terça-feira, 26 de outubro de 2010

América-AM: Presidente e Federação Amazonense trocam acusações

Retirado do Blog Futebol Amazonense, hoje.

Diante do erro no registro do jogador Marcos Vinícius Pereira de Oliveira, o Amaral, que pode custar a vaga na Série C do Campeonato Brasileiro, o América ameaça ficar fora do Estadual de 2011. A diretoria do clube culpa à Federação Amazonense de Futebol (FAF) pela falha, que resultou na ação do Joinville-SC no Superior Tribunal de Justiça Desportiva. "Eles não querem assumir que a culpa foi deles", disse o presidente do Conselho Deliberativo do clube, Arthur Teixeira. Segundo ele, o diabo protocolou os contratos dos 26 jogadores no dia 15 de junho na sede da entidade local, que deveria enviar os documentos à CBF. Revoltada com a 'falta de organização', a diretoria do time exige mudanças na administração da FAF, ou não representará o Estado na Terceirona. "Mesmo se ficarmos com a vaga, estamos cansados dessa palhaçada. A federação está entregue às baratas; ou os governantes tomam uma atitude, ou não vamos mais participar de nada", desabafou.

Do outro lado do fato, do diretor técnico da federação, Ivan Guimarães, declarou que o não pagamento do boleto de registro do zagueiro resultou na confusão. "Se ela (Bruna Parente, presidente do América) não pagou, como poderíamos registrar o contrato?", questionou, ao afirmar que mais quatro atletas não tiveram a quitação do documento. "Todos estavam regulares, mas ela rescindiu alguns para refazer, aumentando o salário", explicou, ao ressaltar que o contrato de Amaral foi entregue somente no último dia 14 de outubro.

O filho de Amadeu Teixeira rebateu a explicação do representante da FAF. Para ele, a entidade inventou a história dos boletos para não assumir a culpa pelo erro. "É mentira dele. Os boletos foram pagos e ele que não deu entrada", disse, ao informar que a decisão do STJD deve ser divulgada hoje, até meio-dia, no site da CBF (o que não aconteceu). Enquanto isso, a presidente do Mequinha não se pronunciará. "Estamos com um dos mais conceituados advogados da área, membro do conselho jurídico da CBF, Valed Perry", afirmou.

O STJD deverá ainda nesta semana julgar, em uma Comissão Disciplinar, o caso da condição de jogo de Amaral. O torcedor do JEC precisa ter paciência, pois o rito jurídico não é assim rápido. Mas o fato da Federação Amazonense não ter "defendido" o seu filiado é excelente para o JEC.

3 comentários:

  1. Ese caso é parecido com o caso Edson Galvão, do Figueirense? Ou nao tem nada a ver?
    abs!

    ResponderExcluir
  2. O caso é bem parecido. Quase igual.

    A única diferença é que o caso foi julgado no TJD daqui, que inocentou. E agora tá no Rio de Janeiro, no STJD.

    Abs!

    ResponderExcluir
  3. E tem outra semelhança Felipe Matos! Aqui em SC a imprensa passa a mão nos atos dos "quatro grandes". Dois pesos, duas medidas, compreende?

    ResponderExcluir