sábado, 1 de outubro de 2011

Avaí, o legítimo bonde sem freio

Haviam torcedores que ainda estavam crentes em algum tipo de reação do Avaí. Isso foi visto no Aeroporto, quando o time embarcou para Salvador. Mas não há como acreditar em um time desgovernado, mal armado e mal substituído. Sim, o Avaí é o legítimo bonde sem freio, descendo uma ladeira que dá na Série B, sem chance de parada.

Escrever do jogo é complicado. O Bahia mostrou que o time não é aquilo tudo, permitiu o Avaí tentar algo (dentro de suas limitações) no ataque. Mesmo quando tomou 1 a 0, o Leão ainda era mais time. A casa começou a cair, ironicamente, quando aconteceu a virada, que aconteceu em dois erros da defesa do time da casa. Isso fez Toninho Cecílio cometer um grande erro: ao tirar Lincoln, que é o homem que (bem ou mal) faz a articulação para colocar Acleisson, o técnico avaiano deu a letra para o Bahia acreditar em uma virada. A estratégia não funcionou, a marcação não melhorou, e a vaca foi pro brejo em cinco minutos.

A vergonha continua, jogo após jogo, mesmo com diferentes mensagens de motivação. A atitude de vários torcedores é louvável, tentando de toda forma levantar a moral de um time de baixa qualidade, com jogadores não utilizados de outros clubes, que foi sendo remendado no meio do Campeonato e sem condições de lidar com situações-chave. Foram mostradas falhas de todo tipo que não são consertadas.

Os números não mentem: considerando que a história do brasileiro diz que um time escapa do rebaixamento ao marcar 43 ou 44 pontos, o Avaí teria que vencer sete jogos nos onze que faltam para se salvar. Até agora, o time venceu apenas cinco, contando com a pior defesa do campeonato (57 gols marcados). Racionalmente, não há como acreditar.

A grande torcida avaiana não cansa, tenta de toda forma agarrar-se nos mínimos fios de esperança. Mas não há como corrigir algo que foi mal concebido.

Empate em Bragança: dois pontos jogados fora

Começando pelo final: Homero Santarelli deu entrevista nas emissoras de rádio detonando a arbitragem do jogo. Se o time tivesse auto-controle e segurasse a vitória, ninguém iria lembrar disso.

Vamos ao início da partida. Em vencendo, o Criciúma não diminuiria a distância para o G4, já que o Americana venceu sua partida. Mas tropeçando, o time dificultaria ainda mais a já complexa luta pela Série A. E olha que o jogo estava bom, com o time acertadinho, trabalhando bem os passes, uma mostra que, aos poucos, Márcio Goiano vai colocando ordem na casa (bom lembrar que ainda falta muita coisa pra ser feita).

Dois a zero no placar, partida teoricamente sob controle. O Bragantinho adotou uma tática kamikaze. O árbitro mostrou suas fraquezas sim, mas nada, absolutamente nada, que pendesse para o lado do time da casa. Fraqueza de árbitro detona qualquer jogo. O pênalti com expulsão de Anderson Conceição (já tinha amarelo) acendeu o alerta do "bola pro mato". Não deu. O time não teve cabeça para suportar a pressão, tomou o empate e por pouco não tomou a virada, com uma bola na trave do Bragantino.

A distância pro G4 era de sete, agora é de nove pontos. Eu já desisti de fazer cálculos pro acesso, há tempos penso que o Tigre tem que focar em ficar na B e se reestruturar pro ano que vem. Mas há quem ainda acredite em uma improvável reviravolta.

Por onde andas, Dalonso?

Ele foi uma boa surpresa na arbitragem catarinense no início do ano. Surgiu como revelação, apitou jogos importantes e ficou de fora da final do Estadual por opção da FCF, que preferiu insistir nos nomes mais rodados.

E é melhor que alguns catarinenses que ostentam o brasão da CBF e que vem atuando no Campeonato Brasileiro.

Fato é que, depois do Estadual, nunca mais se ouviu falar de Rodrigo Dalonso Ferreira. Não vem sendo escalado nem para jogos decisivos da Segunda Divisão.

Por onde andas?

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Sérios problemas em Joaçaba

Sempre fui muito "pé atrás" com parcerias, e o que está acontecendo em Joaçaba, só reforça minha tese. Mal na tabela da Divisão Especial, brigando ponto a ponto com o Caxias de Joinville contra o rebaixamento para a terceira divisão, as informações que vem do meio-oeste não são nada boas.

Segundo o Blog do JAC, fonte de informações do clube, na manhã de ontem, alguns jogadores do clube, que cedeu o departamento de futebol a uma empresa chamada "Gol de Ouro" entraram em contato com diretores do clube e jornalistas para reclamar de salários atrasados que estariam chegando a 4 meses, além da péssima alimentação que estavam recebendo no alojamento do clube. 4 atletas já foram embora de Joaçaba.

O técnico Orlando Bianchini, que assumiu o time há 10 dias, conquistando uma vitória, contra o Atlético Tubarão, pediu para sair, e promete contar detalhes dos bastidores: "Não fui demitido do Joaçaba.  Eu que saí.  Acontece que o grupo de empresários quer uma comissão técnica deles, e veio esse Sanches aí.  Falei pra eles que ficarei em Joaçaba enquanto meu carro estiver na oficina.  Estou morando no hotel (…) e fico aqui ainda esta semana.  Quando for oportuno, vou reunir a imprensa e falar tudo que eu quero.  Mas não vou fazer isso agora porque isso prejudica o Joaçaba”.

Goiano vence a primeira no Tigre

Há uma grande distância numérica e técnica para o Criciúma superar se quiser pensar em acesso.

Mas a vitória de hoje contra o Sport merece ser muito valorizada. Um jogo duríssimo, contra um time que estava no G4, tinha uma sequência de bons resultados, um forte elenco, bom treinador.

Foi pelo placar mínimo, com um gol de Roni, que acabou negociado hoje pelo clube para um grupo de investidores ingleses, que renderão mais de um milhão de euros ao clube. E foi bom ver que o time voltou a fazer as pazes com a vitória logo nos pés daquele jogador que fez muito no Estadual, mas ainda não apareceu como deveria na Série B.

A distância para o quarto colocado, sete pontos, é grande, a doze rodadas do final da Série B. Ainda acredito que o negócio é preparar o time para o ano que vem, mas vai que o time engata uma sequência de vitórias e volta a brigar por alguma coisa. Mas há de se lembrar que a vitória foi dentro do Heriberto Hulse. Falta ver se o time vai mudar de atitude jogando fora. Aguardemos o jogo de Bragança Paulista.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

A última tentativa de salvação

Voltando um pouco no tempo: na chegada do time do Avaí do Rio de Janeiro, jornalistas que estiveram no aeroporto disseram que viram os jogadores, pela primeira vez, "aceitando o golpe" e apresentando claras faces de desânimo. Todo aquele discurso dos dias anteriores, de reação, do famoso "vamo trabaiá", o boicote à CBN, tudo tinha prazo de validade.

Veio o jogo contra o Grêmio, o boicote inútil terminou com uma notinha chinfrim no site, sem pedido de desculpas nem da emissora, nem do radialista, o que era esperado. Aliás, com o futebolzinho jogado contra o Grêmio, o time não deu possibilidade nenhuma de reverter a teoria da "bagaceira".

Como de nada adiantou e o time perdeu outra, hora de ir para a última tentativa de sobreviver. Hora de repetir a estratégia do ano passado. Circula nas redes sociais avaianas desde ontem a informação de uma mega-redução do preço dos ingressos para a reta final do brasileirão. Vai ser chamada a massa de torcedores, aquela que no ano passado fez a diferença e salvou o time do rebaixamento, de presente pagou ingresso caro no Estadual e que não vinha sendo estimulada a ir para a Ressacada neste ano por causa dos resultados.

Se o raio vai cair duas vezes no mesmo lugar, só saberemos no final do ano. Em se confirmando a reedição da promoção, o clube vai, finalmente, aceitar que está na UTI.

segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Bela arrancada na segunda fase

Ontem foi o Joinville, que venceu o Ipatinga, melhor campanha da primeira fase da Série C, pelo placar mínimo, numa bela arrancada de Eduardo que acabou no fundo das redes. Não assisti o jogo, mas pelo que ouvi, foi uma pedreira. Aliás, pedreira é o que só vai ter nessa altura do campeonato. E o JEC fez o que tem que ser feito: não perder pontos dentro de casa.

E hoje tive como assistir o jogo da Chapecoense em Brasília, através do site do Brasiliense. Um jogo em que o time de Mauro Ovelha teve muita dificuldade nos passes, e com isso, dava a chance do time de Argel Fucks crescer e marcar gols, o primeiro num contra-ataque de Fabiano Gadelha, e o segundo com Djavan, que pegou rebote do goleiro Rodolpho.

Aí as trocas deram certo: a entrada do estreante Diogo Oliveira deu outra dinâmica ao time, que ganhou qualidade nos passes no ataque e partiu para a pressão, conseguindo o empate, com gols de Neilson e Neném. Diogo mostra que entrou para não sair mais do time, uma vez que salvou uma partida que era praticamente dada como perdida.

A receita é ganhar os jogos em casa e buscar alguns pontos fora. Nesse aspecto, Joinville e Chapecoense mandaram bem, e se enfrentam na próxima rodada, em Chapecó. Bom lembrar que, na primeira fase, o JEC de Arturzinho foi lá e venceu.

domingo, 25 de setembro de 2011

Figueira: a proposta, o sucesso e a vitória

O Figueirense fez algo histórico: foi o primeiro time de Santa Catarina a vencer o Santos dentro da Vila Belmiro. E não venceu o Santos em má fase, bateu um time que vinha numa subida, com o melhor aproveitamento do returno... enfim, uma vitória daquelas.

Mesmo sem Neymar, o Peixe não jogou mal. Pode ter perdido a qualidade individual que ele traz ao time, mas o excelente conjunto do time estava lá, mas a verdade é que o Figueirense foi mais eficiente na sua proposta.

Tenho falado muito sobre algumas partidas em que Jorginho exagera na postura defensiva, naqueles jogos em que se vê que o adversário permite ser atacado. Esse jogo contra o Santos necessitava uma atenção especial, pelo retrospecto do time em casa, seu poderio ofensivo e o momento no campeonato. Dessa vez, Jorginho acertou. Era necessário estar atento e jogar no erro do adversário. E aproveitando esses erros que o alvinegro fez três gols, sacramentando a vitória em um pênalti sofrido por Wellington Nem, o melhor em campo, que fez um gol com uma "cavadinha" espetacular para enganar Rafael.

O Figueira colocou fim a uma sequência sem vitórias logo contra o Santos fora de casa. E que vitória.

Os melhores momentos do jogo abaixo: