sábado, 3 de março de 2012

Figueira vence para manter o ritmo

Depois de vencer o Marcílio Dias sem cinco titulares, é hora do time principal de Branco voltar a carga para manter o embalo no returno do Estadual. O time não pode ser campeão de forma direta se levar o returno (um erro do regulamento, coisa que só tem aqui), e logo, não pode deixar a peteca cair até as semi-finais, lá na segunda quinzena de abril. Vários times que já conquistaram o primeiro turno no Catarinense registram queda de produção na sequência. Logo, o Figueirense não pode bobear.

Branco está mostrando que tem o elenco na mão. Fez uma alteração interessante no time-base, colocando Botti como titular ao lado de Roni no meio-campo e sem perder rendimento. Nem com a expulsão de Túlio, aos 33, diminuiu o domínio alvinegro, que marcou no segundo tempo logo após a expulsão de Jajá.

Figueira segue 100% no Scarpelli, jogando bem, e assistindo os outros times que estão atrás na classificação geral se atrapalharem.

Na próxima rodada tem jogo bom, quando o emergente JEC visitará o Figueirense.

sexta-feira, 2 de março de 2012

Redes sociais "demitem" jogadores do Marcílio

Como diria um amigo meu de Criciúma, quando o sereno é forte, sai de baixo.

O Marcílio Dias recebeu nos últimos dias inúmeras denúncias de que os jogadores do time, que está na zona de rebaixamento do Estadual, estavam na festa. Aí surgiram fotos de atletas que deveriam estar em recuperação aproveitando festas a beira-mar, outros fazendo a festa em Balneário Camboriú e flagrados por torcedores, e até festas armadas pelas redes sociais, como recebi e encaminho abaixo:



Vendo isso, a "patrulha" da torcida marcilista denunciou, a diretoria se reuniu e deu no que deu. Mas ainda há outro fato interessante: boa parte dos jogadores que vieram trazidos por Jamelli recebeu todo o salário do contrato para o Estadual de forma adiantada. Ou seja: teve gente que foi embora já com o dinheirinho no bolso, e sem dar muita bola pra situação.

quinta-feira, 1 de março de 2012

Olho no JEC!

Foto Gustavo Zonta / Linha Popular
O Joinville mostra um volume de jogo maior a cada partida e venceu o Camboriú sem sobressaltos. Uma vitória por 3 a 1 com um Lima motivado e atuante e um meio-campo ágil. A parte defensiva ainda tem que ser melhorada, tanto que o clube já foi atrás de reforços (o zagueiro Cesinha estava acertado, mas acabou indo para o Náutico "por um caminhão de dinheiro", como disse Nereu Martinelli), mas o time é, sim, um candidato ao título do returno. Se vai chegar às finais pelo índice, é outro papo, pois depende de escorregões da turma da frente.

Mas é fato, Argel Fucks "reajeitou" o JEC campeão da Série C.

Foto Leo Munhoz / Ag. RBS
Já tinha escrito aqui que, no começo do turno, o Joinville tinha um buraco no seu sistema de armação. Gonzaga Milioli não tinha encontrado a solução para a falta que Ricardinho, machucado desde a pré-temporada. Ramon não deu jeito, Tiago Real não se encaixou. Com a saída de Milioli, Argel chegou e encontrou a solução dentro do elenco, com um conhecido seu dos tempos de Criciúma. É claro, e impressiona o crescimento e a importância de Glaydson no time. Em Camboriú, fez um golaço. Vem mandando muito bem na marcação e articulação e, por consequência, tem feito a dupla Lima-Rangel marcar gols.

E aí, o coração do time campeão da Série C volta a bater, entrando em excelente condição para brigar pelo título estadual.

E quando chegar a Série B, com dinheiro jorrando nos cofres tricolores, a tendência é melhorar. Desde que a diretoria não erre na hora de contratar. É só ver o exemplo do Criciúma, que gastou, gastou e não chegou a lugar nenhum.

Metropolitano vai fazendo estrago, e o Brusque perde outra

Primeiro é bom dizer que, em futebol, eu não acredito em milagre e sim, em competência. Se o Brusque quiser escapar do buraco que se em encontra, terá que mostrar competência. Dentro e fora de campo.

Competência que o Metropolitano teve. Não fez uma grande partida, mas mostrou no geral um maior volume de jogo, que foi premiado com a vitória de virada sobre o Brusque. O time de Blumenau mostrou que não é por acaso que é a segunda melhor campanha do Estadual e o melhor visitante do torneio. Resta ao Brusque ver como que o time deveria ser.

O Brusque começou o jogo querendo jogar de igual pra igual e até conseguiu, aliás, como tem conseguido nos últimos jogos. O problema é manter o ritmo durante toda a partida. Saiu na frente com Felipe Oliveira em um frangaço de Flávio, e viu o Metropolitano não perder a calma e colocar seu jogo em prática. E foi num fato importantíssimo que o time de Blumenau ganhou o jogo: ataque. Eles tem atacantes. O Brusque não. Joceli teve que colocar o garoto Fagner, que nunca fez nada de significativo, como titular. Chris até entrou no final, mas com um time que trava quando passa da linha central, não tem santo que resolve.

