sábado, 21 de agosto de 2010

Que hora pra se perder um pênalti...

Essa doeu lá no fundo do torcedor alvinegro.

São aqueles dois pontos jogados fora, que podem fazer diferença lá no final. Longe de crucificar o Willian. Só perde pênalti quem bate, e o garoto tem crédito. Mas no finalzinho do jogo....

Olhando o jogo todo, foi uma situação que poderia ter sido evitada. É só ver os gols do frágil Duque de Caxias, principalmente o segundo, do Somália, numa bola presa na pequena área, que nenhum cristão do Figueirense conseguiu afastar.

No mais, dois belos gols alvinegros, um de extrema categoria de Reinaldo e outra de precisão do Juninho, confirmando a posição de melhor ataque da Série B.

Lá em cima, eu falei que esses dois pontos podem fazer diferença no final. Tomara que não faça. Hoje foi jogo de dois pontos perdidos e não de um conquistado. Pior que não são os primeiros pontos jogados fora na Série B.

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Convocar por convocar?

Não me lembro de ter acontecido, e se já aconteceu alguém me lembre, da Seleção Brasileira ter sido convocada apenas para treinamentos. Não vou entrar no mérito da convocação em si, ela até é interessante, pois Mano Menezes quer observar outros novos jogadores, como é o caso do atacante Hulk e do meia Phillipe Coutinho, que tem tudo para assumir uma posição de destaque na Inter de Milão. Mas a convocação sem um jogo para disputar, além de estranha, tem tudo para não ter a mesma motivação. Afinal, não vai ter partida para assistir na TV, muito menos um jogo para contar na estatística. Enfim, a seleção não estará em campo.

Vai ser um desafio que a CBF terá até a Copa de 2014. Sem eliminatórias pra disputar, a confederação terá que buscar adversários a cada data Fifa, e de preferência de boa qualidade técnica. E logo, por falta de opção, vai ter que recorrer a partidas contra Islândias ou Costa Ricas da vida. E sem a mesma dificuldade que um jogo valendo três pontos, como é o caso das duras eliminatórias sul-americanas.

Uma convocação legal, mas totalmente sem graça.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Caso Ibirama: STJD diz: "não é com a gente!"

Ao ver a declaração do procurador-geral do STJD, Paulo Schmitt, sobre o caso do Atlético de Ibirama que foi julgado hoje no Rio de Janeiro, senti que o Pleno não gostou de ver uma questão como a permanência da Chapecoense na primeira divisão nas mãos dos auditores. Schmitt acusou a Federação Catarinense de Futebol de "querer lavar as mãos" ao fugir da reta para decidir o caso, jogando ele para o Tribunal de Santa Catarina. O Tribunal daqui julgou, mas o STJD anulou a sua decisão. O caso voltou para a Federação, que matou no peito e já baixou um comunicado.

Vamos falar a verdade. A decisão deixou de ser jurídica pra ser política. A Chapecoense vai ficar na primeira divisão e isso é fato. Existem interesses econômicos, que não permitem que uma cidade do porte de Chapecó fique de fora, mesmo com a incompetência dos dirigentes que montaram um time tão ruim no Estadual. Mas a decisão vai ser no canetaço, e sem o tribunal se meter no meio, o que, aliás, foi uma atitude correta do STJD. Cada um que tire as suas conclusões. E o Verdão vai agradecer eternamente a forcinha que a Federação deu. Depois de tudo o que já aconteceu, é só mais um espetáculo que o futebol de Santa Catarina proporcionou.

Mas vivemos em um ambiente democrático. Caso fechado não se discute mais.

Bola pra frente, e a vida continua.

Rumo ao Peru ou ao Equador?

O Avaí não jogou na Ressacada com o mesmo brilhantismo do jogo de ida contra o Santos. Mas a atuação de gala da semana passada no Pacaembu foi suficiente para colocar o time na fase internacional da Sul-americana. E não vai ser para uma simples participação. Analisando a tabela, as chances do time ir longe são grandes, começando pelo próximo confronto, contra Emelec do Equador ou o Universidad San Martin, do Peru. Se passar, pode pegar o Goiás, Peñarol ou o Barcelona de Guayaquil.

Quem precisava do resultado foi o Santos. O Avaí até jogava bem, com duas chances de gol perdidas, mas após o gol santista, marcado por Zé Love aos 24 do primeiro tempo, o Avaí recuou, o que pode ser considerado natural, e o jogo não ficou bom. O Santos cansou, e deu pro Leão segurar o resultado. Vaga conquistada, e uma sensação nova que o torcedor azul terá: a de jogar no exterior valendo três pontos. Sem dúvida, um feito.

Agora é esperar o destino da viagem, que só vai ser conhecido no final de setembro.

Foto: Flávio Neves - ClicRBS

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Reunião que deu um pouco de esperança, e só isso

Pela primeira vez aconteceu uma reunião na Prefeitura em que efetivamente se discutiu acerca da construção de um novo Estádio na cidade. Foi interessante ver na mesma roda o poder público, dirigentes de clube e imprensa, para analisar a situação atual do futebol brusquense.

Mas ainda não há nada de concreto sobre um novo local ou não. Apenas duas certezas apareceram: a de que o Bruscão vai jogar a temporada 2011 no Augusto Bauer, e que uma comissão formada irá se reunir com membros do Clube de Engenharia da cidade para verificar o custo das reformas necessárias no local, e depois disso se partir a buscar parcerias que viabilizem a reforma. Hoje passei lá, e vi reformas já em andamento nas cabines de imprensa, nas arquibancadas e no muro que fica em frente à Avenida Lauro Muller.

Fato é que a construção de um estádio não é simples e muito menos rápida. O Prefeito Paulo Eccel já disse que não tem dinheiro. A grande maioria dos presentes na reunião sugeriu que o novo estádio fosse construído no terreno do kartódromo municipal, próximo ao Pavilhão da Fenarreco e da Arena Multiuso. Essa comissão irá analisar todas as possibilidades, mas não há uma perspectiva tampouco um prazo para que se inicie efetivamente o projeto da obra. É muito fácil fazer o projeto, a maquete e, quando aparecer a conta, a ideia ser abandonada por falta de recursos. O Brusque tem pressa: o contrato de aluguel do Augusto Bauer com o Renaux se encerra no final do ano que vem, e uma nova negociação terá que ser feita. Basta lembrar que em 2003, o presidente do tricolor simplesmente bateu o pé, e se negou a alugar o estádio ao Brusque. Logo, a cidade ficou sem futebol naquele ano. Se for feita realmente uma reforma no Augusto Bauer com a participação da Prefeitura, uma extensão desse contrato deve ser feita desde já, para evitar os problemas do passado.

Enquanto isso, o torcedor brusquense continuará indo ao velho Augusto Bauer, que completará 80 anos em 2011. Mais um ano, obras serão feitas para que os laudos de liberação venham para que os jogos da Copa do Brasil aconteçam aqui. E que esse movimento pró-construção de um novo Estádio não fique apenas no campo da promessa. E, sinceramente, nesses anos todos de imprensa estou cansado de ouvir promessa de estádio que sai, e que no final não sai. Então vou ficar quieto esperando pra ver no que dá.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

STJD julgará caso Ibirama na quinta

Chegou a hora. O STJD já publicou o edital no site da CBF, e nesta quinta-feira, a partir das 13:30h, será apreciado o recurso interposto pela procuradoria do TJD de Santa Catarina do caso da licença do Atlético de Ibirama, que poderá manter a Chapecoense na primeira divisão do ano que vem.

Vamos relembrar as possibilidades. O STJD poderá determinar três coisas: primeiro, pesa a questão de definir se o TJD de SC é ou não competente para julgar a questão de quem ocupa a vaga do Atlético. Se disser que sim, permanece como está, com a Chapecoense mantida na primeirona no lugar do Ibirama. Se disser que não, pode devolver a decisão para o conselho técnico da FCF, o que permitirá o canetaço. Ainda existe a chance, conforme declarou ao "Campo Crítico" da Record News o auditor Luciano Hostins, do STJD julgar a questão por inteiro e definir o rumo da Chapecoense no Catarinense 2011. Aí, o Pleno poderá definir se o campeonato do ano que vem terá o Verdão, se serão mantidos apenas nove times ou será chamado um terceiro clube da Divisão Especial.

Vamos aguardar os acontecimentos.

Reunião para "definir" rumo do Estádio

Faz 36 dias que o Brusque conquistou a Copa Santa Catarina em Joinville. Na segunda-feira seguinte, começamos a questionar os responsáveis do esporte da cidade sobre os rumos do Estádio Augusto Bauer. O tempo passa, a Copa do Brasil e a temporada 2011 estão chegando, e nenhum movimento aconteceu. A imprensa fez a sua parte, fomentou o debate, mas nada apareceu.

Aí, a assessoria de imprensa da Prefeitura me liga marcando uma grande reunião para amanhã, às 17:30 no Salão Nobre, para "discutir e definir diretrizes para o futuro do futebol de Brusque como, por exemplo, a construção de um Estádio Municipal e ou a restauração dos que já existem em nossa cidade", nas palavras da assessoria.

