sábado, 17 de abril de 2010

Arbitragem: e daqui pra frente?

Levantei um assunto hoje no "Clube da Bola" que merece uma reflexão sobre a questão da arbitragem catarinense. Muita gente acha que a simples indicação de Sálvio Spínola para apitar o clássico, e a provável presença de outros árbitros de fora para as finais do Estadual seriam a solução para os problemas do futebol catarinense.

E qual o futuro da nossa arbitragem depois do Campeonato?

Não vamos aqui discutir o mérito da questão, mas os clubes resolveram criar uma turbinada Copa Santa Catarina que começa na quarta-feira seguinte à decisão do Estadual, que vale vaga na Copa do Brasil para o campeão e ainda leva um time para a Série D. Não será apenas um torneio para ocupar calendário. Serão dois meses de briga séria até julho, onde cada jogo valerá muito.

E aí, os arbitros de fora darão um clima mais tranquilo até a final do Campeonato Catarinense. Ao começar a Copinha, teremos Luiz Orlandos, Acácios, Célios, Dadás e outros de volta, para criar mais polêmica. Quero ver o que a FCF, que já provou que tirou nota zero na formação dos seus árbitros e não tem coragem de colocá-los publicamente na geladeira, vai fazer dessa vez.

Estamos falando no hoje, mas temos um amanhã próximo pela frente.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Sálvio Spínola apita o clássico. Parabéns FCF e arbitragem catarinense!

Saiu o famoso sorteio para o clássico que decide o returno do Estadual: Sálvio Spínola Fagundes Filho, 33 anos, árbitro Fifa ligado à Federação Paulista, ganhou de Wilson Seneme e vai comandar Avaí x Figueirense. O sorteio foi feito agora a tarde.

Prêmio para a FCF, que admitiu que não soube preparar e cobrar o seu quadro de árbitros e colocar na geladeira quem merecia. Vaias também para a arbitragem do Estado, que mostrou que passa pela sua pior fase da história, não mostrando competência em jogos decisivos. Só o Paulo Henrique Bezerra escapa, mas não dá pra colocar ele em todos os jogos.

E o presidente do Sindicato dos Árbitros, logo quem deveria ser o "defensor da classe" vai ser um dos auxiliares da partida.

Antes tarde do que nunca.

Metropolitano descarta Joceli e vai de Clebão

Até a manhã de hoje, Joceli dos Santos era nome certo no Metropolitano. Em entrevista ao "Jornal de Santa Catarina" de hoje, o presidente Edson da Silva chegou a dizer que ele "provavelmente" seria o técnico do time. Mas a notícia de sua contratação não foi bem recebida pela torcida e por parte do grupo que comanda o clube. Partiu-se para um segundo nome.

Eis que apareceu um nome fora de qualquer bolsa de especulações, que teve sucesso em campo mas é uma tremenda aposta fora dele: Cléber Américo da Conceição, o Clebão, de 40 anos. Ex-jogador do Palmeiras, com passagem pelo Figueirense entre 2003 e 2005, encerrou carreira em 2006, no São Caetano. Tem pouca experiência na beira do gramado: apenas terminou o Paulistão no time do Rio Claro, onde tinha sociedade na gestão do clube, rebaixado para a Série A2.

Como é sabido no mundo do futebol, ele tem sociedade com César Sampaio na área futebolística. Foi Gerente de Futebol do Mogi Mirim, onde se desligou do cargo. Segundo o que o Sandro Glatz, diretor do Metrô me passou, seu projeto hoje não é mais investir em clube, e sim seguir a carreira como técnico. Pelo jeito, César Sampaio, que foi um dos parceiros do Figueirense no início da década, também entrará como parceiro na empreitada.