O Metrô não é um time perfeito, mas diante do que vem acontecendo no Estadual, mostra uma qualidade importantíssima nessa gangorra toda: regularidade. Ao contrário de JEC, Avaí ou Criciúma, o time não entra em uma má sequência. Pode perder jogos, mas não entra em desespero. O time não mostrou qualquer sinal de nervosismo mesmo após tomar o gol numa falha do seu paredão. Méritos para César Paulista.

E o Figueirense, com 5 reservas, goleou o Marcílio Dias em Itajaí. Se o Camboriú vencer o JEC nesta quinta, abre seis pontos de diferença para o Marinheiro e 8 para o Brusque, e cada vez mais vai colocando as cidades interligadas pela Rodovia Antonio Heil de volta na segundona.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Brusque: 9 jogos para tentar o milagre

Do jeito que o Brusque vinha mostrando um pobre futebol, a partida contra o JEC foi, sem dúvida, uma evolução. Muito, mas muito pouco perto do ideal para que o time possa ser considerado em recuperação, mas vamos em frente, ainda restam 27 pontos neste campeonato a parte contra Camboriú e Marcílio onde só um escapa.

Vamos aos fatos: o time até fez por merecer um empate contra o JEC. Mas não conseguiu pela deficiência do seu ataque. O garoto Jonatan ainda não disse pra que veio. Perdeu um gol incrível no primeiro tempo e, sem cabeça, perdeu um pênalti, aí ao meu ver um erro do treinador, que poderia ter colocado alguém experiente para um lance tão decisivo. O time brigou, mas sem ataque não tem como fazer milagre. Leandrão está fora do campeonato e Chris contundido. Dois atacantes precisam chegar ao clube com urgência.

Aí entra o lado diretoria. Na sexta-feira, o presidente Mauricy de Souza publicou no jornal Município Dia-a-Dia uma enorme carta, em que elenca várias situações. Todo o planejamento que ele pregou, somado a tudo que ele quer fazer nos próximos anos é muito bonito, não fosse um problema: o time está caminhando para a segundona, onde não há dinheiro da TV, o interesse da mídia é meramente local e a revolta da torcida é inevitável. Vieram dois jogadores, Joceli pediu mais 4 ou 5 para arrumar o time. O técnico, aliás, fez um desabafo após o jogo contra o Figueira que só faltou implorar por jogador. E nada acontece. Ontem a noite, uma nova nota do presidente foi mandada a imprensa, com o título "Brusque x JEC: ganhamos!" (clique aqui para ler) . Ganhamos?

O relacionamento imprensa-diretoria, obviamente, não é nenhuma maravilha. Mas estamos acostumados com essa relação de amor e ódio que dura gerações. Coisa normal. Joceli não descartou a opção de sair do clube se reforços não vierem. Vem aí um jogo difícil contra o bom Metropolitano, onde aquelas chances que apareceram contra o JEC não podem ser desperdiçadas. Que o início do returno seja o início de uma recuperação. Se não, União da Vitória e Concórdia nos esperam.

Figueira se classifica. Agora os outros que corram atrás

Sabia-se que o jogo em Camboriú seria complicado. Mas o Figueirense foi ao Robertão e venceu com autoridade, para confirmar o favoritismo e garantir o título do primeiro turno do Estadual. O time até teria como garantir o título antecipado, se não houvesse essa coisa medonha do regulamento que é não dar o título a quem ganha as duas fases. Mas tudo bem. Toca.

Engraçado que, depois da derrota em Chapecó, o Figueira era dado como time eliminado. Mas os resultados dos adversários, somados à vitória no clássico e as duas molezas das últimas rodadas levaram o time à vaga antecipada. É necessário dizer: hoje, o time de Branco é o melhor do Estadual. Se vai ser o campeão lá na frente, quando os confrontos acontecem em jogos eliminatórios, é outra história. Começa agora outra briga, em que se leva em consideração o índice técnico.

A Chapecoense empatou em Criciúma e, dá pra dizer, foi meio que traído pela tabela. Mas considerando esse fato, o time do Oeste terá os dois últimos jogos em casa no returno, mas em compensação enfrentará a dupla da Capital fora. Não haverá espaço para escorregões. Outro time que pode se sentir vitorioso no turno é o Metropolitano. Não levou o caneco mas tem uma excelente situação no índice técnico. De quebra, está garantindo a vaga na Série D no confronto direto com o Atlético.

O Avaí perdeu para o Metrô e já ouvi manifestações para derrubar Mauro Ovelha, que até agora comandou o time em nove jogos. O futebol impressiona: até antes do clássico, não era questionado, e agora já tem gente falando em Márcio Goiano para o lugar dele. De toda forma, o time terá que fazer um returno bem melhor para se garantir pelo índice ou levar o returno, numa disputa em que Criciúma e Joinville, estes com campanhas mais fracas, veem apenas na conquista da próxima fase uma chance mais clara de entrar entre os quatro. E é aí que entra o fator Figueirense, que se manter o ritmo (e isso é necessário, diz a história que os campeões do returno vem melhor nas decisões), pode levar o returno e classificar um terceiro time pelo índice. Sem Copa do Brasil para disputar, essa hipótese é bem possível.

Parabéns ao Figueira. Ganhou o clássico fora de casa, cresceu no momento certo e está na semi-final. Agora os outros que corram atrás.


Amanhã, escrevo sobre o jogo que trabalhei, Brusque x Joinville. O Brusque melhorou um pouco, mas ainda falta muito. O JEC está se acertando para o returno.