sábado, 31 de julho de 2010

Empates sofridos na Bahia e no Rio Grande

Hoje, o Polidoro Junior disse no Clube da Bola que "sentia que os dois times da capital venceriam no final de semana". Sinceramente, eu também. Confiava no novo quarteto de ataque do Figueirense, que acabou empatando no final contra o Bahia. Dois pênaltis polêmicos para o tricolor baiano. No primeiro, o jogador do Bahia cai de um jeito muito estranho, mas definitivamente não houve a falta. Acho que talvez o ângulo tenha enganado o árbitro, já que um replay de baixo, de onde seria o campo de vista dele, traz essa dúvida. Já no segundo, eu não consegui enxergar o toque do zagueiro alvinegro. Logo, também não foi pênalti. E quase que o Wilson pegou. Mas como ponto fora de casa é importante, não dá pra desconsiderar. Poderia ser vitória? Poderia. Mas não veio e entre as circunstâncias que "fazem parte", estão os erros de arbitragem.

Já o JEC também empatou em Porto Alegre, tomando também gol no final, no confronto entre os dois atacantes campeões da Copinha: Pantico pelo tricolor e Rafael Xavier no Zequinha. 4 pontos em três partidas é pouco para dar tranquilidade. Mas se o time de Edinho fazer a tarefa de casa, vencendo os dois jogos da Arena, classifica e coloca o time para disputar o primeiro lugar contra o Oeste. Mas confesso que esperava muito, mas muito mais do Joinville nessa Série D.

quinta-feira, 29 de julho de 2010

Todos os jogos da Segundona com portões fechados

A Federação Catarinense de Futebol expediu uma nota hoje informando que todos os jogos da rodada de abertura da Segundona, no final de semana, serão com portões fechados. Segundo a FCF, nenhum clube enviou os laudos de liberação de Bombeiros, Polícia, Vigilância Sanitária e CREA. Sem liberação, sem jogo.

Já começou bem a famosa Divisão Especial. Os clubes tiveram o ano todo pra se preparar e ninguém conseguiu nem liberar o estádio. E o torcedor paga o pato.

E pelo o que eu ando checando no BID diariamente, tem time que não tem nenhum jogador inscrito ainda. Ou vai colocar jogador irregular ou não vai a campo. Esperemos amanhã.

Conheça a segundona: Próspera

ESPORTE CLUBE PRÓSPERA
Fundação: 29 de março de 1946
Cores: Verde, Vermelho e Branco
Estádio: Mário Balsini - 4.500 lugares
Presidente: Cledonir João Machado
Técnico: Luciano Silva
Ranking "BdR" 2009: 19o. lugar
Catarinense 2009: 9o. lugar na Divisão Especial

O "time da raça", fundado há 64 anos por funcionários da Mina Carbonífera Próspera, está de volta a mais um campeonato. Só não foi rebaixado no ano passado por causa da existência do Navegantes, que aprontou das tripas coração naquela segundona, e acabou ficando na última colocação. Em 2009, uma parceria com a Mondado Sports gerenciou o futebol do clube, que acabou não "prosperando". No começo de 2010, o novo presidente, Cledonir Machado, chegou a dar entrevista dizendo que "Só faremos futebol com pé no chão, ou seja, com parceiro que traga dinheiro adiantado. É utopia falar em dinheiro no Próspera atualmente". Não é novidade pra ninguém que o time vive à sombra do primo rico, o Criciúma. Mas mesmo assim, recebe o carinho de vários torcedores do Tigre, que o têm como um segundo time, mantido por abnegados desportistas que não querem deixar a chama do time apagar.

E a aproximação Próspera-Criciúma será grande neste ano. A começar pelo treinador, Luciano Silva (foto), ex-zagueiro criado no Grêmio que encerrou sua carreira como jogador em março deste ano, no CRB de Alagoas. Silva trabalhou como auxiliar-técnico de Argel Fucks no São José de Porto Alegre, e agora assume o cargo de técnico no Próspera. E no elenco, vários jogadores não aproveitados por Argel no Criciúma, e segundo informa a imprensa do Sul, com metade dos salários pagos pelo clube do bairro Comerciário. São eles: o goleiro Passarela, o volante Edvânio, o meia Flavinho e o atacante Lucas Campos, este último retornando ao clube que o revelou. Também estão no elenco o lateral Vinícius, ex-Guarany de Garibaldi (RS), o volante Hélton, ex-Tigre e que estava no Imbituba; e o meia Max, ex-Cruzeiro de Porto Alegre.
O Próspera luta contra as suas próprias dificuldades para enfrentar a segundona. Os reforços cedidos pelo Criciúma darão com certeza mais qualidade ao grupo, que não quer fazer feio como no ano passado. É virar a página e pensar em dias melhores. Quem sabe não teremos um clássico municipal no ano que vem.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Conheça a Segundona: Camboriú

