sábado, 18 de agosto de 2012

JEC perde com garra. Avaí vence com gol suado

Joinville e Avaí entraram em campo nessa sexta, em jogos de qualidade bem diferente, mas que traz mensagens iguais para os dois times. O tricolor, que vem jogando bem, vai continuar brigando pela parte de cima. E o Avaí, que não fez um bom jogo mas venceu, vai ter novos reforços que vão ajudar e muito.

Em Salvador, o JEC tinha pela frente o Vitória, aquele que é, ao lado do Criciúma, o favorito atual para levar o título. Tem quem imaginaria que o time poderia se fechar, ou tentar um empatezinho por lá. Nada disso. Mais uma vez o time teve personalidade mesmo jogando com um a menos e fez um senhor abafa no segundo tempo. Não conseguiu o gol, é verdade (mas teve chances claras pra isso), mas saiu de campo com o sentimento de dever cumprido diante das dificuldades. O Joinville foi determinado, mostrou uma garra absurda e continuou dando o recado que brigará pelo G4. Não se parabeniza por uma derrota, mas tem que elogiar a conduta do time em campo. É com esse tipo de foco e determinação que se consegue o acesso.

Manoel Bento / Avaí FC
E na Ressacada, quase que deu problema. Barueri saiu na frente em bobeira de Leandro Silva, Avaí não conseguiu encaixar o jogo, conseguiu o empate com gol de Carreirinha e Pirão, lá pelos 42 do segundo tempo, quando o time tinha um a mais em campo, achou o suado gol da vitória contra um time que luta para não cair. Não jogou bem mas venceu num jogo em que três pontos eram obrigação. O Leão chega aos 30 pontos estipulados como meta e entra bem mais acertado no returno. Depois do jogo, a confirmação da vinda de Marquinhos Paraná e a informação que Ricardo Jesus pode ser anunciado são, sem dúvida, coisas de dar uma maior esperança. Ainda há um caminho a ser trilhado, mas devagar e sempre o time de Hémerson Maria vai conquistando pontos. Não pode atravessar o ritmo.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Faltou perna, qualidade.... e mais uma derrota

Luiz Henrique / Figueirense FC
Primeiro, vou deletar do meu disco rígido aquela vitória sobre o Sport. Os três pontos vieram, mas não houve continuidade nenhuma contra o Santos. A mesma falta de qualidade de outros jogos prevaleceu, e a lanterna voltou às mãos alvinegras.

Mas hoje, em especial, apareceu um outro problema no Figueirense que treinador nenhum resolve num estalar de dedos: preparo físico. O time arriou de forma inconcebível a um time profissional no segundo tempo. Prova disso é que Julio Cesar, Aloisio, Leo e Anderson Conceição saíram de campo com lesões ou caimbras. Isso é sinal de problemas sérios no condicionamento. E, infelizmente, isso não é coisa que se resolve em uma semana. O histórico do futebol diz que times mal preparados não conseguem ser corrigidos com um campeonato em andamento. Isso vem lá de trás. Não tem preparador ou técnico que resolva. E isso é uma péssima notícia para o Figueira. Ou mais uma em meio a tantas más notícias.

Vamos falar do jogo. De certa forma é fácil de analisar. Figueira começou melhor na partida. com mais motivação e vontade que o Santos, que faz uma campanha bem ruim para seus padrões no brasileiro. Juan foi expulso e deu vantagem ao Figueira, mas a expulsão de Túlio, que errou feio no bote ao acertar Neymar sem bola (dessa vez não teve fantasia nenhuma não), acabou sendo expulso de forma boba, assim como foi na semifinal lá em Joinville. Rafael trabalhou bastante, mas a bola não entrou no primeiro tempo. No segundo, o Santos começou a ganhar espaço, mas Fernandes, sozinho, recebeu cruzamento de Aloisio para abrir o placar. Com a motivação e luta do time (isso não dá pra dizer que faltou), dava pra ao menos acreditar em um bom resultado.

Mas o Santos tinha o Neymar, que de cansado não tinha nada, que aproveitou pra empatar o jogo e mudar o panorama do jogo, até porque foi uma paulada nas ambições alvinegras que, sem força, passou a deixar o adversário jogar. E aí o time foi presa fácil, cedendo a virada e os 3 a 1 no final do jogo, em gol de Ganso numa linha burra mal feita pela defesa alvinegra. Sem perna, o Figueira foi envolvido e a derrota veio.

Fico pensando aqui: com mais essa ferida exposta, a do preparo físico, Hélio dos Anjos tem mais um entre os muitos problemas do time. Além de não conseguir acertar taticamente, ainda depara com a dificuldade de fazer o time aguentar em pé os 90 minutos. A cartilha para o rebaixamento vai sendo seguida, e as rodadas vão passando. Próximo desafio é o Grêmio, queimado pela derrota em casa para a Lusa, lá no Olímpico. Não tem como pensar, hoje, em coisa melhor. Aquela vitória em Recife não serviu em nada. E acho que o pessoal responsável pela preparação física precisa ser ouvido. É muito jogador com caimbra pra um time profissional só.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Caso Treze-PB: STF manda arquivar, e ponto final

Agora ninguém tira mais o Treze da Paraíba da Série C no tapetão. O Supremo Tribunal Federal arquivou a ação que a CBF entrou pedindo a derrubada do pedido do clube paraibano para colocar o Rio Branco-AC, com o qual firmou um acordo extra-judicial que contrariou o que o STJD decidiu na época.

Abre-se um precedente enorme com a vitória do Treze, clubes serão encorajados a ingressar na justiça comum em questões graves. E o que a CBF pode fazer? Nada, como não fez até hoje e não poderá fazer, sob pena de desobedecer ordem judicial. Aliás, a própria Confederação fez lambança ao fazer tal acordo com o clube do Acre.

Abaixo, a nota enviada hoje pelo STF:

O ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou seguimento (arquivou) à ação em que a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) pedia a cassação de decisões judiciais que alteraram regulamentos desportivos sobre a organização do Campeonato Brasileiro da Série C em 2012.

Na prática, as decisões judiciais interferem no cumprimento de acordo extrajudicial que garantiu a participação do Rio Branco Football Club, de Rio Branco (AC), na edição deste ano do campeonato brasileiro da série C. Em 2011, o clube havia sido punido com pena de exclusão do campeonato de 2012.

O pedido da CBF foi feito em uma Reclamação (Rcl 14247), instrumento processual que visa garantir o cumprimento de decisões do Supremo. A entidade argumentou que as decisões judiciais estariam violando decisão da Corte que declarou a constitucionalidade do Estatuto do Torcedor (ADIs 2937 e 3045) ao interferirem na organização do campeonato e no acordo extrajudicial firmado entre a CBF e o Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para garantir o direito do Rio Branco Football Club participar da competição.

No entanto, o ministro Luiz Fux disse que o caso não é de descumprimento da decisão do Supremo. “O que se tem, por certo, é controvérsia relacionada a incidentes de execução decorrentes do cumprimento do acordo extrajudicial firmado entre CBF e STJD.” Segundo o ministro, a jurisprudência do Supremo é pacífica no sentido de que não se pode utilizar reclamações “como instrumentos processuais típicos do processo de execução ou instrumento de resolução judicial de incidentes no processo de execução”.

O ministro Luiz Fux também informa em sua decisão que o Superior Tribunal de Justiça (STJ), ao analisar conflito de competência, suspendeu o andamento de todas as ações judiciais em trâmite nos juízos de primeira instância sobre o caso, e designou o Juízo de Direito da 1ª Vara Cível da Comarca de Campina Grande, na Paraíba, como competente para resolver, em caráter provisório, as medidas urgentes, até decisão final sobre qual o juízo competente sobre a matéria.

“Não subsistindo os efeitos das decisões judiciais – que estão suspensas (por força) da decisão proferida no conflito de competência –, verifico a ausência do binômio necessidade/utilidade da prestação jurisdicional pleiteada pela (CBF)”, concluiu o ministro ao negar seguimento ao processo.

Rodada 100%: três boas vitórias e um milagre

Os três catarinenses venceram na rodada da Série B. Dois conseguiram se manter no G4 enquanto um Leão começa a ganhar embalo na tabela para se meter nessa briga no segundo turno.

