sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Bola pra frente, Joinville

Tribunais desportivos nem sempre seguem a lógica do que parece tão óbvio. Muitos dos resultados já proferidos causaram polêmicas enormes. Hoje, aconteceu mais uma, e o prejudicado foi o Joinville, que tinha uma confiança enorme em ganhar essa no tapetão, e as evidências que vieram à imprensa colaboravam com isso. Não ganhou.

Agora vai começar uma natural caça às bruxas. Culpa da CBF? do corpo jurídico do Joinville? do Tribunal? Por mais que a decisão ainda caiba recurso ao Pleno, as chances vão se esvaindo, até tornarem-se nulas. E o torcedor tricolor vai se agarrando em uma possibilidade, que pode ser boa, ou pode ser ruim, o que parece ser o mais provável.

Tudo isso seria evitado não fosse a incompetência do Joinville em campo. O time não conseguiu vencer um adversário que escalou um jogador sem contrato e relacionou outro suspenso com três amarelos contra o Madureira. As derrotas no tribunal só prolongam a dor de uma torcida que saiu chorando da Arena naquele fatídico domingo.

Agora, é bola pra frente. O time tem que conquistar no campo a vaga na Série D 2011 durante o Campeonato Estadual, brigando contra Metropolitano, Imbituba e os dois times que subirem da Divisão Especial. Ou correrá o risco de fechar as portas no segundo semestre. De novo.

O Estadual 2011: outra tabela, poucas mudanças

E aconteceu de forma bem rápida o Conselho técnico do Campeonato Catarinense de 2011 na sede da Federação. A fórmula do campeonato não mudará em relação ao ano passado, mas a tabela mudou (clique aqui para vê-la completa). A principal mudança foi a distribuição das vagas da Copa do Brasil. Ano passado, no voto, os clubes do interior venceram a contenda contra a Capital e deram uma das vagas ao campeão da Copa Santa Catarina, que ganhou uma grande importância. Sem votação desta vez, a FCF vai voltar a dar as duas vagas da Copa ao campeão e vice do Estadual.

Com isso, a Copinha volta a ser aquela competição sem graça no final do ano. Aliás, ela nem data tem pra acontecer, se acontecer. Vai ser discutido em fevereiro. Só vai dar graça para quem quer vaga na Série D.

De resto, a tabela é diferente dos últimos dois anos, colocou os dois clássicos da Capital em dois domingos e o Brusque enfrentando os quatro grandes nas quatro primeiras rodadas (na ordem, JEC (F), Avaí (C), Figueira (F) e Criciúma (C).

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Muitas desculpas, pouquíssimo futebol

Amigos que acompanham esse Blog, escrevo esse post a 1:12 da manhã de quinta-feira, depois de ouvir várias manifestações de jogadores, técnico, presidente e torcedores do Avaí depois da pataquada sofrida dentro do Pacaembu. Muito, mas muito se falou na arbitragem.

Vou levar esse post para outro lado. Muito está se falando na arbitragem do alagoano Francisco Carlos Nascimento. Definitivamente, ele não é mal intencionado. É limitado, e isso é culpa da CBF que o aprova e o escala. Mas não tem como esconder tanto problema de um time em cima do juiz. Colocar a culpa nele é, ao meu ver, uma maneira de tentar mascarar a verdade. O pênalti mal marcado aconteceu com o placar definido.

Não vou aqui dizer que a vaca foi pro brejo e o time está rebaixado. Os resultados colaboraram e uma vitória contra o Botafogo no domingo pode tirar o Leão da zona de rebaixamento. Se você viu o jogo, responda: em algum momento o Avaí fez por merecer vencer a partida? Para mim, não.

Benazzi colocou Vandinho na frente, que com sua lentidão não criou bola alguma de perigo. Já Robinho, que segundo entrevista dada pelo técnico esses dias é o "cara que decide", fez bobagem e acabou expulso. Aí, o (pouco) preparo psicológico do time foi para o saco. Aí mesmo que o time não articulou e a goleada foi construída ao natural. E o Corinthians não fez das suas melhores atuações. O pesado Ronaldo foi bem escoltado pelos seus fãs, os zagueiros adversários, e marcou dois. Hoje, o Avaí voltou a ser a caricatura de time, anterior a vitória sobre o Guarani.