CAMBORIÚ FUTEBOL CLUBE
Fundação: 11 de abril de 2003 (como SD Camboriuense)
Cores: Verde e Laranja
Estádio: Roberto Santos Garcia (3.000 lugares)
Presidente: José Henrique Coppi
Técnico: Edson Maehler
Ranking "BdR" 2009: 15o. Lugar
Catarinense 2009: 5o. Lugar na Divisão Especial

Talvez o Camboriú seja o time que está a mais anos presente na Segunda Divisão do Catarinense. Não falha em uma, e nunca faz más campanhas, mas tem a característica de começar bem, mas perder fôlego com o andar do tempo. Foi assim na época que o ex-jogador Valdo tinha parceria com o clube. Vários jogadores deixavam o time durante a segundona, e quem pagava o pato era o time em campo. Sabe o Róberson, jogador do Grêmio? É cria da Cambura.

O técnico do ex-Camboriuense é Edson Maehler, que passou pela Portuguesa Santista, Tupy de Crissiumal-RS e no ano passado dirigiu o time do Três Passos, da segundona gaúcha. Em 2008, comandou o Grêmio Pinheiros também na Segundona de SC.

O elenco é repleto de jogadores desconhecidos. Os únicos que consegui identificar foram os goleiros. Um é o famoso Montibeller, que, em 2004, saiu algemado de campo durante uma partida contra o Brusque. E o outro é Alex, que passou pela reserva do Brusque em 2008. O detalhe interessante é que, ao checar o BID da CBF, constata-se que a grande maioria dos jogadores têm contratos longos, com encerramento de 2011 até 2014. Seria sinal de confiança de que o time conseguirá o acesso?

O que eu vou dizer do Camboriú? Condição de montar bons times o clube já provou que tem. Mas resta saber como se comportarão em situação de campeonato. Antes de cravá-lo como favorito, é prudente ver o time conquistando vitórias e convencendo a sua torcida.

terça-feira, 27 de julho de 2010

Em Xanxerê, 88 jogadores em campo!

Sensacional a matéria que achei no Youtube, da RIC de Xanxerê. Você já viu uma partida com 88 jogadores em campo, com quatro partidas acontecendo ao mesmo tempo no mesmo campo? Assista a matéria e confira!

A polêmica de Alexandre Lopes na Seleção

O futebol tem aspectos únicos. Um deles são as incontáveis discussões, onde cada lado tem a sua versão, que permite diversas interpretações, e cada um defende o seu entendimento.

Ontem, mais uma polêmica surgiu: o goleiro Renan, do Avaí, foi ou não o primeiro atleta de clube catarinense a ser convocado para a seleção brasileira?

Isso porque havia a informação que Alexandre Lopes (foto), ex-zagueiro do Criciúma, havia sido convocado em 1995 por Zagallo para um amistoso contra a Colômbia, e consta como atleta do Tigre no livro "Seleção 1914-2006", do renomado escritor Roberto Assaf (clique e veja a indicação no livro).

Mas consultei uma pessoa que confio, e conhece muito a história do Criciúma, o Antônio Colossi, um historiador, acadêmico de jornalismo e repórter da Rádio Eldorado e do site Rádio Criciúma. Fiz o questionamento sobre a situação que envolveu a convocação de Alexandre Lopes para a seleção, e a resposta dele foi a seguinte:


Rodrigo,

No final de dezembro de 1995, Alexandre Lopes ainda era jogador do Criciúma EC quando foi convocado para um amistoso contra a Colômbia, preparatório para a Copa Ouro da Concacaf de 1996. No mesmo dia da convocação, o presidente do Tigre à época, Milton Carvalho, e Alexandre Lopes foram até São Paulo e fecharam a negociação com o SC Corinthians. Até na época o nome de Alexandre Lopes, já saía na relação de convocados como jogador corinthiano, no entanto, respondendo a tua pergunta, ele não havia atuado ainda pelo clube paulista.




Resumindo: ele foi convocado pelo que jogou no Tigre, mas foi vendido ao Corinthians no mesmo dia em que foi convocado. Jogou o amistoso (como titular) já como atleta corintiano, mas só veio a atuar pelo time paulista no ano seguinte. Agora, cada um que fique com a sua interpretação. Por mais que Renan vá representar a seleção do Brasil como atleta avaiano, é importante ressaltar o trabalho do Criciúma, que em 1995 conseguiu emplacar Alexandre Lopes entre os convocados de Zagallo. Se é o primeiro ou não é, isso interessa para as tradicionais discussões de torcedores. Mas tenho o pensamento que tanto Renan quanto Lopes têm o seu lugar na história no futebol catarinense.

Conheça a segundona: XV de Outubro

SOCIEDADE DESPORTIVA XV DE OUTUBRO
Fundação: 15 de outubro de 1952
Cores: Azul e Vermelho
Estádio: Gigante do Vale - 2500 lugares
Presidente: Jorge Jacobowski
Técnico: Josélio Kresch
Ranking "BdR" 2009: 21o. Lugar
Catarinense 2009: Campeão da Divisão de Acesso. Promovido à Div. Especial



Tive a oportunidade de assistir dois jogos do XV no ano passado, pelo campeonato da Divisão de Acesso, que é um torneio sub-23 semi-amador, mas é o primeiro passo para quem quer fazer carreira no futebol profissional. O time assumiu o prejuízo e conquistou o título, contra o Guarani de Palhoça. Agora, o cenário é diferente. Na Divisão Especial, o clube de Indaial terá que mostrar uma organização maior, uma melhor estrutura e contar com o apoio da torcida para conquistar o seu espaço. E todo o planejamento do clube passa por uma pessoa, que vê no XV o seu sonho: o treinador.



O cara que vem comandando a curta história do XV nestes dois anos é Josélio Kresch, que além de técnico, é o diretor de futebol do clube. Ele era técnico das divisões de base do Atlético de Ibirama, que fez uma parceria no ano passado com o XV para participar dos campeonatos de base, inclusive jogando em Indaial. Depois, montou o time que participou da Divisão de Acesso e conquistou o título, com um time barato, mas com os pés no chão, buscando pagar pouco, mas pagar direitinho. Desse tipo de dirigente eu gosto.
Dentro de campo, alguns jogadores que fizeram a campanha de 2009 fazem parte do elenco, como o goleiro Dida e o atacante Jonatas, artilheiro do ano passado que não teve boa passagem pelo Brusque, sem chances dadas pelo então técnico Suca. Depois, ele foi para o Paraná, e voltou a Indaial, onde é ídolo. Outro que terá importante função é o volante Sérgio, ex-Ibirama e Brusque, que deverá jogar como zagueiro e trazer mais experiência ao grupo, que mandará seus jogos no estádio Gigante do Vale (foto), que é pequeno, mas vem recebendo reformas para estar adequado para receber as partidas. Um grande desafio que o clube tem é convencer o torcedor indaialense, que é fortemente ligado aos clubes amadores e do eixo Rio-São Paulo. É aquela história: uma cidade que ainda não acredita que tem um time profissional, e que numa dessa poderá receber no ano que vem os melhores times do Estado.


Sempre tive o pensamento que, quando um time conquista um acesso como o XV de Outubro conseguiu, o ideal seria aproveitar o primeiro ano na nova divisão para "sentir o terreno" e marcar o seu espaço. Penso como seria se o time conseguisse o acesso. Teria dificuldades para montar um elenco forte, problemas com o Estádio e até coma torcida em si. Recebi informações muito boas da organização do clube, e acho isso bom, e talvez o acesso agora poderia quebrar um pouco desse planejamento. O XV não tem time para cair de volta à terceira divisão, mas também não fará feio. Torço para que se mantenha e que possa crescer.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Renan e as novidades de Mano

São João Batista, a capital do calçado, está em festa. Um dos seus filhos, o goleiro Renan, do Avaí, aos 19 anos, está na Seleção Brasileira de futebol, em um momento importante, que é o começo do processo de renovação. Ele está na primeira turma, que deverá ser a espinha dorsal do novo trabalho de Mano Menezes na seleção. E melhor: dos três convocados da posição, é o único com idade olímpica para 2012. Ele pode ser o camisa 1 nas Olimpíadas de Londres.

Sou fã do Renan, e gostaria de vê-lo como titular do Avaí. Outro dia, amigos avaianos pelo twitter colocavam uma desvantagem nele, em relação a Zé Carlos, o titular (ou ex-titular, acho que Antonio Lopes não colocará um jogador da seleção no banco), que é a reposição de bola. Mas nada que Renan não possa desenvolver, ainda mais treinando junto com Zé.

No mais, a convocação me agradou, com um time jovem, que buscará a formação de uma nova estrutura, com onze jogadores novatos e sete com idade olímpica Mais a frente, não duvido que mais jogadores que jogaram a Copa da África, e que hoje estão de férias, se juntem ao grupo para a Copa América. Boa sorte a Mano, que promete ser um técnico diferente. Já começando com a calma nas entrevistas coletivas...

É o segundo jogador de time catarinense a ser convocado para a seleção principal: o primeiro foi o zagueiro Alexandre Lopes, que jogou no Criciúma até o final de 1995. No mesmo dia que foi convocado, teve sua contratação anunciada pelo Corinthians, mas ainda era atleta do Tigre.

E que Renan, o garoto batistense, agarre a chance. Esse Avaí faz coisa mesmo...

domingo, 25 de julho de 2010

Conheça a segundona: Joaçaba

JOAÇABA ATLÉTICO CLUBE
Fundação: 27 de fevereiro de 1997
Cores: Azul e Amarelo
Estádio: Oscar Rodrigues da Nova (7.000 lugares)
Presidente: Luiz Carlos Coelho
Técnico: Osmar Magalhães
Ranking "BdR" 2009: 12o. lugar
Catarinense 2009: 7o. lugar na Divisão Especial

O JAC teve muitas dificuldades no ano passado. Com uma folha curta, o time teve problemas com o Estádio Oscar Rodrigues da Nova, que é municipal e esteve interditado por parte do ano passado por ordens da justiça. Isso fez com que o time mandasse partidas em Videira, com um público abaixo do esperado. O time fez má campanha no primeiro turno, mas conseguiu virar o jogo da segunda fase, quase conseguindo uma vaga na fase final. Tenho acompanhado o noticiário que vem lá do Vale do Rio do Peixe que o time conseguiu parceiros, mas esbarra naquelas dificuldades que todos os times da segundona tem: dinheiro.

Quem não acompanha de perto o campeonato da segunda divisão não sabe quem é o técnico Osmar Magalhães (foto). Mas o treinador é figurinha carimbada nos times da Divisão Especial. Ano passado, passou por três equipes: o próprio Joaçaba, onde conseguiu a recuperação no returno, depois foi comandar o Porto e, por último, passou por Tubarão para treinar o Hercílio Luz. Magalhães e a diretoria montaram um time que, ao menos para esse blogueiro, é desconhecido na sua grande maioria. Apenas dois jogadores são remanescentes de 2009. Conheço apenas dois jogadores: os atacantes Linha, ex-Metropolitano, e Marcelo Fattori, o capitão do time, que veio para o Brusque depois de destacar-se no Concórdia. Veio acima do peso e não conseguiu uma chance no time de Suca. Dispensado, tem no JAC uma nova chance de aparecer na vitrine.O time começou a treinar apenas no dia 28 de junho, o que dará pouco mais de um mês antes do jogo de estreia.

O Joaçaba não está na minha lista de favoritos do campeonato. Acompanho diariamente o bom Blog do JAC que destaca notícias diárias do time, incluindo a goleada sofrida para o time B da Chapecoense por 5 a 0, há uma semana. O presidente, depois do jogo, chegou a declarar que, por ele, mandaria todo o elenco embora. Claro que as realidades de Joaçaba e Chapecoense são diferentes, mas tomar um sapeca em casa antes da estreia gera a desconfiança de todo mundo. No começo do campeonato, o Joaçaba não vai ser a bola da vez. A não ser que Magalhães repita neste ano a mesma virada radical que fez no ano passado. Se conseguir fazer o raio cair duas vezes no mesmo lugar, poderá ir longe.

O resumão catarinense do final de semana

Não desmerecendo o Marcílio Dias, mas um clube que prefere priorizar uma segunda divisão à um campeonato nacional, merece um acompanhamento diferente. Partindo do princípio que você tente montar um time forte no nacional, por consequência ele seria fortíssimo na segundona. Mas, como o time declaradamente participa da Série D "para cumprir tabela", então a goleada sofrida para o bom time do Pelotas foi um dever de casa bem feito da equipe do veterano Sandro Sottili, que marcou o seu, diga-se de passagem. Desenha-se aqui uma triste realidade: Metropolitano, Iraty e Pelotas não poderão nem pensar em perder pontos para o Marinheiro, se não quiserem ter problemas para se classificar.

O Metropolitano fez sua parte, e chegou aos seis pontos, e começa a desenhar uma situação confortável: precisa vencer dois dos seus quatro próximos jogos para garantir classificação.O mesmo não pode-se dizer do Joinville, que perdeu para o Operário em Ponta Grossa, mas tem uma situação que não é desesperadora, já que todos os times do Grupo tem os mesmos três pontos.

Na Série C, o Criciúma bateu o Brasil de Pelotas e chegou aos 4 pontos. Quem viu o jogo elogiou as atuações de Rogélio e Diogo Oliveira, vindos do Brusque. Liderando a chave, o Tigre só volta a jogar em duas semanas, contra a Chapecoense em casa, e terá tempo para se ajustar cada vez mais. O time de Chapecó estreou com derrota, mas ouvi a resenha do jogo e o pessoal da imprensa oestina diz que gostou do que viu.

Não vi o jogo do Avaí, mas perder dois pontos onde não pode pensar em outra coisa se não a vitória é gosto de derrota. Domingo, contra o Goiás, é uma boa oportunidade para uma recuperação. Nada de desespero.