sábado, 22 de setembro de 2012

A culpa não foi só do Wilson. A situação alvinegra piora ainda mais

Luiz Henrique / Figueirense FC
Assistindo o jogo aqui no Scarpelli, pude ouvir torcedores vaiando o goleiro Wilson a cada vez que ele tocava na bola, após a falha que ocasionou o terceiro gol palmeirense. Não é um jogador qualquer, é um cara que tem história no clube, e que nesse mesmo campeonato salvou o time. Hoje, ele falhou em pelo menos dois gols.

É uma vaia de desespero. Um jogo que o Palmeiras fez rapidamente 2 a 0, uma reação se esboçava, mas a falha de um dos ídolos do clube colocou tudo por água abaixo. Mas a culpa não é só dele.

O Palmeiras de Gilson Kleina veio com a motivação de quem estreia um novo técnico. Com a bola aérea como maior arma, o Figueira tomou dois duros golpes no começo do jogo, capazes de derrubar todo tipo de discurso motivacional que Márcio Goiano tenha feito antes da partida. Um jogo inteiro para tentar virar o placar.

Gilson abriu mão de pressionar o ataque, e tratou de controlar o resultado. O Figueirense parece ter caído na armadilha do adversário, que congestionou o meio-campo e forçou o uso em excesso de bolas cruzadas. Como a alta linha de zaga verde é boa por cima, deu pra controlar sem muito susto. Não havia um diferencial, algo que pudesse provocar uma revolução que trouxesse sorte maior. Resumindo: não tinha ataque capaz o suficiente de furar uma defesa bem postada.

No segundo tempo, o alvinegro tentou trabalhar com a bola no chão e, sem organização, criou chances. Conseguiu fazer um gol, com Aloísio, o que fez com que time e torcida acreditassem no resultado. Mas logo depois, Wilson cometeu o erro que desmontou todo o time de novo. Mais uma derrota dolorida, ainda mais contra um adversário direto, e a Série B de 2013 fica mais perto.

Necessidade de vitórias, Fernandes vai passar por uma artroscopia no ombro, Loco Abreu vai demorar mais um pouco pra retornar e Vasco e Galo fora de casa pela frente. Tá bom de problema?

Vi o segundo tempo sentado na arquibancada, e deu pra sentir a perplexidade e a impotência de muito torcedor diante da situação do Figueirense. Restou levantar e ir embora com tristeza.


sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Joinville é SC na final da Liga Futsal

Carlos Junior / Notícias do Dia
O torcedor que lotou o Centreventos na noite de ontem sofreu um bocado para, finalmente, ver o time da Krona/Joinville na decisão da Liga Futsal. Com tanta expectativa e investimento, a decisão era praticamente uma obrigação.

E Fernando Ferreti vai para a sua oitava decisão seguida na Liga tendo que fazer o time suar muito, depois de ver o time construir uma grande vantagem no jogo de ida e tomar um susto com a vitória da ACBF no tempo normal, o que silenciou o ginásio.

A Krona não foi nem sombra da partida no Rio Grande do Sul. Sem vibração, assistiu à criação de jogadas do time gaúcho, que foi construindo a vantagem que levaria o jogo para a prorrogação. O time da casa fez uma tentativa de garantir a vaga no tempo normal, conseguiu fazer um gol, mas com goleiro-linha em quadra, o risco de tomar gol é maior do que fazer, e a ACBF garantiu uma tensa prorrogação.

No tempo extra, Julio chegou a perder um tiro direto, e os 10 minutos de jogo na prorrogação pareceram uma eternidade. Fechadinha, a Krona segurou o resultado e vai para a decisão contra a Intelli, de Falcão.

Aliás, Falcão e Joinville são duas palavras que não combinam muito juntas. Já aconteceram confusões homéricas desde o tempo de Malwee que criou uma relação de ódio entre as duas partes. Mas acho que dessa vez vai ser diferente. Falcão tem respeito por Ferreti, onde os dois fizeram uma parceria vitoriosa nos clubes e na seleção, e isso é determinante para que o camisa 12 não invente de fazer gracinha e resolva jogar sem provocações. Ferreti, aliás, já tomou iniciativa no twitter nessa madrugada, dizendo que "quer dar um abraço" no craque adversário na decisão.

Uma final sem favorito, onde Joinville luta para trazer de volta para Santa Catarina o título da Liga Nacional, que já foi conquistado por grandes equipes daqui. Atual campeão da Taça Brasil, conquistada lá em Orlândia, a Krona quer colocar o seu lugar na história da Liga Futsal.


quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Credenciamento de Imprensa para o JASC 2012

A Comissão Central Organizadora (CCO) dos 52º Jogos Abertos de Santa Catarina (Jasc) abriu o credenciamento para fornecimento de alimentação a jornalistas durante a realização dos Jasc.

