sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

E o "Diarinho" não perdoa o Marcílio...

Contra-capa do Diário do Litoral de Itajaí, o conhecido "Diarinho" de hoje, 10 de fevereiro. Não poupou o Marcílio depois do vexame em casa....


quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Avaí goleia, lidera, e esquenta o clássico

Foto: Flávio Neves / ClicRBS
Bastaram 7 ou 8 minutos para que o Avaí transformasse um empate preocupante em goleada motivante sobre o Marcílio Dias por 5 a 2 que coloca o time de Mauro Ovelha pela primeira vez na liderança do Estadual, às vesperas do clássico contra o Figueirense, que tem chances mínim no turno, mas briga para subir na classificação geral.

Por um momento tive a impressão de que o Avaí achava que a vitória viria ao natural, ainda mais depois do gol de Rafael no comecinho de jogo. Mas quando Nilson Sergipano empatou, o Leão acusou o golpe. Se perdeu em campo e até cheguei a ver as coisas se complicando. Mas nada como um intervalo para arejar a cuca.

O Marcílio Dias, que surpreendeu ao arrancar um empate em Criciúma, resultado que garantiu a efetivação de Ronaldo Alfredo no comando técnico, voltou a ser aquele Marcílio lá de trás. Sem técnica, teve sua situação piorada pela falta de perna. Aí, rapidinho, o Leão fez a goleada, que deixa o Marinheiro zonzo na lanterna, tendo pela frente uma briga de foice domingo contra o Brusque.

O clássico não terá favorito, mas a responsabilidade é toda do Avaí, que joga em casa e briga pelo troféu do turno. O Figueira já abortou a primeira fase, pensa já no returno. O Leão não poderá escorregar, pois corre risco de ser ultrapassado de novo pela Chapecoense em caso de empate e até pelo Metropolitano, caso perca. Esses dois jogos serão imperdíveis.

E assim o primeiro turno caminha para o seu final. Com nove pontos por disputar, três times estão na briga direta pelo título. Os jogos do domingo darão um cenário mais claro até as rodadas carnavalescas.

Joceli chega ao Brusque. Mas ele não é Deus

A permanência de Marcelo Caranhato a frente do Brusque tornou-se insustentável. Nem a conversa da segunda-feira, com a prometida mudança de postura que acabou não aparecendo em Camboriú.

Chega Joceli dos Santos, que na última passagem conquistou a Copa Santa Catarina de 2010 e levou o clube à Copa do Brasil, 18 anos depois. É um nome experiente, que conhece boa parte do time atual e vai agregar bastante. Mas é bom dizer: ele não é Deus e muito menos a solução para os problemas do Brusque.

Mas vejo algumas vantagens. Por exemplo, Cléberson e Felipe Oliveira foram seus jogadores na ótima campanha do Imbituba em 2010, com uma situação financeira bem similar à atual do Brusque. Outra virtude dele é não esconder os problemas, coisa que estava acontecendo lá dentro. Se tem coisa errada, ele fala na lata. Sem contar que vai ajudar muito a inexperiente diretoria atual a tentar colocar o grupo nos eixos, quem sabe indicando novos nomes.

Esqueça classificação: a função de Joceli é ser melhor que o Camboriú e o Marcílio Dias ou ficar a frente de duas equipes, e isso é possível. Mas a situação do Brusque é terrível, e nada como um chacoalhão pra tentar fazer o time render alguma coisa. É essa a tacada que a diretoria aposta. E ela não pode dar errado.

A involução e a desmotivação do Brusque

Foto Márcio Costódio / Município Dia a Dia
"Involução" segundo o dicionário Caldas Aulete, é o antônimo de evolução. No Campeonato Catarinense, não há lugar para esse termo. Todos os times começam a meio pau, vão evoluindo, crescendo e a tendência é chegar na reta final no melhor das condições técnica e física.

O Brusque está conseguindo fazer o contrário.

Uma pequena retrospectiva: depois do banho de bola tomado do Atlético de Ibirama, esperava-se algum fato novo. Não exatamente uma troca de treinador, mas uma mudança substancial em um momento tão delicado. Entrevistei o presidente na noite de segunda na TVB e ele disse que não haveria mudança, que houve muita conversa, e se prometeu "uma mudança de postura".

