sábado, 11 de agosto de 2012

O sábado: 2 catarinas no G4 e o "sai nhaca" do Figueira

Três jogos com três bons resultados para os catarinas. Acho que, pela primeira vez, temos dois times no G4 da Série B, e o Figueirense venceu sem jogar bem, mas conseguiu espantar aquela nhaca do time que não vencia nem marcava gols. Vamos por partes.

O Joinville fez o que tinha que ser feito. Não dar sopa pro azar contra um time da zona de rebaixamento, e foi assim que o fez. Um indiscutível 3 a 0 que colocou o time no G4, com a ajuda do Criciúma. Leandro Campos aboliu da tática de jogar diferente fora de casa, e assim foi feito. Lima voltou a fazer gols (é vice-artilheiro com 10, a 6 de Zé Carlos) e isso faz toda a diferença. Com o camisa 9 funcionando o time inteiro funciona, e aí vem um efeito cascata. O JEC pega o Bragantino, outro time da zona, na terça em casa e depois viaja pra Salvador pra pegar o forte Vitória. Um jogo de cada vez. Como diria o velho poeta, não interessa estar no G4 agora. Interessa estar lá na 38a. rodada.

Já o Criciúma, que perdeu do JEC na rodada anterior, pegou outro time da turma de cima e arrancou um empate no final. Há de se destacar que o São Caetano fez uma pressão desgraçada e perdeu um gol incrível no final do jogo. Aí a tal da bola resolveu punir o Azulão e Matheus conseguiu o empate. Tudo certo para o time de Paulo Comelli, que segura a liderança em mais uma rodada. Tenho claro que, se manter os 100% em casa, o Tigre sobe. O América de Natal será páreo duro na terça, mas dentro de casa sou mais o tricolor. E acredito que o time vai fechar o primeiro turno com mais de 40 pontos.

Vamos ao jogo do Figueira. Jogou mal, o jogo em si foi terrível mas a vitória veio com um gol de Aloisio, num baita lançamento de Guilherme Santos. É aquela história: não há inicio de recuperação se não houver uma primeira vitória. Ela veio, com um efeito mais psicológico do que prático. Hélio dos Anjos escalou o time com novidades como Guti (que foi bem) e Guilherme Lazaroni (que não apareceu no jogo, sendo substituído). Tudo ia caminhando para o empate, até que um dos mais criticados do elenco fizesse aquele gol. Que sirva para dar mais confiança. Mais a mais, o resultado não tira o alvinegro da zona de perigo mas dá alguns dias de paz para Hélio trabalhar até o jogo contra o Santos. É bom deixar isso na mente: o Figueira não jogou bem contra um time que também está mal. Mas venceu, e os tão aguardados três pontos estão na tabela. Ao trabalho.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Derrota e mais combustível na crise

Luiz Henrique / Figueirense FC
É mais uma derrota do Figueira para adicionar à preocupante sequência de insucessos que causa terror ao torcedor alvinegro. É o tipo de recorde que ninguém quer. Um jogo em que o Flamengo foi melhor, e que terminou com uma cena que vai rodar o país, com Loco Abreu beijando o escudo do Botafogo que estava sob sua camisa, para tomar um cartão amarelo.

Mas aqui eu vou analisar o jogo, que é o problema mais grave de todos. Essa história do Abreu ele terá que explicar para a torcida, pois pode ser o motivo para acabar a lua de mel e jogá-lo na vala comum das críticas que caem sobre todo o elenco. Agora, que ele assuma as consequências.

Hélio dos Anjos tentou mexer alguma coisa no time, mas o Figueira jogou pra não perder. Teve uma chance incrível de Ronny no primeiro tempo e uma bola na trave no segundo. Foi só. O Flamengo controlou a posse de bola no jogo, partiu para as jogadas de velocidade nas laterais e tinha Negueba e Vagner Love se movimentando bastante e causando um nó na marcação alvinegra. Coisa que não mudou muita coisa dos últimos jogos pra cá. Com a expulsão de Anderson Conceição e Leo Moura, o jogo perdeu ritmo, mas nem isso fez o Figueira crescer no jogo.

