quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

A velha frase volta a tona, e Chapecoense vence em Brusque

Uma das frases mais manjadas do futebol mundial: "Quem não faz, leva".

E a frase vem a tona e cai como uma luva na vitória da Chapecoense, líder isolada do estadual, sobre o Brusque.

O Brusque teve todas as chances possíveis. Bola na trave, pênalti a seu favor, onde Cris foi tirar a bola de Nivaldo, que já estava morto no canto direito, mandando na trave esquerda, gol perdido num chute bisonho de Jonatan, enfim.... tem uma lista aqui.

A Chapecoense tinha uma só jogada eficiente, com as subidas do bom lateral Gilberto Matuto pela direita. Essas causavam perigo. O outro lado, com William, nem davam susto. O Brusque marcou bem, anulou Neném e João Paulo e controlava o jogo. Aí veio a infelicidade, com as lesões de Leandrão e Felipe Oliveira, desmontando o time. Isso porque o garoto Jonatan estava assustado, perdendo bolas fáceis, e com isso, acabou com o domínio do time, deixando a Chapecoense gostar da partida.

No segundo tempo, Gilberto Pereira avançou a marcação, criou chances de ataque, mas sem perigo extremo. Mas teve sorte ao colocar Tiago Cavalcanti, que achou um chute de fora da área que foi bem no cantinho, matando João Ricardo. Era o gol da vitória

O Brusque não teve forças para recuperar. Lutou, mas não levou, expondo alguns problemas que poderão agravar lá pra frente. O time titular é competitivo, mas o mesmo não se pode falar de muitas posições no banco de reservas. Foi usar o banco, a qualidade cai. E aí volta a rondar aquele fantasma da preocupação. Será que o plantel atual dá conta de evitar um rebaixamento? O time completo joga certinho, tem ainda problemas sérios de armação no meio-campo (mas se espera que Talhetti venha a resolver) para armar jogadas para Chris, já quando entra jogadores como Marcelo Gaúcho, sai de baixo. Assusta.

Mas não há de se fazer terra arrasada, ainda. Vem aí um Criciúma pressionado, depois o Avaí em casa. Há de se trabalhar, aprimorar, jogar aquele feijão-com-arroz de sempre, que, repito: competitivo o time é.

Já a Chapecoense lidera o campeonato de forma isolada sem jogar um bom futebol, ainda. Tem uma penca de desfalques, não tendo o grupo que deve ser o titular. Mas, com duas vitórias, já engata uma liderança isolada, graças aos tropeços dos outros. Time campeão também tem que contar com isso.

7 comentários:

  1. Estava te escutando hoje na Rádio Cidade e acompanhei o jogo e que forma do Brusque perder a partida ainda mais contra um time candidato a título hein!Tava nas mãos o jogo!!
    Abraço Rodrigo!
    Igor
    meu blog: http://igoresportes.blogspot.com/ e no twitter @blogdoigor05

    ResponderExcluir
  2. como o cris esperiente perde um penalti,que chance de ser lider perdida,o zaqueiro que entrou em blu e hoje ,ele deixou o atacante dominar a bola nao marcou firme depois ele recua e deixa o atacante fazer o gol,o rapaz de nome gaucho ta assustado n pode jogar no brusque,as vezes marcelo coloca jogadores q sao muito mais ruim em campo como o ex paulinho e esse gaucho ,nao consigo entender,gaucho tomou uma bronca de roger depois do gol,se marcelo insistir com ele vai rachar o grupo como o paulinho lenbram.

    ResponderExcluir
  3. Não concordo com o comentário desse post: "O Brusque teve todas as chances possíveis". Eu pelo menos não vi. Não vi o Brusque criando oportunidade de gols vindas de jogadas de criação. Teve um lance de uma jogada individual do Roger no início do segundo tempo, uma jogada do Jonatan que em vez de passar para o Maestri deu um chute medíocre na mão do goleiro e só. Nada, absolutamente nada mais. As outras foram de bola parada: a falta cobrada pelo Roger e o penalti. Muito, mas muito pouco para quem quer ganhar um jogo dentro de casa.

    Nunca gostei de jogador que quando acontece um penalti coloca a bola em baixo do braço como quem diz "deixa comigo que eu resolvo". Quem gostava muito de fazer isso era o Edmundo, que várias vezes prejudicou o Vasco jogando títulos fora perdendo penaltis. Quando o Cris pegou a bola e fez isso, sabia que iria perder o penalti. A responsabilidade por essa derrota tem um nome: CRIS.

    Um jogador totalmente fora de forma, mais de um ano parado deveria ter um pouco mais de vergonha na cara e deixar um companheiro mais bem preparado cobrar o penalti. Obviamente que o Roger deveria ter cobrado o penalti. O objetivo principal do Cris era aparecer para a torcida, querendo fazer nome marcando gol de penalti.

    Desde o começo sempre falei em meus comentários que o Brusque tinha montado um time sem meio de campo. O time não tem jogador de ligação. Argumentar que isso é função do Talleti que está sem jogar a dois anos e não aguenta jogar mais de 30 minutos é coisa de amador.

    Dizia também em comentários passados que com esse meio de campo a média de gols por jogo do Brusque não seria maior do que 0,5 gols por partida. Contando os 3 jogos treinos mais os jogos do estadual, o Brusque conseguiu marcar 3 gols em 5 jogos. Isso porque pegou times fraquíssimos como o Corintians Paranaense, que até o time podre do Marcilio conseguiu meter 3 gols e o medíocre time do Metroxa.

    Não quero ser pessimista, mas acho que no final da próxima rodada o Brusque vai estar na zona de rebaixamento. Vai pegar o Criciuma, que tem obrigação de ganhar porque vem de duas derrotas, e que certamente vai contar com a ajuda amiga da arbitragem. Não acredito que o Brusque vá fazer gol em Criciuma, e aí iremos para 3 jogos e apenas 1 gol marcado. Média de gols e pontuação de rebaixamento, sem dúvida.

    Sei que alguns vão dizer que falar é fácil, porque não assume o clube em vez de falar e por aí afora. Mas nós como torcedores que pagamos mensalidade ou ingresso temos o direito de falar e reclamar quando vemos que as coisas estão mal. Essa derrota de ontem foi uma ducha de água fria na torcida, que sai de casa com chuva, paga um preço alto pelo ingresso e no jogo de estréia em casa volta pra casa com uma derrota nas costas.

    Coitada da torcida do Brusque. Não merece passar por isso. Ver empresas como a Havan que fizeram o nome em cima da cidade de Brusque negar apoio ao clube quando mais precisa é pracaba. Não adianta me chamar de ingrato e dizer "muito obrigado Havan" como um babaca disse a semanas atrás quando falei que estava decepcionado com a Havan por ter abandonado o clube.

    Esses 20 ou 30 mil mensais que o clube precisa pra se reforçar e não ser rebaixado DEVE FAZER MUITA FALTA PARA A HAVAN, que se nega a ajudar o clube com uma migalha perto do que está ganhando.

    O clube precisa contratar para não cair. Se não chegarem pelo menos 4 jogadores: dois laterais (o Pereira tem que jogar de volante), um zagueiro e um JOGADOR BOM DE CRIAÇÃO, ano que vem não teremos mais futebol na cidade porque o Brusque vai estar sem campo pra jogar e na segunda divisão do estadual.

    Outra coisa: concordo com o Xirú (que deixou bem claro no comentário de ontem) e com o André: também NÃO GOSTO DESSE ESQUEMA com 3 zagueiros que o Brusque está usando.

    Independente de qualquer coisa, vamos continuar torcendo e acreditando que alguma coisa vai acontecer para evitar o pior.

    ResponderExcluir
  4. Não dá mesmo pra entender a escalação desse Marcelo Gaucho. Se quer montar um esquema defensivo, por que não usa 3 volantes em vez de 3 zagueiros?

    O Guto é o melhor volante do time disparado. Não consigo entender um técnico que deixa o Guto no banco e coloca o Marcelo Gaucho pra jogar. O Caranhato me faz sentir saudade do Joceli.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Tecnico zagueiro = tecnico retranqueiro . O Marcelo parece que esta se preocupando só em marcar e defender. precisamos mais um meia de ligação URGENTE. e mudar esse esquema para 4 4 2

    ResponderExcluir
  7. andrefender, diga pra mim qual o técnico daqui de SC que não é retranqueiro.
    Ontem o ovelha com o Bvai ganhando encheu de volantes chamando o tigre banguela e por sorte não sai com um empate em floripa.
    Ja no meu JEC o Gonzaga Milioli desmanchou todo o esquema que éra usado pelo arturzinho, para construir um esquema tático comum de técnicos catarinenses que é a base da retranca

    ResponderExcluir