domingo, 10 de junho de 2012

Excesso de zelo que quase levou à derrota

Luiz Henrique / Figueirense FC
Dos noventa e poucos minutos de jogo entre Figueirense e Ponte Preta, o time de Argel começou a jogar a partir dos 40 do primeiro tempo, fez um abafa de uns 9 ou 10 e teve que aguentar o adversário criar muito mais, com o mesmo esquema de três volantes que arrancou um ponto em São Paulo em um lance iluminado de Caio.

Muitos torcedores questionaram durante os últimos dias se contra a Ponte em casa deveria ser usado o mesmo esquema de lá, contra o forte Corinthians. Dito e feito: o time não funcionou de novo, não criou, e viu a Ponte, com um esquema bem parecido, jogar as bolas no ex-avaiano Caio e criar muito mais perigo. O time de Campinas merecia ter feito um gol no primeiro tempo. Argel jogou quarenta minutos fora e uma substituição para colocar Luiz Fernando no lugar de Jackson. A melhora foi quase instantânea, mas durou pouco.

O ato seguinte seria colocar Aloísio, para criar um fato novo na frente. Mas não entendi a atitude de Argel de tirar Roni e não Júlio César, que não apareceu o campo e esqueceu seu futebol em algum lugar. Traduzindo: ele botou um armador, mas depois tirou outro para colocar um atacante. A pressão funcionou por uns nove minutos até a Ponte arrumar a marcação e voltar à carga no ataque.  Com a expulsão de Sandro, não havia mais o que fazer. O negócio era segurar o empate e esperar o final do jogo.

Um jogo pro torcedor esquecer. Me pergunto qual foi o objetivo da intertemporada em Atibaia que, teoricamente, serviria para trabalhar a qualidade do time sem a pressão de Florianópolis. Nada de novo aconteceu, o time continua não rendendo, o sistema de armação continua crítico e não se veem sinais de evolução. Desde que Argel assumiu, o Figueira mudou sua característica. Deixou de ser um time rápido que busca a vitória para um grupo que marca muito forte, para depois organizar a saída de bola e, como terceira lugar, atacar. Nesse meio, passam os problemas de qualidade de atletas e a exigência da Série A como um todo. Contra um adversário do mesmo nível, não há espaço para excesso de zelo.

Argel teve esse excesso, e por muito pouco não perdeu o jogo dentro de casa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário