q vc quer os menos ruins.

    Jefferson Schmidt e José Nazareno Marcelino.

    ResponderExcluir