Em Camboriú, não vi mudança de postura alguma. Só se foi pra pior.

O jogo em si não foi bom. Os dois times mostraram porque estão entre os piores do campeonato. Acontece que o Brusque conseguiu ser pior e fazendo algo que, pra mim, é inédito: dois pênaltis cometidos pelo mesmo jogador (William, expulso), sobre o mesmo adversário (Almir) em um espaço de menos de três minutos. Resultado, dois a zero para o Camboriú, resultado que seguiu até o final, com o time da casa podendo fazer mais. Fosse um time maior, não teria muita dificuldade. Está claro: se o Marcílio perder para o Avaí, o rebaixamento será decidido em um triangular entre times de cidades que fazem divisa entre si: Marcílio, Brusque e Camboriú, onde um escapa.

O Brusque continua sem meio, desorganizado, marcando mal, tudo o que você pode pensar de errado no futebol. É, a conversa não funcionou... a pressão está enorme, a torcida protestando muito. O elenco está desmotivado, o treinador deu mais uma entrevista conformada ao final do jogo. Há tempo hábil, que está terminando, para uma chacoalhada. Está na mão da diretoria que, se sabe, tem dificuldades, mas está pecando pela inexperiência em lidar com situação tão delicada. Há de se juntar forças para tentar salvar o time do buraco. Uma vitória contra o Marcílio em casa coloca o time de novo na briga pra sair dessa. Pior é saber como organizar e principalmente motivar o time em tão pouco tempo.

A segundona está logo ali. O relógio corre, aguardando alguma mudança de rumo no Bruscão.

Amanhã, post sobre o restante da rodada. O cansaço não permite ver Figueira x Criciúma, que dizem ter sido um golaço. Um rápido comentário: o Avaí tem a chance de ter a rodada dos sonhos se vencer o Marcílio em Itajaí, graças as derrotas de Chapecoense e Ibirama.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Palpitando - 6a. rodada

Rodada de meio de semana. Vamos ver se o índice de acertos continua razoável em mais cinco jogos:


- Joinville x Chapecoense - Acho que, dessa vez, o líder perde os 100%, mas vai trazer um pontinho pra casa. Empate em 1 a 1.


- Figueirense x Criciúma - Dentro de casa, e com chances remotas de levar o turno, o Figueira tem que dar uma satisfação ao torcedor contra um Tigre ainda bagunçado. Figueira, 2 a 1.


- Camboriú x Brusque - Esse vai ser jogo duro, de dois times que vêm de quatro derrotas seguidas. Pelas campanhas pobres dos dois times, não tenho como não cravar um empate em zero a zero.

- Atlético x Metropolitano - Jogo bom em Ibirama. E como o jogo é na baixada, vantagem para o time da casa, que tem um aproveitamento ótimo. Vou de Ibirama 2 a 1.

- Marcílio Dias x Avaí - Ovelha arrumando o time, enfrentando o lanterna do campeonato. Aqui há uma diferença técnica enorme, e mesmo que o Marcílio tente se arrumar, Ronaldo Alfredo não faz milagre em poucos dias. Avaí 2 a 0.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

Charge: a barca do Marcílio

Sensacional charge do Manfredini, publicada hoje no Diarinho, de Itajaí:


segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

Chapecoense com uma mão no turno? Não é assim simples

Existe um ingrediente em torneios de pontos corridos chamado formulismo. Analisando os cruzamentos, você vê quem tem mais ou menos chance de marcar mais pontos. E vendo as tabelas, não dá pra dar tanta certeza assim que a Chapecoense vai levar o troféu do primeiro turno. É favorito, é verdade, mas a tabela do time de Gilberto Pereira é ingratíssima. O Avaí terá pelo menos duas pedreiras na frente, enquanto o Ibirama terá três dos quatro piores times do campeonato pela frente, além de decisões em casa. Olha só:

Chapecoense (15 pontos): pega JEC, Ibirama e Criciúma fora, Metropolitano em casa. De longe, a pior tabela. Apenas mais um jogo dentro de Chapecó, e partidas fora contra dois times que querem recuperação e um Atlético com chances reais de levar o turno. Terá a obrigação de marcar mais seis pontos, ou seja, ganhar do Metrô e vencer um jogo fora, pelo menos.