É aposta total do clube de Blumenau. Terá a Copinha para mostrar serviço. Se não der certo, será substituído para a Série D. Tenho muito receio em ver clubes com empresários, ou pessoas que trabalham com ida e vinda de atletas, como técnicos de equipes. Já vimos vários casos de treinadores que escolhem os "seus" jogadores e deixam os outros, mesmo que em melhor condição, de fora. Recebi a informação de que lá em Blumenau isso foi colocado em discussão com cuidado, e o clube não espera influências.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Clubes da segundona começam a se mexer

A Divisão Especial, ou Segundona, começa no dia primeiro de agosto, e já começam as movimentações dos clubes para montagem dos elencos. O Blog fará uma cobertura completa da Segunda Divisão, que classificará dois clubes para a Divisão principal de 2011. A tabela oficial será publicada pela FCF em primeiro de junho.

Os times já começam a apresentar seus treinadores. Ontem, o Hercílio Luz de Tubarão confirmou Edson Belmonte, ex-jogador do Avaí e treinador do Atlético de Ibirama, onde fez boa campanha, e no Juventus, onde abandonou o barco rapidinho. O Leão do Sul ainda está suspenso pelo TJD por causa de dívidas do campeonato passado, mas o clube promete acertá-las rapidamente.

Já lá da região do Vale do Rio do Peixe, o Joaçaba anuncia um treinador experiente na segundona catarinense: é Osmar Magalhães, que passou por três clubes da Divisão Especial no ano passado: Porto, Joaçaba e Hercílio Luz, este último no quadrangular final. O JAC no ano passado não fez boa campanha no primeiro turno, mas conseguiu uma recuperação na segunda fase, sob o comando de Magalhães, quase chegando a se classificar. Enquanto isso, o Marcílio Dias ainda não tem oficializado, mas a imprensa itajaiense dá como certa a contratação do ex-goleiro Mauro Ferreira.

O Escanteio que incendeia um confronto

Acho que fiquei tão acostumado com tanto roubo de arbitragem no Campeonato Catarinense, que esse achei toda essa choradeira por causa de um mero escanteio um exagero. Olha que não foi um pênalti, tampouco uma bola que entrou e o juiz não marcou. Foi um escanteio. E o que acontece de escanteio mal marcado por aí é uma grandeza. Pois é, faltou nervo pra se tranquilizar com um mero "corner"no começo de jogo. Tomou o gol? Tomou, mas isso foi no lance seguinte. A defesa do Avaí deixou o espaço para o rebote que não deveria dar. Faltou cabeça, respirar fundo e partir pro resto do jogo.

E acabou a lua de mel do torcedor avaiano com o técnico Silas. O presidente Zunino, ao dizer que "Silas terá clima pesado na Ressacada", acendeu o estopim para o jogo de volta. Ele meteu pressão na arbitragem para expulsar Caio. O que ele disse? Só a súmula poderá dizer. Antes de Chamusca dizer que "a arbitragem mexeu no esquema do jogo", era melhor ter colocado calma, pois mesmo tomando um gol numa falha de marcação de escanteio, havia um jogo inteiro pela frente. E que não se abafe outro ponto: o Grêmio poderia ter feito mais no primeiro tempo.

No segundo tempo, Chamusca tentou arrumar a marcação, mas tomou o terceiro. O gol que poderá mudar a história saiu logo depois, com o Robinho. Depois disso, o Grêmio perdeu o embalo da primeira etapa, deixou o Avaí subir com um a menos, e foi vaiado pela torcida.

Depois de tudo o que aconteceu, o Leão conseguiu um bom resultado. O gol fora de casa lhe permite classificar com um dois a zero na Ressacada. É missão difícil, mas não impossível. Mas vai ter que jogar muita bola. E, enquanto o Grêmio não joga no final de semana, se preparando para a partida de volta, o Avaí tem um clássico no domingo com pressão grande.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

Chapecoense vai remontando o time

Época de faxina na casa em Chapecó. Mudanças de diretoria, e novos reforços chegando para a Copinha e Série C. Até agora, bons jogadores.

O já anunciado é Xaro (foto), lateral esquerdo de 22 anos, que estava no São Luiz de Ijuí. Vi ele jogando no ano passado pelo Pelotas, e me impressionou a sua qualidade. É um excelente reforço para o Guilherme Macuglia.

A outra contratação, segundo confirmou meu amigo Édson Picolé da Rádio Super Condá é Thiago Silvy, atacante de 23 anos formado nas divisões de base do Figueirense, e que passou pelo Joinville. Atualmente estava no Sertãozinho-SP.

Mudanças também fora de campo. Segundo o Fernando Doesse, da Rádio Chapecó, Carlinhos de Almeida, que deixou seu cargo de Gerente de Futebol para assumir a diretoria. E Christian Marques Andrade, que trabalhava no Departamento de Marketing, assume a gerência.

Atualização das 11:16: Foi divulgada a lista de dispensas da Chapecoense. Estão fora do grupo Rafael Morisco, Badé, Roni, Felipe, Anelka, William Paulista e Bruno Cazarine. A limpa continua. E veja como o futebol dá voltas: até ano passado, Badé, Cazarine e Morisco eram ídolos. Agora, foram afastados sem dó.

E os bastidores incendiaram com um boato que o Atlético de Ibirama iria pedir licença do Campeonato Catarinense, podendo abrir uma vaga para o time de Chapecó. Acho muito difícil isso acontecer. Ayres Marchetti reclama todo ano de arbitragem e prejuízo financeiro, ameaça mas não tira o time de campo. E não acho que vai ser dessa vez.

terça-feira, 13 de abril de 2010

Joceli no Metropolitano: uma mudança de rumo?

A imprensa de Blumenau já noticia que Joceli dos Santos, 56 anos, técnico que levou o Imbituba à quarta colocação do campeonato estadual, comandará o Metropolitano na Copa Santa Catarina e na Série D. Para quem tinha planos grandes, orçamento alto e Roberval Davino como treinador, é de se estranhar muito. É uma mudança de rumo grande para um clube que sonha ter voos altos.

Vamos comparar: Roberval Davino é um técnico experiente, de salário alto, de ampla rede de informações em todo o Brasil, e que tem passagens por importantes clubes brasileiros, tendo sido inclusive campeão catarinense pelo Figueira. Pesou contra lá em Blumenau a baixa qualidade dos reforços que vieram na reta final do campeonato indicados por ele, caso do atacante Chefe.

Joceli dos Santos é, acima de tudo, técnico de futebol catarinense. Além de ter um salário, por baixo, três vezes menor que o de Davino, sempre treinou times do segundo escalão de Santa Catarina, como Atlético Tubarão, Camboriuense, Fraiburgo e União de Timbó. Nunca encarou um time que tenha uma severa pressão de torcida e imprensa, a não ser algumas curtas passagens como interino no Avaí. Subiu o Imbituba, aproveitou a base neste ano e fez boa campanha, com jogadores que não teriam espaço em outros clubes, seja por condição física, caso de Téio, ou disciplinar, caso de Felipe Oliveira, dispensado tanto do Metrô quanto do Brusque por causa das escapadas noturnas.

Ou o Metropolitano está querendo fazer um time de baixo custo para a Série D e a Copinha, ou está arriscando muito alto. Confesso que não esperava o seu nome por lá, e acho que vários torcedores verdes estão igualmente surpresos. Mas antes de dizer que não vai dar certo, é necessário dar tempo ao tempo. Será a chance do ex-goleiro do Avaí quebrar a desconfiança dos críticos. E eu me incluo nesse grupo.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

O Brusque após o Catarinense: Hélio Vieira e Pantico fora

Terminado o campeonato estadual, e todos os altos e baixos que o Brusque passou, é hora de arrumar a casa e se voltar para a Copa Santa Catarina. Ao contrário de clubes como Ibirama, Imbituba e Juventus, que dão cara que vão entrar na competição para cumprir tabela, o Bruscão vai para a luta direta pelo título. Quer a Copa do Brasil ou, na pior das hipóteses, a vaga na Série D de 2011.

