sábado, 8 de setembro de 2012

Incompetência do ataque avaiano dá a vitória ao Joinville

Fabricio Porto / Noticias do Dia
A bola pune, e puniu o Avaí de uma forma cruel.

O mais fanático torcedor pode dizer que o Joinville fez por merecer a vitória, ou que jogou bem. Mas quem olhar com um mínimo de racionalidade vai ver que o Avaí foi duramente castigado pela profunda incompetência do seu ataque. Teve gol perdido de tudo que é jeito: um chute do Diogo Acosta na arquibancada, um contra-ataque ótimo que Julinho desmontou com infantilidade, um lance que Wagner Diniz tremeu de medo ao não chutar a bola, na pequena área, na frente de Ivan, só pra citar alguns lances. O que se viu foi um espetáculo de erros.

Não vi o vídeo do pênalti que Bruno cometeu no final do jogo. Achei, daqui do estádio, que foi, por inconsequência de Bruno, um jogador rodado o suficiente pra não cometer um erro daquele. Mas quer saber? Mesmo se houver falta no lance, o Avaí fez por merecer tomar esse castigo que o futebol prega para quem fez perdeu tantos gols em noventa minutos.

E é uma vitória que dá um ar novo ao JEC, que vinha de três partidas sem vencer e precisava dar uma satisfação ao torcedor. Só isso. O time continua mostrando que não encontrou uma forma de cobrir a ausência de Tiago Real e, de quebra, hoje não tinha Lima. Jean Carlos, o seu substituto, se mostrou perdido em campo. Corria feito louco pela área tentando achar um espaço, mas ficava escondido na marcação. William era o jogador que dava mais perigo, e mesmo assim relativo. A verdade é uma só: o Joinville depende de Lima, agora mais do que nunca, quando o sistema de armação não funciona, até que o treinador ache uma solução.

E o Avaí perde mais um pouco de terreno na briga pelo G4, perdendo, mais uma vez, pontos que eram absolutamente possíveis. Essa é a diferença para os times que brigam pela parte de cima da tabela: os ataques lá funcionam, e no Avaí, não. É a realidade que se desenha, com a possibilidade de uma reação cada vez menor.

A vida as vezes prega peças que chamam a atenção para as dificuldades. Hoje o Avaí tomou uma paulada que não vai esquecer tão cedo. É a última chance do time de Hémerson Maria tentar acordar para a vida. Se não, é mais um ano na Série B.

Criciúma perde em lance histórico

O erro de Michel Alves vai, com certeza, repercutir mundialmente, pela infelicidade e ineditismo do feito. Mas foi uma tarde pro torcedor tricolor riscar da memória. Goleado em casa, com um gol daqueles e, de quebra, com Lucca expulso e Zé Carlos machucado. É o momento mais delicado do clube, que sem o ataque titular, pegará o Goiás fora. Há de se agir com prudência neste momento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário