sábado, 12 de junho de 2010

Favoritos, pero no mucho

Vou rever meus conceitos nos bolões que jogo na Copa. Fui no embalo do amplo favoritismo de equipes como Argentina e Inglaterra, e vi que são times que vieram para a África sem grandes atrativos. E serve como um alerta aos torcedores: não espere show do Brasil na terça. Pode até vir, mas não será ao natural.

Depois da vitória da enjoada Coreia do Sul sobre a Grécia, que mais uma vez jogou aquele futebol típico do país, com muita correria que conseguiu encaixar dois gols, chegou a vez de ver a dita super-Argentina contra a Nigéria. Foi um confronto que dá pra definir assim: um time com muitos talentos individuais, mas armado de um jeito muito estranho por Maradona, contra uma equipe de futebol que também tem bons jogadores, mas atua num conjunto muito bom. A Argentina venceu, com um gol no início com uma falta de ataque flagrante, mas matou o susto de todos os seus adversários, que viram uma equipe boa no ataque, mas com uma parede frágil na zaga. Dieguito corre muito risco ao armar um time tão exposto.

A situação da Inglaterra foi bem similar aos hermanos: enfrentaram uma seleção americana muito bem arrumada. Não é novidade que os EUA são mestres em treinamento desportivo, e o crescimento do futebol masculino na terra do Tio Sam é notório. O English Team fez um gol no começo, mas não conseguiu apertar tanto a seleção americana, que empatou com um frangaço de Green (outra dificuldade inglesa: não tem goleiro de confiança) e quase virou com uma bola na trave. No final do jogo, Fabio Capello colocou o grandalhão Crouch, e o velho jogo inglês de chutão e bola aérea voltou.

Cinco jogos da Copa se passaram, e ainda não me animei. Não vi nada de mais. Mas é o prenúncio de um Mundial repleto de jogos truncados e de placares pequenos. Vamos ver como o Brasil se encaixa no contexto.

Tem certeza que a Copa começou?

O Blog também falará de Copa. Pelo menos um post diário dos jogos entre os melhores jogadores do mundo. Mas o que vi na rodada de abertura, tava mais pra Copa Santa Catarina do que Copa do Mundo, tamanha a baixa qualidade dos jogos.

O México parece um time que eu conheço, localizado na Av. Lauro Muller, centro de Brusque. Criou, criou, abusou de criar chances, mas não chegou na rede. A África do Sul achou um belo gol no contra-ataque, mas logo tomou empate, em um gol do zagueiro Rafa Marquez, que nada me tira que errou na bola ao chutar ao gol. Mas acabou fazendo, e ninguém vai lembrar disso. Ainda teve uma bola na trave africana no finalzinho, mas nada que tirasse a justiça do placar.

Já Uruguai e França foi um jogo terrível. Maltrataram a coitada da Jabulani. O Uruguai jogou fechado, subindo só na boa, e quando perdeu Lodeiro, expulso, passou a jogar na retranca para segurar um pontinho. No jogo que mais se esperava no dia, uma grande decepção. E o grupo, que já era imprevisível, ficou mais ainda, e totalmente nivelado por baixo.

Espero que a Copa comece pra valer nesse sábado. Que Argentina e Inglaterra mostrem um futebol de favoritos.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

O cara voltou

Na foto ao lado, o atacante Pantico reapresentando-se ao Brusque na tarde desta quinta, no Augusto Bauer. Diz que está fisicamente bem e quer dar um título ao Bruscão. Afirmou que deixou o Icasa por causa das dívidas que o clube tinha com ele. E já foi para o treinamento.

Estreia domingo, contra o Juventus, no Augusto Bauer.

Vencer o clássico é bom. Três clássicos seguidos, não tem preço

Jogo entre Brusque e Metropolitano não precisa ser bonito. É batalha em campo, com uma grande rivalidade regional. E deu Bruscão pela terceira vez seguida. Em partida com três expulsões, Rogélio fez 1 a 0 e colocou o time na liderança do grupo, e dispara a sirene no Metrô. Esse time definitivamente não irá longe na Série D. Mauro Ovelha irá perder o resto dos cabelos. A própria torcida blumenauense saiu quieta ao fim da partida, concordando que o elenco é de baixa qualidade, e perderá ainda mais com as baixas de Arlan e Tripodi, que deixaram o clube.

O resultado foi mentiroso. Um a zero no placar, mas com um sem número de chances perdidas pelo Brusque, que se viu com um homem a mais por 60 minutos de partida, contra uma zaga completamente bagunçada. Era pra ser de mais, e o Brusque estava aceitando uma pressão completamente desnecessária no final. Poderia ter tomado um gol de empate completamente irresponsável.

Começou o jogo, Rogélio marcou de letra o 1 a 0. O jogo esquentou quando o atacante Jackson deu uma entrada na maldade em cima do goleiro João Ricardo, que já tinha o domínio da bola. Não sei se ele queria de certa forma "vingar" a lesão do goleiro do Metrô, João Paulo, que está fora de combate depois da entrada de Rafael Xavier no primeiro turno. Mas acabou expulso, assim como o zagueiro Marcelo, que partiu pra cima dele. Logo depois, o zagueiro Júnior, do time verde, errou bisonhamente e Xavier entrou sozinho para fazer o gol, sendo derrubado por Amaral Rosa, que também foi para a rua. A torcida colaborou bastante. A cada momento que Júnior, que é oriundo da base do Metrô, colocava o pé na bola, as arquibancadas o vaiavam em uníssono. A bola queimava no pé dele, tanto que deixou o campo no intervalo chorando.

Joceli no segundo tempo colocou Paulinho para tentar corrigir os erros de passe, e até conseguiu. Mas o Brusque não conseguia colocar a bola na rede, em incontáveis chances de gol do time, que entrava na defesa adversária com muita facilidade. Sinal de que, mesmo com a vitória, há de se consertar alguma coisa para o jogo contra o Juventus, que vale classificação. O time de Jaraguá não é nenhuma vaca morta. Se bateu o time B do Avaí, alguma qualidade deve ter.

E a notícia do dia: Pantico está de volta. Perguntado sobre o assunto, o técnico Joceli disse que "as defesas adversárias vão ter que caçar os dois (Pantico e Xavier) com pedaço de pau que vai ser difícil pegar". Concordo com ele. O baixinho volta para o Bruscão para formar ataque com Rafael Xavier, e semana que vem contará com a volta de Têti no meio-campo. Talvez haja um problema nas bolas aéreas, já que o ataque passa a ser baixo. Mas na velocidade, o time ganha uma qualidade imensa. O torcedor do Brusque terá uma quinta-feira daquelas, depois de vencer o maior rival e saber que um ídolo está voltando.

terça-feira, 8 de junho de 2010

Sai a tabela da Divisão de Acesso. NEC em Lages e a volta do Operários e do Canoinhas

Na foto: Egon da Rosa (presidente do NEC), Rodrigo Capella, Delfim, Fábio Nogueira, Júnior Moresco e Delfinzinho, filho do presidente e assessor da Federação.

Aconteceu hoje na FCF a reunião que definiu o circo dos horrores Campeonato Catarinense da Divisão de Acesso de 2010. A competição começará em 15 de agosto e teve modificações. Times que não apareceram na primeira reunião apareceram agora, como os Operários Mafrenses e o famoso NEC, time de Navegantes que fez um monte de bagunça na segundona do ano passado, está de volta jogando em Lages, que contará com duas equipes. Outra notícia é a volta do futebol à Canoinhas, que não participa do futebol profissional desde 2004, quando o CAC jogou a Série B1. O Grêmio Timbó voltou ao nome anterior, Pinheiros, e deve jogar no campo do Complexo Esportivo.

Os grupos ficaram assim:

Grupo A: Oeste (Chapecó), Internacional (Lages), Caçador, NEC (Lages) e Associação Canoinhas.
Grupo B: Guarani (Palhoça), Caxias (Joinville), Maga (Indaial), Pinheiros (Timbó) e Operários Mafrenses (Mafra).

Dia 15 de agosto, pelo Grupo A, tem NEC x Canoinhas e Inter x Oeste, os dois jogos em Lages. Pelo B, tem Operários x Pinheiros e Maga x Guarani.

Saiu a súmula de Brusque x Tigre. Jefferson Schmidt detona Joceli, e sobrou até pra Argel

Bom, como era de se esperar, o árbitro Jefferson Schmidt iria detonar o técnico do Brusque, Joceli dos Santos, na súmula da partida. Sobrou até para Argel Fucks, técnico do Criciúma É o jeito que ele tem de se defender no tribunal e escapar da geladeira. Perdoem os palavrões, mas o relato do árbitro segue na íntegra, abaixo:

“Aos 44 minutos do segundo tempo expulsei do banco de reservas da equipe do Brusque FC, o Sr Joceli dos Santos, técnico da equipe, por prática de reclamação acintosa contra marcação da arbitragem. Após ser expulso, o mesmo negou-se a sair e a não atender a orientação do Árbitro Reserva, Sr Marcus de Souza, sendo necessária a minha intervenção, onde então o técnico expulso passou a me chamar de FILHO-DA-PUTA, SAFADO E VAGABUNDO; e ao invadir o campo de jogo veio a desferir um golpe em meu rosto atingindo a região próxima ao olho direito. Após o término da partida, ao sair dos vestiários de arbitragem fui abordado pelo técnico expulso o qual me ameaçou dizendo ” QUERO TE PEGAR SOZINHO, NO MANO-À-MANO, E VER SE VAIS SE ACOVARDAR DE MIM!”. Ato seguinte registrei Boletim de ocorrência na Delegacia de Polícia Civil contra o mesmo por agressão e ameaça conforme registro de nº 00054-2010-0616 e Guia de Exame de Corpo de Delito nº 598 (em anexo). 2.2 - Após o término da partida, quando o 4º Árbitro, Marcus de Souza, dirigiu-se ao vestiário da equipe do Criciúma, a fim de colher assinatura do capitão daquela equipe na “Comunicação de Penalidades”; foi barrado pelo técnico da referida equipe, Sr Argel Fucks, o qual expulsou-o do local, chamando a arbitragem de LADRÃO, SAFADO E FRACA.

Bom, isso foi o que relatou o árbitro, que assumiu o seu erro. Ele não precisava intervir para expulsar Joceli. Era o juiz da partida e não o policial militar que estava na beira do gramado. Era só mandar a PM retirar e esperar. Mas não, preferiu mostrar que é autoridade e ir bater boca com o treinador. E como ele mesmo relatou, o técnico do Criciúma, Argel Fucks, também desceu o sarrafo na atuação da arbitragem no domingo, que foi trágica. Se desferiu um golpe ou não, as imagens das emissoras de TV estão aí. Mas ele não diz porque deu um murro na cara do técnico do Brusque, que igualmente registrou ocorrência na Polícia Civil e fez exame de corpo de delito. Uma imagem vale mais do que mil palavras.

Pior de tudo isso é esperar alguma coisa do Tribunal de Justiça Desportiva. E a imagem do futebol catarinense ganha mais uma arranhada.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Criciúma envia pedido formal de desculpas ao Brusque

A diretoria do Criciúma não gostou das declarações do técnico Argel Fucks, que justificou o empate do time contra o Brusque detonando as condições do Estádio Augusto Bauer. O presidente do Brusque, Danilo Rezini, recebeu na tarde de hoje um email da Diretoria do Tigre, pedindo desculpas pelas declarações do seu treinador. O texto é o que segue:

Criciúma, 07 de junho de 2010

AO
BRUSQUE FUTEBOL CLUBE

At. Sr.
Presidente e Diretores

Prezado Senhor,

O Criciúma E.C. vem através de sua Diretoria se desculpar pelas manifestações emitidas por nosso Técnico Argel Funks em recente entrevista à imprensa de Brusque na ocasião da partida do domingo – 06/06/2010 no Estádio Augusto Bauer. Reforçamos ainda que a posição do Sr. Argel Funks trata-se de uma opinião isolada e que a Diretoria do Criciúma E.C. não comunga das mesmas opiniões. Ainda nesta oportunidade, gostaríamos de manifestar os sinceros agradecimentos pela forma profissional que sempre nos foi dispensada por este Clube.

Atenciosamente

Cláudio Gomes
Diretor Comercial

Observação: Copiei exatamente o email que a diretoria do Brusque recebeu e repassou. Logo, foi o diretor do Tigre que errou o nome do técnico Argel Fucks.

O vídeo do confuso Brusque 2 x 2 Criciúma

Atendendo a pedidos, abaixo está o vídeo com imagens da nossa TV Brusque do jogo Brusque 2x2 Criciúma, incluindo a troca de gentilezas do árbitro Jefferson Schmidt, que veio encarar o técnico Joceli dos Santos na beira do gramado. Quem é bom de leitura labial, pode imaginar o diálogo...

domingo, 6 de junho de 2010

Como um árbitro consegue estragar um jogo

A partida entre Brusque e Criciúma foi bem ruim, e o empate foi o resultado mais justo. As chances foram criadas dos dois lados, em maior número pelo Brusque no primeiro tempo, mas sem competência para colocar a gol. O Tigre jogou e deixou jogar, e esteve na frente do placar por duas vezes, em uma partida que se encaminhava para o zero a zero. No fim, empate em 2 a 2, que coloca todos os clubes do Grupo A em situação de igualdade após a primeira rodada.

