quarta-feira, 27 de junho de 2012

Tutorial da Crise na Série C, Parte 2: porque não é assim simples

O Blog publicou há algum tempo este post, explicando em pormenores, e numa linguagem mais clara, o que está pegando nas Séries C e D, que impedia até então o início dos dois campeonatos.

A Série D começou, metade do problema acabou se resolvendo, mas o caso da Série C é mais complicado, e tem muito ruido nessa comunicação. A CBF trabalha na base da pressão para começar o campeonato, mas a situação não é assim simples. Vamos tentar explicar.

Primeiro, uma dica: não vá cegamente atrás do que os setoristas da CBF falam. Tente pesquisar os sites do nordeste atrás da versão do Treze, que está dando uma goleada nos Tribunais sobre a confederação e, a partir daí, tente tirar uma opinião própria e ver quem tem razão.

A minha opinião: a CBF fez lambança. Contrariou o STJD, fez acordo pra retirada de ação judicial do Rio Branco (por que não ameaçou desfiliar ano passado?) e, tendo que bancar o acordo que teve até a participação do governo do Acre, sustenta o que fez de forma irregular no ano passado.

O Treze leu o regulamento e conseguiu encaixar uma ação que tem lá sua procedência. Eles não agiram fora da lei. Acontece que no Grupo A da Série C do ano passado, o Araguaína-TO ficou na última colocação, sendo rebaixado no campo. O Rio Branco, que estava classificado, foi eliminado do campeonato pelo STJD, por usar a justiça comum para vender ingressos em seu estádio sem esgotar a instância desportiva. Aí sim, um erro do clube do Acre.

Aí o Treze, quinto colocado da Série D do ano passado (foi eliminado pelo Santa Cruz) pensou: um time foi rebaixado no campo e outro pelo STJD e existe uma brecha no regulamento que fala no acesso, então por que não solicitar a vaga na Série C? Foi o que fizeram. Perderam no STJD, na esfera desportiva, sendo aconselhados pelo próprio tribunal a procurar a justiça comum. Acredite!

O STJD aqui também foi frouxo, porque deliberou o rebaixamento do Rio Branco, mas está sendo condescendente com a CBF em aceitar o acordo judicial.

E nisso aí, o Treze está dando uma goleada nos tribunais. A justiça comum está determinando a inclusão do Galo da Borborema na Série C, e a CBF não está obedecendo. Cabe à confederação tentar derrubar a ação no TJ da Paraíba ou tentar levar a questão até o STJ, que já havia devolvido a questão ao estado de origem. Enquanto isso, tudo parado.

Tá vendo por que não é assim simples?

Um professor de direito de Campina Grande, torcedor do Treze, enviou uma comunicação  à Fifa sobre o que está acontecendo. Principalmente sobre o acordo do ano passado e a complascência do STJD.

A CBF não pode desfiliar o Treze. Tem ordem judicial proibindo isso. Conmebol e Fifa desfiliar? Uma entidade do Paraguai e outra da Suíça não tem poder sobre o estado de direito do Brasil. Podem, no máximo, proibir de disputar suas competições, como Libertadores ou Mundial.

Por isso que não sou nada otimista com o início da Série C. A CBF pode iniciar no final de semana, mas um pedido da justiça pode melar tudo de novo. É mais fácil ter acordo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário