sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Documento revela: Associação de Clubes exige 12 equipes em 2012

Este blog teve acesso a um documento enviado pela Associação de Clubes de SC à Federação Catarinense de Futebol, assinado pelo presidente João Nilson Zunino.

Nesse documento, a Associação pede para que, a partir de 2012, o Campeonato Catarinense tenha doze clubes. A entidade diz que não há nenhum obstáculo jurídico para que haja essa mudança já no próximo ano, e determina que a FCF baixe medida administrativa confirmando a mudança.

A íntegra do documento está abaixo Clique para ampliar:




quinta-feira, 1 de setembro de 2011

As duas vitórias pós-clássico

Depois daquele belo clássico do último domingo, os dois times da capital venceram. É interessante comparar o jogo do Scarpelli com as vitórias alvinegra e avaiana contra Cruzeiro e Avaí.

Foto: Superesportes.com.br
O Figueirense foi perfeito. Mostrou que Ipatinga é pé quente, batendo o Cruzeiro por 4 a 2. No clássico de domingo, o time jogou mais que o Avaí, criou mais chances, mas não teve competência nas conclusões, perdendo a partida. Mas o time saiu daquela partida sabendo que era uma equipe com potencial. O problema dos jogos fora de casa foi enterrado, e o time mostrou a mesma postura da vitória contra o Galo. Novo domínio da partida, mas com um sucesso maior nas conclusões. Jogando com essa eficiência, o time de Jorginho pode não ganhar todos os jogos, mas será competitivo em todos eles, com certeza. Bater o Cruzeiro fora de casa é coisa para poucos.

Foto: Ag. Estado
O Avaí saiu do Scarpelli com a moral renovada. Com certeza, a motivação para enfrentar o Flamengo seria muito diferente em todos os aspectos, caso tivesse perdido o clássico. A vitória veio, e junto com ela uma autoconfiança muito grande, que fez com que o time "comesse grama" e buscasse o resultado. Gol logo no começo do jogo para iniciar os trabalhos. Lincoln vem aparecendo bem no time, para dar, finalmente, um companheiro de meia-cancha a Pedro Ken. E as chances foram aparecendo. O magistral gol olímpico de Ronaldinho não trouxe desespero. No segundo tempo, o cenário continuou, Felipe apareceu com importantes defesas e os gols apareceram, com Lincoln e Rafael Coelho, que veio do banco de reservas (entrou no lugar de Bruno, ousadia de Cecílio) para sacramentar a vitória e sair, ainda que momentaneamente, da zona de rebaixamento. Há um longo caminho pela frente, mas só o fato de sair do Z4 é um grande alívio. Além de importantes, foram vitórias convincentes.

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Em vídeo, avaiano e alvinegro assistem juntos o clássico

Mais uma vez, dois torcedores, um avaiano e um alvinegro, foram reunidos no estúdio da TVBV para assistir o clássico. Muito legal ver a reação dos dois no jogaço do último domingo. Além de torcer, eles não perderam a chance de protestar. Vale a pena ver:


Pesquisa da RBS: Avaí lidera no Estado, Figueira na Grande Floripa

Publicado no Diário Catarinense, hoje. A pesquisa divulgada comprova a tese de que o interesse do torcedor do Estado ainda é maior pelos clubes de fora de Santa Catarina, mas com o passar do tempo o cenário vai mudando.

O Avaí é o time catarinense com maior torcida no Estado. É o que revela pesquisa realizada pela Lupi & Associados, que ouviu 1,6 mil pessoas entre 6 e 24 de junho deste ano, a pedido do Grupo RBS. 
Ao serem questionados sobre por qual time de Santa Catarina torcem, 1.201 entrevistados (75% do total) revelaram alguma preferência. Neste quesito, o Avaí aparece com 30,6% das opções, seguido por Figueirense (19,8%), Criciúma (11,4%), Chapecoense (10,4%) e Joinville (8,9%). Líder estadual, vice na sua própria região. Considerando os 227 entrevistados da Grande Florianópolis, quem lidera é o Figueirense, com 53,3%, deixando o time azurra para trás, com 48,8%. O Avaí volta a ser o catarinense número um entre os entrevistados do Vale do Itajaí (47,6%) e do Planalto Serrano (59,2%). No Norte, liderança para o Joinville (55,5%); o Sul é do Criciúma (67,5%); e o Oeste tem a Chapecoense na ponta (65,5%). Por região, a margem de erro é maior porque o número de entrevistados cai. A pesquisa também sondou os torcedores sobre os times de SC com maior rejeição. E novamente o mais citado foi o Avaí (37,2%), seguido por Figueira (30,7%), Criciúma (10,1%), Joinville (8,1%) e Chapecoense (3,4%). Alguns resultados são boas notícias para o futebol de SC. A Lupi perguntou, por exemplo, a opinião dos entrevistados sobre este esporte no Estado. Resultado: a maioria (51,8%) respondeu que está evoluindo ou está muito bom/bom. Outra boa nova da pesquisa está na pergunta sobre qual time – catarinense ou não – o entrevistado prefere. Neste item, 21% citaram times de SC. Este percentual é cinco vezes maior que os 4% obtidos em pesquisa idêntica que a Lupi fez em 1999. 
Gradualmente, o coração do torcedor vai sendo conquistado pelos clubes da terra. Se revelou crescimento dos catarinenses na preferência, a pergunta do time preferido também deixou claro que ainda há um longo território a percorrer. O Flamengo lidera (18,4%), seguido por Grêmio (14,3%), Inter (9,8%), Corinthians (8%) e Vasco (7,8%). O Avaí, melhor classificado de SC, aparece na sexta posição (7,4%), com o Figueirense em oitavo (5,9%), atrás do São Paulo (7%). A pesquisa é um dos mais representativos retratos já feitos sobre a paixão do torcedor de SC. Entrevistou moradores de 230 cidades, respeitando a proporcionalidade da distribuição da população e não se concentrando apenas em alguns poucos e grandes municípios, como costuma acontecer.

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Em áudio: Delfim fala sobre a proibição

Nada melhor do que divulgar a gravação e ouvir o que a pessoa falou. Antes do clássico Avaí x Figueirense, o presidente da FCF deu entrevista às emissoras de rádio sobre a polêmica nota oficial divulgada e que deu repercussão nacional. Delfim Peixoto diz que o procurador federal que entrou com pedido de liminar "não leu o estatuto direito", além de dizer que "ele quer aparecer um pouco". Ainda diz que, na final do Campeonato Catarinense, recebeu um pedido da RBS para que não permitisse a entrada de faixas ou cantos de torcidas contra a emissora na Arena Condá. Ouça a íntegra da entrevista, cedida pelo Rafael Araldi, da Rádio Regional FM de Florianópolis:

domingo, 28 de agosto de 2011

Avaí vence um clássico espetacular

Foto: Marco Dutra - FutebolSC
Todo clássico é um campeonato a parte. O melhor time nem sempre vence, o pior time consegue a superação na base da vontade aumentada pela expectativa passada pelo torcedor.

O Brasil viu um clássico espetacular. Um dos melhores jogos do ano. E com a vitória de um Avaí que não foi o melhor time em campo, mas a mística, e motivação diferenciada e, porque não dizer, alguns fatores um tanto quanto sobrenaturais fizeram o Figueirense, que criou muito mais chances de gol.

Olhando tecnicamente, é impossível analisar o jogo. O Figueira começou arrasador, fez 1 a 0, balançou o Avaí e poderia ter nocauteado logo depois, quando Julio César bateu pênalti pra fora. Em um jogo desse tipo, penais desperdiçados motivam muito o outro lado, que foi segurando-se atrás, tentando bolas na frente na base da vontade. O Avaí não mudou seu estilo de jogo, segue sendo aquele grupo que não tem organização, da mesma forma que o Figueirense não mostrou nada diferente de outras partidas, mas tem coisas no futebol que não se explica.

Os números falam por si: foram 27 finalizações a gol do Figueira, contra apenas 10 do Avaí. Pênati perdido, e o Leão ganhou coragem pra ir a frente, fazendo Wilson trabalhar. Até que o criticado Arlan (o clássico serviu até pra melhorar o conceito do lateral) cruzou para o gol de Lincoln. Gol que serviu como um tapa no Figueirense, que voltou a frente no placar com um gol chorado, marcado por Julio Cesar, que fez um bom jogo, mesmo tendo perdido um pênalti. Final de um primeiro tempo absolutamente sensacional.

No segundo tempo, nada mudou. Somália entrou para dar mais presença no ataque, e o Avai buscou se segurar, com a entrada de Diogo Orlando no lugar de Robinho. Mais uma vez, a teoria foi detonada. Arlan recebeu um belo passe de Cleverson, cruzou rasteiro para William empatar. Não sei como o Figueira não fez o terceiro aos 40, numa bola que bateu em Felipe, na trave, em Gustavo Bastos tirando. E na sequência, William apareceu de novo para virar um jogo imprevisível e espetacular.

Um jogo em que Jorginho não pode ser condenado em absolutamente nada. O maior erro alvinegro foi o pênalti perdido por Julio Cesar, que tentou tirar a bola de Felipe, mandando para fora, que é coisa de jogo. Domínio da posse de bola não ganha partida, o que vale é bola na rede. E nisso, o Avaí leva uma vitória que dá uma moral gigantesca para o returno do Brasileirão, dando mais confiança ao elenco, a Toninho Cecílio e para a torcida.

Já dizia o poeta que Clássico é um campeonato a parte. Tese comprovada mais uma vez.