sábado, 28 de agosto de 2010

E põe liderança nisso!

O Figueirense jogou o que sabe, impôs o seu jogo contra o Coritiba desde o início da partida e consolidou a liderança que já era sua, e agora com uma gordurinha bem desejada. Já são 4 pontos de vantagem para o vicer-líder Bahia, e cinco para o quinto colocado. Nada mal.

Venceu quem procurou dominar a situação desde o início da partida. A iniciativa foi premiada com o gol de Ygor, que se antecipou após boa cobrança de escanteio de Maicon, e com o oportunismo de Juninho, em que o goleiro Wilson merece ser lembrado, pela rapidez com que armou o contra-ataque.

Mesmo com três derrotas seguidas, o Coxa é um bom time. Acontece que o Figueirense tem o melhor time da Série B. Pegou o aeroporto, decolou, e se não tiver turbulência no meio do caminho, vai ter um voo de cruzeiro até a pista da Série A.

Essa arrancada poderia ter aparecido no final do campeonato, mas ainda estamos no encerramento do primeiro turno. Até o fim do ano, o Figueira vai perder partidas, vai reclamar de arbitragens e não terá só flores em seu caminho, e isso é normal. Mas ao aproveitar essa boa fase ao máximo, a margem de pontos acumulada vai encobrir qualquer escorregada que apareça. E olha que o Figueira perdeu muitos pontos bobos que poderiam dar uma dianteira ainda maior.

E a festa no Scarpelli foi linda, com o estádio lotado. Parabéns para quem fez o bandeirão, foi um espetáculo a parte.

Foto: Marina Lisboa - FutebolSC

Vôlei: Pomerode acusa Brusque de calote

Brusque está querendo montar um time para disputar a Superliga Feminina de Vôlei em 2011. Ótimo. Bom saber disso.
Ano passado, a cidade fez um acordo com Pomerode, para que a Superliga fosse disputada de forma "compartilhada", que nos dois anos de duração deste acordo, a equipe disputaria os Jogos Abertos de 2009 por Pomerode, e de 2010 por Brusque.
Promessa não cumprida, e Brusque foi atrás de juvenis de Nova Trento para, de última hora, não ficar de fora da festa do cinquentenário. A explicação da FME de Brusque era que o time de Pomerode havia fechado, que não haveria condições de concretizar esse acordo feito no ano passado. Mas parece que a coisa não foi bem assim.

Em nota oficial publicada no site Melhor do Vôlei, a diretoria da AD Pomerana diz que a relação com Brusque é "conturbada", e culpa os dirigentes brusquenses pelo fechamento do time, por não cumprir os compromissos assumidos. Trecho da nota, abaixo:

"Vimos por intermédio desta apresentar algumas situações que estão acontecendo nos últimos dias com o projeto de Voleibol da Associação Desportiva Pomerana.
Saímos recentemente de um processo em parceria muito conturbado, onde ainda existem problemas financeiros para serem quitados, estamos acompanhando o andamento do processo e aguardamos ansiosos que em breve sejam resolvidos.
Em encontro a esta situação, estamos enfrentando dificuldades de oficializar os nossos contratos com os nossos patrocinadores principais, portanto, estamos solicitando a nossa comissão técnica a prorrogação da data de apresentação da equipe para a temporada 2010/2011 em mais 30 dias. Desta forma podemos acompanhar o fechamento do processo da ultima temporada o que certamente irá nos facilitar a finalização das negociações com os patrocinadores da próxima temporada.
Tivemos vários problemas que nos dificultam as negociações. Atletas procurando imprensa, ligações para patrocinadores entre outras situações. Nenhuma empresa quer investir num projeto que ainda não está com suas contas devidamente liquidadas. Existe a possibilidade de insucesso nas negociações e da não realização do projeto.
Continuaremos acompanhando as negociações com a Associação Desportiva Brusque, responsável das pendências para que se resolva com urgência, entendemos que eles o farão mais breve possível para cumprir com suas obrigações firmadas e devidamente documentadas.
Gostaríamos de passar a liberação aos seus procuradores para que possam avaliar a decisão com calma e encontrar a melhor solução para o processo.
Agradecemos quem confia no nosso projeto mais que não pode aguardar por motivos técnicos ou diversos e escolherão outro clube ou agremiação para a temporada. Da mesma forma agradecemos a quem tiver o interesse de aguardar o prazo para poder reavaliar uma futura proposta.
Mais uma vez gostaríamos de agradecer a todas e falar da seriedade e da difícil decisão que tomamos em prorrogar a data de apresentação, mais sem duvida foi uma decisão tomada em conjunto e que visa dar a opção de escolha e principalmente atualizar a todas sobre a real situação no momento.
Estamos à inteira disposição para quaisquer duvidas e esclarecimentos.

Atenciosamente,
AD Pomerana
Coordenação da Superliga
Diretoria"


Se bem entendi a nota, a parceria acabou porque Pomerode acusou Brusque de não arcar com os compromissos financeiros que lhe eram cabidos, e não pelo motivo que foi exposto pelos dirigentes brusquenses nos últimos dias.

O mesmo site diz, em notícia do dia 24, que Rubens Fachini, da AD Brusque, teve que tirar dinheiro do bolso para arcar com as dívidas que o mesmo não assume ser de Brusque mas, para voltar a ter equipe feminina na cidade, assumiu essa despesa. Os últimos pagamentos foram efetuados na última quinta-feira.

Só no Enrolation

Uma pequena volta atrás no tempo: os Jogos Abertos de Santa Catarina, que sempre acontecem no mês de novembro, começa em alguns dias aqui em Brusque, em plena correria da campanha eleitoral. A prefeitura de Brusque acreditou na promessa do então diretor-geral da Fesporte, Cacá Pavanello, de que as verbas necessárias para as obras para os jogos seriam agilizadas para que chegassem no mês de março. Aí, o prefeito aceitou adiantar a competição para o período pré-eleitoral, onde o próprio interesse da imprensa vai ter um grande concorrente.

Enrolaram bonitinho. O governador veio aqui, fez um agito todo, e a totalidade da verba não apareceu, faltando menos de duas semanas para os jogos. O presidente da Fundação de Esportes de Brusque, Marcelo Cavichiolo, me disse segunda-feira lá na TVB que já conta com as verbas que faltam apenas para após os Jogos. E me deu uma informação mais preocupante ainda: de que Chapecó ainda não recebeu o total de verbas prometidas nos Jogos do ano passado. E olha que a cidade do Oeste só recebeu um dinheiro ano passado porque o então prefeito ameaçou cancelar tudo.

Aí, por causa da eleição, trocou o comando da Fesporte e da Secretaria de Estado, que aliás, agora está sob o comando de um brusquense. O que mudou? Necas. A enrolação continua.

E mais uma que lembrei: em 2007, quando cheguei aos Jogos Abertos em Jaraguá do Sul, vi que a pista de atletismo da cidade, que se localizava no bairro Tifa Martins, não estava pronta. Uma força-tarefa foi montada para tentar deixar o local pronto para os Jasc daquele ano. O tempo não colaborou, a obra não foi concluída a tempo, e as provas aconteceram em Itajaí. Agora a pergunta: quase três anos depois, a pista sintética de Jaraguá ficou pronta? A resposta: não. Isso é caso pro Ministério Público avaliar.

Eleições vem aí. E tomara que o(a) novo(a) governador(a) resolva mudar o comando do Esporte de Santa Catarina no ano que vem. Dinheiro pra fazer Jogos Abertos falta. Agora, pra contratar espaço de TV pra trazer um evento inútil como o Showbol, acho que não faltou.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Zico na abertura dos Jasc

Alô torcida flameguista!

A Prefeitura de Brusque soltou nota oficial hoje confirmando que Arthur Antunes Coimbra, o Zico, estará na cidade no dia 9 de setembro, participando da cerimônia de abertura dos Jogos Abertos de Santa Catarina, na Arena Multiuso.

A confirmação foi feita na tarde desta quinta no Rio de Janeiro, em visita feita pelo prefeito Paulo Eccel, o presidente da Fundação Municipal de Esportes, Marcelo Cavichiolo, e por Rubens Fachini, que é seu amigo pessoal.

Já estou até vendo o fervo naquele ginásio.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Não adiantou poupar: o Inter venceu

O Inter foi mais time na Ressacada, entrou ligadaço no jogo, D'Alessandro fez um partidaço, e ainda pegou um Avaí completamente bagunçado em campo, que não conseguiu fazer valer a vantagem numérica nos vinte minutos finais. Se o Leão estivesse com o time completo, e com uma atuação inspirada como no jogo contra o Palmeiras, a receita poderia ser outra, mas não foi.

O Avaí perdeu o jogo no seu ataque, que estava inoperante. No primeiro tempo, a marcação do Inter funcionou, e no segundo tempo o Leão até tentou chegar no ataque, mas não conseguiu furar a defesa colorada. Vandinho recebia bolas "quadradas", difíceis de consertar.