Mas o personagem do jogo foi o árbitro Jefferson Schmidt. Engraçado que, enquanto transmitia a partida, eu estranhei que o jogo transcorria muito bem, de forma aberta e sem deslealdade. Foi quando ele resolveu aparecer no cenário da partida. Jogo em um a um, com o volante Leandro Leite expulso de forma justa após acertar o meia Mika, do Criciúma. Aí, não marcou uma falta em Valdo que originou o segundo gol do Tigre, e não controlou as reclamações que vinham dos dois lados. E aí, foi se meter em confusão com o técnico do Brusque. Coisa de quem não tem controle: quando ele expulsou o técnico Joceli dos Santos, poderia muito bem ficar no meio do campo e aguardar que o quarto árbitro retirasse o técnico. Mas não. Foi inventar de bater boca com Joceli desnecessariamente, e mostrando que não estava com os nervos no lugar, acabou acertando um tapa no técnico do Brusque. Após a partida, Joceli foi à Delegacia de Polícia registrar ocorrência pela agressão. Lamentável. É bom lembrar que Jefferson é policial militar, justamente quem devia dar exemplo.

Bom, o Criciúma até poderia merecer a vitória, mas pelo fato de ter tomado o empate com dois jogadores e mais em campo, o resultado acabou sendo justo. E, de novo, o técnico Argel Fucks usou das suas pregações para justificar a incompetência do seu time. Colocou a culpa no campo, que é ruim sim, mas nada muito diferente de muito estádio do interior gaúcho, de onde ele vem, e não comentou o desempenho do seu time. Além de arrumar muita insatisfação na cidade, não explicou porque o milionário time que montou não passou por cima do clube que tem um estádio de várzea, nas palavras dele.

E tanta complacência do árbitro resultou no afastamento do atacante Valdo, do Brusque, que lesionou o ombro e está fora da Copa Santa Catarina. E pensar que ele não expulsou o autor da falta,o zagueiro Rodrigo, no final do jogo, e nem Henik, que deu uma voadora em Lourival.

A Federação estava certa em não ter escalado Jefferson Schmidt na fase final do Campeonato Estadual. Mas foi dar uma chance a ele na Copinha, e viu que ele terá que ficar na geladeira. E vai se incomodar com as imagens que vão ao ar e correr por aí durante a semana.

Flu detona. Reformulação é pra ontem!

O Fluminense é o tipo do time que comprova a tese de que treinador consegue mudar uma equipe. Pode anotar: o time pouco, ou nada mudou desde o campeonato carioca. Só o técnico, que arrumou um time, que fez um péssimo estadual. Mérito para Muricy Ramalho. Um banho de bola de um time arrumado contra um que não encontra o seu caminho. Muda de esquema a cada jogo, jogador que sequer entra no banco vira titular no jogo seguinte... o rolo é um só.

Pois bem, e esse time arrumado pelo treinador passeou na Ressacada, fazendo incontestáveis três a zero que lhe mantém na parte de cima da tabela. Já o Avaí, que não perdia em casa faz tempo, entra no quarto jogo sem marcar gol, e vai entrar na parada para a Copa beirando a zona de rebaixamento.

Perder nunca é bom. Mas nesse caso do Avaí, a derrota, e ainda mais do jeito que ela veio, pode ser benéfica. Imagine se esse tipo de derrota viesse num domingo com rodada na quarta seguinte. A sorte do Leão é que até o jogo com o São Paulo, há um intervalo de 40 dias. Voltamos ao caso do ano passado: o time do Catarinense vinga no Brasileirão? Lá não vingou, e nesse ano, também não. Poucas vaias foram ouvidas neste sábado na Ressacada, o que é sinal que a torcida concordou com a apatia do time, que não faz um golzinho sequer há quatro jogos.

Chamusca começa a ser pressionado de forma mais forte, e reformulações vem aí. Fiquei pasmo ao saber que o Fredson, meia que vem jogando apenas na Copa SC, ganha 20 mil reais mensais. Moisés Candido, diretor avaiano, ao fim do jogo, deu a entender que ele será limado. E o que falar de Rodrigo Thiesen? Nem banco era, e do nada aparece no time titular. Nada me tira da cabeça que, como haviam olheiros de outros times interessados no seu futebol, ele saiu jogando contra o Flu.

Verdade seja dita: o Avaí hoje não tem time pior que o Vasco e o Atlético-GO, por exemplo. Mas se quer pelo menos repetir a Copa Sul-americana, primeiro terá que limpar o elenco e a folha de pagamento. Depois, precisa reforçar com, no mínimo, três jogadores que venham para ser titulares. E Chamusca precisa definir o que quer da vida, pois começa a correr sério risco de cair. E pensar que até um mês atrás ele era reverenciado pela conquista do Estadual....

Foto: Cristiano Andujar