sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Palpitando - 5a. rodada

O primeiro turno do Campeonato está chegando na sua metade, e vamos aos palpites da 5a. rodada:

Figueirense x Concórdia - jogo de grande disparidade técnica. Não há como apostar no time da casa. Figueira 4 a 1.

Joinville x Chapecoense - O jogo da rodada, na minha opinião. Confronto equilibrado. Vou de empate em 1 a 1.

Metropolitano x Avaí - Jogando sob pressão, o Avaí precisa mostrar reação contra um Metrô que vem num bom campeonato. Metrô 1 a 0.

Marcílio Dias x Brusque - Jogo de rivalidade, e o Marcílio mostrou que não é bobo. Empate em 1 a 1.

Imbituba x Criciúma - Tigre desfalcado, precisa vencer para continuar na parte de cima da tabela. O Zimba venceu o Avaí, mas ainda não me convenceu. Criciúma 1 a 0.

Jorge Anadon assume o Concórdia, e promete o G4


O Concórdia já tem um novo treinador, é Jorge Anadon (foto), 53 anos, que estava no futebol do Catar, mas é conhecido do futebol de Santa Catarina. Lembro dele quando treinou o Marcílio Dias, e era conhecido por suas declarações bombásticas, as vezes meio malucas.

Anadon também treinou o falecido Lages aqui no Estado. E já chegou falando à imprensa do oeste que vai colocar o time no G4.

Vamos ver.

A 4a. rodada: Avaí cai de novo, Benazzi não

Terminou a quarta rodada, e a grande surpresa veio nesta quinta-feira. O Avaí, sem marcar gol no campeonato (o único gol anotado foi contra) perdeu para o Imbituba dentro de casa e dá adeus às chances de classificação no primeiro turno, fruto de um erro no seu planejamento. Como se sabe, o time aboliu as duas primeiras rodadas, jogando com um time sub-23, para se preparar em jogos-treino contra o Grêmio e o poderoso Aimoré de São Leopoldo. Pergunto: o campeão brasileiro Fluminense, o Flamengo, o Corinthians ou o Palmeiras fizeram isso durante seus campeonatos estaduais? Não. Mas o Leão pagou o preço de um planejamento mal feito. Perdeu uma chance de chegar ao final do campeonato e, mesmo que ganhe o returno, não vai fazer a final em casa, devido a má campanha no início do primeiro turno.

Benazi deve cair? Primeiro é importante ressaltar que ele nao é o único responsável pelo planejamento mal calculado do clube, mas é um dos responsáveis. Repito: os grandes clubes da Série A não fizeram isso. O "pelotão de elite", como diz o Polidoro Júnior, perdeu duas partidas, incluindo uma para o Imbituba dentro da Ressacada. E Benazi, ao invés de contemporizar ou tentar explicar, ainda jogou gasolina em cima da torcida, ao dizer que "Quem quiser aplaudir, aplaude! Quem não quiser é burro!". Agora jogou a torcida contra ele. A diretoria não o demitiu. Então, considerando que o foco agora é o returno, já que a primeira fase foi pro saco, o treinador terá que ser mantido até lá, se o planejamento for esse. Mas vai saber como será a reação em caso de resultado negativo no jogo em Blumenau, no final de semana. Sem contar que há um clássico na semana seguinte. Esse tal "planejamento" foi de uma infelicidade tremenda.

O campeonato está chegando à metade do turno com a Chapecoense na frente, com uma campanha competente em casa, somada à vitória na Ressacada e ao empate em Imbituba. Terá um jogo complicado em Joinville, onde terá sua capacidade colocada à prova. O Figueirense está atrás e pega o Concórdia, podendo chegar a 11 pontos. O Criciúma tem jogo em Imbituba com chances de se manter no G4, enquanto o Metropolitano recebe o Avaí em uma pressão enorme, com chance de vencer e também se manter entre os quatro melhores.

Uma classificação bem interessante ate aqui.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

O empate que caiu do céu nas mãos do Criciúma

Vou começar falando da arbitragem de Paulo Henrique Bezerra, árbitro que acho ainda o melhor de Santa Catarina. Pra não dizer que é choradeira, meu twitter encheu de opiniões de torcedores e membros da imprensa de Criciúma dizendo que não houve pênalti no Schwenck no segundo tempo. E é isso. Cada um tire suas conclusões.

Mas foi um jogo que o Brusque tomou o gol de empate na última bola, aos 48 minutos do segundo tempo. O que dizer dessa partida? Que pelo volume de jogo apresentado pelos dois times, o empate era o resultado justo. Jogo equilibrado, de um Criciúma confuso em campo, perdido no seu esquema de três zagueiros contra um Brusque concentrado em demasia no meio-campo. Parecia que os mais experientes do meio não queriam usar as laterais com João Neto e Tom. Parecia um tipo de "preconceito", onde o pessoal não tinha confiança de mandar a bola pra lá. E o primeiro tempo ficou no zero a zero.