Verdade é que o Avaí perde demais sem Caio e Roberto em campo. Aí, Lopes se vira como dá, com Robinho e Cristian jogando abaixo da crítica. Claramente, hoje foi uma prova de que o banco de reservas avaiano não encontra a mesma qualidade que os titulares, principalmente no setor ofensivo.

Com duas derrotas seguidas, ainda não é hora de se fazer terra arrasada, até porque a derrota foi para o campeão da América, que veio e jogou muito bem. No final de semana, tem partida contra o lanterna Atlético de Goiás, que vem no desespero e, no papel, é bem menos time que o Avaí.

Quero encerrar ao post voltando a um assunto ainda ligado ao jogo contra o Botafogo, no sábado. Vi gente dizendo que ˜quem era contra o fato de quatro jogadores serem poupados contra o Botafogo não entende nada de fisiologia˜. Não entendo mesmo. Mas olho para as circunstâncias. Você já tem quatro jogadores fora por suspensão. Precisa poupar mais quatro em um time já desfalcado. E mais: adiantou alguma coisa? Não. O Inter foi mais time e venceu.

Foto: Marina Lisboa / FutebolSC

O crooner Roberto Alves

Direto do Blog "De Olho na Capital", do jornalista César Valente. Roberto, dás um banho!

terça-feira, 24 de agosto de 2010

De lua-de-mel com a liderança

Deu tudo certo na rodada, e o Figueirense vira a rodada como líder isolado da Série B. Melhor que isso, os resultados conspiraram a favor e o time abre quatro pontos de diferença pro América-MG, quinto colocado e primeiro fora do G4. Tirando um momento de tensão na reta final do jogo, quando tomou um gol quando o placar marcava 2 a 0, o alvinegro passeou sobre um time de baixa qualidade técnica.

Baixa qualidade técnica do adversário, mas o jogo era fora de casa e era preciso fazer o placar. Willian fez um partidaço, originando o primeiro e o segundo gols, marcados por Fernandes e Ygor, e até chutando bola na trave. O gol do América, aos 23, trouxe ao torcedor o fantasma das últimas partidas, mas a bela jogada de Juninho no finalzinho resultou em pênalti, competentemente cobrado por Reinaldo, que parece ter sido guindado à posição de cobrador oficial. Só deu uma pitadinha de drama na história da chegada à liderança.

Que jogo teremos no sábado. O Figueira tem um confronto direto para aumentar ainda mais a gordura que tem no G4 da Série B. Eu prefiro não trabalhar com a euforia do título do Campeonato. Isso vai ser consequência do trabalho bem feito, e só deve ser mirado depois de consolidado o acesso. Até lá, o negócio é se garantir dentro do Scarpelli e jogar fora de casa como jogou hoje. Assim, o caminho será tranquilo para a Série A. E a casa estará entupida de gente, com certeza.

Jogador se faz passar por outro na Divisão Especial

Quando eu penso que já vi de tudo nesse Estado que nasci, eis que sempre aparece alguma coisa pra surpreender.

Essa eu vi no ótimo blog Boteco do Pardal, lá de Videira. Aconteceu nas semi-finais do Campeonato Estadual de Juniores da Divisão Especial, no último dia 7. O time do Videira, que tomou de 7 a 0 do Atlético Tubarão e acabou eliminado, fez arte: colocou um jogador em campo, que assinou a súmula e jogou como sendo um outro jogador inscrito pelo clube. Ou seja, tentou passar o migué, que foi descoberto pela arbitragem. E ainda por cima foi expulso, ao impedir um gol metendo a mão na bola intencionalmente.

A súmula está disponível aqui. Veja o que o árbitro Artur Dagostim escreveu:

INFORMO QUE A EQUIPE DO VIDEIRA E. C. TROUXE APENAS UM JOGO DE UNIFORME E QUE O MESMO NÃO PRESENTOU A NUMERAÇÃO ADEQUADA PARA TAL PARTIDA. INFORMO AINDA QUE APOS O FINAL DA PARTIDA VERIFICOU-SE QUE O SR ALBERSO RODRIGUES GOMES DE OLIVEIRA PEDROSO, RG: 5.218.339 ASSINOU A SUMULA DA PARTIDA E JOGOU COMO SENDO O SR JEFERSON C. LOPES RG: 6.251.424, ATLETA N°05 DA EQUIPE DO VIDEIRA E. C. SEM MAIS A RELATAR.

O jogador Alberso não consta no BID da equipe do Videira. Talvez por ser um caso de campeonato de base, e da segunda divisão, ninguém tenha notado para o fato. Mas isso é caso sério, merece ser levado a tona, e que deve ser julgado com rigor pelo TJD. Afinal, o Videira, que só foi para a partida com 12 jogadores, usou de má fé ao colocar em campo um jogador que não estava regularizado, e assinando súmula no lugar de outro. Atitudes dessas, que machucam a imagem de uma cidade tão legal que é Videira, merecem ser denunciadas.


Mais um espetáculo que o Futebol Catarinense proporciona.

Começou o desentendimento

Essa novela eu já vi há alguns anos. Conforme prometido na semana passada, em reunião na Prefeitura Municipal, um segundo encontro aconteceu ontem, entre as diretorias do Brusque FC, do CA Carlos Renaux (dono do estádio), Clube de Engenharia da cidade e a administração municipal, para dar rumo às obras de reforma do Estádio Augusto Bauer. Acreditava-se em uma reunião tranquila. Mas o Brusque não gostou nada do que ouviu.

O CEAB vai fazer, sem custos, um projeto e uma estimativa de preços das obras de preparação do Estádio para 2011. Mas o Renaux apresentou ao Brusque uma lista de várias exigências a serem cumpridas, o que revoltou os dirigentes. Basicamente elas são:

Desocupar o Estádio imediatamente, uso de cadeiras perpetuas pelo Renaux, manter as pinturas originais, cessão do restaurante (que está interditado), cessão gratuita de 20 credenciais por jogo, a proibição de sublocar o estádio, jogos preliminares garantidos para o Renaux, exploração de todos os Baresem dias de jogos, Exploração das placas externas a cargo do Renaux, sendo que a parte interna fica a negociar; em caso do tumulto, toda a responsabilidade é do Brusque; Faturas de Celesc e água a negociar; Valor do Aluguel a negociar, e todas as despesas por conta do mandante.

É bom ressaltar que para o ano que vem, caso não seja feito o acerto contratual já, nada muda, pois já há um contrato de aluguel assinado até dezembro de 2011. O Brusque não gostou nada, pois não terá nenhuma forma de arrecadação extra no estádio além da bilheteria, que não garante lucro, por causa do volume absurdo de taxas que a FCF recolhe. O Renaux quer administrar os bares, que é uma fonte importante de recursos. O diretor de futebol, André Rezini, disse ontem na Rádio Cidade que " se não aceitarem, vamos jogar lá pelo contrato vigente, e vamos pensar em um estádio particular. Parece que esse pessoal (diretoria do Renaux) não quer fazer futebol na cidade. Está complicado".

Essa novela eu já vi e resultou no fechamento de portas do Brusque em 2003. Quando o time foi pensar em voltar em 2004, foi criada uma terceira divisão e o clube só voltou a primeira em 2006. Confesso que o Rodrigo aqui está em uma situação muito delicada, pois para mim o problema envolve família: o presidente do Renaux é irmão da minha mãe, mas eu sou obrigado a dizer: o roteiro da briga é igualzinho ao que aconteceu anos atrás. Acho bom repensar alguns conceitos, pois a opinião pública não está do lado deles. E pensar que quem salvou a pele do tricolor foi o próprio Brusque em 2006, quando foi assinado um acordo irresponsável com um empresário português, que sujou o nome do clube. Não fosse o Inácio Schwartz, presidente do Brusque à época, os atletas que não receberam iam quebrar tudo. Mas ele agiu e arcou com as rescisões dos jogadores.

Quanto ao assunto do Estádio Particular, a lei eleitoral não me permite falar disso na TV e no Rádio, mas aqui eu posso: existe uma proximidade muito grande da Havan com a candidatura do presidente licenciado Danilo Rezini à Assembleia Legislativa. Essa aproximação pode trazer um envolvimento cada vez maior da rede de lojas no futebol da cidade. O André já disse no jornal "Município" de ontem que a Havan pensa em mais uma contratação de nome para o ano que vem. Prova que a relação é ótima.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Coisas da Terceirona

A Terceira Divisão de Santa Catarina mostra coisas que dão um exemplo do quão organizadas são algumas das equipes que participam do torneio.

O rabisco aí do lado é o "Documento de Jogo" do Blumenauense, que deve jogar em Canoinhas ou Rio Negrinho na Divisão de Acesso. Quem trabalha com futebol sabe que o documento tem que ser entregue bonitinho, digitado, com as informações do time e da comissão técnica.

O Blumenauense entregou para a FCF o que você está vendo ao lado. O time foi a campo apenas com o goleiro no banco de reservas. Pode clicar pra ampliar.