O gol rubro-negro estava maduro, e saiu com Love em jogada de escanteio. O Figueirense, que perdeu o que tinha de meio-campo com a saída de Ronny, foi pra cima de forma desorganizada e conseguiu um pouco de perigo. Mas nesse abafa, tomou outro gol que fechou o caixão.

Agora, a análise mais importante: para quem o Figueirense perdeu? O Flamengo estava há 5 jogos sem vencer, numa crise desgraçada dentro e fora de campo, com a torcida pegando no pé com o péssimo futebol mostrado. Esse time veio para o Scarpelli buscar a recuperação contra o lanterna, e conseguiu. É um agravante que dá mais uma ideia do pobre futebol mostrado jogo após jogo pelo Figueira. Hélio dos Anjos chegou ao fim do seu, por assim dizer, estágio de provação. Se fosse para ele apresentar alguma inovação que pudesse dar uma virada na situação, já devia ter acontecido. E como não aconteceu, a coisa agrava cada vez mais e caminhando a passos largos para a Série B. A máquina não funciona como um todo, e o risco de descenso quando se tenta consertar tudo com o campeonato andando é muito alto.

Com o clima já suficientemente tenso depois de toda a semana e com mais uma derrota, Loco Abreu faz aquilo. E vem aí mais um adversário direto, o Sport, fora de casa.

Se alguém não viu o que o Loco fez, o vídeo tá abaixo:



quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Vitória e mais um tijolinho

Fred Tadeu / Avaí FC
Alheio à bagunça amadorística fora de campo, o time do Avaí, que está se arrumando aos poucos, venceu o ABC sem brilhar, mas com a competência de quem sabia que, para subir, não é necessário jogar bonito, e sim ganhar todos os pontos em casa e beliscar pontos fora. A receita é simples.

Chama a atenção que o time avaiano, mesmo com as limitações que já falamos aqui, com a falta do "cara" no meio pra ajudar Cléber Santana, além de um goleador, vai se acertando e encontrando um jeito de jogar sem ter a esperança de receber reforços significativos. Contra o ABC, time que está na mesma área da tabela de classificação, o Leão jogou melhor no primeiro tempo, fazendo Andrey praticar algumas defesas. Não foi nada avassalador, mas foi sim um controle do jogo. O time já fazia por merecer a vitória.

No segundo tempo, um gol meio sem querer do Avaí conseguiu passar pelo ex-goleiro do Criciúma. Rodrigo Thiesen foi dividir a bola com uma bicanca que acabou entrando. O ABC teve que abrir a marcação, bobeou lá atrás e a vitória foi construída até o final. Vitória que dá moral e um pouco mais de tranquilidade até o jogo em Campinas, na semana que vem. Destaques de hoje para Thiesen, o melhor em campo, e Nenê Bonilha, que jogou bem ali na articulação, até cansar.

A minha visão atual do estágio do Avaí é a seguinte: um time que vai levantando a casa de tijolinho por tijolinho, partida a partida. Ainda não é uma casa forte para bater de frente com a turma lá de cima, mas ainda há tempo pra ajeitar. E longe dessa casa está a diretoria, que vai se atrapalhando pra trazer novos operários para ajudar. Então, como não vem gente nova, os peões que estão lá, unidos, vão tocando a obra. É assim que se joga a Série B.

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Zé Carlos ganha aumento, e fica no Tigre

Ele ganha 50 mil reais mensais e pediu 90. Informações dão conta de um interesse do Flamengo, com um salário acima dos 100 mil. Zé Carlos tremeu, e aquela declaração depois da vitória contra o Guarani era de um cara pressionado, vendo os cifrões oferecidos aumentarem junto com a proposta de um contrato longo, coisa não muito fácil pra quem está perto dos trinta anos.

Situação resolvida. O presidente e gestor Antenor Angeloni ouviu o pedido, concedeu o aumento (ainda não se sabe de quanto) que, consequentemente, estica a duração do contrato e aumenta a multa rescisória.

