segunda-feira, 4 de abril de 2011

Os Ecos do Clássico

A trabalho no jogo Brusque x Concórdia, pus a gravar a partida entre Avaí x Figueirense, para poder escrever alguma coisa hoje. Jogo assistido, não me restou dúvidas que o Figueira foi merecedor da vitória. O goleiro Wilson estava em noite inspirada e o time alvinegro foi mais competente que o rival. E coincidentemente, uma obra do torcedor avaiano, que acendeu os sinalizadores, paralisou o jogo, e no seu reinício, depois de uma boa esfriada, Reinaldo acertou uma pedrada de fora da área para matar o jogo.

Faltam duas rodadas pro final do returno, e há tempo para recuperação. Mas o clássico é fantástico pelas mudanças de opinião que causa. Jorginho ganhou muitos pontos com a torcida, que fazia a comparação direta com Márcio Goiano. E Silas passou a ser efetivamente questionado pela sua postura em campo. E com razão. Vi um Avaí desorganizado, abusando dos chutões e com uma escalação que não entendo. Não entendi a sua explicação quando perguntado sobre a não-escalação de Estrada. Diz ele que é o reserva imediato de Marquinhos, e não tem como colocá-lo em outra posição dentro do seu esquema. Então, que arrume, pois a articulação não funciona, e Marquinhos está devendo bastante no seu futebol.

Se o Figueira não fez uma partida brilhante, mas competente, serve como uma estrondosa motivação para a reta final do campeonato. Espantou o fantasma do desempenho como visitante, e vai para as duas partidas tentando o primeiro lugar, torcendo por tropeços da Chapecoense. E Jorginho agradece. Ganha alguns dias de trabalho tranquilo, onde poderá tentar implantar a sua filosofia. Cada vez, o time tem menos a cada de Márcio Goiano em campo. Resta saber se isso resultará em título ou não.

Um comentário:

  1. COntra o Criciúma será a principal maneira de ver como o Jorginho vai trabalhar.

    Até agora, não gostei da maneira como o FIgueira vem jogando, perdeu o toque de bola, as jogadas, etc...

    Mas isso também poderia ter sido originário da própria pressão que os jogadores e o técnico sofriam

    Como clássico limpa tudo e acredito que o de 2008, no Scarpelli foi fundamental para a definição dos times no nacional. Veremos como o homem vai trabalhar.

    INDEPENDENTE do resultado que vier contra o Tigre, espero ver um Figueirense melhor, caso contrário, é bom a diretoria não EMPURRAR COM A BARRIGA e já arranjar logo alguém que o substitua.

    ResponderExcluir