sábado, 12 de março de 2011

Brusque x Figueirense adiado: decisão prudente

Usou-se do bom senso na decisão de transferir o jogo Brusque x Figueirense para quarta-feira.

Acredita-se que tenha chovido em Brusque o equivalente a um mês em algumas horas. O gramado do Estádio ficou alagado, pelo volume de água que caiu.

Mas nem é por causa do gramado. A cidade vive uma situação de emergência, com bairros alagados, pessoas que perderam suas casas, deslizamentos...

O clima não combina para uma festa como o futebol. E como há data disponível na quarta, dia de Copa do Brasil, a FCF tomou a decisão certa.

sexta-feira, 11 de março de 2011

Palpitando - 3a. rodada

Vamos aos palpites da terceira rodada do returno... Tem jogo encardido nesse final de semana.

Concórdia x Metropolitano - O CAC tem um novo técnico, que vai ter que operar milagres. Ainda acho o time do Concórdia abaixo dos outros do Estadual. Dá Metropolitano, 1 a 0.

Brusque x Figueirense - Com o time completo, tendo Aloísio na frente, o Brusque promete outro rendimento. Mas há de se respeitar o bom time do Figueira. Empate em 1 a 1.

Chapecoense x Imbituba - O líder faz jogo em casa, onde tem desempenho acima da média. O mais fácil de palpitar. Chapecoense 2 a 0.

Marcílio Dias x Joinville - Esperava mais do Cílio em Blumenau, mas é outro time que consegue jogar melhor dentro do seu campo. Marcílio 1 a 0.

Avaí x Criciúma - Ainda que o Leão não tenha um time acertado, vai enfrentar um Criciúma chacoalhado, depois da derrota para a Chapecoense. Vou em empate em 1 a 1.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Avaí vence, e Brusque preocupa

As chances do Brusque vencer o jogo na Ressacada foram quase todas para o buraco aos 30 minutos do primeiro tempo, quando Kito, que já tinha cartão amarelo, toma outro cartão de forma infantil e foi expulso. Por mais que o Bruscão tenha buscado o empate duas vezes, uma hora iria faltar perna. O time foi valente, foi atrás do placar, mas está muito bagunçado. Não adianta, Kito e Leandrinho juntos não combinam. Ou Aloísio se recupera rápido ou o time vai atrás de outro atacante com as mesmas características.

Mas falando do jogo, o Avaí fez uma pressão no início e fez 1 a 0 com Cristian, num gol que até a minha mãe faria (e com esse gol, o contestado Cristian vai ganhar uns 6 meses de crédito com o técnico Silas). Atrás no placar, Marcelinho conseguiu empatar e o time perdeu algumas chances, até deixar Julinho (que parece ser a solução da ala esquerda azul) avançar e fazer o segundo. Não vi o lance do pênalti pra dizer se foi ou não, mas não adianta, pois Rafael Coelho desperdiçou. Leandrinho empatou em um pênalti sofrido por Marcelinho, disparado o melhor da partida. Mas o Brusque foi arriando, arriando, e tomou dois gols, que mataram o jogo. Não há nada de ruim em perder pro Avaí na Ressacada. Mas a circunstância que a coisa aconteceu que acaba doendo. Torcida vaiando o time da casa, e o Brusque criando jogadas. Não sei se iria vencer, mas havia uma possibilidade.

Bola pra frente que domingo tem o Figueira pela frente, e com Aloísio em campo, vai acabar um pouco do bate-volta das bolas lá na frente. Simionato terá sua força máxima, e iremos avaliar onde esse time poderá chegar. Mesmo sem nenhum reforço anunciado, o clube terá o Criciúma semana que vem e depois, enfrentará os times do seu nível. Mas hoje, a situação preocupa, pois o time está a apenas um ponto da zona de rebaixamento e não pode deixar o G4 se distanciar muito.

Nos outros jogos, rodada perfeita para a Chapecoense, que venceu uma fora de casa e entra em excelente condição no domingo, pegando o Imbituba em casa com a melhor campanha da classificação geral. JEC e Figueirense fizeram um empate até esperado, enquanto o Metrô espantou o clima pesado dos últimos dias ao bater o Marcílio. Além disso, o Imbituba praticamente selou a ida do Concórdia de volta para a segunda divisão.

terça-feira, 8 de março de 2011

Palpitando - 2a. rodada

Vamos aos palpites da rodada pós-carnavalesca.

Criciúma x Chapecoense - O jogo é em campo neutro, logo, a Chapecoense tem condições de equilibrar a partida. Vou de empate em 2 a 2.

Avaí x Brusque - Bruscão, que não vence na Ressacada desde 1998, sem Aloísio, perde boa parte do poderio ofensivo. Ataque cisca, mas não faz. O Avaí tenta se achar, entra pressionado, e não terá William e Fabiano. O tabu vai continuar. Avaí 1 a 0.

Metropolitano x Marcílio Dias - Time em crise contra time em voo de cruzeiro. Duelo de seis pontos pela vaga na Série D. Marcílio 1 a 0.

Imbituba x Concórdia - No duelo dos piores do campeonato, vence o menos pior, que joga em casa. Zimba 2 a 1.

Joinville x Figueirense - Time em arrumação contra time pronto. Baseado no que vi no Augusto Bauer e no retrospecto alvinegro fora de casa, vou de empate em 1 a 1.

segunda-feira, 7 de março de 2011

Alerta vermelho no Metropolitano

Depois da goleada sofrida para o Figueirense, uma baita crise se instalou pros lados do Metropolitano. Tem diretor pedindo demissão, técnico contratado com outro ainda trabalhando e assumindo 20 dias depois, jogador dispensado... vários problemas a serem solucionados em pouco tempo.

Por mais que a diretoria do Metrô vá negar até a morte, Lio Evaristo já havia sido contratado pelo clube antes do último jogo do primeiro turno, contra o JEC. Ele admitiu isso em entrevista dada após seu último jogo no Arapongas, ao dizer que "tem treinador lá ainda, o jogo tá terminando". Disse que saiu porque tinha outra proposta, mas incrivelmente, não assumiu clube algum no dia seguinte. Mas aconteceu que o Metrô ganhou de 4 do JEC, e ninguém tinha cara de demitir Joceli, que permaneceu, treinou o time durante 20 dias entre um turno e outro, e caiu na primeira derrota. Sem querer defender o agora ex-técnico, mas ele em momento algum fez promessas mágicas, sempre disse que o clube não tinha dinheiro e a intenção era evitar o rebaixamento.

Grande parte da torcida reprovou a saída de Joceli, e eis que, rapidamente, o Metropolitano anunciou Lio Evaristo como novo comandante. Não é necessário falar mais nada. Depois do fato, o diretor de futebol da Metropolitano Participações (MIP), Sandro Glatz, participou de uma ácida discussão com torcedores na comunidade do Orkut do clube. A MIP é uma empresa que co-gestiona o futebol do Metrô. Glatz disse que não contratou grande parte do elenco, apenas indicou alguns atletas., criticou o fato do clube não ter efetuado dispensas no período entre os dois turnos e deu informações de bastidores do clube, rebatendo as afirmações de que o Metrô seria um "clube de empresários". Ainda disse que frequentemente era consultado por diretores do clube, e acusou até o chefe da torcida organizada de trabalhar como agente de jogadores. Ato contínuo, Sandro enviou comunicado informando da sua renúncia do cargo de diretor de futebol da MIP.

Analisando essa decisão: no Metropolitano, a coisa é bem complicada quando se fala em contratar jogador. Em 2009, o time brigava pra não cair, e depois de uma derrota para o Tubarão, Sandro foi chamado para tentar salvar o time do buraco, Lio Evaristo foi contratado, e conseguiu. Em 2011 não foi diferente. Novos erros na estratégia, e a ajuda foi chamada para ajudar o time a sair da posição desconfortável que se encontra. O que falta para o clube é uma direção que tenha experiência em futebol, na gestão de contratações e na resolução rápida de problemas no elenco.

E Lio Evaristo terá mais um desafio: sem reforços a vista, ele terá um elenco cheio de homens de confiança de Joceli. São profissionais, mas estamos falando de um grupo fortemente identificado com o ex-treinador. Sendo sincero: o Metrô não vai cair pois existem times piores, chamados Concórdia e Imbituba, e o time só não irá pra Série D se o Marcílio Dias ficar na frente do Brusque na classificação geral. Tirando isso, muita coisa precisa ser feita.

Um zero a zero com cara de folga carnavalesca

Domingo de Carnaval, e Brusque e Joinville se enfrentaram no Augusto Bauer. Um jogo que já criou uma rivalidade entre os dois times, devido aos recentes confrontos no Estadual e na Copa SC. E o jogo realizado no meio da folga carnavalesca acabou sem festa: um zero a zero com chances de gol, mas que ninguém conseguiu completar.

Pelo volume de chances dos dois times, foi resultado justo. O Brusque, cujo ataque sente muito a falta de Aloísio, criava chances, mas parou nas mãos do goleiro Max, que parece ter se recuperado depois das falhas apresentadas nos primeiros jogos. No outro lado, Lima perdeu, por excesso de preciosismo, uma clara chance de gol.

É início de returno, e o técnico Giba do JEC declarou que o time melhorou muito desde o primeiro turno, sinal de que a coisa estava feia. Já no Brusque, o clube precisa achar uma solução para a falta de Aloísio, que está contundido. Colocar Kito e Leandrinho no ataque, dois jogadores de mesma característica, é uma solução problemática. O time perde a referência em bola aéra, perde aquele pivô que Chulapa faz com qualidade, e vira presa fácil das zagas adversárias. O time até cria, mas não consegue guardar. Aí complica.

De todos os reforços prometidos, só chegou Lenílson, que é um meia e vai brigar por posição com Marcelinho e William. Além do atacante, o clube precisa de mais um zagueiro (só tem três no elenco) e um jogador para a lateral esquerda, que atualmente vem sendo improvisada.