sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Jogo da saudade no domingo

Nessa semana que marca os 150 anos de Brusque, este domingo será especial no Estádio Cônsul Carlos Renaux, o campo do Paysandu. Quem tem mais de 30 e poucos anos de idade se lembra da época que dois times de futebol existiam na cidade. O tricolor Carlos Renaux, bicampeão catarinense, que jogava no Augusto Bauer e o Paysandu, verde e branco, que mandava suas partidas no chamado "Alçapão da Pedro Werner". Era um tempo que a cidade era dividida no esporte, e que a rivalidade gerava confrontos históricos.
Mas, com as enchentes do início dos anos 80, o Estádio Augusto Bauer foi completamente destruído, e o Renaux abandonou o futebol profissional. O Paysandu continuou, sagrando-se campeão da segundona em 86 sobre o Blumenau, mas cedeu a sua vaga ao Brusque, depois da fusão em 1987. Desde então, os dois clubes cuidaram do seu patrimônio, buscando deixar viva a tradição de dois clubes que tiveram grande importância no cenário esportivo da cidade.
O jogo de hoje é um reencontro, e que vai mexer muito com o emocional daqueles que viveram aqueles tempos. Hoje, a realidade é outra, temos o Brusque FC já consolidado na cidade, tendo já conquistado um título estadual e único com condições de fazer um time competitivo no profissionalismo. Mas é bom respeitar e relembrar a época que a cidade parava quando Paysandu e Renaux se enfrentavam no clássico. às 14 horas, haverá um jogo preliminar de juvenis. Na sequencia, acontece o jogo dos veteranos. A entrada é gratuita. Abaixo, a relação dos plantéis de cada time:


Renaux - Marcos Polli, Agenor, Moura, Dimi, Zecão, Clóvis, Casaniga, Carlinhos, Sandro, Almir, Neilor, Dago, Juquinha, Bila, Niltinho, Zô, Jonas, Fábio, Gilmar, Amarildo, Britinho, Serginho, Nei Bina e Indião (técnico).
Paysandú - Rubens Plotegher (Binho), Antônio Dellagnolo (Nico), Betinho Batista, Vilmar Gums (Mala), Felix Valle Junior (Felinho), Norival de Souza Junior (Nenê), Beto Ghislandi, Gerson Morelli (Kéka), Edson Morelli, Adilson de Souza (Pelé), Antônio Augusto, Carlinhos, Claudecir Tórmena, Betinho Knihs, Zequinha, Rubens Schulenburg, Civinski, Calito Fantini, Osnildo Kistner e Álvaro Bozzano (técnico).

3 comentários:

  1. Curioso. Não imaginava isso. O Paysandu possui um Estádio com o nome do rival. Pensei que fosse o contrário, mas não é o único caso em Santa Catarina. O Hercílio Luz, time de futebol, é de Tubarão e tem o Estádio Aníbal Costa, enquanto o Marcílio Dias, de Itajaí, é proprietário do Estádio Doutor Hercílio Luz.

    No caso das agremiações brusquenses, sempre achava que o Augusto Bauer fosse do Paysandu, e o Cônsul Carlos Renaux, da associação esportiva que leva o mesmo nome.

    Legal saber que os dois clubes ainda atual, pelo menos no futebol amador.

    ResponderExcluir
  2. Diego, o Paysandu tem suas categorias de base funcionando e muito bem.

    O Carlos Renaux, em virtude de um péssimo contrato vigente com o Brusque FC ainda não pode fazer o mesmo. Mas ano que vem este contrato encerra, finalmente, daí o Carlos Renaux retornará com suas categorias de base também.

    ResponderExcluir
  3. queria saber como faço pra achar as fotos do jogo Renaux x Paysandu
    jogo dos Juvenil

    vlw

    ResponderExcluir