sexta-feira, 15 de julho de 2011

Cheiro de Virada de Mesa no ar?

O post vai ser longo, mas é bom pra explicar detalhadamente tudo que cerca todo o processo que pode levar o Campeonato Catarinense de 2012 a ter 12 clubes. Primeiro, a notícia, publicada no site da Rádio Aliança, de Concórdia:

O Campeonato Catarinense de 2012 da Primeira Divisão terá 12 equipes e não mais dez como foi realizado nesse ano. O aumento foi aprovado em Assembléia da Associação de Clubes Profissionais de Santa Catarina, ocorrida nesta noite em Florianópolis. A modificiação no número de participantes foi decidida através de votação que contou com a participação de 13 agremiações que fazem parte da entidade.
Conforme o assessor jurídico do Concórdia Atlético Clube, advogado Vanderlei Camargo, o encontro desta noite foi mais complicado em comparação com o primeiro, ocorrido logo após o encerramento do Catarinão desse ano. Camargo explica que naquela reunião, o aumento de 10 para 12 times no próximo ano foi aceito por unanimidade. O advogado relata que na Assembléia desta quinta-feira a modificação na competição teve vitória apertada. De acordo com o assessor jurídico do CAC, duas equipes votaram contra o aumento, três se manifestaram favoravelmente, mas desde que essa mudança ocorra a partir de 2013. Já oito agremiações aprovaram esse aumento para o próximo Campeonato Catarinense.
Para o advogado Vanderlei Camargo, esse assunto será levado para o Congresso Técnico da Federação Catarinense de Futebol, inerente ao Catarinense de 2012, cuja data ainda não está marcada para acontecer. Para Camargo, a batalha jurídica ainda continua já que a próxima meta é fazer com que essa modificação seja aceita pela FCF e fazer com que o Concórdia, que foi rebaixado neste ano, fique com uma dessas duas vagas.
De acordo com o assessor jurídico do CAC, Vanderlei Camargo, baseado nas manifestações dos clubes nesta Assembléia, em torno desse assunto, as chances do Concórdia permanecer na primeira divisão no próximo ano é de 50%.

O áudio da Entrevista de Vanderlei Camargo está abaixo:





Vamos analisar a notícia e juntar com os fatos: primeiro, é bom dizer que a Associação de Clubes não é Tribunal nem Federação. Não tem esse poder todo (infelizmente) no futebol catarinense, e nem no regulamento do Campeonato, que é apresentado pela FCF no arbitral e aprovado sem nenhuma ressalva (quem já assistiu arbitral sabe o que eu digo). O fato da Associação votar a favor de 12 clubes não significa ainda que o campeonato terá mais clubes no ano que vem, e muito menos garante que Imbituba e Concórdia permanecerão na primeira divisão.

Lá na festa do Top da Bola, entrevistamos o Rodrigo Capella, jurídico da FCF, que foi enfático em dizer que 12 clubes em 2012 são possíveis, mas em hipótese alguma com Imbituba e Concórdia, e prometeu bater pé nessa questão. Nisso eu concordo: se houver o aumento, e isso vou discutir lá na frente se é viável aqui no Estado, que se promovam quatro da segundona, mas jamais manter aqueles que, por incompetência técnica, não conseguiram se manter na elite. Simples assim.

Então vamos supor que tenhamos 12 clubes no Estadual 2012. Os clubes aceitarão dividir com mais dois times a merreca paga pela TV aberta e fechada, muito mal negociada por eles mesmos? Ah, tem um detalhe: a RBS não pagará nenhum tostão pelo Estadual 2012. A quantia correspondente a próxima temporada, última do atual contrato, já foi paga a título de adiantamento em 2009, quando houve aquele rolo em que a RBS tentou na marra transmitir o Estadual e perdendo na justiça, já que havia um contrato vigente com a Rede Record. Eu tive a informação que representantes da emissora gaúcha já estiveram reunidos com os clubes para tratar da renovação, e as bases financeiras não chegam nem perto do que os clubes pequenos do Rio Grande do Sul ganham. Nem perto. E tem clube já querendo adiantamento, sem nem mesmo fazer uma consulta pra saber se outra emissora está disposta a pagar mais.

Vamos voltar ao caso virada de mesa: a FCF aceita os 12 times, mas desde que não sejam Imbituba e Concórdia, uma vez que é necessário ter acesso e descenso e o estatuto do torcedor proíbe acesso de equipes mediante convites. O que os clubes decidiram, não quer dizer exatamente que vai acontecer.

quinta-feira, 14 de julho de 2011

TJD coloca Guarani de Palhoça na segundona

O Tribunal de Justiça Desportiva fez uma mudança importante na Divisão Especial de SC. O simpático Guarani de Palhoça, time que jogou a primeira divisão até 2008, quando pediu licença, está de volta a segundona. O TJD acolheu o recurso do clube palhocense, que reinvidicava a vaga do Próspera, que pediu licença na semana passada. A FCF havia definido que ninguém ocuparia a vaga do clube de Criciúma, logo, a Especial deste ano teria nove clubes.

Apesar de ter sido uma decisão diferente da proferida ano passado no caso Chapecoense (se fosse seguida a mesma linha, o Videira não seria rebaixado e ocuparia a vaga), abre-se um precedente para que, nas próximas decisões, haja a promoção de um clube no lugar de outro que venha a se licenciar, como tem que ser.

O Caçador mantém esperança de subir. O Porto tem uma dívida de cerca de 50 mil reais com a FCF, e o processo está no TJD, que soltou uma nota essa semana avisando que clubes em débito não entrarão em campo na segunda e terceira divisões. Se o time de Porto União não saldar os seus débitos, o futebol de Caçador pode voltar à segunda divisão.

Segundona 2011 pode ter Guarani e Caçador

Esta quinta é um dia importante para definir os rumos da Segunda Divisão de SC. Por causa da licença pedida pelo Próspera, o Guarani de Palhoça pede no tribunal a vaga deixada pelo time de Criciúma, na condição de vice-campeão da Divisão de Acesso do ano passado. A FCF decidiu fazer o campeonato com nove equipes, alegando que o regulamento da Especial deste ano já havia sido homologado, para diferenciar com o caso da Chapecoense, que permaneceu na primeira divisão após a licença do Atlético de Ibirama. Para mim, são dois casos perfeitamente iguais. Alguém tem que preencher a vaga.

E o Caçador, terceiro colocado, também está de olho nesse julgamento, pois caso o Guarani tenha sucesso, ele poderá entrar na vaga do Porto, que segundo informações levantadas pelo Blog, tem uma dívida enorme reclamada pela FCF no TJD, o que inviabilizaria a sua participação. A imprensa de Porto União também noticia essa possível não participação do clube.

Resta ver a linha que o TJD seguirá. Se for na mesma corrente do caso Chapecoense, o Tribunal se declarará incompetente para discutir a questão, devolvendo o pepino para a FCF, que vai mandar tocar a Segundona com nove times. Se houver decisão diferente, poderemos ter novidades na Divisão Especial. Acho que, para o bem do Campeonato, Guarani e Caçador sejam promovidos, pois são dois clubes que tem estrutura, não são aventureiros e acrescentariam muito ao campeonato.

Por causa do julgamento, a reunião que definirá a tabela da terceira divisão do Estadual foi transferida para sexta. Vamos aguardar.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Criciúma dispensa Thoni e mais cinco

O Criciúma anunciou agora pela manhã que não pretende mais contar com seis jogadores, incluindo aí o lateral-direito Thoni, campeão catarinense deste ano pela Chapecoense, cuja transferência rendeu muita polêmica. Também deixarão o clube os jogadores Marinho Donizete (foi titular em alguns jogos), Mariano Rubbo, Nicolas, Diogo Felipe (será emprestado para a Chapecoense) e Guilherme, que será afastado para tratamento médico.

A saída de Thoni é, com certeza, a mais polêmica. Já tinha acertado com o Tigre antes da final do Estadual. Deu várias entrevistas desmentindo a transferência, mas depois do título, pousou no Aeroporto de Forquilhinha. Por mais que tenha uma longa ficha de serviços prestados no Oeste, pelo o que senti, não o querem de volta por lá. O Criciúma contratou Fabinho Capixaba para a posição, e como Thoni era um jogador caro e que não vinha rendendo, o técnico Guto Ferreira optou por afastá-lo.

Aliás, uma coincidência: dois jogadores que o Criciúma lutou para trazer acabaram sendo afastados: Valdo, hoje emprestado ao Boa, que veio depois de uma briga jurídica com o Brusque, e agora Thoni. Será que ele poderá aparecer em algum time do Estado?

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Imperdível: Andrew Jennings no "Bola da Vez"

Pra você que é, na visão de Ricardo Teixeira, "um traço de audiência", que não dá bola para o que está acontecendo no futebol brasileiro, deixo abaixo o vídeo da entrevista completa do jornalista inglês Andrew Jennings, concedida à ESPN Brasil, onde faz várias denúncias de bastidores da CBF e da Fifa.

Sei que vai ser muito difícil as denúncias resultarem em algo prático, mas jornalistas sérios e desprovidos de rabo preso estão aí pra trabalhar e mostrar o que está errado. A entrevista é imperdível:

domingo, 10 de julho de 2011

JEC fatura a Copa SC com justiça. E aí Bruscão?