O cadastro de interessados deve ser feito até o dia 25 de outubro pela internet. O credenciamento será limitado a dois profissionais por veículo de comunicação. Mais informações pelos telefones (49) 3563-0212 ou (49) 9912-6736 ou ainda pelo e-mail assessoriajasc2012@gmail.com.

A etapa estadual dos 52º Jasc ocorrerá de 6 a 17 de novembro em Caçador, no Meio-Oeste do Estado. As etapas classificatórias para a disputa em Caçador serão realizadas de 9 a 15 de outubro nas cidades de São Ludgero, Xanxerê, Joaçaba e Canoinhas. Os campeões e vices de cada modalidade garantem vaga na fase estadual.

Acesse o formulário de credenciamento para o JASC clicando aqui

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Avaí vai de Argel pra tentar ir pra A

Ainda procuro uma explicação lógica para saber o que levou o Avaí a contratar Argel Fucks para comandar o time, depois da demissão de Hémerson Maria e da pobre campanha que ele fez no rival Figueirense até um tempo atrás.

A teoria mais próxima que encontrei foi a mesma que aconteceu no Figueira quando da saída de Branco, que foi demitido após a final do Estadual e, pela proximidade e facilidade pra negociar, fechou contrato em uma ligação. Foi igual: demissão rápida, o clube viu o que era mais rápido e o negocio foi feito a toque de caixa.

Hoje vai ser um dia interessante: o Avaí marcou uma "coletiva de despedida" de Hémerson Maria e Cléber Santana a tarde, para depois Argel soltar aquele seu discurso que conhecemos. Coletiva essa em que a torcida está se mobilizando nas redes sociais para colocar o maior número de pessoas possível por lá.

Bom, já soube por amigos da imprensa de Floripa que teve jogador torcendo o nariz com a notícia do novo técnico. Agora, oficialmente, a família que levou o Leão ao título estadual está desfeita, o vestiário avaiano trocará o discurso do paizão pelo "vamo lá, porra" e as frases de efeito de Argel. Não é o modelo de técnico que eu imaginava, até porque tem uma temporada 2013 pra planejar, mas o que está feito não pode ser mudado.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Hémerson e Lodetti fora. Um é surpresa, outro não. Noite que Floripa parou

Foi um negócio incrível. Simultaneamente, o Avaí divulgou em seu twitter que Hémerson Maria havia sido demitido, e o Figueirense soltou nota de que Nestor Lodetti havia renunciado de vez ao cargo de presidente. Foi um dia movimentado desde a primeira hora da manhã, onde já se anunciava a saída do agora ex-presidente alvinegro, pressionado pela família e que estava "curtindo" suas férias. Agora, a saída de Maria foi muito surpreendente. Ninguém esperava, e diretores do Avaí também ficaram surpresos. Sua queda foi decisão única e exclusiva de Zunino e Marcelinho Paulista.

O Avaí disse que demitiu Hémerson pelos maus resultados. Ok, mas vamos dissecar: além da campanha não ser culpa dele, já que o time sofre da má qualidade e com um camisa 10 que dá uma sobrevida no meio de um grupo de futebol de razoável pra baixo, o time ainda perderá dois de seus principais jogadores que Zunino declarou há pouco mais de um mês que não abriria mão. Contradição, né?

Nada me tira que o agora ex-técnico, que é um ídolo para a torcida e um exemplo de profissional para este blogueiro, foi bater de frente com a diretoria, que lhe exige resultado mas não colabora nem um pouco para que o elenco tenha qualidade, se interessando por jogadores do quilate de Negueba para o lugar de Cléber Santana. A corda roeu do lado mais fraco.

Agora vamos ver qual a receita mágica que a diretoria avaiana, desacreditada com tantas trapalhadas seguidas, vai usar daqui pra frente. O torcedor já jogou a toalha e está já pensando em 2013. Hémerson poderia fazer a montagem do elenco da forma mais fácil. Mas não é assim que Marcelinho e Zunino pensam. Com dois meses de salários atrasados e perdendo o craque para fazer caixa, não tem planejamento que resista.

Do outro lado da ponte, a saída de Nestor Lodetti era questão de tempo. Ele já tinha dado a entender que não permaneceria, e a noite veio apenas a oficialização do processo. Agora, Odorico Durieux assume a presidência, já tendo declarado que não gostaria de permanecer em definitivo. Na prática nada muda. Talvez a Alliance ganhe mais força, já que o seu maior adversário está fora do contexto e, pelo que chega, o conselho de gestão está em suas mãos. Sem oposição, o parceiro poderá executar seu planejamento com a bênção dos conselheiros, que já articulam uma reformulação do contrato. Muitos comemoram a saída de Nestor, com a ponta da preocupação do "o que será o futuro?".

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Sem Cléber Santana e Renato, Feliz 2013, Avaí

A imprensa carioca dá o negócio como certo e o Avaí vai soltar uma notinha hoje a tarde dizendo que Cléber Santana e Renato Santos vão para o Flamengo.

O presidente Zunino não cumpriu com a sua palavra dada há um mês no jornal Notícias do Dia, quando falou textualmente "não abro mão do Cléber Santana". Há um contrato vigente, de empréstimo do São Paulo, o qual estou muito curioso em saber os detalhes do negócio com o Fla.

Todos sabem que, com isso, o Avaí enterra o sonho do acesso à Série A neste ano. Diante de um quadro nada animador, ele foi a engrenagem mestra que conseguiu fazer a máquina desregulada girar. E Renato também tem sua importância. A dupla de defesa com Leandro Silva ajudou muito na conquista do Estadual. Com Leandro fora de combate, outro setor fica mais comprometido do que já estava.

Não sei que jogadores virão do Flamengo, mas também não interessa. Nenhum deles é titular de Dorival Junior, num time que namora com a zona de rebaixamento. Tecnicamente, não há vantagem alguma nesse negócio, onde repito, estou curioso pra saber qual a receita mágica que fez o presidente não honrar com o que falou no mês passado.

Negócio onde só um lado ganha não pode ser considerado coisa boa. E se for verdade que o Negueba vem em troca, só pode ser piada.

domingo, 16 de setembro de 2012

Voltando da Liga Nacional, futsal feminino de Brusque sofre acidente na BR 470

Site Plantão Policial SC
Uma triste notícia pro esporte brusquense neste domingo. Após conquistar a melhor campanha na primeira fase da Liga Nacional feminina, com 100% de aproveitamento em Caçador, a van que trazia equipe do Barateiro Futsal de volta para Brusque sofreu um acidente na BR 470, na região de Indaial, na madrugada de domingo.

Um Chevette conduzido por Paulo Ezequiel Rodrigues dos Santos, 28, que estaria embriagado invadiu a pista contrária e bateu de frente com a Van da Prefeitura de Brusque, com 16 pessoas a bordo. Uma jovem de 15 anos, Juciane Dienifer Tescke, que estava no Chevette, faleceu na manhã de domingo no Hospital Beatriz Ramos, em Indaial.

Preocupa a situação do time, que terá pela frente as quartas-de-final da Liga. Segundo informações da diretoria do Barateiro, nenhuma integrante da delegação corre maiores riscos. Apenas oito jogadoras em condições viajarão para Guarulhos, nesta segunda, para disputar a Taça Brasil sub-20.

A presidente do clube, Daniela Civinski, se recupera de fratura no pé. Das atletas, Luísa sofreu uma pancada na perna, Ketlin e Iporã  tiveram que passar por aplicação de pontos na perna, Japa sofreu pontos no pé e Luana pontos no pé e rosto.
Torcemos pela rápida recuperação do time, que tem condições reais de conquistar o título nacional neste ano.

Mais informações sobre o acidente, clique aqui


Fechado, Figueira segurou o resultado até quando o árbitro quis

Resultado dolorido e polêmico essa derrota do Figueirense em Salvador.

Existem dois pontos a analisar: primeiro, a postura do time. Segundo, o erro da arbitragem, que está causando uma grande divisão. Tenho minha opinião formada sobre o lance, mas não vai mudar o resultado.

O Bahia pressionou, perdeu chances, e o Figueira demorou um pouco para se acertar, no primeiro tempo. Quando conseguiu se ajustar, o time tomou a iniciativa do ataque e conseguiu abrir um placar diante de um adversário que estava sentindo a melhor organização alvinegra, com a boa partida de Botti. Jogando em um Pituaçu lotado, sair na frente e segurar o resultado é tarefa complicada. O problema é que o time do segundo tempo não foi o mesmo do primeiro.

Botti saiu (alegando cansaço) e a única válvula de escape na criação foi para o espaço. Já começando a sentir o preparo físico diante de tanta pressão, o Bahia vinha de todos os lados, fazendo Wilson trabalhar muito. Ele vinha salvando a pátria com chutes de todos os lados, até um cruzamento bem semelhante ao gol de Julio César, que acabou no empate do time da casa. Com o goleiro alvinegro inspirado, o pontinho conquistado, diante da situação, era bem-vindo, até que o árbitro resolveu aparecer.

Na minha opinião, houveram duas irregularidades do lance. Primeiro o carrinho em si do atacante do Bahia, que, desesperado e vendo que a bola estava mais para Wilson que pra ele, aplicou um carrinho desproporcional que atingiuem cheio o goleiro, que, fora de combate, não teve como levantar e tentar uma defesa, configurando o segundo problema. O árbitro tremeu em um estádio lotado, diante de um time que não era nem um Corinthians nem um Flamengo da vida, simples assim.

Assim como escrevi depois da operação no Joinville ontem, as arbitragens ruins, ainda mais nesse ano, fazem parte da projeção no Brasileirão. Acontece que o Figueirense não tem uma tolerância para perder pontos, na luta contra o rebaixamento. E é aí que a derrota dói mais. O time queria usar da sorte ao se retrancar em excesso para conquistar um pontinho. A coisa até ia bem, mas o árbitro pensava de outra forma.