Avaí (12 pontos): pega Marcílio e Joinville fora, Figueirense e Metropolitano em casa. O time tem condições de vencer em Itajaí, mas terá que pegar o JEC, que corre o risco de estar bem melhor do que o estágio atual. Tem ainda o clássico, que dispensa apresentações, e o Metrô em casa na última rodada, que hoje vem surpreendendo. Tudo indica que a sorte do time azul será decidida no clássico, até por que o Ibirama está por perto, com tabela melhor.

Atlético de Ibirama (10 pontos): pega Camboriú e Marcílio Dias fora, Metropolitano e Chapecoense em casa. Dos três, a melhor tabela. Em casa sempre será favorito, e terá a chance de descontar três pontos da Chapecoense se vencer o confronto direto, aí dependendo de mais um tropeço do time do Oeste. Se vencer o Metrô na quarta, o Atlético entra com tudo na briga pelo turno, pois terá, além disso, dois dos piores times do campeonato pela frente, fora de casa. E jogando direitinho como está, tem grandes chances.

E outro detalhe: todos os três pegam o Metropolitano dentro dos seus estádios, que está com 9 pontos e jogando bem. Dependeria de vários resultados, mas se vencer os três confrontos diretos fora de casa, seria algo surpreendente.

Argel chega ao JEC, sob clima tenso (com vídeo)

Hoje pela manhã, Argel Fucks foi anunciado como novo técnico do JEC. Ele, que subiu o Criciúma para a Série B há dois anos, mas que se envolveu em polêmicas como adversário do tricolor quando dirigia Caxias e Brasiliense, chegou à Arena agora a tarde sob um clima absolutamente tenso.

Ainda durante a manhã, torcedores combinavam pelas redes sociais um protesto contra a vinda do treinador, que coleciona mais desafetos que amigos, acho. Ele provoca situações únicas: quando do acesso do Tigre no jogo contra o Macaé, torcedores felizes com a conquista pediam, ao mesmo tempo, a saída do técnico. E agora, na entrevista coletiva que contou com a presença de imprensa e torcedores, o ambiente era o pior possível. Argel foi vaiado na sua entrada e tomava outras vaias a cada resposta.

Nem é necessário dizer que a diretoria do JEC ficou absurdamente constrangida.

Mas Argel é assim, polêmico, falastrão as vezes, gosta de frases de impacto e de confrontos com a imprensa. Suas declarações do passado, quando dirigiu adversários do time, foram o estopim para a reação da torcida. E vai exigir resultados imediatos, a partir já do primeiro jogo, contra a Chapecoense. Ele vai ter que remar muito para ter a confiança do torcedor.

Assista abaixo vídeo produzido pelo meu amigo Juliano Schmidt, do Portal Joinville, com um compacto da tensa entrevista coletiva de Argel Fucks. Preste atenção na reação da torcida presente:


domingo, 5 de fevereiro de 2012

Brusque cada vez mais no fundo do poço

Ao invés de melhorar, o Brusque só piora.

O Atlético de Ibirama jogou o que sabe. Time certinho, teve uma proposta de atuar com fortes contra-ataques, e conseguiu. Envolveu o Brusque, que não mostrou evolução nenhuma, ao contrário.

Uma coisa é exaltar a atuação do time de Giovani Nunes, que é certinho, bem armado e olha, tem chance grande de levar o turno, basta olhar a sua tabela. Mas o Brusque não mostrou resistência, não mostrou organização e deixa pela frente um cenário desolador. E sabendo que existe pela frente o Camboriú, adversário direto, já na quarta-feira, o pavor aumenta.

Culpa do treinador? Não sei até que ponto, mas que o time já deveria mostrar algum tipo de organização com o time titular em campo, coisa que não mostrou em nenhum momento. A vitória contra o Metropolitano mascarou um time que não mostra espírito de equipe, motivação e qualidade para querer sorte melhor no Estadual.

E pra completar, o volante William sai de campo dizendo que a torcida não tem o direito de criticar. Peraí! Que mostre futebol antes de querer exigir alguma coisa. Somando com a declaração de Roger Bastos depois da derrota para o Avaí, está claro que há um problema interno. E que ainda não conseguiu ser contornado.

O Brusque está seguindo a passos largos para o rebaixamento. E pior, não acontece nada que possa dar uma chacoalhada que motive uma reação.