Não aconteceram surpresas. O Joinville venceu a Copa Santa Catarina com toda justiça. O time de Arturzinho foi melhor, não sofreu resistência e poderia ter vencido por um placar maior, não fosse a atuação destacada do goleiro Wender. O JEC entra na Série C com a moral de quem conquistou um título e com amplos sinais de evolução do time, depois da chegada de Arturzinho. Mas que sirva de aviso que a Copa SC tem um nível inferior ao Brasileiro e, logo, o time não pode se acomodar diante do resultado da competição Estadual.

Já o Brusque tem que se preocupar muito.Uma rápida comparação: no JEC, o time era uma bagunça na era Giba, e está se organizando no comando de Arturzinho. No Brusque é exatamente o contrário, na era Hélio Vieira. Um time que começou a Copinha sob o comando de Itamar Schulle e mostrou bons resultados,  tinha um padrão tático, venceu o próprio Joinville sem problemas e vinha mostrando que estava no caminho certo rumo a Série D. Chegou Hélio Vieira e toda aquela organização começou a se desmanchar. Time mal escalado e mal armado em Joinville, quatro gols tomados. Time estranhamente escalado em Brusque, derrota por 2 a 1, que saiu barato. Vi um amontoado de jogadores em campo: laterais plantados, Thiago Cristian fora de posição, Fabinho atuando na ala esquerda no segundo tempo. Traduzindo: uma zona. Incrível como um técnico consegue estragar todo um trabalho que estava sendo feito. E isso desperta um pensamento: o que esperar do Brusque na Série D? Considerando que o Juventude é um time do mesmo nível que o JEC, do jeito que a coisa está, fico com medo de que o time fará figuração no Brasileiro. Pode ser excesso de preocupação, mas a situação é extremamente grave.

Se o Brusque tivesse vencido o JEC, mesmo sem levar o título, o time teria uma semana tranquila na preparação do jogo em Caxias. Mas o time perdeu duas seguidas e jogando mal, o que vai colocar pressão já para o jogo de estreia. Hora de colocar a cabeça no lugar, e não fazer como o lateral João Neto, que na saída do gramado, passou pelo portão de acesso ao público para brigar com torcedor.

Parabéns ao JEC.

Maltrataram a coitada da Bola

Cansei de transmitir jogos ruins nos tempos da segundona do Catarinense. Era de chorar ao ver tanta má qualidade ao mesmo tempo em campo. Assistindo Atlético-PR x Avaí nessa fria noite de sábado, me senti na arquibancada do Estádio Macieirão em Fraiburgo em uma noite de inverno.

Ô joguinho triste. A bola do jogo será aposentada, de tanto que foi maltratada.

Se existe justiça no futebol, ela foi mostrada na Arena. Ninguém merecia vencer o jogo. Se pudesse render ponto negativo pela falta de qualidade, mereceria. Retrato real de quem são os dois piores times do Campeonato Brasileiro.

Pior é ouvir Gallo na entrevista dizendo que o time "fez uma partida muito boa", "soube controlar o adversário" e "se tivesse que haver um vencedor, esse seria o Avaí". Onde, treinador? Não adianta tentar esconder a realidade do torcedor, que é inteligente e não merece ver seu time mostrando aquele mesmo futebol que se arrasta, não cria e não mostra evolução. Pelo menos hoje não tomou gol, mas foi contra o pior ataque da Série A. Mais uma rodada passou, mais paciência foi pedida, e o quadro não mudou em nada.

O primeiro tempo foi sonífero, onde até o bom árbitro Wilson Seneme cometeu erros juvenis, não marcando pênalti para o Atlético e dando amarelo para Pedro Ken por simulação, após ele ter sofrido uma falta clara fora da área. No segundo, o jogo ganhou mais em movimentação, até pelo fato de tanto Gallo quanto Renato buscarem abrir um pouco mais os seus times. Mas como os ataques são terríveis, nada feito. Falando nisso, William deve ter contraído algum vírus da ruindade que fez o seu futebol sumir. Chances que não seriam desperdiçadas no catarinense foram solenemente perdidas não só em Curitiba como nas rodadas anteriores. Não há muito o que avaliar do jogo, a não ser mencionar a boa atuação do goleiro Felipe.

Não sei se estou olhando tão mal o futebol do Avaí. Não consigo enxergar evolução alguma. Talvez porque, ao meu ver, evoluir é vencer jogos e jogando bem. Talvez para mim essa evolução seja imperceptível. Mas já se passaram 25% do Campeonato e hoje, a distância para o primeiro time fora da zona de rebaixamento é de quatro pontos. Some-se a isso os problemas de bastidores, que ganhou mais um ingrediente com a informação de que o lateral Julinho quer deixar o clube.

Mas não deixa de ser um empate conquistado fora de casa. No geral, é bom resultado. Mas na situação que o Avaí passa e contra o adversário que foi, outro resultado preocupante.