domingo, 26 de junho de 2011

Rescaldo do domingo, duas derrotas e muitas lições

Um domingo que os dois times catarinenses na Série A perderam. Em circustâncias diferentes, um no desespero e outro com gordura pra administrar. Mas como são das derrotas que as lições são tiradas, ambos os times saem dos jogos com tarefas a resolver antes da próxima aula, digo, rodada:

Ainda não chegou no fundo do poço?

A cada jogo, uma nova esperança. Passou o jogo contra o Palmeiras, esperava-se ver uma melhora contra o Fluminense, que não faz boa campanha. Ledo engano. Nada de novo no front, o mesmo time bagunçado. Se é que teve uma coisa diferente hoje, foi a desculpa do técnico Alexandre Gallo. Depois da partida, na coletiva, colocou a culpa no preparo físico. Essa desculpa ele não tinha usado antes. Uai, o Avaí não tem um dos melhores preparadores físicos do Brasil, como era falado aos quatro ventos? Aliás, a informação que chegou essa semana é que o clube não tem um, e sim quatro preparadores. Eles não estão trabalhando a contento? Ah tá...

O Avaí já está no estágio em que todos os times consideram fazer os três pontos em cima dele, não perdoando um empate sequer. Isso quer dizer que, principalmente nos jogos em Florianópolis, não vai ter adversário jogando fechadinho pra garantir empate ou procurando fazer gol no contra-ataque. E considerando que a linha de defesa anda uma lástima, é um complicador a mais para um processo de recuperação cada vez mais desesperada. Aliás, que falha feia no gol do Flu, hein.. deixar o Conca sozinho dentro da pequena área...

Quem acompanha o Blog sabe que para avaliar o trabalho de Gallo eu espero ver ao menos sinais de melhora no time. Menos passes errados, uma defesa minimamente bem posicionada, um ataque que trabalhasse com qualidade. Hoje, o time jogou a maior parte do jogo com um homem a mais em campo, mas a partida correu sem parecer que havia uma vantagem numérica do Avaí. O tempo está passando muito rápido, quarta tem jogo em Porto Alegre. E não adianta Gallo tentar achar desculpas. O time precisa mostrar resultados, não somente no placar, mas no comportamento em campo. Não entendi o posicionamento de Rafael Coelho, jogando recuado, e fazendo William correr feito um doido por toda a área. O que já não funcionava ficou pior.

Não há muito tempo disponível até o jogo no Olímpico, onde salvo uma zebra gigante, o Grêmio vai fazer o dever de casa, pois tem mais qualidade. Fico aqui pensando com meus botões se há tempo para uma recuperação. A frase "o campeonato é longo, estamos no começo" muito é falada, mas será que ela cabe ser escrita ao se referir ao Avaí?


A lição de uma goleada

O Figueirense perdeu de goleada para o Inter, mas nesse caso não há de se fazer terra arrasada. O time está em posição cômoda, faz as tarefas dentro de casa e precisa achar o seu rumo ao jogar fora do Scarpelli. Se não vejamos: contra São Paulo e Vasco, Jorginho botou o time fechadinho, sem atacar muito, esperando o adversário. Não é o tipo de futebol que me agrada, é necessário buscar a vitória. Mas a estratégia para buscar voos mais altos fora de Floripa precisa ser pensada. Hoje, no Beira-Rio, a ideia de Jorginho não funcionou, mas não apenas por sua culpa. Senti uma falta de vibração no time, que há em grande quantidade nos jogos em casa.

O grande problema que Jorginho tem é no seu sistema de meio-campo. Tinha problemas críticos no sistema de armação, e Fernandes deu boa resposta contra o Atlético-PR. Hoje, desapareceu, o time sente a falta de Reinaldo e não se acha um consenso na escalação, principalmente de Coutinho. Espero ver uma melhor consistência a partir do momento que Elias, que vem pra ser titular, estrear.

Mas depois de um jogo como esse, o melhor é virar a página, assistir o VT do jogo, ver onde estão as falhas e buscar consertar. A situação na tabela está, por ora, longe de ser desesperadora. Uma vitória contra o Santos no meio de semana pode recolocar as coisas nos eixos. O time tem um padrão tático, que precisa ser aperfeiçoado. E como a campanha é boa, Jorginho pode buscar arrumar sem maiores desesperos.


Fotos: Marco Dutra - FutebolSC.com e Lucas Uebel - Vipcomm

2 comentários:

  1. Avaí e Figueira estão bem opostos,bem opostos mesmo!!
    Abraço
    Igor
    meu blog: http://igoresportes.blogspot.com/ e no twitter @blogdoigor05

    ResponderExcluir
  2. Rodrigo, o Fernandes meteu 4 ou 5 bolas ótimas para o Aloísio e Héber e eles não conseguiram dominar uma sequer, ai fica realmente difícil pro cara se firmar. Ele sozinho não vai fazer milagre, já que sua principal função é armar.

    O Figueirense precisa repensar a postura fora de casa, pois há tempos não joga bem longe do Scarpelli. Antes a culpa disso era do Márcio Goiano que era limitado e inexperiente. Agora é de quem?

    Quanto ao Coutinho até um neném de 1 ano sabe que ele não funciona desde o começo e serve só pra quebrar o galho às vezes.

    Já o Avaí vai cair devido a má administração onde o presidente é sócio do parceiro que manda no clube.

    ResponderExcluir