sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Mesmo com polêmica, FCF não arreda pé da ameaça

Notícia do Diário Catarinense de hoje, 26 de agosto. Depois de toda a polêmica com a nota completamente fora de nexo divulgada ontem no site da FCF (que acabou sendo derrubado com aproximadamente 1,2 milhão de acessos), o jornal foi ouvir o presidente da Federação para confirmar tudo o que foi escrito. Delfim Peixoto não só confirmou como ainda ratificou que não aceitará protestos contra Ricardo Teixeira no clássico, domingo. Mais revoltante ainda.

Notícia na íntegra, abaixo (o link está aqui, exige cadastro):

O presidente da Federação Catarinense de Futebol (FCF), Delfim Pádua Peixoto Filho, não quer que o Scarpelli se torne vitrina para manifestações contra o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, no clássico de domingo. Ontem, o dirigente causou polêmica ao publicar nota em que ameaça retirar do estádio o torcedor que tiver essa atitude.

Delfim, que foi chefe da delegação brasileira no Mundial sub-20, disputado na Colômbia e vencido pelo Brasil no último sábado, partiu em defesa de Teixeira em uma nota oficial publicada no site da FCF. Em entrevista por telefone, ontem à noite, o presidente justificou:

– Demos apoio total ao presidente da CBF, Ricardo Teixeira. Ninguém pode ser condenado sem provas.

A intenção do presidente é impedir que os protestos que já aconteceram em estados como São Paulo e Rio de Janeiro cheguem a Santa Catarina.

– Não concordo com essa manifestação e não vou admitir que aconteça dentro dos estádios de Santa Catarina, principalmente em dia de clássico – afirmou o dirigente catarinense.

Questionado sobre a legalidade em impedir que o torcedor demonstre sua opinião, Delfim usou o Estatuto do Torcedor e o termo de ajustamento de conduta (firmado pela entidade com Ministério Público, Polícia Militar e Associação de Clubes) para justificar a medida e garantiu que só irá impedir que elas aconteçam dentro do Scarpelli durante Figueirense x Avaí.

– A nota está bem clara. Estádio não é lugar de fazer manifestações que possam acirrar os ânimos, é lugar para torcer. Fora, façam o que quiserem; dentro, vamos cumprir o Estatuto, que é a nossa obrigação – garantui o presidente.

A postura da entidade catarinense ganhou repercussão nacional, principalmente porque há um movimento, organizado via internet de promover manifestações contrárias a Teixeira em vários clássicos da rodada. Delfim disse não temer o fato de que pode ter alimentado os protestos ao se posicionar contrário às atitudes anti-CBF.

Nenhum comentário:

Postar um comentário