E Zé do Gol fica em Criciúma, onde é rei, e ganhando bem. Talvez se fosse para o Inter, Flamengo ou Santos, ele seria só mais um. Com a multa rescisória majorada, Angeloni aposta na sequência de gols de Zé na Série B para ver o que faz no final do ano. Se o time subir, a situação vai ser outra, com recursos maiores para montar um bom time. (Atualização: segundo a Rádio Difusora hoje pela manhã, o contrato será prorrogado até 2014 em caso de acesso à Série A).

Aí você vê bem como é a politica de um clube. O Criciúma não precisa vender jogadores "desesperadamente" para reforçar o caixa. Quando surgiu o papo sobre Zé, o Tigre, além de publicar uma nota criticando o assédio de clubes da Série A, se mostrou tranquilo, pois só liberaria o jogador mediante o pagamento integral da multa. Simples assim. O Joinville também tem postura semelhante, só ver o que aconteceu com o assédio sobre Eduardo. Nos clubes da capital essa "linha dura" não acontece. É curioso verificar isso.

Então, para o bem da torcida tricolor, Zé Carlos fica. Ou como diria a dupla Neguinho e Emanuel, o Dodge Ram do Sul ficou para arrebentar:



segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Vídeo: "Futebol de Sutiã" comenta o final de semana do futebol

Segunda-feira, e mais uma edição do "Futebol de Sutiã" aqui no Blog. O programa desta semana apresenta os comentários da rodada do Brasileirão das séries A e B. Tem a análise da vitória do Avaí, do clássico entre Joinville e Criciúma, da derrota do Figueirense e também das seleções olímpicas de futebol. No feminino a decepção e no masculino a classificação para as semi-finais.

domingo, 5 de agosto de 2012

Sábado de clássico, Avaí e Lusa

Todo um sábado num post só.

Começamos com o clássico em Joinville. Dentro de casa o JEC é forte e isso não se discute. Faltava ao time de Leandro Campos duas coisas: motivação para jogar fora de casa e a afinação do sistema ofensivo. Isso já vemos naquela vitória em Belo Horizonte, e a continuidade veio na Arena, com uma vitória incontestável sobre o Criciúma, que estava desfalcado, é verdade, mas que não pode ser usado pra abafar o tamanho do trunfo com casa cheia. Mas o mais importante é que, com essa vitória, o time comprova que, hoje, está no nível técnico da turma do G4. Se vai conseguir o acesso é outra história, mas hoje o Joinville está na briga em boas condições. Numa comparação bem grossa, mas bem grossa mesmo, é como imaginar ter entrado no nível do Criciúma de forma mais tardia.
O Tigre não tem como fazer terra arrasada. Estava desfalcado da sua dupla de ataque e tem uma boa gordura pra administrar. Perdeu e continua líder, e a vida segue. Tem jogo difícil contra o São Caetano na semana que vem, fora de casa, onde terá Zé do Gol e Lucca de volta para reorganizar a situação. Apesar de que, uma derrota lá no ABCD também não é nada anormal. O Criciúma tem que ter em mente que, se a meta é o acesso, é só fazer o dever de casa, e outros pontos como visitante aparecerão.

Não vi o jogo do Avaí, que saiu atrás e conseguiu a virada contra o Ceará. O time fica a oito pontos do G4 e tem o ABC na terça-feira, em casa. Voltando ao assunto nível técnico: falta muito para o time estar no estágio da turma de cima, mas enquanto se acerta, tem que ir fazendo a tarefa de casa.

O jogo mais complicado de comentar alguma coisa é Portuguesa x Figueirense. Falar um que de um jogo que em meia dúzia de toques num contra-ataque o tal do Ananias fica na cara do gol? A lanterna na Série A é cada vez mais sólida, o torcedor sente que o clube está largado sem novidades. É complicado comentar algo que não muda, não altera, não motiva, não dá esperança. Viu-se as mesmas coisas no Canindé, que culminaram em mais uma derrota. A sexta seguinda. Foi-se um confronto direto e no meio de semana tem mais um, contra o Flamengo. E já vou dizer: se Hélio dos Anjos ver que não dá jeito, ele pula fora. E pode contar que isso vai acontecer logo, do jeito que a coisa tá andando.