sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Palpitando - 7a. rodada

Vamos para os palpites da antepenúltima rodada, que tem o clássico. O índice de acertos foi bom na jornada passada.

Joinville x Criciúma - O Tigre venceu o Metrô, mas não consegue manter o mesmo padrão jogando fora. Vou de Joinville 2 a 1.

Metropolitano x Imbituba - Não vi nada demais no Zimba, que joga fora de casa mais uma vez. Vai dar Metrô 2 a 0.

Marcílio Dias x Chapecoense - Outro time que não rende fora o que rende em casa é a Chapecoense. Mas tendo em vista o que vi do Marcílio, jogo no empate em 1 a 1

Concórdia x Brusque - Final de Copa para o Bruscão, que vai sem Aloísio para o Oeste. O Cac não deve ter Selmir, e acredito nos reservas de Paulo Turra. Brusque 1 a 0.

Figueirense x Avaí - Sem muro. O Figueira é o time a ser batido no primeiro turno e joga em casa. Não tem como não ser favorito. Figueirense 2 a 1.

Televisionamento e popularização do futebol em SC: o efeito parabólica

Brilhante texto publicado no Blog "Olhar Crônico Esportivo", do Globoesporte.com dá algumas respostas sobre o fator televisionamento esportivo e penetração do futebol catarinense na casa dos catarinenses. Um dado que, de certo ponto, é surpreendente.

Puxado até por aquele fato cultural dos chamados "mistos", que torcem para times de fora do Estado ao invés dos times catarinenses, essa pesquisa buscou também explicar um pouco dos motivos da repercussão maior de campeonatos como Carioca e Paulista ao invés do nosso Catarinense, que busca o seu espaço.

O mais importante dado dessa pesquisa, feito por Vinicius Paiva, economista de formação e colunista de marketing do site do Flamengo e do blog da Flamengo Net (viniciusflanet@gmail.com e http://www.twitter.com/viniciusflanet) traz um dado importante: de cada três catarinenses, um assiste televisão por antena parabólica, e logo, vê Campeonato Carioca na Globo e Paulista na Band. São 20 milhões de domicílios com parabólica no Brasil, atingindo 35% da população nacional. E o mais interessante: Santa Catarina é o terceiro Estado do Brasil com o maior número de parabólicas, com 32% de penetração, atrás apenas do Piauí (41%) e do Maranhão (34%). Vários fatores colaboram para esse número: o relevo do Estado, que dificulta a recepção de sinais de TV até em cidades grandes, a quantidade de prédios e condomínios que instalam parabólicas, e logo, não recebem sinais locais, e a baixa oferta de canais abertos em cidades pequenas, que contam com nenhum, apenas um, dois ou no máximo quatro opções de canal a ser sintonizado, contra o poder aquisitivo da população de SC, que pode comprar uma parabólica, de recepção gratuita e imagem perfeita.. Isso de certa forma explica a superexposição de times cariocas e paulistas no Estado, o que de certa forma freia as intenções de "popularizar" o futebol catarinense, principalmente no interior do Estado.

A pesquisa mostra que os Campeonatos de outros Estados, juntos, já passaram o Carioca no quesito penetração. Nas palavras do autor da pesquisa, "Este movimento gera claros benefícios em prol da desconcentração do futebol brasileiro, mas não deixa de gerar oportunidades indiretas aos clubes cariocas. Antes passivos espectadores de um processo de encolhimento do futebol do estado, resta claro que nos últimos anos seus times vem reagindo, tanto em termos de estratégias de marketing quanto em contratações. Os primeiros resultados foram colhidos ao longo dos últimos dois Campeonatos Brasileiros".

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

O importante é que venceu

O Brusque venceu o Imbituba em um jogo que definitivamente não dá pra analisar taticamente. Foi um jogo bem feinho, a bem da verdade. O Zimba veio com uma proposta de forte marcação, e mostrou ser um time bem chato. Sem muitas pretensões, o visitante complicou bastante a vida do Brusque, que tinha três desfalques, dificuldades para passar pela marcação e conseguir criar alguma jogada. Primeiro tempo de poucas chances, em partida de má qualidade, onde o gramado, que é bom, mas foi cortado de forma muito rente, acabou dificultando as coisas

Começou o segundo tempo, e o Brusque fez o gol com Marcelinho que recém havia entrado (e começa a cavar o seu espaço no time), que cruzou para Têti fazer de cabeça, o que foi um achado, tendo em vista o futebol defensivista do Zimba. Depois disso, o jogo continuou bem feio, com o Imbituba batendo bastante, e criando muitos problemas no departamento médico do Bruscão. Ainda deu para Leandrinho fazer um gol no útlimo lance, e fechar o jogo. Em uma partida que Wender, goleiro que substituiu João Ricardo, sacado do time por Paulo Turra, não fez defesas difíceis, a vitória foi justa

Mas é necessário jogar muito mais bola para chegar a alguma coisa. Foi uma partida em que o Brusque venceu um time que veio para se defender, e subia com pouca qualidade. Os resultados colaboraram, e o time pode entrar no G4 com uma vitória em Concórdia. Mas o panorama do time não muda em nada em relação do empate contra o Marcílio. Não se pode esconder os problemas do time por causa de uma vitória. E assim o time vai em frente, com desfalques no jogo do Oeste, vários contundidos e Aloísio suspenso pelo terceiro cartão, o que vai mudar a característica do time.

Mesmo com os percalços no meio do caminho, o Bruscão tem a chance de brigar pela classificação nas mãos, mas precisa jogar mais. E de repente, algumas soluções para os problemas de Paulo Turra estão no banco de reservas.

Palpitando - 6a. rodada

Faltam só quatro jogos para o final do primeiro turno, e vamos aos palpites da 6a. rodada:

Criciúma x Metropolitano - O Tigre vem de dois empates seguidos, e precisa mostrar resultado diante do seu torcedor, contra um Metrô desfalcado. Criciúma 1 a 0.

Chapecoense x Figueirense - O jogo da rodada, que deveria ser o da TV Aberta. O Figueirense é forte, mas o fato de jogar no Oeste equilibra as coisas. Vou de empate em 1 a 1.

Brusque x Imbituba - Aqui, o time do Brusque fez reuniões e buscou uma virada de atitude a partir deste jogo. Técnico ameaçado, mas acredito em Brusque 2 a 0.

Concórdia x Marcílio Dias - O time de Jorge Anadon pega o Marcílio, que achou um empate contra o Brusque. Acho o time de Itajaí, hoje, em fase melhor. Marcílio 1 a 0.

Avaí x Joinville - Pode custar a cabeça de Benazzi se perder. Vou de empate em zero a zero.

Torcedores do Metrô elaboram video-dossiê de Célio Amorim

Nada como provas de vídeo de erros de arbitragem. Foi o que torcedores do Metropolitano fizeram. No vídeo abaixo, publicado no Youtube, foram compilados erros do árbitro Célio Amorim em três jogos do Metropolitano.


Desse jeito, ficam guardados e disponibilizados na internet os erros das arbitragens catarinenses. Fica a sugestão para que os torcedores de cada clube façam um "monitoramento" das atuações dos árbitros para que possamos aqui elogiar aqueles que vão bem, bem como mostrar os erros daqueles que vão mal. Parabéns pra quem teve a ideia.

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

RBS troca Catarinense por jogo do Grêmio no Oeste

Sabe aquela história do "zero da BR-101", em que o futebol catarinense vivia sob a sombra dos estados vizinhos, e que nos últimos anos foi sendo apagada com as boas atuações de nossos clubes nos Campeonatos Nacionais?

Pois é, mas ainda existem resquícios disso. E justamente no Campeonato Catarinense, que é nosso, e precisa ser valorizado dentro de nossa área, para que patrocinadores apareçam e o torcedor crie gosto em acompanhar os nossos Clubes, que não tem muitas transmissões em TV Aberta no Brasileirão.

Ainda mais quando esses resquícios falam de uma longa briga que acontece em Chapecó, que tem grandes torcidas de Grêmio e Inter, mas que é alvo de uma grande campanha de torcedores, imprensa e autoridades, para que os times gaúchos sejam deixados de lado em prol do clube da sua cidade. Faça uma pesquisa dentro da Arena Condá e veja o que o torcedor da Chapecoense pensa sobre o excesso de "grenalização".

Pois a RBS TV, que firmou contrato para exibir 24 partidas do Campeonato Estadual para Santa Catarina, resolveu passar o jogo Grêmio x Liverpool pela Libertadores, e não Avaí x Joinville, para toda a região Oeste do Estado.

Eu acho esse um assunto muito sério. Quando estamos trabalhando para que o futebol de Santa Catarina seja cada vez mais inserido no contexto do torcedor daqui, uma rede de TV simplesmente joga para escanteio um produto que ela comprou e prometeu valorizar lá na assinatura de contrato, para colocar a transmissão de um time gaúcho em uma fase preliminar de Libertadores.

