quinta-feira, 17 de março de 2011

Brusque agradece o ponto concedido pelo Figueira

Jogo com resultado completamente enganoso. Mas só vence uma partida quem faz gols e consegue manter o escore positivo até o apito final do árbitro.

Mas há aquele velho ditado que diz que "a bola pune". Puniu o Figueirense, dono supremo da partida, que não soube abrir vantagem no placar, recuou a equipe quando era notadamente mais time, e deixou o Brusque tentar, aos trancos e barrancos, bolas aéreas e chutes a gol no final do jogo.

Eu falava durante a transmissão que se o Brusque fosse para o intervalo perdendo apenas por 1 a 0, podia se considerar um time de sorte. Foi um massacre, um jogo de meia-linha onde o Figueira controlou, por baixo, uns 70% de posse de bola. Poderia ser uns 3 a 0, mas foi apenas um, com um gol de cabeça de Héber. O Bruscão fez o seu pior primeiro tempo do campeonato, sendo envolvido totalmente, sem qualquer poder de reação. Aloísio, coitado, corria o campo todo e não achava bolas que se transformariam em chances de ataque.

Começou o segundo tempo, e o panorama não mudou muito até a expulsão de Coutinho e Pereira, que trocaram gentilezas no meio-campo. Com um time de qualidade bem superior, mandando em campo, a receita para o Figueira era simples: marcar pelo menos mais um gol para não incorrer em sustos. Jorginho fez o contrário. Repetiu o mesmo erro da partida em Joinville, tirando Breitner para colocar um volante, Jackson, deixando a dupla de ataque isolada, com quase nenhuma ligação. Aí deixaram o Brusque ir gostando de atacar. Era só ter mantido o esquema, colocando um outro jogador de criação no lugar de Breitner. Foi ali que Jorginho correu o grande risco.

E foi aí que a bola puniu. Jorginho recuou o time, assumiu pra si um risco e deixou o Brusque, que já estava desmontado, subir de forma desorganizada, mas perigosa. E foi ali que Vinicius aproveitou uma sobra e mandou um canudo aos 48 do segundo tempo, para empatar o jogo. Um empate que o Brusque não mereceu de forma alguma nesta noite. Mas se o Figueirense deu a possibilidade, resta a Nestor Simionato agradecer.

O Figueirense, entregando pontos fora de casa como entregou em Joinville e Brusque, pode estar jogando fora uma classificação em primeiro lugar, que todos sabemos que é primordial nas finais do turno. Jorginho errou em duas partidas o que talvez Márcio Goiano não tenha errado em um ano, e com isso ganha uma desconfiança cada vez maior do torcedor alvinegro.

Já o Brusque precisa tentar dar um jeito nessa apatia que tomou conta do time. Zaga muito mal postada (e Nestor mudou Thiago por João Vitor, com resultado pior ainda), volantes sobrecarregados, meio-campo que trabalha pouco e uma lateral-esquerda em estado de coma (Cris foi tirado ainda no primeiro tempo). Ainda não vejo o Brusque como candidato a rebaixamento, mas é tanto problema junto que é bom ter prudência e agir para evitar o pior. E sábado tem jogo em Criciúma, onde o Tigre é amplo favorito. Não vai ser lá que a recuperação vai começar.

10 comentários:

  1. POis é, o figueirense fez a maior lambança do campeonato em dispensar o goiano, e vai pagar (está pagando) por isso. Aguardamos você aqui em Criciúma. Será bem recebido como sempre, boa viagem.

    ResponderExcluir
  2. em parte do jogo escutei tua transmissão e transmissão da BAND FM Floripa e a análise foi completamente a mesma Rodrigo,o Figueirense foi o senhor do jogo,só que aí me lembro de uma coisa que outra vez o Miguel Livramento foi dizer no debate Diário da CBN Diário que era o quesito de Figueirense não saber se defender e foi isso que ocorreu,quando quis inventar,foi ver o Brusque empatar o jogo.O Figueirense teve um empate vacilante.Já o Brusque...é realmente esse time que quer brigar por alguma coisa por aí Rodrigo?juro que não compreendo o time.Nestor Simionatto anda mais perdido que cego em tiroteio.
    É isso
    abraço
    Igor
    meu blog: http://igoresportes.blogspot.com/ e ahhh quem quiser seguir ele no twitter @blogdoigor05 e até desse jogo eu fui falar também.As expulsões também foram meio toscas e até infantis,e com direito a revide!!!

