sábado, 29 de maio de 2010

Sem ataque, ponto para o zagueiro

Seria muito dolorido para o Figueirense voltar de Brasília com a terceira derrota seguida. O ambiente, que já não era bom com os rumores de demissão de Márcio Goiano, não piora, mas se estabiliza. O jogo em Taguatinga foi absolutamente terrível, e se expôs mais uma vez o problema crítico no ataque alvinegro. E volto a perguntar aqui onde anda o William, que sumiu no jogo. E cadê o tal do Marcelo Nicácio, que veio para o clube depois de uma novela interminável, e acho que deve ter chutado uma ou duas bolas a gol? Vi um legítimo time-enceradeira em campo. Cria, toca, passa... mas não chuta. E de repente, para de marcar e toma um gol, como foi o marcado por Rosembrick.

Aí, tem que aparecer um zagueiro, João Filipe, vindo lá de trás pra fazer o gol, nos descontos. Um empate que, além de valer um pontinho que já não era mais esperado fora de casa, tira aquela figura da derrota que era iminente. E mais uma vez, prova o que foi mostrado terça-feira, na derrota para o Náutico. Falta jogador de qualidade, falta experiência em campo. Não vejo o Figueira como um candidato ao rebaixamento, mas ao mesmo tempo falta muito mingau pra ser um time para brigar pela Série A. Um ponto em três partidas, e o time já está da metade pra baixo na classificação, em décimo segundo.

Um time que o principal atacante é o zagueiro é sinal de problema sério.

2 comentários:

  1. Escreva alguma coisa sobre a derrota do timeco do Brusque. Não vai comentar o show do Lima?

    ResponderExcluir
  2. Ele vai escrever, uma notinha. Como sempre.

    ResponderExcluir