Houveram erros na montagem do elenco, que acabaram corrigidos. A contratação de Viola, por exemplo, foi um ato de impulso da diretoria, que apostou apenas no marketing sem pensar no desempenho dentro de campo. Ele marcou seis gols, é verdade, mas arrumou problemas com o elenco, mentiu para a diretoria e tentou armar uma guerrinha com a imprensa de Brusque, que não caiu no conto e simplesmente o ignorou. Quando ele foi expulso no Scarpelli, o elenco se fechou sem ele e a reação aconteceu. As contratações de Pantico, Carlos Alberto e Diogo Oliveira deram uma cara ofensiva ao time, que passou o Criciúma e terminou o Estadual na sétima colocação, mesma posição do ano passado. As lições estão aí para serem aprendidas. Se uma experiência não dar certo, é só abortá-la. Trocar técnica por marketing numa contratação, nunca mais.

Saiu Suca, veio Hélio Vieira. O técnico não é o salvador e tampouco o responsável pela virada. Quase que estraga tudo, ao insistir num esquema medroso de três zagueiros e um meia. Ao mexer no time, atendendo à pressão de meio mundo, a coisa andou.

O Estadual terminou, e o Brusque teve duas baixas hoje. O técnico Hélio Vieira não permanece no clube. Segundo ele, os motivos são pessoais, já que sua filha nascerá nos próximos meses e ele precisa dar atenção à esposa. Já o atacante Pantico está retornando para o Icasa do Ceará, time que o emprestou há cerca de um mês. Vai jogar a Série B do Brasileiro. O Brusque ainda tentará fazer uma proposta para que ele fique, mas a probabilidade disso acontecer é pequena.

Mas o mercado está aberto: existem bons treinadores disponíveis, e boas peças de reposição. Ninguém é insubstituível, mas todos os jogadores, menos o baixinho e o veterano, tem contrato em vigor e permanecem para a tentativa do tricampeonato da Copinha. E é um sonho bem possível. Mantendo a base e o bom futebol, dá para o torcedor acreditar.

domingo, 11 de abril de 2010

Deu o regulamento, e clássico na final

Ao contrário do jogo emocionante e repleto de gols no sábado, hoje tivemos gols perdidos e defesas importantes dos goleiros. Deu o regulamento e o clássico que as torcidas da capital esperavam. Me impressionou a partida do Joinville. Claramente, o time melhorou, e isso é boa notícia para quem vai para a final como campeão da primeira etapa. O time vai entrar bem na decisão, contra quem for, e isso é boa notícia para o torcedor do JEC.

E para a decisão do returno, teremos dois times que definitivamente não convenceram nas semi-finais. Hoje o Figueirense mostrou nervosismo, e quando o melhor em campo é o goleiro, é sinal que as coisas não funcionaram bem. Principalmente no primeiro tempo, o Joinville pressionou, colocou bola na trave, e Wilson segurou lá atrás. O Figueira pecou na falta de pontaria.

No segundo tempo, o jogo caiu muito de qualidade, e o Figueirense colocou tudo a perigo com a expulsão de Lucas, lá pelos 25 do segundo tempo. Isso poderia dar combustível ao JEC, mas o time do Mauro Ovelha foi para a frente de forma desorganizada.

O favoritismo na final do returno é do Avaí apenas e tão somente por questões do regulamento. Tivemos dois clássicos no ano com dois empates, e o resultado igual é do time da casa. O Figueirense vai desfalcado, e se quiser vencer a partida, além de arrumar o time, vai ter que treinar bastante a pontaria. O clássico promete ser interessante.

Ah, e menção honrosa pra arbitragem hoje: Paulo Henrique Bezerra mostrou que é o único que se salva no quadro de Santa Catarina. Mas não dá pra colocar ele pra apitar todo jogo, né?

A Seleção dos Piores do Catarinense 2010

Foram vários votos de todos os locais do Estado. Vários nomes de jogadores foram lembrados, e o Blog anuncia hoje, a seleção dos piores jogadores do Campeonato Catarinense. Foram considerados os votos dos frequentadores do Blog, que participaram via email ou por comentário, e montaram esse time que trouxe a revolta do torcedor catarinense. Ou o pessoal de Chapecó votou em peso ou o time da Chapecoense era realmente ruim!

Vamos à lista:

Goleiro: Ciarelli (Juventus) - Campeão absoluto de votos
Lateral Direito: João Rodrigo (Chapecoense)
Zagueiros: William Amaral (Chapecoense) e Rafael Morisco (Chapecoense)
Lateral Esquerdo: Badé (Chapecoense)
Volantes: Basílio (Chapecoense) e Luiz André (Chapecoense)
Meias: Marcelo Moscatelli (Criciúma) e Nenem (Chapecoense)
Atacantes: Viola (Brusque) e Ronaldo Capixaba (Criciúma)

Técnico: Renê Weber (Figueirense)

Faltou pouco, mas tá tudo certo

Os cerca de 200 torcedores do Brusque que foram à Ressacada aplaudiram o time na saída. Afinal, mesmo com o favoritismo avaiano, o time acertou os erros em campo, conseguiu empatar um jogo perdido e quase fez o gol da virada. Houve superação de um elenco que conseguiu uma recuperação para muitos impossível. E vendeu bem caro a derrota para o time da casa. E deixou uma ótima impressão no último jogo no Estadual, dando uma boa esperança para a Copinha que começa no próximo dia 5.

O técnico Hélio Vieira usou a lógica e manteve a mesma formação das outras três partidas, apostando (corretamente) na solução da continuidade. Mas não contava com a tremedeira do lateral-esquerdo Tom, egresso da base, que amarelou com a pressão do jogo decisivo. Contei, por baixo, cinco erros crassos, que permitiram o Avaí fazer a festa nas suas costas. Em 13 minutos, estava dois a zero, sendo o segundo gol uma falha de João Ricardo. As opções não funcionaram, e a arbitragem também, não marcando um pênalti em cima de Lourival.

Mesmo prejudicado, e com dois gols atrás no placar, o time foi atrás de forma incrível. Descontou logo no começo com Diogo, e ganhou nova esperança. Aí, Rogério Souza estraga a reação fazendo um pênalti infantil em Uendel. Com 3 a 1 pró-Avaí, o Bruscão arrancou o empate com Rogélio e Pantico e calou a Ressacada, e aqueles críticos que achavam que o time não faria cócegas no Leão. Não fez cócegas, mas arrumou uma tremenda sarna. Diogo Oliveira teve, de frente pro goleiro, a chance de virar a partida e matar o jogo.

A expulsão do volante Pereira pelo Dadá arrumou o alívio do Avaí, que rezava para o jogo acabar. Exposto na defesa ao subir com tudo, o time tomou o quarto com Vandinho e deu o alívio rumo a classificação. O Avaí foi surpreendido, e não segurou os nervos nas finalizações. O Brusque demorou para entrar no jogo. Quando entrou, estava 2 a 0, mas quer saber? Estou conformado e feliz com a reação desse time. Tá tudo certo. O Brusque finaliza o Estadual em sétimo, mesma posição do ano passado e com uma perspectiva excelente para o futuro. O grupo deverá ser mantido para a Copinha, e com mais três ou quatro reforços, há uma condição real de título, ou se não, a vaga na Série D de 2011. A torcida também acredita.

Já o Avaí, se quiser levar o caneco, vai ter que jogar muito mais do que a partida de hoje em casa. A marcação de meia-cancha é falha, e Sávio é sobrecarregado até não aguentar mais. Chamusca brinca ao colocar Rudinei como titular em um time que quer levar o título e fazer bonito na Série A.

Parabéns à torcida do Brusque que compareceu e empurrou o time, mesmo com televisão ao vivo e ingresso a 60 reais.