Profissionalismo é tudo. E o Maga, de Indaial, caminha a passos largos para ser a versão catarinense do Íbis. Já tomou 11 gols em duas partidas. Uma média altíssima.

Na C tudo bem, na D também

O Figueirense jogou na sexta, e o Avaí sábado. O domingo foi exclusivo das Séries C e D para Santa Catarina. E tudo caminha muito bem. Em Chapecó, a Chapecoense, com gol do Rogério, venceu o Criciúma por 1 a 0, e os dois times lideram o Grupo D. O time do Macuglia lidera com nove pontos, todos eles conquistados em casa, mas é bom ressaltar que o time só faz mais uma partida dentro da Arena Condá, que será contra o Caxias. Não sei se 12 pontos são suficientes para conquistar a vaga na segunda fase. Vai ter que tentar arrancar alguma coisa em seus jogos fora de casa, contra o Brasil em Pelotas e contra o Juventude, que caminha a passos largos para a Série D, em Caxias do Sul. O Tigre tem ainda dois jogos em casa contra os times caxienses, e como já conquistou um ponto fora, pode chegar a 13. Ambos vão a Pelotas enfrentar o Brasil, que terá a vantagem de dois confrontos diretos contra os adversários catarinenses dentro do Bento Freitas.Todos os cinco têm chances de classificar, até mesmo o Juventude, que se vencer o Ca-Ju no domingo entra na briga. Mas tudo indica que quatro equipes brigarão pelas duas vagas, e que eu vou para Caxias no ano que vem transmitir o Juventude contra o Brusque.

Na Série D, o Metropolitano tropeçou em casa contra o eliminado Marcílio Dias, que encerra a sua participação com três pontos conquistados e apenas dois gols marcados. Vencendo ou empatando, o Metrô já tinha garantido sua classificação em primeiro, assim como o JEC precisou segurar o empate em Itápolis para ter a vantagem na segunda fase do campeonato, e garantir a possibilidade dos dois times de SC subirem juntos para a Série C. É difícil definir qual confronto de segunda fase será mais fácil, pois esta é uma parte que se compara o próprio poderio das duas chaves, o que pode "esconder" um pouco as armas de cada time. O Metropolitano vai a Ponta Grossa enfrentar o bom time do Operário, e o JEC vai a Iraty, enfrentar um time que me surpreendeu, e eliminou o bom Pelotas fora de casa. Pelo fato de tanto JEC quanto Metrô fazerem os jogos finais em casa, saem com favoritismo, e tem tudo para se cruzarem na terceira fase. Mas lá, dos 10 times, oito classificam. Então, mesmo perdendo, três times classificarão para a quarta e decisiva fase.

Fotos: Rodrigo Goulart/Diário do Iguaçu e Divulgação C.A. Metropolitano.

domingo, 22 de agosto de 2010

Pra vencer, tem que atacar!

É triste ver um time que tem feito tão bonito no Campeonato Brasileiro jogar pra não perder. Ah, mas o time estava desfalcado, você pode dizer. Estava sim, apesar dessa estratégia de poupar jogadores ser um tanto quanto estranha (jogador de 20 e poucos anos reclamando de maratona?). Mas ao entrar em campo com quatro volantes, sem um jogadorzinho sequer de armação, tendo Válber e Jéferson no banco, é de estranhar, e muito. Outra coisa: não justifica você poupar jogadores quando já tem um número considerável de atletas suspensos. Esses já estão poupados de forma forçada. Então que se poupe os outros mais à frente, já que a maratona de setembro no Brasileirão é grande.

Pior é ouvir Antonio Lopes dizer, na saída pro intervalo, que "o time estava bem postado defensivamente˜. Até pode ser, o Botafogo fez o seu gol em jogada de bola parada. Mas time que quer alguma coisa, tem que ir pra frente, seja ele time reserva ou não. Parece que o Leão foi ao Rio para arrancar um empate ou perder de pouco. Deu a segunda opção.

No segundo tempo, Sávio e Válber entraram tardiamente, para entrar em uma missão inglória. O Avaí  foi pra cima, mas o Botafogo se segurou lá atrás e garantiu o resultado.

Mesmo com time reserva, faltou ousadia ao Leão. O time titular, se estivesse em campo, teria grandes chances de vencer, até porque o Bota jogou uma bola pequenininha. Mas a estratégia de poupar jogadores importantes com quatro jogadores já fora por suspensão vai ser muito discutida. E duvido que a estratégia se repita.