A partida caminhava para o mesmo destino na etapa final, até o pênalti inexistente em Schwenck, marcado por Lincom. O Brusque abriu, forçou o Criciúma que não soube se segurar com uma linha de três zagueiros, e tomou o empate com Aloísio Chulapa, centroavante trombador como tem que ser, provando que ele tem que ser titular do time, por fazer diferença em campo. E Kito aproveitou outra falha do zagueiro tricolor para sofrer pênalti, marcado por Têti. E na última bola, em uma falta que cá tenho minhas dúvidas, ninguém viu Pirão subir sozinho pra empatar o jogo.

Visão otimista: os quatro grandes passaram, agora é hora de ver como o time se comporta perante os clubes "do seu nível.˜

Visão pessimista: o Brusque cai uma posição e começa a flertar com a parte de baixo da tabela. A diretoria já falou que três jogadores vão chegar.

Em qual visão você prefere acreditar?

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

São Joaquim pode receber centro nacional de treinamento em esportes de inverno

Em época de muito calor, uma notícia interessante sobre esportes de inverno.

A Confederação Brasileira de Desportos no Gelo (CBDG) está fazendo uma enquete no seu site, que busca saber do público qual o local ideal para a construção de um Centro Nacional de treinamento de esportes de inverno (foto abaixo). A cidade de São Joaquim está concorrendo, junto com Gramado (RS), Penedo (RJ), Monte Verde (MG), Rio de Janeiro e São Paulo.

Até a edição desse Post, São Joaquim está liderando a votação, com 51,8% dos votos, seguido por Gramado, com 46,9%. Mais de 128 mil pessoas já votaram nessa enquete.

Seria legal para Santa Catarina contar com um local único, que é um centro de treinamento de modalidades de inverno, em nossa bela região serrana. Só que sabemos que nesse campo a política é forte. Que o governo do Estado se empenhe para trazer essa novidade para cá.

Clique aqui para acessar o site da CBDG e votar.

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

O Avaí brinca com coisa séria


Eu tinha escrito aqui outro dia que o Avaí podia fazer uma boa limpa no seu elenco, se livrando de jogadores de baixa qualidade que estavam ocupando espaço, custando ao clube e não repassando qualidade nenhuma.

Qual a surpresa quando o BID da CBF hoje publica que o Leão da Ilha renovou contrato justamente com o mais criticado de todos, o atacante Rafael Costa, vulgo Pelezinho, que veio do Força Sindical e não rendeu nada?

Não tem explicação.

Palpitando - 4a. rodada

Chegando a quarta rodada, e a futurologia no final de semana não funcionou. Vamos ver se agora vai, com os jogos do meio de semana:

Chapecoense x Metropolitano - Dentro de casa, o verde mandante bate o verde visitante. Vou de Chapecoense 2 a 1.

Marcílio Dias x Figueirense - O Marcílio venceu em Joinville, mas como já disse por aqui, o Figueirense é o time a ser batido. Figueirense 1 a 0.

Concórdia x Joinville - JEC estreando técnico novo, e o Concórdia já pensando em dispensar jogadores. Vou de Joinville 1 a 0.

Brusque x Criciúma - Será que o Brusque repete duas más atuações seguidas? Se Paulo Turra não inventar souluções mirabolantes, o Brusque vence por 1 a 0.

Avaí x Imbituba - É o jogo para o time principal do Avaí saír do zero. Leão vence, 3 a 1.

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

JEC vai de Giba no lugar de Leandro Machado

O mistério sobre o nome do novo técnico do JEC não durou 24 horas. A diretoria agiu rápido e anunciou hoje o novo comandante: É Giba, de 48 anos, que tem um currículo interessante: vice-campeão paulista em 2000 pelo santos, campeão da Série C em 2001 pelo Paulista de Jundiaí e da Copa São Paulo de Juniores de 1997, pelo mesmo clube.

Falou-se muito em Gilmar Iser, que tem a característica do futebol gaúcho, e Joceli dos Santos, que vem conseguindo bons resultados em Santa Catarina. Mas buscou-se um treinador com experiência em grandes clubes, que já tem que mostrar uma resposta no jogo de quarta-feira, em Concórdia. Se ele foi a escolha certa, só o tempo vai dizer. Mas acho que é um bom nome.

A terceira rodada: três líderes e a lanterna azul

Vamos falar dos outros jogos da rodada.

