domingo, 18 de março de 2012

Valeu no segundo tempo: Figueira mostra porque é o melhor ataque

Em Blumenau, um jogo dos melhores do campeonato. Mas o Figueira é o melhor entre os dois, os números falam por si só.

Mas não esperava goleada, até pelo futebol que o Metrô vinha jogando. Mas o jogo do Sesi tem alguns ingredientes, que envolvem qualidade, controle emocional e arbitragem. O seu Ronan Marques da Rosa apareceu demais no primeiro tempo. Por isso que dá pra dizer que o jogo foi determinado mesmo na etapa final.

No primeiro tempo, Ronan errou tudo o que podia: deu um pênalti inexistente para o Metrô que nem foi falta, e se foi, aconteceu fora da área. Com isso, expulsou Sandro, e depois Branco, que reclamou justamente da barbaridade que aconteceu em campo. Mas nada que Ronan não possa consertar: expulsou Pantico numa falta que não foi pra amarelo. Antes dessa lambança toda, o Metrô tinha uma proposta interessante: marcar a saída de bola alvinegra, segurando as subidas dos alas. Funcionou até o lance do pênalti, que Rafael Costa mandou lá no ginásio. O gol poderia mudar o cenário da partida. Contra um adversário dessa qualidade, não se pode perder uma chance dessas.

No segundo tempo, Branco arrumou o time diante da situação de 10 contra 10 e foi muito melhor. O Metropolitano esqueceu toda a organização e a cabeça no vestiário, e isso foi determinante pra goleada. A linha de zaga era facilmente envolvida, e a goleada foi se construindo. Comprova-se uma teoria do meu amigo Rodrigo Braga, que diz que quando se enche de expectativa e o Sesi lota, o time do Metrô decepciona. Os números falam por si: das quatro derrotas do time de César Paulista até agora, três foram dentro de Blumenau.

Mas que sirva como lição: o Metrô tem gordura e time para se manter na turma dos classificados. Mas há de se manter a humildade e a cabeça no futebol que vinha sendo mostrado até agora. Parece que todo o zumzum em cima do clube prejudicou o emocional do grupo. Perder para o Figueirense é normal, mas ser goleado em 45 minutos não é.

E o Figueira chega aos 41 gols no ano e permanece sendo o melhor ataque do Brasil. E sem um artilheiro isolado, aquele que goleador que acumula todos os números. O melhor de tudo é que o time inteiro trabalha para a criação das jogadas.

2 comentários:

  1. Rodrigo, só para lembrar. Não é a primeira vez que o metrô leva 4 gols no segundo tempo. Lembra do jogo contra o JEC? A diferença é que naquele jogo o JEC deve ter feito o pior primeiro tempo da sua história. É por isso que eu me pergunto. Será que esse bicho é tão feio quanto parece?

    ResponderExcluir
  2. Caros,

    Sou um dos moderadores do blog "O Boteco Esportivo", que iniciou seus trabalhos no começo do ano.

    Tivemos a ideia de criar a seção "Análise de Elenco" para que, em duas postagens semanais até o início do Brasileirão, analisássemos todas as equipes que disputarão o Brasileirão-12.

    No post de hoje, falamos sobre o Figueirense.

    Obtivemos as informações de atletas no site oficial e pautamos nossas opiniões de acordo com nossos conhecimentos sobre o atleta, sobre a projeção do time no cenário nacional e em nossas convicções como um todo.

    Convido você e seus leitores a acompanharem nosso post e, se possível, deixarem registrado sua opinião a respeito, alimentando um saudável debate sobre seu amado clube.

    Ressaltamos que seria importante este retorno sobre a análise até porque as informações que chegam aqui em SP sobre o futebol catarinense nem sempre são de todo satisfatórias.


    Abraços.
    Gabriel Casaqui
    http://obotecoesportivo.blogspot.com.br/2012/03/analise-de-elenco-figueirense.html

    ResponderExcluir