Reunião pra discutir o que já foi cansativamente discutido nesse mês? Já falamos demais do assunto, quero é ver algo de concreto. Não adianta chamar para uma reunião até a torcida organizada, quando é um assunto que deve ser discutido entre o prefeito, a diretoria do Brusque, o interessado, e do Carlos Renaux, dono do Estádio. É hora de agir, e não fazer política.

Outra coisa: não se assustem com as ameaças que o presidente da FCF deu naquela entrevista coletiva sobre o meu caso de Joinville. De acordo com o Código, a Federação não tem poder de vetar estádio. Se o Brusque conseguir os laudos dos Bombeiros, Polícia Militar, Vigilância Sanitária e CREA, nem o bispo interdita. Se forem feitos aqueles ajustes de sempre, o Brusque vai jogar no Augusto Bauer o Catarinense e a primeira fase da Copa do Brasil. O problema é que estamos cheios de "arrumaçõezinhas" e de ouvir as (justas) críticas sobre as condições do estádio. Pena que se perde tempo demais com reuniões para ouvir ideias, formar comissões, com mais reuniões, que demoram uma era pra ter uma definição.

Deu tudo certo na rodada

Além da goleada do Figueirense na sexta (estava em Joinville e não vi o jogo, mas nem é necessário dizer que a bosa fase alvinegra continua), as rodadas das Séries C e D foram boas para os clubes daqui. O Criciúma perdeu, mas continua líder. Perder para o bom time do Caxias não é o fim do mundo. E a ironia foi o gol do time caxiense, marcado pelo grandalhão Claudio Luiz, que tem história no Tigre.

A Chapecoense fez mais uma vez a tarefa de casa e venceu o Juventude, campeão da Copa do Brasil de 1999, que parece estar caminhando pra enfrentar o Brusque na Série D do ano que vem. Bom resultado, que mantém o Verdão na briga por uma vaga. Mas o time precisa jogar fora de casa da mesma forma que atua dentro do Índio Condá. Jogo interessante no domingo contra o Criciúma, em casa.

Na Série D, o Metropolitano poderia ter vencido o Iraty, mas tomou um gol nos descontos, mas está classificado, contando com o empate do Marcílio Dias com o Pelotas, em um jogo que foi interrompido por 40 minutos, uma vez que a ambulância do Corpo de Bombeiros teve que sair do Estádio para atender uma ocorrência, e não havia outro carro disponível em toda a cidade de Itajaí. O Joinville venceu o Operário, e tudo indica que teremos chance dos dois times não "se matarem" antes da definição das vagas para a Série C. Eles deverão se enfrentar, hipoteticamente, numa terceira fase, se chegarem lá. Mas o regulamento daquela fase permite que três times, mesmo desclassificados em campo, passem entre os oito times que disputarão as quatro vagas. É complicada a conta, mas a possibilidade existe.

O sol brilhou para o Leão

Era tarde de festa na Ressacada: teve feijoada, o tempo colaborou... só faltava a vitória contra o Corinthians. Ela veio, de uma forma sofrida. E, assim como o sol brilhou na Ilha de Santa Catarina, brilhou muito mais dentro de campo, onde tudo deu certo para mais um triunfo, que desta vez faz o time do delegado terminar a rodada na terceira colocação do Brasileiro.

Partida repleta de emoções pros dois lados. O jogo não foi nenhum primor, primeiro tempo foi equilibrado com um empate de 1 a 1, com destaque para o gol de Davi, que recebeu um belo passe de Caio. No segundo tempo, brilhou mais uma vez a medalhinha de Antonio Lopes, que prova que time em boa fase também precisa de sorte.

Sorte? Talvez seria melhor dizer estrela. Vandinho poderia fazer o segundo gol, mas quem colocou pra dentro foi Chicão, curiosamente ex-jogador do rival, que aumentou a alegria do torcedor. Sorte do árbitro Péricles Cortez não ter visto um pênalti claro de Emerson em Jorge Henrique. E logo depois, num escanteio, o próprio Emerson se surpreendeu com a bola tocando em sua coxa, e sobrando para Rafael aumentar.

Depois do jogo, ouvi de novo aquele discurso da Era Silas, que era necessário primeiro afastar as chances de rebaixamento antes de pensar em algo mais alto. Primeiro que não vejo chance alguma de descenso do Avaí desde já, uma vez que o time não é pior que os clubes que estão na parte de baixo. Onde esse Avaí pode chegar? Não sei, falta muita estrada ainda. Mas dá pra curtir essa lua de mel com o grupo da Libertadores.

E no pós-Copa, o Avaí conquista o Campeonato Paulista. Bateu todos os 4 grandes de São Paulo, dois em casa e dois fora. Tudo azul.