terça-feira, 13 de março de 2012

A parceria JEC-BMG

Antes que perguntem, essa foto é uma montagem!
Não é um simples contrato de patrocínio.

A relação do Joinville com o Banco BMG transcende a simples colocação de uma logomarca na camisa. É uma parceria comercial, que dá uma boa receita ao clube, para montar um bom time para a Série B.

O Banco, que é hoje um dos maiores (se não o maior) proprietários de jogadores no país, faz operações semelhantes em outros clubes do país. Como funcionará com o JEC, assim que o contrato foi assinado: o BMG garantirá cerca de R$ 340 mil mensais ao clube, que, além de colocar a marca na camisa, cederá 25% dos direitos econômicos dos jogadores do elenco, sejam profissionais ou da base. Ou seja, em caso de venda, 1/4 volta para o parceiro.

Além do mais, o BMG indica diretores técnicos que auxiliarão e cuidarão da operação pelo parceiro. No caso do JEC, eles serão Erasmo Damiani (ex-Figueirense e Avaí), Marcelo Serrano e Leo Franco. No Juventude, onde acontece uma relação comercial parecida, aconteceu um pequeno desentendimento que levou a demissão do técnico Picoli. Todos negam, mas a especulação é grande que o dedo do parceiro foi decidido. Tanto é que o BMG será ouvido na decisão de designar um novo técnico para o clube.

Analisando tudo, o JEC não tem muita coisa a perder com tal acordo. É uma espécie de receita antecipada: o clube receberá algo em torno de 4 milhões de reais ao ano, mesmo se nenhum jogador for vendido. Se por acaso surgir negócio, o Banco reaverá o dinheiro com os 25% de jogadores que seriam comercializados. Se não reaver, o clube não tem nada a ver com isso.

Para evitar problemas, a diretoria tricolor está tirando todas as dúvidas antes de fechar contrato. E a partir do momento que o contrato com a Eletrosul for sacramentado, o incremento de caixa do campeão da Série C será fantástico.

3 comentários:

  1. Só espero que a BMG não queira interferir no clube. Pois vão bater de frente com o presidente Marcio, e como sabem o alemão é não aceita essas coisas.

    ResponderExcluir
  2. Banco BMG patrocinará o CRICIÚMA também. Os valores não foram divulgados, mas aqui o BMG não interferirá no futebol, será apenas patrocinador.

    ResponderExcluir
  3. o jeg ta abrindo as pernas de vez mesmo entao

    primeiro da o espaço da camisa praticamente de graça, porque ainda vai dar 25% de direitos sobre seus jogadores, ou os jogadores do jeg nao valem nada, ou a camisa é que nao vale, ate pq ja ta parecendo classificados

    alem de ser o banco do valerioduto, é um pessimo negocio fazer qq coisa com um grupo de empresario, o avai é um exemplo disso. e o america mg, que tb era parceiro do bmg ta ae tb pra ser um exemplo ainda melhor, podem ate subir pra serie A, mas o estrago vai ser grande

    o figueirense anda se iludindo com esse uram tb que por onde passa faz uma devassa nas bases, quer dizer muita gente deve ta se dando bem la pra deixar quieto

    acharia legal que os clubes daqui ficassem mais ou menos no mesmo nivel pra ter umas disputas mais emocionantes como na decada de 90, mas os times pelo visto estao se vendendo por pouco

    todos os 4 estao literalmente abrindo as pernas para grupos de empresarios

    ResponderExcluir