E o que que foi esse jogo do Criciúma. Vamos começar por ele.

Fernando Ribeiro / Criciúma EC
Dá pra dizer que o raio caiu duas vezes no mesmo lugar. No dia 23 de junho, o Tigre já tinha conseguido uma virada histórica contra o Ipatinga, com os gols da virada nos minutos finais. Hoje, tivemos uma versão 2.0 disso: o placar marcava 3 a 1 para o América-RN até os 39 no segundo tempo. Estava dando tudo errado: adversário com um jogador a menos que dava perigo na frente, zaga errando, três gols sofridos. E numa dessas coisas sem explicação, o Criciúma foi para o abafa, o América não soube segurar os nervos e os gols vieram. E olha que teve pênalti claro em cima de Zé Carlos que não foi marcado. Aí teve confusão e ele acabou expulso, e vai desfalcar o time no jogo de sábado contra o Atlético-PR. Foi lindo, maravilhoso, de empolgar o torcedor e fazer buzinaço a noite toda, mas não vai ser sempre que a sorte vai sorrir desse jeito. O time foi irresponsável até certo ponto, achou que a vitória viria ao natural e venceu numa combinação de desespero com falta de preparo do outro lado. Não tem como perder o embalo agora, com dois jogos complicados pela frente neste final de turno (Atlético e Avaí). Fazer o dever de casa continua sendo obrigação, mas por favor, sem depender desse sofrimento de novo. O raio caiu duas vezes no Majestoso, o que já é difícil. Cair três então...

Vamos ao Joinville, que chega à quinta, isso mesmo, quinta vitória seguida. Desde aquele jogo ganhou que foi entregue para o CRB em Maceió, que o time de Leandro Campos não sabe o que é perder ou empatar. É o melhor time da Série B nas últimas cinco rodadas, e prova disso é a presença no G4. Mesmo se perder para o Vitória em Salvador na sexta, o que não é nada anormal, o time não sai da zona de acesso. Mas hoje o time abusou da sorte. Leandro Carvalho fez um gol em impedimento e o Bragantino teve um gol absurdamente anulado, onde a bola entrou sem dúvida alguma e o árbitro não anotou. Contra um time na posição que se encontra o Braga, não era pra correr riscos. O time correu, Leandro Campos sabe que o time não se apresentou bem, e precisa ajustar a casa pros dois próximos difíceis jogos, contra Vitória e Goiás.

E o Avaí continua sua escalada, vencendo o Guarani por 2 a 0. É assim: o adversário é ruim, atravessa má fase e o estádio estava vazio. Era obrigação vencer. Mas para se fazer valer o favoritismo, tem que ir lá e confirmar. Hémerson armou o time direitinho, marcando bem, anulando os meias adversários, saindo com velocidade e construindo as jogadas. Claro sinal que a casa está se arrumando. Felipe Alves apareceu com oportunismo, a zaga se comportou bem, e Wagner Diniz fez uma boa estreia. O time sobe para a oitava colocação, terá o Barueri em casa na sexta e a chance de terminar o primeiro turno próximo do G4. Aí, serão 19 rodadas de guerra, onde Hémerson Maria terá que mostrar se arrumou o time para brigar pelo acesso. Ainda não é o time ideal, mas o cenário já é bem melhor de umas 7 ou 8 rodadas atrás, sem dúvida. E um recado pro Laércio, não perde mais um gol daquele jeito, tá?

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Divulgar ou não divulgar?

Post no Blog do Cacau Menezes me forçou uma profunda reflexão. Se você é da imprensa e sabe que tem uma crise, que há um problema grave dentro do Figueirense, por que não divulgar?
Cacau chamou a atenção sobre o fato da enorme turbulência no comando do clube que não foi repercutida por ninguém até a sua volta das férias e, até de forma provocativa, afirmou que pessoas de dentro do grupo onde trabalha sabiam do problema.
Em uma situação tão importante como uma possível saída de presidente ou uma discussão que possa levar a isso, há a necessidade de "segurar" a informação? Dá um bom debate.

Acompanhe o que Cacau postou e o que ele disse nos comentários: