quinta-feira, 25 de novembro de 2010

O ciclo Malwee chega ao fim

Nos esportes ditos olímpicos (se bem que o futsal não é), ou outrora chamado de amadores (que já não são faz tempo), ou de quadra, existem os ciclos de empresas que depositam um grande investimento em uma equipe, para batizá-lo com seu nome. Talvez nenhuma equipe tenha durado tanto tempo quanto o Banespa, no vôlei masculino. Há a Unilever, no vôlei feminino, que também tem um projeto que atravessou os 10 anos. Mas, em sua grande maioria, as empresas cumprem um prazo dentro de uma equipe, e com o crescer dos custos, acabam encerrando o seu ciclo.

E é isso que acontece com a Malwee, de Jaraguá do Sul, com uma trajetória vitoriosa durante uma década. A empresa colocou rios de dinheiro na equipe, que quando jogava na Globo, não tinha o seu nome divulgado. Não foi esse o motivo que está encaminhando o encerramento do patrocínio por parte da empresa de Wander Weege. Os custos estão cada vez maiores, e a empresa viu que estava criando uma bola de neve. Ouve-se há algum tempo ameaças da retirada do patrocínio. O momento chegou.

Jaraguá do Sul ficará orfã de um time campeão nacional, que colocou a cidade na mídia. Tem um dos melhores ginásios do país, que ficará sem seus principais artistas para lotá-la. A cidade possui empresas tão grandes quanto a Malwee, que poderiam investir no time, mas não o fazem. E assim, um time que fez história no salonismo nacional se vai. O time poderá continuar, mas sem a constelação de estrelas que por lá passaram nos últimos anos. E logo, a magia se acaba, assim como acabou com outra constelação, na Perdigão de Videira, outro timaço.

É lamentável, mas o fato era esperado, mais cedo ou mais tarde.

Um comentário:

  1. Que pena que o futsal de Jaragua pode deixar de ser o mesmo sem os grandes patrocinadores ,como ja aconteceu com a PERDIGÃO DE VIDEIRA a sadia de concordia e isso preocupa pois todos ligados ao futsal lembram bem que tanto em videira como em Concordia ou São bento (tuper) o futsal nunca mais foi o mesmo sem os grandes investidores.

    ResponderExcluir