Próximo jogo é em casa, e lá vai o torcedor avaiano, provavelmente em grande número, gritar, cantar e empurrar o time para "pegar no tranco" e ver se, na base do empurrão, o time funciona. Até agora, ouvi muitas desculpas de Benazzi e não vi nenhum avanço significativo do time, que não consegue estabelecer uma sequência de boas atuações.

A vontade pode ser grande, mas o futebol é o mesmo.

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Qual seria a fórmula ideal do Catarinense 2011?

Vem aí mais um Campeonato Catarinense, e com ela, a velha discussão sobre qual seria a fórmula ideal para o torneio. Neste ano, a FCF não repetiu a mesma fórmula de 2009. A Federação argumentou que foi feita uma "exposição de motivos" para adequar a fórmula às datas cedidas pela CBF. Logo, esse ano a mudança poderá ocorrer.

Mas qual seria a fórmula ideal? Vou dar minha opinião, e vocês fiquem a vontade no espaço de comentários do Blog.

Há de analisar os defeitos desse ano. Primeiramente, eu não gostei nada das semi-finais e finais de turno acontecerem em um jogo só, com o repasse de uma merreca para o time visitante. Além de não dar a chance do time de pior índice fazer renda em um jogo em casa, ele contém um erro crasso: em nenhum campeonato do mundo, uma decisão em um jogo só tem vantagem do empate para alguém. Só aqui em Santa Catarina. E só aqui, um time que ganha os dois turnos não é campeão direto. Outra coisa que precisa ser corrigida.

Por outro lado, gosto da ideia do turno e returno, em que todos os dez times se enfrentam. Isso garante uma divisão de forças melhor que no Gaúcho, Carioca e Paulista, onde os times se enfrentam uma vez só na fase de classificação.

O calendário 2011 do futebol prevê 23 datas para os Estaduais, mas todos os anos a CBF disponibiliza uma data da Copa do Brasil à FCF. Logo, vamos considerar um Estadual com 24 datas possíveis, como no ano passado.

Dessas, 18 são gastas com o turno e returno do Estadual. Sobram seis. Acho que até dá pra fazer uma final de turno e returno, em um jogo, mas sem vantagem do empate, como é no RS.

Minha ideia seria:

Primeiro Turno - nove rodadas, primeiro e segundo fazem a final do turno, na casa do primeiro, com renda dividida. Em caso de empate, prorrogação e pênaltis.

Segundo Turno - mais nove rodadas, primeiro e segundo fazem a final do turno, na casa do primeiro, com renda dividida. Em caso de empate, prorrogação e pênaltis. Caso um mesmo time vença o primeiro e segundo turnos, é campeão direto.

Fase final - Classificam-se os campeões de cada turno, mais os dois melhores pelo índice técnico, em cruzamento olímpico. Os dois classificados fazem a final, em dois jogos, com saldo qualificado, igual à Copa do Brasil.

Ainda faria uma segunda opção, com todos contra todos em 18 rodadas, classificando oito que se enfrentariam em mata-mata até a decisão. Também caberia nas 24 datas.

Na sexta-feira, acontece a reunião dos clubes, eles irão discutir o regulamento de 2011. Na verdade, eu que já vou nessas reuniões há alguns anos, eles nunca discutem, apenas aprovam o que a FCF apresenta. Só tomara que não repitam na íntegra o regulamento do ano passado. Ele tinha muitos erros.

Ah, e por favor: tomara que não repitam a tabela pelo terceiro ano seguido. Já sei de cor que o Brusque estreia com Avaí fora, depois pega Figueira em casa, e por aí vai...

Fiquem a vontade para sugerir a sua fórmula ideal.

Pode colocar a cerveja pra gelar

Só faltam duas vitórias. Uma mera formalidade matemática. O jogo de hoje em Ipatinga lacrou o caixão e agora o time de Márcio Goiano terá dois jogos seguidos em casa, contra Duque de Caxias e América de Natal para colocar um ponto final na luta pelo acesso. E se essas duas vitórias vierem, e tem tudo para vir, a  chance de briga pelo título aumenta muito. Os resultados foram bons, e o Figueirense é só festa.

Bom considerar que a vitória veio contra um time que, mesmo estando na zona de rebaixamento, vem em uma recuperação interessante na Série B.

E que ironia, com gols de Jean Carioca, que perdeu uma chance absurda no sábado contra o Sport, e de William, aliás um belo gol, que serviu para tirar dele a "nhaca" que o vinha cercando. Deu tudo certo. O Jean Carioca mesmo.... calou a boca de meio mundo.

Pode colocar a cerveja pra gelar. O jogo do acesso deverá acontecer daqui a uma semana, dia 9, contra o América de Natal, no Scarpelli.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Ibirama: Ayres Marchetti fala em 12 clubes para 2011

Não fui eu que disse. Foi o Prefeito de Ibirama, em entrevista à TV RBA, de Rio do Sul.

Matéria do excelente Blog Esporte Alto Vale, por Daniel dos Santos:

E a novela Atlético, de Ibirama, continua e na quarta-feira (27), teve mais um capítulo. Segundo informação veiculada no Jornal Regional, da RBA TV, de Rio do Sul, o clube pode voltar às atividades no ano que vem. De acordo com o noticiário, o Catarinense de 2011 terá 12 times, dois a mais do que na última edição, por imposição da Confederação Brasileira de Futebol (CBF)

Todas as informações foram levantadas pela emissora após a declaração abaixo do prefeito de Ibirama, Duílio Gehrke, a própria RBA:

“Semana passada estive conversando com o principal patrocinador, o seu Aryes, ele me deu uma luz de que derrepente o Atlético possa voltar. Inclusive parece que houve alguma alteração no regulamento do Campeonato, que agora a CBF obriga todos os torneios a terem no mínimo 12 equipes e me parece que isso acabou entusiasmando ele. // Não é só a vontade da Marchetti, não é a vontade do seu Ayres que vai ser suficiente para colocar o Atlético de novo na Primeira Divisão, é um conjunto de fatores.”

Segundona: a hora do vamos ver

Depois de jogos cancelados, goleadas e coisas do arco da velha, chegamos a fase mais importante da Divisão Especial: o quadrangular final. Quatro times, seis jogos, duas vagas.

Atlético Tubarão e Marcílio Dias, campeões dos turnos, entram com um ponto de bonificação. Concórdia e XV de Outubro também estão na briga.

Os times de Suca e Gelson são favoritos, mas com ressalvas. O Concórdia vem numa sequencia de resultados bem interessante, e briga para colocar água no chope dos favoritos. O XV de Indaial corre por fora. O Marcílio vem sendo duramente criticado pela imprensa por causa das más atuações, como a de sábado, onde sofreu para ganhar do eliminado Hercílio Luz. O Tubarão zerou os cartões amarelos contra o Concórdia, logo, não jogou com força máxima. Ainda acho o favorito a uma das duas vagas, mas é preciso jogar sério.

Ainda aposto nos acessos de Atlético e Marcílio Dias, que tem uma estrutura tranquila para sediar jogos da primeira divisão. Mas tenho uma grande preocupação para os casos do acesso do Concórdia ou do XV. O time do Oeste fez uma parceria com o Ypiranga de Erechim, que jogará o Campeonato Gaúcho. Finalizada a segundona, o elenco voltará para a cidade de origem, deixando a municipalidade de Concórdia com o abacaxi na mão. O CAC terá dois meses para montar um time novo e forte para fazer bonito em uma primeira divisão. Já o clube de Indaial tem um estádio acanhado, onde as cabines de imprensa ficam junto à sala de preleções e ao alojamento dos atletas, com má iluminação e más condições para a TV. O XV ainda precisa crescer um pouco mais, conseguir a confiança da população indaialense para dar um passo a frente no futebol. Faz um trabalho sério, mas talvez o acesso neste ano possa estragar todo o planejamento.

Avaí venceu apenas uma batalha

Um a zero tá ótimo.

O Avaí fez o placar mínimo que, olhando as circunstâncias, dá um ótimo oxigênio para o time, que tem mais algumas batalhas pela frente, na luta para escapar da degola.

O time continuou perdendo muitos gols, mas fez um e é isso o que importa.

Dez mil torcedores foram a Ressacada para empurrar o time, e novamente fizeram a diferença. Assim como foi na goleada sobre o Vitória, e olha que isso faz tempo, repito: é cedo para dizer que houve uma reação do Leão. Foi um jogo, e uma reação se consolida em uma sequência de jogos.

A vitória contra o Bugre era obrigatória, e ela veio. Bola pra frente que o Corinthians vem aí.