Não sei se isso reverteria em uma audiência tão grande assim, mas é importante pensar no nosso futebol, na nossa gente. E a mesma RBS trocou o jogo Chapecoense x Figueirense, disparado o melhor da rodada, por um Avaí x Joinville que não tem tanta importância, já que o Leão está eliminado, cortando o sinal para Florianópolis, que verá a estreia de Ronaldinho Gaúcho no Campeonato Carioca. Traduzindo: na quarta, somente o Vale, o Norte e a Região Sul verão o Campeonato Catarinense.

Interessante notar que no Rio Grande do Sul, a RBS transmite via TVCOM, que é um canal a cabo que está disponível em algumas cidades, jogos entre times do interior válidos pelo Gauchão, e até partidas da Copa Estadual. Aqui não. E por que não fazer como no Campeonato Paulista, onde a emissora da praça onde acontece o jogo principal ganha o direito de passar ao vivo uma partida alternativa do mesmo campeonato, sem precisar exibir o Campeonato Carioca? Simples. Lá no Rio Grande e em São Paulo, clubes e torcedores valorizam as suas bandeiras. Aqui, preferem passar time do Rio Grande do Sul.

A 5a. rodada: novo líder, e o primeiro eliminado

Chegamos à metade do primeiro turno do Estadual, e as coisas começam a se encaminhar para as semi-finais da primeira fase. O Figueirense vai fazendo valer o favoritismo e assumiu a ponta da tabela, e vai ter dois jogos complicados pela frente, ambos fora de casa: Chapecoense na quarta e Criciúma na semana seguinte, além do clássico no meio. Não acredito que o alvinegro vá trazer seis pontos nestes dois jogos, portanto, a luta pela primeira colocação permanece aberta.

O Criciúma ficou mais longe da liderança ao empatar pela segunda vez seguida, dessa vez para o Imbituba em zero a zero. O Metropolitano também patinou no Avaí, com muitas críticas sobre a arbitragem do Célio Amorim (de novo ele). Na súmula do jogo, consta que dois dirigentes e mais o presidente verde teriam ido xingá-lo, e que um copo plástico teria sido arremessado, o que vai dar um pouco de trabalho ao Metrô no tribunal. Eu não vi a partida, então não vou tecer comentário sobre a atuação dele. Mas sabendo que ele não anda em boa fase técnica, não duvido.

Na parte de baixo estão Marcílio, Imbituba, Brusque, Concórdia e Avaí. Destes, só o Leão da Ilha não tem chances matemáticas de classifciação (só pode chegar a 13 pontos), e mesmo se ganhar o returno, não vai fazer a final em casa. Mas o time do Benazzi pode ser o fiel da balança para a parte de cima. A equipe vai ter que mostrar uma reação com resultados. E pode fazer esse crime contra Joinville e Figueirense, que estão no G4 e são seus adversários. O Brusque vai mal das pernas, mas enfrenta Imbituba e Concórdia nas duas próximas rodadas, com chance de encostar no G4 no final de semana. Mas vai ter que jogar muito mais bola do que anda jogando.

Com sorte, Brusque quase perde o jogo em Itajaí

Mais uma vez, começando pelo final. Não cola a desculpa do técnico Paulo Turra em jogar na arbitragem a culpa do resultado, em que o Brusque vencia o jogo por 2 a 0 no intervalo, tinha a partida sob controle, errou um pênalti e permitiu o empate. Ele tem que agradecer a sorte, muita sorte de não ter perdido o jogo.

Primeiro tempo de um Marcílio muito confuso em campo, que deixou o Brusque jogar. Ao natural, 2 a 0, promessa de uma boa vitória. Chegou o segundo tempo, e Têti bate o seu segundo pênalti da mesma forma que marcou no primeiro, que Márcio Kessler quase pegou. Dessa vez o goleiro marcilista defendeu, e o Brusque entrou em parafuso, perdendo dois jogadores por expulsão. A coisa estava se desenhando para uma virada, já que o Brusque aceitou a pressão. E por muita sorte, e põe sorte nisso, com o jogo empatado, o lateral Anderson Planta sentiu uma fisgada forte na coxa e teve que deixar o campo, e como o Cílio já tinha feito três trocas, diminuiu a desvantagem. Mais um empate dolorido, e as chances de classificação no turno estão indo embora. São possíveis, mas vão ficando remotas.

Dois jogos pela frente nesta semana, em que a vitória é algo obrigatório: Imbituba em casa na quarta e Concórdia fora no domingo. Antes, a desculpa era que o time tinha enfrentado apenas os grandes. Agora, quando pegou um time do seu nível, talvez um pouco mais baixo, quase perdendo o jogo, a desculpa mudou.

Não queria escrever isso, mas é muito importante considerar: o Brusque precisa pontuar pra espantar o fantasma do rebaixamento. Esses pontos podem fazer falta lá no final.