Vou começar pelo de Criciúma. Bom notar que o ataque do Avaí no majestoso era o mesmo que não fez nada na rodada anterior, em Brusque: Arthuro e Maurício Alves. E continuaram sem fazer nada. Contando também com a ajuda do Zé Carlos, o Avaí perdeu a terceira, é lanterma, ainda pode classificar para as finais do turno do Estadual, mas dificilmente decidirá a vaga dentro de casa com vantagem do empate. A arbitragem de José Acácio da Rocha errou em dois lances: um pênalti claríssimo para o Criciúma e um gol mal anulado do Avaí, num impedimento mal marcado pela auxiliar Nadine Câmara Bastos. Mas o Tigre merecia a vitória.

Vamos a Blumenau, na festa de aniversário de nove anos do Metropolitano. Joceli dos Santos, cujo nome foi rejeitado pela mesma diretoria verde no ano passado, agora é um nome de grande popularidade. O time jogou bem e bateu o Concórdia, com dois gols de Jônatas, que depois de uma passagem apagada pelo Brusque, começa a mostrar o seu potencial na primeira divisão. O Metrô é um dos líderes, mas terá duas provas fortes nesta semana: Joga em Chapecó na quarta e depois recebe o "pelotão de elite" (como diz meu amigo Polidoro Junior) do Avaí no Sesi.

A Chapecoense arrancou um empate em Imbituba, e o Marcílio Dias fez o crime em Joinville. Olha, um amigo meu me ligou dizendo que o time parecia "sem vontade" e "bagunçado" em campo, e a derrota custou o cargo de Leandro Machado. Semana passada eu li uma entrevista do Nereu Martinelli na coluna do Elton Carvalho no "Notícias do Dia" em que ele mostrava claros sinais de desgaste com o treinador, pelo jeito que Fernandinho é colocado em campo e pela entrada dos jogadores da base na goleada sofrida para o Figueirense. Ali se via que na primeira escorregada, Machado balançaria. Acontece que contra o Marcílio foi um tremendo de um tombo, com direito a hematomas. Aí o técnico não aguentou. Já o marinheiro conseguiu se recuperar depois de perder para o Metrô em casa. Mas vai ter que confirmar seu crescimento contra o Figueirense, em Itajaí. Aí Gelson provará se o time melhorou mesmo ou se foi apenas um jogo.

O time a ser batido goleia o time desarrumado

Que o Figueirense é o time a ser batido, pelo menos neste primeiro turno do Catarinense, disso não há dúvidas. Time com base pronta, jogando bem, que se reforçou bem. A cartilha de quem quer ser campeão foi muito bem seguida. E hoje o time não foi forçado mais uma vez, envolvendo facilmente um Brusque bagunçado, armado de forma estranha, e que tomou 3 gols num piscar de olhos.

Quem assistiu a goleada alvinegra sobre o JEC, consegue definir algumas regras a seguir ao enfrentar o Figueira. Há de se respeitar a extrema qualidade do time do meio pra frente, que prevalece ainda mais dentro de casa, e não se deve "trocar chumbo" contra ele, sob risco de sofrer pressão. Aconteceu com o JEC, voltou a acontecer com o Brusque. Mas dessa vez, o técnico Paulo Turra colaborou. Sou meio quadradão nesse aspecto. Para mim, um lateral deve ocupar o lugar de um lateral, um atacante o de um atacante, e por ai vai. Com Cris machucado, Turra inventou sabe-se-lá onde um volante, Pedro Ayub, no seu lugar, sabedor que tinha Tom e Rogério Souza, até pouco tempo atrás titular do Joinville, como jogadores de ofício (apesar de ele dizer em entrevista após o jogo que tinha carência na posição. Não tem.) Dito e feito. O Figueira deitou e rolou com Bruno naquele setor, e quando piscou os olhos, já estava 3 a 0 com 28 minutos de jogo. Nem é necessário gastar espaço com o resto do jogo, uma vez que a parada estava liquidada. Só a capacidade da zaga do Brusque de tomar gol de cabeça de Breitner, jogador de 1,60m de altura. O time estava perdidinho, e o Figueirense deu mais um passeio sob chuva dentro de casa.

O futebol permite inovações, mas não permite invenções. Hoje o técnico do Brusque inventou e se deu mal, e assumiu a responsabilidade por isso. Quarta-feira tem o Criciúma, e o time vai ter que se rearrumar para jogar como jogou contra o Avaí. O time vai jogar sob pressão em casa. Sorte que, mesmo com a patrolada de 5 a 2 sofrida no Orlando Scarpelli, o time perdeu apenas uma posição. Já o Figueirense mostra a sua força, e encaminha o favoritismo para levar o turno. Mas ainda faltam algumas rodadas pela frente.

Ainda nesta segunda, farei meu resumo da rodada. Leandro Machado caiu do Joinville, e um amigo meu que estava na Arena disse que o time parecia estar jogando para derrubá-lo, tamanha era a desorganização em campo.