domingo, 5 de junho de 2011

O que interessa é a vitória!

Um sábado em que não tive sorte em ver bons jogos. Fiquei trocando de canal entre o jogo da seleção e o do Criciúma contra o Náutico, duas partidas modorrentas, sem gols, que me fizeram pensar: "tomara que o jogo do Figueira contra o Atlético seja mais animado". Ledo engano meu.

Alvinegro e Dragão fizeram uma pelada digna de afugentar torcedor em uma noite de sábado. Mas o que vale o resultado, e com dois gols o Figueira conseguiu três pontos, e é isso o que importa. Existem coisas a serem analisadas, mas primeiro de tudo, faltou vibração ao time, que mesmo jogando contra um retrancão do time de Goiás, pareceu acomodado em campo.

O primeiro tempo foi tão ruim que, na transmissão do PFC, os melhores momentos duraram crometrados trinta e três segundos. O Atlético teve mais posse de bola, mas ansioso, o Figueira errava muitos passes no meio-campo, facilitando o trabalho da marcação.

Na etapa final, o cenário parecia o mesmo, até que Jorginho resolveu fazer uma alteração que surtiu efeito, com a entrada de Rhayner, que já havia entrado na partida contra o São Paulo e dado uma outra cara ao setor ofensivo. Sua entrada melhorou sensivelmente a atuação alvinegra na frente. Aloísio, na sua segunda partida como titular, ainda não conseguiu vingar, e ainda tentou cavar um pênalti do mesmo jeito que fazia na época da Chapecoense. Beneficiado pelas alterações infelizes de PC Gusmão, que acabaram por bagunçar todo o seu esquema de marcação, o Figueira abriu o placar com Heber, que aproveitou uma furada da zaga para marcar, e logo depois, Edson Silva marcou o segundo para fechar o caixão.

Mesmo jogando mal, o que importa é o resultado. Jorginho terá tempo até o próximo sábado, terceiro jogo noturno seguido, contra o Vasco, em São Januário. Hoje, faltou vibração ao time para buscar o ataque. Senti um pouco de acomodação ao enfrentar um adversário fechado. Nada que não possa ser ajustado, mas mudanças podem aparecer, principalmente no ataque. Aloisio ainda não mostrou ser em Floripa o que era em Chapecó, e em compensação, Rhayner vem entrando bem. Mas como Reinaldo saiu contundido, ele pode ganhar uma chance no time titular, assim como Heber, que veio do banco para marcar o gol.

Jorginho terá dúvidas para resolver durante a semana. Certo é que, depois de um jogo feio como o da fria noite de sábado, algumas mudanças podem e devem ocorrer.

2 comentários:

  1. Até porque o Vasco não é o Atlético GO,mas dá até pra arrumar um empate em São Januário que nem o rival fez na Copa do Brasil.
    Abraço Rodrigo
    Igor
    meu blog de esportes: http://igoresportes.blogspot.com/ e no twitter é @blogdoigor05 pra quem quiser seguir!

    ResponderExcluir
  2. Nesse campeonato tão equilibrado, o que vale mais são os três pontos.

    ResponderExcluir