    ResponderExcluir
  3. Que partida horrivel do Marcelinho e do Leandrinho, não acertaram nada ontem, se tivessem jogado o que jogaram contra o Avai na ressacada tinhamos ganho esse jogo...O Figueira merecia ganhar este jogo, mas esse Dadá não tem condiçoes de apitar nem futebol de botão...aquele lance do Pereira com o Coutinho foi vergonhoso

    ResponderExcluir
  4. Será que o time do Brusque agora caiu na real?

    Caiu a ficha de que a briga é para não ser rebaixado?

    É muito difícil cair, considerando que o Brusque tem 2 jogos razoavelmente fáceis em casa.

    Porém, classificação para a semifinal, podem esquecer.

    ResponderExcluir
  5. Brusque será rebaixado...

    Junto com o Metropolitano...

    ResponderExcluir
  6. Pra mim o Grupo ta rachado...
    Depois das declarações do Aloísio ontem, ficou no ar a dúvida, de que alguma coisa ta acontecendo entre eles e a diretoria...

    ResponderExcluir
  7. Dizer que o Brusque está lutando para não cair está muito certo. Para mim isso já ficou evidente desde os primeiros jogos do turno. Erramos na contratação do técnico no início do estadual, na contratação de alguns jogadores, perdemos jogadores e não foram contratados outros para o lugar.

    Falar em brigar pela classificação sem ganhar nenhum jogo contra os adversários diretos DENTRO DE CASA é mesmo conversa de quem ainda não caiu na real. Primeiro, nesse segundo turno, com 14 pontos não classifica.

    O Brusque, além de ter que ganhar os 3 jogos dentro de casa, vai ter que ganhar mais 1 jogo fora e empatar 2. Resumindo, não pode mais perder jogo. Se perder para o Criciuma, precisa ganhar todos os outros 4 jogos e empatar 1. Tem que fazer em 6 jogos aquilo que não conseguiu fazer em 12.

    Com o Concórdia já rebaixado, Marcilio, Brusque, Imbituba e Metro brigam pra não cair. O Marcilio, com 2 pontos na frente, está um pouco mais tranqüilo. Não subestimem o Imbituba. Já conseguiu ganhar de 3x0 fora de casa (Metro) e empatar com a Chapecoense também fora de casa. Coisas que o BFC nem de longe conseguiu fazer ainda. E joga contra o Brusque dentro de casa.

    Ainda está em tempo de contratar um zagueiro, um atacante e um lateral. Antes tarde do que nunca. Eu sinceramente tenho receio que o Brusque possa perder um ou dois jogadores importantes por lesão, não ter substituto e cair por falta de plantel.

    Olha que isso pode acontecer. Se não vier ninguém, o risco de rebaixamento é muito alto. A direção deve estar ciente disso. Depois de terminar esse campeonato desastroso, precisa fazer uma limpa.

    Com relação à zaga, a estatística de gols tomados por jogo com o João Vitor é bem menor do que sem ele. Nos dois últimos jogos que ele esteve em campo, tomamos apenas 1 gol, o que dá uma média de 0,5 gol por jogo. E foram jogos contra times razoáveis (Bailarinas Saltitantes e Figueirense). Não lembro quais jogos ele jogou no primeiro turno, mas lembro que também tomamos poucos gols.

    Com o João Vitor jogando, a média é 1 gol por jogo. Com Thiago e Vinicius a média é 3 gols por partida. Ainda tenho dúvida qual desses dois deve formar dupla com João Vitor.

    ResponderExcluir
  8. O Problema é evidente, 12 jogos e somente 3 vitorias.

    ResponderExcluir
  9. O Brusque está super bem. Pequeno que é, ter empatado com JEC e figueirense são duas grandes façanhas.

    ResponderExcluir
  10. ALEXANDRE, QUEM VE TU ESCREVER PENSA QUE É O PAPA..CUIDADO RODRIGO, ELE VAI TIRAR O TEU LUGAR,,HEHHE...ERARAM ONDE? VOCÊ SABE QUE O CLUBE TEM POUCO DINHEIRO, A DIREÇÃO TOCA COMO PODE, SE ELES SAIREM ASSUME VOCÊ ENTÃO. O ANTIGO TREINADOR QUE VOCÊ TANTO FALA, FEZ DIZE PONTOS E FICOU A UM DO QUARTO COLOCADO E A QUATRO DO LÍDER. NÓS NUNCA GANHAMOS NADA, A NÃO SER DUAS COPINHAS..CAI NA REALIDADE E AJUDA UM POUCO..

    ResponderExcluir