sábado, 27 de abril de 2013

O detalhe que mudou o jogo. Chape feliz com o empate

Luiz Henrique / Figueirense FC
Não bastasse a má notícia antes do início do jogo que Douglas Silva não enfrentaria a Chapecoense, um gol de Fabinho Alves com 15 segundos de partida mudou todo um panorama anunciado e planejado para o primeiro jogo da semifinal. Esqueça o Figueirense que viria empurrado pela sua torcida para tentar esticar o placar. Virou desespero alvinegro contra um valente time verde que aguentou a pressão por 82 minutos, sendo 17 deles com um homem a menos em campo. O empate com o gol de Ricardinho no final do jogo não teve um gosto dos melhores.

Contra um time que começou o jogo vencendo, o abafa deveria ser maior. O Figueirense não conseguiu ter forças para virar o jogo. Desorganizado, conseguiu o gol com a falha de marcação de Paulinho Dias. Empatou, e vai ter que vencer no Oeste para ir à final.

O detalhe que mudou um jogo logo no pontapé inicial. Ducha de água bem gelada para o Figueirense, uma bomba de motivação na Chape, que compensou a queda de qualidade do seu futebol com muita vontade. O time foi guerreiro, segurou bem o adversário, com uma linha de zaga bem postada e, sobretudo, tranquila. Rafael Lima deu conta de segurar Marcelo Toscano, e sem uma referência, as jogadas alvinegras não deram frutos. Nivaldo foi outro nome que merece destaque, com duas importantes defesas.

A Chapecoense não criou uma chance de perigo além do gol, e nem precisava. Com o regulamento nas mãos e do jeito que conseguia segurar o Figueira, se expor não era o caminho certo. O adversário que tinha que cuidar pra não dar a opção do contra-ataque.

E agora, o que Adilson Batista fará no jogo de volta? Que receita usará para dar mais organização e força a um ataque que tem sérias dificuldades de passar sob forte marcação? Pesa também contra o Figueira a falta de uma opção de qualidade no banco de reservas. A situação poderia ser pior para o alvinegro, mas não é nada boa. Prevendo um segundo jogo de um time pressionando contra um jogando em casa, com uma boa defesa e louco para engatar um contra-ataque, boas emoções vem por aí.

Aqueles quinze primeiros segundos de jogo podem ter sido os decisivos das semifinais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário