sábado, 10 de março de 2012

Mal armado e sem alma, Avaí perde em Ibirama

Depois da vitória contra o Criciúma, era de se esperar que o time do Avaí mostrasse uma subida de ritmo no returno. Foi tudo ao contrário. Time mal armado, que não soube administrar o resultado, juntando com substituições erradas e uma clara falta de motivação permitiram a virada do Ibirama, time que vinha de três derrotas seguidas e que já havia se entregado ainda no intervalo.

O Avaí abriu 2 a 0 no primeiro tempo baseado nas falhas da defesa do Ibirama, principalmente do atrapalhado zagueiro Alemão, e na qualidade individual de Cléber Santana, único que demonstra algum tipo de lucidez em todo o sistema de armação azul. Tava tudo certo para que a vitória viesse com tranquilidade.

Aí, no segundo tempo veio a expulsão de Arlan, que foi determinante não pela desvantagem numérica em si, mas pela falta de atitude de Ovelha em arrumar a casa. O primeiro gol do Ibirama saiu lá da direita. O treinador não quis ajeitar o time e nem adiantar a marcação, permitindo que o time da casa gostasse do jogo e pressionasse, até conseguir a virada. O ataque avaiano inexistiu, com Ronaldo Capixaba tropeçando na bola e Neilson escondido atrás da marcação. Hora de colocar Nunes? Sim, mas Mauro preferiu trocar o comando de ataque logo após sofrer a virada. E ainda teve uma falha de Moretto para completar a salada.

O Avaí tem pela frente os três piores do campeonato: Brusque, Camboriú e Marcílio Dias, onde os nove pontos são obrigatórios. E depois desses três jogos vem o clássico no Scarpelli contra o Figueirense. A tabela pode enganar, mas o torcedor avaiano não se deixa enganar: o time vem expondo agora, no returno, quando os outros times entram na sua fase de ápice no entrosamento, que é limitado e vai precisar de muitos reforços para a Série B. Era um risco calculado lá atrás, quando o presidente Zunino deu uma entrevista até certo ponto arriscada, priorizando o Estadual. Vieram os jogadores que Ovelha quis, com toda a experiência no futebol doméstico, perdendo o diferencial que poderia vir com jogadores como Cléber Santana, que mostrou hoje que está em outro patamar.

Fato é que o elenco é limitado e a derrota não surpreende. Mas ao menos o técnico poderia ter organizado o time. O segundo tempo foi assustador.

Um comentário:

  1. Ja tinha dito.
    Mauro Ovelha é técnico de time pequeno, Insiste num esquema de retranca que só da certo em times que não tem responsabilidade de ganhar. Ja passou aqui pelo JEC e só fez besteira. Marrento cagão e cabeça dura só da certo na chapecoense que sempre é franco atirador nos campeonatos que disputa.

    ResponderExcluir