sexta-feira, 21 de junho de 2013

Segundona: clubes tem dificuldades com parceiros. Brusque lidera

Faltando três rodadas para o final do primeiro turno da Divisão Especial, a segundona de Santa Catarina, o Brusque lidera com dois pontos de vantagem sobre o Porto, seu principal concorrente, que empatou com o Caçador em 2 a 2 nesta quinta. Tudo indica que o Bruscão de Rogério Perrô, que tem dois jogos em casa, encaminhe a conquista da primeira vaga no quadrangular final com um ponto de bonificação.

Mas a segundona também mostra o seu outro lado, de clubes que esbarram em dificuldades, não se entendem com seus parceiros ou simplesmente levaram rasteiras, ainda faltando todo um returno pela frente.

Em Itajaí, Marcílio Dias e LA Sports não falam a mesma língua. Publicamente, em matéria ao jornal Diarinho, tanto o presidente quanto o diretor de futebol se mostraram decepcionados com a campanha do time, que ainda não venceu na Série D e marcou apenas 11 pontos em seis partidas na Divisão Especial de SC. A situação caminha para um rompimento de parceria, segundo os dirigentes. O presidente quer demitir o técnico Paulo Turra, mas a LA segura. (Atualização das 10:41: O clube acaba de demitir o técnico)  Nessa indefinição, o time já perdeu a primeira chance de se garantir nas finais da segundona. Com um time-base do Operário-PR, o Marinheiro ainda não embalou, e a diretoria parece não ter muita paciência. Dinheiro o clube tem, mas o time não encaixou.

O Imbituba tem uma parceira curiosa, com uma empresa chamada Swiss Group Companies, que segundo o seu site, trabalha com formas limpas de energia, como biomassa. Sua presidente, Edda Silvestro, já esteve envolvida em vários problemas em transferências de jogadores para a Itália, como relata matéria da revista "Placar" de 1989. Ela fechou parceria com o presidente do Imbituba, Roberto Rodrigues, e colocou um gestor para cuidar do clube. Até agora a campanha é ruim, com apenas seis pontos na Divisão Especial, e o time não fez o pagamento da arbitragem em nenhum dos três jogos como mandante no campeonato, conforme informam as súmulas. Vai ser julgado no TJD e pode ser suspenso.

E a última história aconteceu com o Canoinhas, lanterna do campeonato sem conquistar um ponto sequer. O clube, que comprou a vaga do Biguaçu e migrou para o planalto norte, já está no seu quarto treinador apenas na sexta rodada, sem conseguir os resultados. Nesta quinta, Paulo Henrique Poltronieri, um dos dirigentes do CAC, atirou pra cima do coreano Hur Yunny, que seria seu parceiro no clube. Segundo PH em seu perfil em uma rede social, "Os coreanos vieram para Canoinhas, exigiram varias coisas e prometeram custear esses gastos. Mas isso nao ocorreu.. Ao chegarmos para entregar o café da manhã, onde os mesmos tinham combinado com o presidente do clube para o acerto de contas pendentes, fomos surpreendidos, pois tinham ido embora, sorrateiramente... E acreditem: levaram até as roupas de cama que compramos: cobertores, lençois, travesseiros, até mesmo alimentação... Resumindo ficamos com uma divida de 5 mil reais... E além das contas nossa credibilidade na cidade foi manchada, abusaram de nossa boa vontade e confiança".

Mais algumas histórias do futebol de Santa Catarina.


Nenhum comentário:

Postar um comentário