quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Televisionamento: comparando com outros Estados

Trago aqui no meu Blog brilhante texto do Blog "Memória Avaiana", que faz a comparação das cotas de televisionamento de outros campeonatos Estaduais:

O futebol catarinense não é sério. A prova é o quanto cada time ganhará da cota de televisionamento da RBS em 2011.

Embora os clubes tenham assinado uma cláusula de sigilo com a RBS (qual seria o motivo de se esconder? Vergonha?), alguém já deu com as linguas nos dentes e os valores foram revelados pelo jornalista Rafael Henzel, de Chapecó.

Confira o quanto cada um ganhará em 2011:

- Avaí, Figueirense, Criciuma e Joinville: R$220 mil.
- Chapecoense: R$190 mil.
- Brusque, Metropolitano e Imbituba: R$126 mil e 700.
- Márcílio Dias e Concórdia: R$ 63 mil.

Ou seja, a RBS pagará pelo Campeonato Catarinense um pouco mais de um milhão e meio de reais. Valemos aproximadamente 1/4 do Campeonato Paranaense e cerca de 09 vezes menos do que o Campeonato Sul-riograndense.

Não sei se este é o valor líquido ou ainda deve ser feito o DESCONTO DE COMISSÃO para a agência Propague (sim, porque a Associação de Clubes é incapaz de assinar um contrato sem um intermediador).

O fato é que com toda esse subserviência dos clubes fica muito fácil algum dirigente vir a público falar em "socialização dos custos" com a torcida.

No início do ano já foi feita aqui uma postagem constatando que a RBS paga para os quatro grandes de SC TRES VEZES MENOS do que ela paga para times como Avenida, Ypiranga, Esportivo, Porto Alegre, Ulbra...

E continuará pagando esse ano. Vou repetir aqui os dados de 2010 da cota de televisionamento apenas dos nossos Estados vizinhos (provavelmente terão algum reajuste para cima em 2011):

- PARANÁ: (2010)

R$5 milhões. Deste valor, R$ 700.000,00 vão para Atlético, Coritiba e Paraná (individualmente). O restante é divido em partes iguais para os demais clubes, o que dará pouco mais de R$ 241.000,00 aos outros participantes. A proposta inicial de R$ 2.000.000,00 foi recusada pelo Atlético Paranaense, que impediu a transmissão de seus jogos.

Se uma empresa que ofereceu R$2 milhões por um produto consegue oferecer R$5 milhões pelo mesmo produto é porque ele deve render mais do que isto, não?

Agora imagine o Campeonato Catarinense dos últimos anos caso o Avaí não tivesse feito o jogo da FCF/RBS e repetido a atitude do Atlético/PR. Qual a final de campeonato teria sido transmitida nos últimos dois anos?


RBS fez um investimento de R$ 13.200.000,00. Grêmio e Inter ficaram com R$ 4 milhões de reais de quota cada um. Em 2010, cada um dos nanicos recebeu, em média, R$ 650 mil pela participação. Ou seja, praticamente TRÊS VEZES MAIS do que os maiores times de SC, incluindo os dois times de Série A.

É claro que não se pode pensar que valemos tanto quanto os maiores times do RS e do PR, cujos títulos nacionais e internacionais falam por si. Mas, quanto custam 30 segundos no horário nobre dos jogos televisionados na Globo/RBS? De publicidade diária nos jornais do grupo RBS, na TVCOM, nos portais da Internet e nas rádios que transmitem os jogos?

Na ponta do lápis, entre os gastos de transmissão e os lucros auferidos, valemos três vezes menos que o Avenida F.C.? Se havia uma empresa disposta a pagar mais pelo Campeonato Catarinense, será que ele não valia um pouco mais? E que negócio é esse onde nega-se uma oferta financeira melhor em troca de privilégios à uma empresa?

(...)

O futebol catarinense, de fato, não é grande. Mas, não por aquilo que faz dentro do campo: 2 times na Série A, 1 na Série B, 2 na Série C, perdendo apenas para SP, RJ e MG, à frente de PR, RS, GO, CE, BA, PE, AL, RN, PA, AC, DF, MT, PB, TO.

(...)

Na melhor das hipóteses (a incompetência), pode-se fazer uma análise de que os clubes acreditam que eles precisam mais da RBS do que a RBS deles, quando, na realidade, esta dependência é, no mínimo, mútua, se não for contrária.

Quero adicionar outro ponto aqui: quando houve aquele imbróglio todo que fez o Catarinense voltar pras mãos da RBS, sem que houvesse um leilão aberto, e que consequentemente, poderia reverter em mais dinheiro para os clubes, falou-se na "parceria" que haveria entre emissora e clubes.

Não sei que tipo de parceria é essa, se as torcidas de clubes que não os da Capital não verão seu time jogando em TV Aberta (exceto Joinville e Criciúma, verão um jogo cada por causa da rodada do clássico da Capital). No Campeonato Paulista, as praças que tem sinal cortado assistem a um outro jogo. E lá no Rio Grande do Sul, partidas de times do interior tem transmissão pela TVCOM. Nem isso foi pensado pra, de certa forma "acalmar" torcedores de praças importantes como Joinville, Blumenau e Chapecó.

Profissionalismo no futebol de Santa Catarina? Conta outra.

2 comentários:

  1. assino embaixo, pena que isso não vai mudar tão cedo...

    ResponderExcluir
  2. Realmente uma vergonha, mas ja era de se esperar, um bando de incopetente que não sabe nem fazer uma tabela de jogos e coloca juizes de quinta categoria para apitar os jogos, a tendencia é piorar

    ResponderExcluir